Sábado, 17 de Novembro, 2018
Novas iniciativas

Web Summit: uma espécie de Parlamento sobre o uso das novas tecnologias

“A Web Summit é como se fosse um Parlamento: facilita discursos e debates diversificados, alcança uma maior variedade de temas, como os impostos, os vícios, os perigos da inteligência artificial ou monopólios que estão a crescer.” A afirmação é de Paddy Cosgrave, fundador e presidente executivo da Web Summit, que se reúne pela segunda vez em Lisboa, entre 6 e 9 de Novembro. “Acho que se não discutirmos estas coisas estaríamos a trair alguma da nossa responsabilidade pública enquanto aglutinador do sector tecnológico, talvez o aglutinador tecnológico mais global do mundo”, acrescenta. 

Algumas das suas declarações podem parecer surpreendentes da boca de um “guru” das novas tecnologias, que para muitos são uma espécie de “brinquedos novos” sem contra-indicações.  

Em entrevista ao Observador, que aqui citamos, Paddy Cosgrave revela-se preocupado com o espírito dominante em Silicon Valley:  

“Acho que a coisa que mais me desilude é a amnésia coletiva de Silicon Valley; não percebem que Silicon Valley nunca foi um centro de empreendedorismo, de investimento privado, é um centro de investimento massivo do Estado. Foi uma subsidiária do Pentágono norte-americano que, durante décadas e décadas não estava a produzir empresas de tecnologia vencedoras a nível mundial. E por isso tornou-se num centro massivo de Investigação & Desenvolvimento do governo norte-americano”, conta. (…) 

“O chip que faz este telemóvel funcionar se calhar nasceu para guiar mísseis. Muita desta tecnologia principal emerge de um sistema muito deliberado e muito consciente de parcerias com o Estado e de I&D para a Defesa”, explica, acrescentando que “as raízes de Silicon Valley assentam num envolvimento massivo do governo” e que hoje muitas destas empresas esquecem a sua história prévia”. (…) 

Paddy tem 34 anos e é presidente de uma conferência de tecnologia que pôs Paris, Lisboa e Amesterdão a competir para recebê-la. 

“A vontade do Governo português em trazê-la para Lisboa foi tal que o Turismo de Lisboa, Turismo de Portugal e a AICEP – Portugal Global investiram 1,3 milhões de euros para convencer o irlandês a escolher a capital portuguesa. O acordo foi assinado por três anos — 2016, 2017 e 2018 — com possibilidade de estender por mais dois. No entanto, é ele quem diz que é por causa dos telemóveis (que naquele momento estavam desligados) que estamos a criar a geração mais solitária de sempre.” 

“Os adolescentes nunca estiveram tão ligados uns aos outros, mas nunca estiveram tão sós. É uma contradição”, afirma. Qual o papel de uma conferência com o alcance e impacto da Web Summit para travar isto? “Acho que estamos a começar a ter diferentes visões, opiniões sobre inteligência artificial, sobre vícios e sobre a responsabilidade dos governos na protecção das crianças. A China já está a liderar este caminho: estão a introduzir activamente sistemas que protejam as crianças de alguns dos efeitos que a utilização extensiva dos telemóveis pode estar a ter na sua saúde mental. Se a China consegue fazer isto numa escala de 1,5 mil milhões de pessoas, tenho a certeza que os desafios para um país como Portugal são muito menores, sublinha. 

De entre os muitos oradores que vão ocupar o palco principal da Web Summit, podemos destacar quatro portugueses: José Neves, Sara Sampaio, António Guterres e Carlos Moedas. A proposta é do Observador, que começa por seleccionar 24 dos mais de mil inscritos para falar, e estes são os nossos quatro nacionais nessa lista final. 

José Neves, apresentado como “o português que já emprega 2.000 pessoas no mundo”, fundou em 2008 a Farfetch, plataforma online de comércio de marcas de luxo, que se tornou em 2015 na única startup portuguesa avaliada em mil milhões de dólares, o chamado “unicórnio”. Hoje com escritórios em Portugal (Guimarães, Leça do Balio e Lisboa), Reino Unido, Japão, China, Estados Unidos e Rússia, a Farfetch “iniciou-se na instabilidade dos negócios das startups: passou por seis rondas de financiamento até chegar à categoria de ‘unicórnio’. (…) A empresa vende hoje para 190 países, de um catálogo de cerca de 750 designers e boutiques de moda de luxo. Na Web Summit, vai falar sobre a liderança dos líderes e sobre a customização da indústria da moda”. 

Sara Sampaio é apresentada como “a primeira portuguesa a tornar-se top model — um estatuto da indústria da moda que poucas modelos conseguem atingir –, o único anjo português da “Victoria’s Secrete a primeira modelo portuguesa a ser fotografada para a revista Sports Illustrated Swimsuit Issue”. 

As duas personalidades políticas que se seguem não necessitam, como se diz nestas circunstâncias, de qualquer apresentação: 

António Guterres, secretário-geral das Nações Unidas desde 1 de Janeiro de 2017, foi definido pela embaixadora dos EUA na ONU como “o homem para [este] trabalho em tempos tão desafiantes”. “Enfrentamos um número de desafios sem precedentes”, disse, exemplificando: nova ameaça do terrorismo no mundo, tráfico de pessoas, mudanças climáticas. É sobre estes desafios que vai falar. 

