null, 23 de Setembro, 2018
Estudo

Redes sociais ganham em Espanha vantagem na informação sobre os “media” tradicionais

A televisão em Espanha perdeu globalmente três pontos percentuais na sua audiência, enquanto as redes sociais ganharam treze, verificando-se que a população menor de 34 anos utiliza aquelas redes como primeira fonte de informação.

Ainda que a televisão continue a ser a principal fonte de informação em Espanha, a importância das redes sociais tem vindo a aumentar progressivamente, segundo apurou a Encuesta de Impacto del Periodismo, relativa ao ano em curso, conforme revela um estudo realizado para a Asociación de la Prensa de Madrid (APM), com a qual o CPI mantém um acordo de parceria.

Ao serem questionados acerca de como haviam recebido a informação de actualidade na ultima semana, 75% dos espanhóis citava a televisão em primeiro lugar, enquanto 48% das noticias lhes chegavam através das redes sociais.

Em comparação com os dados do ano passado, a televisão perdeu terreno. É importante, aliás, realçar que, para os segmentos mais jovens da população – 15 a 24 e 25 a 34 anos – as redes sociais representam o essencial do seu espaço informativo.

Depois da televisão e das redes sociais os espanhóis informam-se, sobretudo, em publicações digitais (42%), rádio (41%) e jornais (25%).

O referido estudo da APM também indaga acerca da atitude dos espanhóis na hora de se informarem.

Ficou a saber-se, assim, que 77% respondeu que procura, pessoalmente, a informação de actualidade nos media tradicionais, ao mesmo tempo que 23% escolhem as redes sociais (Facebook e WhatsApp).

O estudo foi realizado telefonicamente, entre 2 e 14 de Outubro, com uma amostra certificada de 1002 pessoas, representativa do conjunto da sociedade espanhola, residente na península, Baleares e Canárias.

Este fenómeno de transferência de consumidores de informação para as redes sociais e outros meios digitais, não é novo, e em Portugal também tem vindo a progredir de uma forma arrasadora para a imprensa escrita, que não tem sabido reconfigurar-se para segurar os seus leitores, oferecendo-lhes contrapartidas qualitativas que não constam, obviamente, na lógica das redes sociais.


Por outro lado, tem-se verificado, e Portugal não é excepção, que os jornalistas acabam reféns do jogo das redes sociais, amplificando-as, enquanto perdem autonomia e iniciativa.

 

Imagem recolhida no instituto de estudos de mercado Cision

 

Connosco
CPI e "Tribuna de Macau" instituem Prémios de Ensaio e de Jornalismo da Lusofonia Ver galeria

O Prémio de Jornalismo da Lusofonia, instituído há um ano por iniciativa do jornal Tribuna de Macau, em parceria com o Clube Português de Imprensa, com o patrocínio da Fundação Jorge Álvares e o apoio do JL – Jornal de Artes, Letras e Ideias, reparte-se, nesta sua segunda edição, por dois: um aberto a textos originais, que passa a designar-se o Prémio Ensaio da Lusofonia, e outro que mantém o título de Prémio de Jornalismo da Lusofonia, destinado a textos já publicados, em suporte papel ou digital.

Mantém-se o espírito original de distinguir trabalhos “no quadro do desejado aprofundamento de todos os aspectos ligados à Língua Portuguesa, com relevo para a singularidade do posicionamento de Macau no seu papel de plataforma de ligação entre países de Língua Oficial Portuguesa”.

O Regulamento do Prémio de Lusofonia vem incluído na segunda imagem que acompanha este texto.

O efeito da revolução digital sobre a arquitectura das redacções Ver galeria

A transformação, no jornalismo, é tão rápida que até os novos termos ficam desactualizados sem que demos conta disso. Pior ainda, sem que os tenhamos sequer assimilado correctamente. É o caso da “convergência redaccional”, ou integração dos vários elementos da redacção no seu espaço reajustado. Esta reflexão é desenvolvida por Félix Bahón, jornalista, docente e investigador do Instituto para la Innovación Periodística, e foi publicada no nº 22 de Cuadernos de Periodistas, da Asociación de la Prensa de Madrid, com a qual mantemos um acordo de parceria.

O Clube

Lançado em Novembro de 2015, este site do Clube Português de Imprensa tem desenvolvido, desde então, um trabalho de acompanhamento das tendências dominantes, quer no mercado de Imprensa, quer nos media audiovisuais em geral e na Internet em particular.

Interessa-nos, também, debater o jornalismo e o modo como é exercido, em Portugal e fora de fronteiras,  cumprindo um objectivo que está na génese desta Associação.


ver mais >
Opinião
Costuma dizer-se que “no melhor pano cai a nódoa”. E assim aconteceu com o prestigiado jornal americano “The New New York Times” ao decidir publicar, como opinião, um artigo não assinado com o sugestivo titulo “I Am Part of the Resistance Inside the Trump Administration”, que dispensa tradução. Depois do saudável movimento, que congregou, recentemente, 350 jornais americanos, em resposta ao apelo do The Boston Globe,...
Trump contra o jornalismo
Francisco Sarsfield Cabral
Numa iniciativa inédita, mais de 300 órgãos de comunicação dos EUA manifestaram na quinta-feira repúdio contra os violentos ataques de Trump ao jornalismo.  Como jornalista com muitos anos de profissão, tenho pena de reconhecer que a qualidade do produto jornalístico baixou ao longo das últimas décadas. Mas importa perceber porquê. No século XIX o jornalismo resumia-se a… jornais impressos....
Em meados do séc. XVIII, os parisienses que quisessem manter-se “au courant” àcerca do andamento da Guerra dos Sete Anos (iniciada em 1756) não tinham muitas escolhas. Se fizessem parte, dentre os 600 mil habitantes da capital francesa, da minoria que sabia ler – menos de metade dos homens e uma quarta parte das mulheres – e também estivessem entre os poucos privilegiados que podiam dar-se ao luxo de comprar um jornal, tinham três...
Agenda
24
Set
Ateliê de Jornalismo Televisivo
09:00 @ Cenjor, Lisboa
24
Set
25
Set
The Radio Show
09:00 @ Orlando, Florida, USA