Segunda-feira, 16 de Julho, 2018
Fórum

A “talentocracia” como casta dirigente da nova era digital

Na “nova economia” da era digital, muitas empresas multinacionais “vivem obcecadas pela captação e retenção do talento como tábua de salvação para a sutentabilidade dos seus modelos de negócio”. Dirigentes de todo o mundo “lêem com taquicárdia cada novo ranking sobre as melhores empresas para trabalhar, as marcas mais valorizadas e as organizações com melhor reputação entre os seus empregados”. [Houve um tempo em que se lhe chamava brain drain...] Trata-se aqui da “talentocracia” que supostamente forma as lideranças da nova economia digital, e sobre a qual reflecte, com entusiasmo, ironia ou uma mistura das duas coisas, Salvador Molina, presidente do Foro Ecofin.

“O presente não importa e o futuro está por desenhar. É este o novo axioma do management contemporâneo. Silicon Valley e as GAFA (Google, Apple, Facebook e Amazon) geraram esta tendência no sentido de que a inovação e a gestão da mudança dependem das capacidades das suas equipas na hora de projectarem novos serviços, novos produtos e novos modelos de monetização.” 

“O entre-empreendimento é outro desses ‘mantras’ repetidamente pronunciados dentro das [empresas] tecnológicas. E tudo isso vem linearmente relacionado com o talento humano das suas equipas.” (...)  

A pessoa torna-se o “diamante em bruto” da competividade, contra os modelos de liderança “hierárquicos, mecanicistas e autocráticos”. “As empresas são transversais na sua ‘sociocracia’ de gestão interna. E a ‘talentocracia’ aparece como o cume dos sistemas de promoção interna.” (...) 

“As novas gerações são desligadas das grandes estruturas, das marcas de sempre e do emprego estável. O empreendedorismo torna-se mais sexy no séc. XXI. Os funcionários são uma espécie em perigo de extinção para os talentosos nativos digitais. O talento impõe-se e uma nova forma do governo da ‘talentocracia’ está a criar raízes na nossa Era Digital.” (...)

 

O texto citado, na íntegra, em Media-tics

Connosco
Vantagens dos Conselhos de Imprensa na autoregulação e deontologia profissional Ver galeria
Ao longo do séc. XX e início do XXI, muitos países instituíram os seus Conselhos de Imprensa, como órgãos profissionais de autoregulação da Comunicação Social. Há cerca de uma centena, dos quais 30 em países europeus. Mas é o Conselho de Imprensa do Québec, no Canadá  - agora com 45 anos -  que vem descrito como aquele com “a reputação mais forte”, sendo o que inspirou muitos dos que vieram a seguir. Não se trata, no texto que citamos, de o apresentar como modelo, porque “cada país tem, nesta matéria, uma história e uma abordagem próprias”, mas para aprender com a sua experiência e avaliar os limites do empreendimento.
Portugal teve, a seguir ao 25 de Abril, um Conselho de Imprensa, que foi extinto em 1990 em favor de uma Alta Autoridade para a Comunicação Social, e tem agora, desde 2005, uma Entidade Reguladora para a Comunicação Social.
CPI e "Tribuna de Macau" instituem Prémios de Ensaio e de Jornalismo da Lusofonia Ver galeria

O Prémio de Jornalismo da Lusofonia, instituído há um ano por iniciativa do jornal Tribuna de Macau, em parceria com o Clube Português de Imprensa, com o patrocínio da Fundação Jorge Álvares e o apoio do JL – Jornal de Artes, Letras e Ideias, reparte-se, nesta sua segunda edição, por dois: um aberto a textos originais, que passa a designar-se o Prémio Ensaio da Lusofonia, e outro que mantém o título de Prémio de Jornalismo da Lusofonia, destinado a textos já publicados, em suporte papel ou digital.

Mantém-se o espírito original de distinguir trabalhos “no quadro do desejado aprofundamento de todos os aspectos ligados à Língua Portuguesa, com relevo para a singularidade do posicionamento de Macau no seu papel de plataforma de ligação entre países de Língua Oficial Portuguesa”.

O Clube
O CPI – Clube Português de Imprensa voltou a participar no Prémio  Europeu Helena Vaz da Silva para a Divulgação do Património Cultural 2018,  instituído em 2013 pelo Centro Nacional de Cultura,  em cooperação com a Europa Nostra, a principal organização europeia de defesa do património,  que o CNC representa em Portugal.   O Prémio foi atribuído, este ano,  à...

ver mais >
Opinião
Público: uma tradição manchada
Francisco Sarsfield Cabral
No início do corrente mês de julho os leitores do diário “Público” foram surpreendidos pela notícia de que o seu diretor, o prestigiado jornalista David Dinis, se havia demitido. Por aquilo que veio a saber-se através da comunicação social e de afirmações da administradora do jornal Cristina Soares – que é a única informação que possuo – a demissão de D. Dinis ficou a...
Ao ler no centenário “Diário de Noticias” a noticia da extinção formal da sua edição em papel, de Segunda–Feira a Sábado , a partir de Julho, fica a saber-se que o seu actual director, o  jornalista Ferreira Fernandes, entrou em “oito cafés(…) a caminho do cinema S. Jorge onde decorreu a apresentação do novo jornal” e só “contou três pessoas a ler o jornal em...
Boa ideia, Pedro
Manuel Falcão
Trabalhei um pouco mais de dois anos literalmente lado a lado com o Pedro Rolo Duarte no Se7e, dividíamos a direcção. Partilhávamos uma sala onde todos os dias fabricávamos ideias para fazer ressuscitar o jornal e agitar as águas, que era uma coisa que nos entretinha bastante. Foram dois anos de intensas e produtivas discussões, de muita criatividade e de várias crises - e sempre nos apoiámos mutuamente dos ataques que...
O optimismo de Centeno
Luís Queirós
"A economia da zona Euro cresce há 20 trimestres consecutivos", disse Mário Centeno no Grémio Literário, na palestra, proferida no passado dia 22 de Maio passado, integrada no ciclo que ali decorre subordinado ao tema  "O estado do Estado: Estado, Sociedade, Opções", uma iniciativa do Clube de Imprensa, em parceria com o Centro Nacional de Cultura e com o Grémio Literário. O Ministro das Finanças de Portugal e presidente do...
Em meados do séc. XVIII, os parisienses que quisessem manter-se “au courant” àcerca do andamento da Guerra dos Sete Anos (iniciada em 1756) não tinham muitas escolhas. Se fizessem parte, dentre os 600 mil habitantes da capital francesa, da minoria que sabia ler – menos de metade dos homens e uma quarta parte das mulheres – e também estivessem entre os poucos privilegiados que podiam dar-se ao luxo de comprar um jornal, tinham três...
Agenda
22
Ago
28
Ago
Summer CEmp
09:00 @ Marvão