Carlos Moedas, actual Comissário europeu para a Investigação, Ciência e Inovação, tem a seu cargo o programa de financiamento comunitário Horizonte 2020, dedicado a apoiar projectos de investigação e inovação – três empresas portuguesas foram seleccionadas. Na Web Summit, vai falar sobre o papel da Europa enquanto capital da inovação.

 

Mais informação no suplemento Especial do Observador, sobre a Web Summit

Connosco
Bettany Hughes, Prémio Europeu Helena Vaz da Silva a comunicar história e património cultural Ver galeria

A historiadora britânica Bettany Hughes, que recebeu este ano o Prémio Europeu Helena Vaz da Silva para a Divulgação do Património Cultural, sublinhou a importância da memória em toda a actividade humana, mesmo quando se trata de criar um mundo novo. Reconhecida, tanto a nível académico como no da divulgação científica pela televisão, explicou o seu percurso nesta direcção, que “não foi fácil”, como disse, e terminou com um voto pela “paz e a vida, e ao futuro poderoso da Cultura e da herança”.

Guilherme d’Oliveira Martins, anfitrião da cerimónia, na qualidade de administrador da Fundação Calouste Gulbenkian, apresentou Bettany Hughes como “uma historiadora que dedicou os últimos vinte cinco anos à comunicação do passado”, não numa visão retrospectiva, mas sim com “uma leitura dinâmica das raízes, da História, do tempo, das culturas, dos encontros e desencontros, numa palavra: da complexidade”.

Graça Fonseca, ministra da Cultura, evocou a figura de Helena Vaz da Silva pelo seu “contributo de excepção para a cultura portuguesa, quer enquanto jornalista e escritora, quer na sua vertente mais institucional”, como Presidente da Comissão Nacional da UNESCO e à frente do Centro Nacional de Cultura.

Para Dinis de Abreu, que interveio na sua qualidade de Presidente do Clube Português de Imprensa, Bettany Hughes persegue, afinal, um objectivo em tudo idêntico ao que um dia Helena Vaz da Silva atribuiu aos seus escritos, resumindo-os como “pequenas pedras que vou semeando”:

“Sabe bem evocar o seu exemplo, numa época instável e amiúde caótica, onde a responsabilidade se dilui por entre sombras e vazios, ocupados por populismos e extremismos, de esquerda e de direita, que vicejam e agravam as incertezas” – disse.

Marçal Grilo abre novo ciclo de jantares-debate em Novembro Ver galeria

O Clube Português de Imprensa, o Centro Nacional de Cultura e o Grémio Literário juntam-se, novamente,para promover um novo ciclo de jantares-debate, desta vez subordinado ao tema “Portugal: que País vai a votos?

Será orador convidado, no próximo dia 22 de Novembro, Eduardo Marçal Grilo, antigo ministro da Educação e administrador da Fundação Gulbenkian, que tem dedicado à problemática do ensino e às causas da cultura e da ciência o essencial da sua actividade de intelectual, de homem político e enquanto docente.

O Clube

Foi em Novembro de 2015 que o Clube Português de Imprensa criou este site, consagrado à informação das suas actividades e à divulgação da actualidade relacionada com o que está a acontecer, em Portugal e no mundo, ao jornalismo e aos   jornalistas.

Temos dedicado , também, um espaço significativo às grandes questões em debate sobre a evolução do espaço mediático, designadamente,  em termos éticos e deontológicos,  a par da  transformação das redes sociais em fontes primárias de informação, sobretudo  por parte das camadas mais jovens.


ver mais >
Opinião
O jornalismo estará a render-se à subjetividade, rainha e senhora de certas redes sociais. As ‘fake news’ e o futuro dos media foram dos temas mais falados na edição de 2018, da Web Summit. Usadas como arma de arremesso político e de intoxicação, as notícias falsas são uma praga. Invadem o espaço público, distorcem os factos, desviam a atenção, comprometem a reflexão. E pelo caminho...
As notícias falsas e a internet
Francisco Sarsfield Cabral
As redes sociais são, hoje, a principal fonte de informação, se não mesmo a única, para imensa gente. O combate às “fake news” tem que ser feito, não pela censura, mas pela consciencialização dos utilizadores da net. Jair Bolsonaro foi eleito presidente do Brasil graças à utilização maciça das redes sociais. A maioria dos jornais brasileiros de referência não o apoiou, o...
1.Segundo um estudo da Marktest sobre a utilização que os portugueses fazem das redes sociais 65.9% dos inquiridos referem o Facebook, 16.4% indicam o Instagram, 8.3% oWhatsApp, 4% o Youtube e 5.4% outras redes. O estudo sublinha que esta predominância do Facebook não é transversal a toda a população: “Entre os jovens utilizadores de redes sociais, os resultados de 2018 mostram uma inversão das redes visitadas com mais...
Há cerca de um ano, António Barreto  costumava assinar uma assertiva coluna de opinião no Diário de Noticias, entretanto desaparecida como outras, sem deixar rasto. Numa delas,  reconhecia ser “simplesmente desmoralizante. Ver e ouvir os serviços de notícias das três ou quatro estações de televisão” . E comentava, a propósito,  que  “a vulgaridade é sinal de verdade. A...
Agenda
19
Nov
21
Nov
22
Nov
Westminster Forum Projects
09:00 @ Londres, Reino Unido
23
Nov
#6COBCIBER – VI Congresso Internacional de Ciberjornalismo
09:00 @ Faculdade de Letras da Universidade do Porto