null, 23 de Setembro, 2018
Media

Converter textos em áudio é a nova moda para os grandes “media”

Há uma tendência nova no mercado de imprensa:  The New York Times' lançou um podcast diário, como já referimos noutra oportunidade neste site, com a particularidade de ter superado os 100 milhões de downloads em 9 meses.

Por seu lado, o Financial Times, como revela o site electrónico media-tics, num artigo assinado por Miguel Ormaetxea, está a lançar versões de áudio de boa qualidade para os seus artigos.

A edição de podcast para pequenos nichos consegue rentabilidades invulgares, com baixo investimento e alcança audiências significativas, sem passar pelos canais tradicionais.

Os assistentes de voz como o Alexa e o Google Home, além dos pesquisadores de áudio, vão impulsionar essa moda.

A inovação chegou aos grandes media que se deram conta que os podcasts são uma oportunidade para diversificar o acesso a um público alargado.

Um responsável do The New York Times, assinalou que este diário planeia um franchising em torno do êxito do The Daily, que regista já 3,8 milhões de ouvintes por mês.

No caso do Financial Times e no sentido de reduzir os custos de transformar o texto em áudio, está a trabalhar, em aliança com Amazon Polly, para concretizar uma tecnologia que viabiliza em apenas três segundos a conversão de artigos em áudio.

Note-se que alguns podcasts, protagonizados por profissionais com notoriedade na rádio, estão a chegar ao topo das audiências. Por exemplo, Pod Save de People e o podcast  Chapo Trap House.

Há outros exemplos bem sucedidos. É o caso de Sparkle Stories, uma empresa independente que distribui mais de mil histórias de áudio originais para crianças, cobrando pela subscrição 15 dólares por mês.

No termo de uma campanha entretanto lançada, a empresa já angariou 48 mil dólares. Os editores de livros também estão a apostar no áudio para recuperar leitores.

A empresa sueca Storytell já conta com uma biblioteca de 60 mil títulos e opera em 15 países. Aliou-se com a Planeta e a Penguin Random House para abrir uma brecha no mercado em espanhol e português.

A oferta de audiolivros na vizinha Espanha aumentou 33% num ano e espera-se que, em 2018, alcance 10% em facturação digital.

Em conclusão: o publico conecta-se cada vez mais com o áudio , seja para fazer desporto ou para aproveitar tempos mortos nos transportes colectivos.

No futuro com a condução automatizada de automóveis, milhões de pessoas terão uma nova disponibilidade e tempo livre para conectar-se e o áudio bem pode ser uma das suas opções.

 

Connosco
CPI e "Tribuna de Macau" instituem Prémios de Ensaio e de Jornalismo da Lusofonia Ver galeria

O Prémio de Jornalismo da Lusofonia, instituído há um ano por iniciativa do jornal Tribuna de Macau, em parceria com o Clube Português de Imprensa, com o patrocínio da Fundação Jorge Álvares e o apoio do JL – Jornal de Artes, Letras e Ideias, reparte-se, nesta sua segunda edição, por dois: um aberto a textos originais, que passa a designar-se o Prémio Ensaio da Lusofonia, e outro que mantém o título de Prémio de Jornalismo da Lusofonia, destinado a textos já publicados, em suporte papel ou digital.

Mantém-se o espírito original de distinguir trabalhos “no quadro do desejado aprofundamento de todos os aspectos ligados à Língua Portuguesa, com relevo para a singularidade do posicionamento de Macau no seu papel de plataforma de ligação entre países de Língua Oficial Portuguesa”.

O Regulamento do Prémio de Lusofonia vem incluído na segunda imagem que acompanha este texto.

O efeito da revolução digital sobre a arquitectura das redacções Ver galeria

A transformação, no jornalismo, é tão rápida que até os novos termos ficam desactualizados sem que demos conta disso. Pior ainda, sem que os tenhamos sequer assimilado correctamente. É o caso da “convergência redaccional”, ou integração dos vários elementos da redacção no seu espaço reajustado. Esta reflexão é desenvolvida por Félix Bahón, jornalista, docente e investigador do Instituto para la Innovación Periodística, e foi publicada no nº 22 de Cuadernos de Periodistas, da Asociación de la Prensa de Madrid, com a qual mantemos um acordo de parceria.

O Clube

Lançado em Novembro de 2015, este site do Clube Português de Imprensa tem desenvolvido, desde então, um trabalho de acompanhamento das tendências dominantes, quer no mercado de Imprensa, quer nos media audiovisuais em geral e na Internet em particular.

Interessa-nos, também, debater o jornalismo e o modo como é exercido, em Portugal e fora de fronteiras,  cumprindo um objectivo que está na génese desta Associação.


ver mais >
Opinião
Costuma dizer-se que “no melhor pano cai a nódoa”. E assim aconteceu com o prestigiado jornal americano “The New New York Times” ao decidir publicar, como opinião, um artigo não assinado com o sugestivo titulo “I Am Part of the Resistance Inside the Trump Administration”, que dispensa tradução. Depois do saudável movimento, que congregou, recentemente, 350 jornais americanos, em resposta ao apelo do The Boston Globe,...
Trump contra o jornalismo
Francisco Sarsfield Cabral
Numa iniciativa inédita, mais de 300 órgãos de comunicação dos EUA manifestaram na quinta-feira repúdio contra os violentos ataques de Trump ao jornalismo.  Como jornalista com muitos anos de profissão, tenho pena de reconhecer que a qualidade do produto jornalístico baixou ao longo das últimas décadas. Mas importa perceber porquê. No século XIX o jornalismo resumia-se a… jornais impressos....
Em meados do séc. XVIII, os parisienses que quisessem manter-se “au courant” àcerca do andamento da Guerra dos Sete Anos (iniciada em 1756) não tinham muitas escolhas. Se fizessem parte, dentre os 600 mil habitantes da capital francesa, da minoria que sabia ler – menos de metade dos homens e uma quarta parte das mulheres – e também estivessem entre os poucos privilegiados que podiam dar-se ao luxo de comprar um jornal, tinham três...
Agenda
24
Set
Ateliê de Jornalismo Televisivo
09:00 @ Cenjor, Lisboa
24
Set
25
Set
The Radio Show
09:00 @ Orlando, Florida, USA