Terça-feira, 21 de Agosto, 2018
Estudo

Jornalismo de investigação em crise por falta de suporte financeiro

“Podíamos pensar que não devia haver discussão a respeito da importância do jornalismo de investigação. Mas o colapso da base financeira do jornalismo nestes últimos 15 anos causou muitas vítimas, e uma das principais foi o campo da investigação. (...) O jornalismo de investigação passou a ser visto, cada vez mais, como um desperdício de tempo, custoso e ineficiente.” Esta reflexão faz parte da síntese de apresentação do novo relatório produzido pelo Global Investigative Journalism Network, que desmente o preconceito e demonstra o verdadeiro impacto do jornalismo de investigação, bem como o seu contributo essencial para uma vida democrática saudável.

“A revolução digital não está apenas a dilacerar, está de facto a destruir os modelos de negócio que produziram quase todo o jornalismo de qualidade neste quarto de século depois do Watergate”  -  afirma Richard Tofel, presidente da ProPublica, em texto publicado na Harvard Law Today. Este problema é particularmente agudo no que diz respeito à reportagem de investigação. 

“Cada vez mais, as empresas noticiosas sentem-se coagidas a investir os seus recursos numa cobertura rápida e frenética [fast and furious, no original], onde acham que vão obter mais proveito pelo dinheiro gasto [more bang for the buck, no original].” (...)

A verdade é que, como foi revelado na Stanford University, “se avaliarmos o custo da produção de grandes reportagens pelo valor em dólares dos resultados sociais produzidos, então o valor desse jornalismo é extraordinário. ‘Cada dólar gasto numa reportagem pode gerar centenas de dólares de lucro’ – escreve o economista James Hamilton no seu livro de 2016, Democracy’s Detectives.” 

Preet Bharara, que era em Setembro de 2016 o US Attorney [Procurador Público] do Distrito Sul de Nova Iorque, reconheceu a importância do jornalismo de investigação no seu próprio combate à corrupção naquela cidade: 

“Grande parte do melhor trabalho que os investigadores e vigilantes legais conseguem fazer vem do trabalho que os jornalistas fazem. Eu exortaria qualquer pessoa com capacidade para apoiar o jornalismo de investigação a investir dinheiro nele, porque é dinheiro bem gasto e é bom para o público.” (...) 

O texto que citamos, do GIJN, afirma ainda: 

“O jornalismo de investigação ilumina. Aponta um foco aos cantos mais escuros do comportamento humano, das empresas e dos governos. Revela os secredos que os malfeitores gostariam que continuassem ocultos. E desencadeia acção correctiva  -  das pessoas, das agências e das instituições que podem corrigir os males que ele expõe.” (...) 

O relatório agora apresentado revela que é possível “medir quantitativamente o impacto do jornalismo”, embora os instrumentos acessíveis “não sejam tão directos como a medição das audiências ou do tráfego de websites”: 

“Há muito a fazer nesta área, e tanto este como outros projectos semelhantes são apenas passos nessa direcção. Mas muito progresso tem sido feito em poucos anos. O que temos descoberto leva-nos a concluir que o impacto do jornalismo de investigação pode de facto ser avaliado, e que a sua influência é em proporção muito maior que o seu custo.” (...) 

 

O artigo citado, na íntegra, no GIJN, e o relatório Investigative Impact

Connosco
O perigo instrumentalizar a Rede para uma "guerra digital" Ver galeria

A relação entre os poderes instituídos e o novo poder das redes sociais passou por diversas fases. Houve um tempo em que alguns governos temeram a voz do povo na Internet, e fenómenos como as Primaveras Árabes, que derrubaram regimes instalados, levaram ao bloqueio destas plataformas. “Mas agora muitos governos descobriram que é mais útil intoxicar nas redes sociais do que proibi-las. E os trolls encarregam-se do resto.”

É esta a reflexão inicial do jornalista e empreendedor no meio digital Miguel Ossorio Vega, que faz uma síntese do ocorrido neste terreno nos últimos anos, chamando a atenção para o que considera serem os maiores perigos da ciberguerra em curso.

Quando o jornalista tem de mudar de "chip" para fundar um meio digital Ver galeria

No novo ambiente criado pela revolução digital, encontrar um modelo de negócio sustentável para o jornalismo continua a ser uma questão em aberto  - que foi discutida, uma vez mais, numa vídeo-conferência promovida pela International Journalists’ Network. A jornalista brasileira Priscila Brito, fundadora do site Negócio de Jornalista, esteve presente e conta que, em dado momento, uma das participantes mencionou que “uma etapa importante para se obter sucesso nessa tarefa é mudar o chip”:

“Ou seja, é preciso parar de pensar exclusivamente como jornalista e incorporar a lógica dos negócios.”

"É um processo que pode gerar resistência enorme a quem vem programado com o chip de jornalista  -  afinal, aprendemos que editorial e comercial devem (ou deveriam) estar tão separados como devem (ou deveriam estar) Igreja e Estado."
O Clube
O CPI – Clube Português de Imprensa voltou a participar no Prémio  Europeu Helena Vaz da Silva para a Divulgação do Património Cultural 2018,  instituído em 2013 pelo Centro Nacional de Cultura,  em cooperação com a Europa Nostra, a principal organização europeia de defesa do património,  que o CNC representa em Portugal.   O Prémio foi atribuído, este ano,  à...

ver mais >
Opinião
Trump contra o jornalismo
Francisco Sarsfield Cabral
Numa iniciativa inédita, mais de 300 órgãos de comunicação dos EUA manifestaram na quinta-feira repúdio contra os violentos ataques de Trump ao jornalismo.  Como jornalista com muitos anos de profissão, tenho pena de reconhecer que a qualidade do produto jornalístico baixou ao longo das últimas décadas. Mas importa perceber porquê. No século XIX o jornalismo resumia-se a… jornais impressos....
É inegável a importância da tomada de posição conjunta de 350 jornais americanos que, respondendo a um apelo do The Boston Globe, assinaram  editoriais simultâneos, rejeitando a política de hostilidade desencadeada pelo presidente Trump contra os media. A data de 16 de Agosto ficará para a História da Imprensa  americana ao assumir esta iniciativa solidária e absolutamente inédita, que mobilizou grandes...
O optimismo de Centeno
Luís Queirós
"A economia da zona Euro cresce há 20 trimestres consecutivos", disse Mário Centeno no Grémio Literário, na palestra, proferida no passado dia 22 de Maio passado, integrada no ciclo que ali decorre subordinado ao tema  "O estado do Estado: Estado, Sociedade, Opções", uma iniciativa do Clube de Imprensa, em parceria com o Centro Nacional de Cultura e com o Grémio Literário. O Ministro das Finanças de Portugal e presidente do...
Em meados do séc. XVIII, os parisienses que quisessem manter-se “au courant” àcerca do andamento da Guerra dos Sete Anos (iniciada em 1756) não tinham muitas escolhas. Se fizessem parte, dentre os 600 mil habitantes da capital francesa, da minoria que sabia ler – menos de metade dos homens e uma quarta parte das mulheres – e também estivessem entre os poucos privilegiados que podiam dar-se ao luxo de comprar um jornal, tinham três...