Segunda-feira, 16 de Julho, 2018
Fórum

Sobre a necessidade de um jornalismo sério e crítico relacionado com temas religiosos

Há temas considerados polémicos demais, que muitas vezes se evitam com o argumento de que “isso não se discute”. Mas o jornalismo trata deles, nem podia deixar de o fazer  - por exemplo, de política e de futebol. E quando o assunto é religião? “É possível ao jornalismo estabelecer uma cobertura sobre diferentes manifestações religiosas, suas datas, suas crenças e, mais além, seus dogmas e mitos?” Esta reflexão é do Comentário da Semana de ObjEthos – Observatório da Ética Jornalística do Brasil, e a resposta é que sim.

A autora do texto que citamos propõe exemplos “que apontam para uma apreciação antropológica, sociológica, cultural e política de fenómenos que integram o quotidiano dos leitores. Nesses casos, o jornalismo se faz útil não só para os fiéis, que podem se aprofundar em assuntos dos seus interesses, mas até para os leitores cépticos, que sabem o papel da religião e principalmente das igrejas na estrutura social” . (...) 

Deste modo, “o leitor é convidado a saber, a conhecer e a desvendar aquilo que é apresentado como um acontecimento factual, singular. Mais do que isso: ao ser chamado a reflectir sobre um dos assuntos que mais interessam à humanidade, torna-se apto a participar do debate público, accionando um repertório para além daquele que adquiriu em contacto com a fé ou nas aulas de edução religiosa”. 

Amanda Miranda, doutoranda no POSJOR e pesquisadora do ObjEthos, dá como exemplo o caderno especial que A Folha de São Paulo editou a propósito dos “500 anos da Reforma protestante, liderada por Martinho Lutero como crítica ao papado e a determinados preceitos católicos – para debater um assunto que não costuma ser agendado com frequência”. 

“O periódico trouxe um trabalho bastante completo, apontando para questões relacionadas à cultura e à história, como o papel da mulher de Lutero no movimento; passando por um debate sobre as diferenças entre católicos e protestantes e chegando a duas pautas urgentes: a que discute o avanço das igrejas neopentecostais, como Assembleia de Deus e Universal, e a emergência de bancadas evangélicas no Legislativo.” (...)


 

“O caderno é exemplar no que se refere à abrangência e complexidade que uma pauta como estas exige. Ao trabalhar com um assunto que mobiliza crenças e paixões, simplificá-lo ou polemizar em torno dele em busca de cliques é a tarefa mais fácil  – e muitas vezes é a escolha de grandes jornais. Desmembrar o assunto em pautas que optem por complexificar o fenómeno, trazendo dados novos e interpretações plurais, exige tempo e árduo trabalho de reportagem.” (...) 

A autora cita depois outro caso, o do Diário Catarinense, que “investiu no localismo, ao apontar para a formação da identidade cultural catarinense a partir da influência do luteranismo. Trata-se de uma abordagem cultural e sócio-histórica original que não deixa de discutir questões actuais, como o aborto e o casamento entre pessoas do mesmo sexo. Os exemplos mostram uma dimensão do jornalismo que pode impulsionar a formação de um leitor crítico a respeito do mundo que o cerca, resgatando sua função original, tão em desuso em tempos de notícias caça-cliques”. 

Amanda Miranda cita depois outros casos, em que o agendamento jornalístico “pode ser subvertido por factualidades que retratam um momento de ascensão do conservadorismo e da onda de intolerância no país”. (...) 

“Como no debate sobre aborto e sobre a destruição dos terreiros [de mães-de-santo] no Rio de Janeiro, estamos falando de factos que se tornaram pauta jornalística pela sua singularidade, mas que muitas vezes deixam de ser trabalhados com a seriedade e a complexidade que o assunto exigiria. Transformam-se, deste modo, em mais um objeto de [inquéritos] sobre ser contra ou a favor, em mais um caça-cliques gerador de polémicas nas redes sociais. Anula-se, assim, sua potência como forma de conhecimento.” (...) 

A autora conclui defendendo a oportunidade de um tratamento jornalístico sério dos temas religiosos, que deve apostar em determinadas direcções  -  e propõe estas três:

diversidade, considerando que há múltiplas manifestações e crenças possíveis na nossa cultura e que estas podem agendar diferentes pautas, com diferentes abordagens;”

respeito, tendo em conta que aceitar a crença (ou cepticismo) do outro é um princípio básico e irrevogável de qualquer pauta;”

abrangência, pensando que fenómenos religiosos não podem e não devem ser simplificados ou relegados a polémicas e factualidades diárias: é preciso tratá-los com a seriedade e a complexidade que exigem.” 

