Segunda-feira, 16 de Julho, 2018
Opinião

As redes sociais e o passado

por Francisco Sarsfield Cabral

O semanário britânico The Economist, geralmente um entusiasta do progresso científico e tecnológico, dedicou a capa e o primeiro editorial de um seu recente número a uma crítica severa às redes sociais. Estas, em vez de contribuírem para o esclarecimento público e o debate racional (como inicialmente se esperava), multiplicam mentiras e falsidades – por exemplo, as milhares de intromissões russas no Facebook e no Google. As redes sociais espalham veneno, afirma o Economist. Por isso as considera uma ameaça à democracia.

Essas redes, escreve o Economist, amplificam as divisões existentes na sociedade e tiram dignidade à vida política. Como não há contraditório, reforçam os preconceitos das pessoas. E como circulam na internet numerosos textos anónimos, revelam cobardia, permitindo a impunidade das calúnias. Além disso, segundo o Economist, as redes sociais dão grande relevo a escândalos e à baixa política, que assim se torna cada vez mais agressiva e desagradável, afastando as pessoas.

 

Julgo que o semanário britânico tem razão. Mas, quando essas críticas foram publicadas (3 de Novembro), calhou eu estar a ler uma longa e excelente biografia de Alexander Hamilton, de Ron Chernow. É um livro que mostra como foram complicadas as primeiras décadas dos Estados Unidos. E como foram azedos e frequentes os conflitos entre os “pais fundadores” daquela república – como eram A. Hamilton e T. Jefferson. Aliás, Hamilton, porventura o mais dotado político do seu tempo, foi morto num duelo em 1802 pelo vice-presidente dos EUA Aaron Burr, culminando longos anos de hostilidade recíproca.

 

Esses conflitos passavam sobretudo pelos jornais, que se multiplicavam então no solo americano. Jornais com poucas notícias e muita opinião - eram, então, uma importante arma da luta política. Ora, os ataques, políticos e pessoais, publicados na Imprensa americana nos finais do século XVIII eram frequentemente agressivos e na sua maioria assinados com pseudónimos, logo, praticamente anónimos. “Os artigos assinados (pelos seus autores) eram relativamente raros” (Ron Chernow, Alexander Hamilton, ed. Head of Zeus, Ltd., pág. 397).

 

Ou seja, os males de que se queixa, com razão, o Economist não vêm das novas tecnologias, mas do uso que delas faz muita gente. Claro que as redes sociais dão a esses males uma amplitude muito maior do que a dos jornais do passado. Mas, na sua raiz, os problemas que as redes sociais suscitam já existem há séculos.

Connosco
Vantagens dos Conselhos de Imprensa na autoregulação e deontologia profissional Ver galeria
Ao longo do séc. XX e início do XXI, muitos países instituíram os seus Conselhos de Imprensa, como órgãos profissionais de autoregulação da Comunicação Social. Há cerca de uma centena, dos quais 30 em países europeus. Mas é o Conselho de Imprensa do Québec, no Canadá  - agora com 45 anos -  que vem descrito como aquele com “a reputação mais forte”, sendo o que inspirou muitos dos que vieram a seguir. Não se trata, no texto que citamos, de o apresentar como modelo, porque “cada país tem, nesta matéria, uma história e uma abordagem próprias”, mas para aprender com a sua experiência e avaliar os limites do empreendimento.
Portugal teve, a seguir ao 25 de Abril, um Conselho de Imprensa, que foi extinto em 1990 em favor de uma Alta Autoridade para a Comunicação Social, e tem agora, desde 2005, uma Entidade Reguladora para a Comunicação Social.
CPI e "Tribuna de Macau" instituem Prémios de Ensaio e de Jornalismo da Lusofonia Ver galeria

O Prémio de Jornalismo da Lusofonia, instituído há um ano por iniciativa do jornal Tribuna de Macau, em parceria com o Clube Português de Imprensa, com o patrocínio da Fundação Jorge Álvares e o apoio do JL – Jornal de Artes, Letras e Ideias, reparte-se, nesta sua segunda edição, por dois: um aberto a textos originais, que passa a designar-se o Prémio Ensaio da Lusofonia, e outro que mantém o título de Prémio de Jornalismo da Lusofonia, destinado a textos já publicados, em suporte papel ou digital.

Mantém-se o espírito original de distinguir trabalhos “no quadro do desejado aprofundamento de todos os aspectos ligados à Língua Portuguesa, com relevo para a singularidade do posicionamento de Macau no seu papel de plataforma de ligação entre países de Língua Oficial Portuguesa”.

O Clube
O CPI – Clube Português de Imprensa voltou a participar no Prémio  Europeu Helena Vaz da Silva para a Divulgação do Património Cultural 2018,  instituído em 2013 pelo Centro Nacional de Cultura,  em cooperação com a Europa Nostra, a principal organização europeia de defesa do património,  que o CNC representa em Portugal.   O Prémio foi atribuído, este ano,  à...

ver mais >
Opinião
Agenda
22
Ago
28
Ago
Summer CEmp
09:00 @ Marvão