null, 23 de Setembro, 2018
Media

Turbulência na estrutura dirigente da Altice acentua papel de gestor português

O director executivo da Altice, Michel Combes, demitiu-se (ou foi demitido) do seu cargo, voltando o lugar a ser ocupado por Dexter Goei. O próprio patrão do grupo, Patrick Drahi, substitui este no lugar de chairman, ficando Dennis Okhuijsen como CEO da Altice para a Europa. Nos termos do comunicado da empresa, “esta nova estrutura representa um retorno à organização central que criou o sucesso do Grupo Altice; fornecerá uma liderança directa e clara das operações europeias para alcançar o seu potencial e continuar a apoiar a Altice EUA”. Nesta movimentação tem um papel importante o gestor português Armando Pereira.

Segundo o Jornal de Negócios, horas depois de conhecida esta reorganização, as acções da Altice estavam a reagir em alta na abertura da bolsa em Amesterdão, mas voltaram a cair durante o dia.

Como conta o Público, “no final de Setembro, corria pela imprensa francesa que o francês Michel Combes se sentia desconfortável com o regresso de Armando Pereira à empresa de que foi co-fundador (a Altice); Pereira chegou a ser presidente da PT. Na altura, fontes não identificadas ouvidas pelo jornal La Tribune admitiam a possibilidade de Michel Combes estar de saída do grupo. A Altice rejeitava tal cenário ‘por completo’.” 

Segundo Le Monde, foi Patrick Drahi quem tomou agora “decisões radicais”, começando por “cortar uma cabeça”  - a de Michel Combes, que era ao mesmo tempo director-geral da Altice e PDG da SFR, a sua filial em pior situação. 

“Patrick Drahi, que tinha progressivamente desaparecido do organigrama da Altice, regressa ao comando com o título de presidente. Mesmo sabendo que, na realidade, este homem de negócios esteve sempre a manobrar no seio do grupo.” (...) 

“Há outra nomeação considerada espectacular, a de Armando Pereira, co-accionista e co-fundador da Altice com Patrick Drahi. Este homem na sombra, que se tinha aliado ao empreendedor nos anos 1990, torna-se o director operacional da actividade de telecomunicações do grupo.” (...) 

Citando ainda Le Monde:

“Em Setembro, Armando Pereira, que tinha claramente más relações com Michel Combes, assumiu a direcção da SFR, na sequência da partida de Michel Paulin. (...) Desde o seu regresso, Pereira não desmente a sua reputação. Rolam cabeças sem aviso prévio. Segundo as nossas informações, o chefe da actividade ‘grande público’, Jean-Pascal Van Overbeke, soube, à sua chegada de férias, que estava despedido.” (...) 

Esta análise de Le Monde, que descreve em pormenor os movimentos dos últimos anos da Altice, nem todos bem sucedidos, termina deixando a pergunta sobre se Patrick Drahi conseguirá, desta vez, voltar a subir a encosta: 

“A médio termo, o grupo não tem problemas de tesouraria, mas a queda em bolsa [refere-se ao período do Verão] não passa sem consequências. Nos Estados Unidos, Patrick Drahi sonhava alargar o seu território. A baixa do título encarece o preço de qualquer aquisição, enquanto os investidores vão certamente reflectir duas vezes antes de lhe emprestarem novamente dinheiro.” 

 

Mais informação no Público, bem como no Jornal de Negócios e Le Monde

Connosco
CPI e "Tribuna de Macau" instituem Prémios de Ensaio e de Jornalismo da Lusofonia Ver galeria

O Prémio de Jornalismo da Lusofonia, instituído há um ano por iniciativa do jornal Tribuna de Macau, em parceria com o Clube Português de Imprensa, com o patrocínio da Fundação Jorge Álvares e o apoio do JL – Jornal de Artes, Letras e Ideias, reparte-se, nesta sua segunda edição, por dois: um aberto a textos originais, que passa a designar-se o Prémio Ensaio da Lusofonia, e outro que mantém o título de Prémio de Jornalismo da Lusofonia, destinado a textos já publicados, em suporte papel ou digital.

Mantém-se o espírito original de distinguir trabalhos “no quadro do desejado aprofundamento de todos os aspectos ligados à Língua Portuguesa, com relevo para a singularidade do posicionamento de Macau no seu papel de plataforma de ligação entre países de Língua Oficial Portuguesa”.

O Regulamento do Prémio de Lusofonia vem incluído na segunda imagem que acompanha este texto.

O efeito da revolução digital sobre a arquitectura das redacções Ver galeria

A transformação, no jornalismo, é tão rápida que até os novos termos ficam desactualizados sem que demos conta disso. Pior ainda, sem que os tenhamos sequer assimilado correctamente. É o caso da “convergência redaccional”, ou integração dos vários elementos da redacção no seu espaço reajustado. Esta reflexão é desenvolvida por Félix Bahón, jornalista, docente e investigador do Instituto para la Innovación Periodística, e foi publicada no nº 22 de Cuadernos de Periodistas, da Asociación de la Prensa de Madrid, com a qual mantemos um acordo de parceria.

O Clube

Lançado em Novembro de 2015, este site do Clube Português de Imprensa tem desenvolvido, desde então, um trabalho de acompanhamento das tendências dominantes, quer no mercado de Imprensa, quer nos media audiovisuais em geral e na Internet em particular.

Interessa-nos, também, debater o jornalismo e o modo como é exercido, em Portugal e fora de fronteiras,  cumprindo um objectivo que está na génese desta Associação.


ver mais >
Opinião
Costuma dizer-se que “no melhor pano cai a nódoa”. E assim aconteceu com o prestigiado jornal americano “The New New York Times” ao decidir publicar, como opinião, um artigo não assinado com o sugestivo titulo “I Am Part of the Resistance Inside the Trump Administration”, que dispensa tradução. Depois do saudável movimento, que congregou, recentemente, 350 jornais americanos, em resposta ao apelo do The Boston Globe,...
Trump contra o jornalismo
Francisco Sarsfield Cabral
Numa iniciativa inédita, mais de 300 órgãos de comunicação dos EUA manifestaram na quinta-feira repúdio contra os violentos ataques de Trump ao jornalismo.  Como jornalista com muitos anos de profissão, tenho pena de reconhecer que a qualidade do produto jornalístico baixou ao longo das últimas décadas. Mas importa perceber porquê. No século XIX o jornalismo resumia-se a… jornais impressos....
Em meados do séc. XVIII, os parisienses que quisessem manter-se “au courant” àcerca do andamento da Guerra dos Sete Anos (iniciada em 1756) não tinham muitas escolhas. Se fizessem parte, dentre os 600 mil habitantes da capital francesa, da minoria que sabia ler – menos de metade dos homens e uma quarta parte das mulheres – e também estivessem entre os poucos privilegiados que podiam dar-se ao luxo de comprar um jornal, tinham três...
Agenda
24
Set
Ateliê de Jornalismo Televisivo
09:00 @ Cenjor, Lisboa
24
Set
25
Set
The Radio Show
09:00 @ Orlando, Florida, USA