Sexta-feira, 15 de Dezembro, 2017
Opinião

O novo mundo que a Amazon prepara

por Manuel Falcão

Quem achar que a Amazon é apenas um vendedor de livros ou de discos está enganado, e muito. A Amazon tem estado no último ano a alargar o seu espectro de acção, comprando cadeias de retalhistas, oferecendo novos serviços através de parcerias que estabelece nas mais diversas áreas e, sobretudo, está a começar a utilizar o enorme conhecimento que tem sobre os hábitos dos seus clientes. Poucas empresas da nova economia digital se podem gabar de conseguir traçar um perfil tão completo dos seus clientes: aquilo de que gostam mais, o que procuram com intenção de comprar, o que efectivamente compram, onde estão em cada momento, que curiosidades e hábitos têm. 

A base de dados da Amazon é uma base inteligente, que espelha comportamentos e tendências, não é uma base estática e isso dá-lhe uma vantagem enorme – quer em termos de dimensão pura e simples, quer em termos da informação nela contida. Aos poucos a Amazon está a sair da sua actividade de enorme caverna de Ali-Bábá onde tudo se pode encontrar para trabalhar em novas áreas – a Amazon está a entrar de forma acelerada, directamente ou em parcerias, em áreas tão distintas como a sector financeiro, os mídia, a produção de filmes e séries de tv originais, a saúde, a moda ou os transportes e viagens. 

A Amazon é cada vez mais o exemplo de uma empresa que não segue os padrões tradicionais de separação entre actividades e projecta o seu crescimento alargando cada vez mais o seu raio de acção – diversifica o que oferece para aumentar a especialização sobre a informação que retém. Há muito que a Amazon deixou de entregar só produtos inertes como livros ou dvd’s. Agora, em muitas cidades, como por exemplo aqui ao lado em Madrid, vende produtos frescos – legumes, fruta e outros alimentos – garantindo entregas no local indicado pelo cliente no espaço de uma hora.

Tudo isto aumenta o manancial de informação que a Amazon recolhe sobre os seus clientes, permitindo traçar um perfil de consumidor cada vez mais completo. Hoje em dia os sites da Amazon são tão visitados que se tornaram, eles próprios, um bom suporte de publicidade para uma gama enorme de produtos que ali podem contactar directamente com consumidores no momento em que se preparam para fazer uma compra. Esta área de venda de espaço publicitário é uma das novas grandes apostas da Amazon, que assim irá concorrer directamente com Google e Facebook, com a pequena variante de poder garantir que cada produto vai chegar exactamente a quem estiver interessado nele – com um grau de probabilidade que nenhum dos outros concorrentes digitais globais consegue oferecer.

Jeff Bezos, o homem que fundou a Amazon, prepara-se para dar uma grande dor de cabeça aos seus rivais de outras empresas.

 

 

Connosco
Novo presidente da ERC abstém-se de comentar “dossier” Altice - TVI Ver galeria

Tomou posse, na Assembleia da República, o novo Conselho Regulador da ERC – Entidade Reguladora para a Comunicação Social, tendo como presidente o juiz-conselheiro Sebastião Póvoas. Instado pelos jornalistas a pronunciar-se sobre a questão sensível da compra da Media Capital pela Altice, o magistrado afirmou: “Eu não conheço os dossiers, tomei agora posse; são dossiers complexos e eu venho de uma área em que só nos pronunciamos depois de ler, consultar, ouvir e estudar, e é assim que vou fazer.” O parecer que competia à ERC tornar público, sobre esta matéria, não chegou a ser dado por falta de acordo entre os três membros que estavam em funções até agora.

O "jornalismo - espectáculo" que condena inocentes na praça pública Ver galeria

A investigação de suspeitos de qualquer conduta ilícita ou criminal é realizada pelas autoridades judiciais, que procuram provas para instrução de processo. Tendo conhecimento dessas condutas, também os meios de comunicação fazem a necessária investigação, para apuramento dos factos e posterior publicação. Uns e outros vão cruzar-se no mesmo terreno  - contidos, de ambos os lados, pelo cumprimento da lei e pela deontologia profissional. Mas o pior pode acontecer quando agentes da autoridade e repórteres se juntam para fazer “jornalismo do espectáculo”. A jornalista Nereide Beirão parte do ocorrido em 1994, com o caso que ficou conhecido como Escola Base, em São Paulo. Descreve o que sucedeu e acrescenta o exemplo de mais alguns casos da mesma natureza. No Observatório da Imprensa do Brasil, com o qual mantemos um acordo de parceria.

O Clube


Este
site do Clube Português de Imprensa nasceu  em Novembro de 2015. Poderia ter sido lançado, como outros congéneres, apenas com o objectivo de ser um espaço informativo sobre as actividades prosseguidas pelo Clube e uma memória permanente do seu histórico  de quase meio século . Mas foi mais ambicioso.

Nestes dois anos decorridos quisemos ser, também, um espaço de reflexão sobre as questões mais prementes que se colocam hoje aos jornalistas e às empresas jornalísticas, perante a mudança de paradigma, com efeitos dramáticos em não poucos casos.

Os trabalhos inseridos e arquivados neste site constituem já um acervo invulgar , até pela estranha desatenção com que os media generalistas  seguem o fenómeno, que está a afectá-los gravemente e do qual  serão, afinal, as primeiras vítimas.

ver mais >
Opinião
Agenda
02
Jan
Fotografia para Jornalistas
22:30 @ Cenjor, Lisboa
04
Jan
CES 2017
09:00 @ Munique,Alemanha
15
Jan
25
Jan
Salão da Radio 2018
09:00 @ Paris, França
05
Fev
Email Insider Summit: Europe
09:00 @ Grindelwald, Suiça