 

O Comentário da Semana na íntegra, em ObjEthos, de onde colhemos as imagens utilizadas

Connosco
Vantagens dos Conselhos de Imprensa na autoregulação e deontologia profissional Ver galeria
Ao longo do séc. XX e início do XXI, muitos países instituíram os seus Conselhos de Imprensa, como órgãos profissionais de autoregulação da Comunicação Social. Há cerca de uma centena, dos quais 30 em países europeus. Mas é o Conselho de Imprensa do Québec, no Canadá  - agora com 45 anos -  que vem descrito como aquele com “a reputação mais forte”, sendo o que inspirou muitos dos que vieram a seguir. Não se trata, no texto que citamos, de o apresentar como modelo, porque “cada país tem, nesta matéria, uma história e uma abordagem próprias”, mas para aprender com a sua experiência e avaliar os limites do empreendimento.
Portugal teve, a seguir ao 25 de Abril, um Conselho de Imprensa, que foi extinto em 1990 em favor de uma Alta Autoridade para a Comunicação Social, e tem agora, desde 2005, uma Entidade Reguladora para a Comunicação Social.
CPI e "Tribuna de Macau" instituem Prémios de Ensaio e de Jornalismo da Lusofonia Ver galeria

O Prémio de Jornalismo da Lusofonia, instituído há um ano por iniciativa do jornal Tribuna de Macau, em parceria com o Clube Português de Imprensa, com o patrocínio da Fundação Jorge Álvares e o apoio do JL – Jornal de Artes, Letras e Ideias, reparte-se, nesta sua segunda edição, por dois: um aberto a textos originais, que passa a designar-se o Prémio Ensaio da Lusofonia, e outro que mantém o título de Prémio de Jornalismo da Lusofonia, destinado a textos já publicados, em suporte papel ou digital.

Mantém-se o espírito original de distinguir trabalhos “no quadro do desejado aprofundamento de todos os aspectos ligados à Língua Portuguesa, com relevo para a singularidade do posicionamento de Macau no seu papel de plataforma de ligação entre países de Língua Oficial Portuguesa”.

O Clube
O CPI – Clube Português de Imprensa voltou a participar no Prémio  Europeu Helena Vaz da Silva para a Divulgação do Património Cultural 2018,  instituído em 2013 pelo Centro Nacional de Cultura,  em cooperação com a Europa Nostra, a principal organização europeia de defesa do património,  que o CNC representa em Portugal.   O Prémio foi atribuído, este ano,  à...

ver mais >
Opinião
Público: uma tradição manchada
Francisco Sarsfield Cabral
No início do corrente mês de julho os leitores do diário “Público” foram surpreendidos pela notícia de que o seu diretor, o prestigiado jornalista David Dinis, se havia demitido. Por aquilo que veio a saber-se através da comunicação social e de afirmações da administradora do jornal Cristina Soares – que é a única informação que possuo – a demissão de D. Dinis ficou a...
Ao ler no centenário “Diário de Noticias” a noticia da extinção formal da sua edição em papel, de Segunda–Feira a Sábado , a partir de Julho, fica a saber-se que o seu actual director, o  jornalista Ferreira Fernandes, entrou em “oito cafés(…) a caminho do cinema S. Jorge onde decorreu a apresentação do novo jornal” e só “contou três pessoas a ler o jornal em...
Boa ideia, Pedro
Manuel Falcão
Trabalhei um pouco mais de dois anos literalmente lado a lado com o Pedro Rolo Duarte no Se7e, dividíamos a direcção. Partilhávamos uma sala onde todos os dias fabricávamos ideias para fazer ressuscitar o jornal e agitar as águas, que era uma coisa que nos entretinha bastante. Foram dois anos de intensas e produtivas discussões, de muita criatividade e de várias crises - e sempre nos apoiámos mutuamente dos ataques que...
O optimismo de Centeno
Luís Queirós
"A economia da zona Euro cresce há 20 trimestres consecutivos", disse Mário Centeno no Grémio Literário, na palestra, proferida no passado dia 22 de Maio passado, integrada no ciclo que ali decorre subordinado ao tema  "O estado do Estado: Estado, Sociedade, Opções", uma iniciativa do Clube de Imprensa, em parceria com o Centro Nacional de Cultura e com o Grémio Literário. O Ministro das Finanças de Portugal e presidente do...
Em meados do séc. XVIII, os parisienses que quisessem manter-se “au courant” àcerca do andamento da Guerra dos Sete Anos (iniciada em 1756) não tinham muitas escolhas. Se fizessem parte, dentre os 600 mil habitantes da capital francesa, da minoria que sabia ler – menos de metade dos homens e uma quarta parte das mulheres – e também estivessem entre os poucos privilegiados que podiam dar-se ao luxo de comprar um jornal, tinham três...
Agenda
22
Ago
28
Ago
Summer CEmp
09:00 @ Marvão