Sexta-feira, 18 de Janeiro, 2019
Fórum

Debate nos EUA questiona futuro da Imprensa de referência

Numa palestra dirigida a estudantes universitários, em Julho de 2017, Matt Boyle, o editor em Washington do site Breitbart News, afirmou como seu propósito “a completa destruição e eliminação de toda a Imprensa de referência” [mainstream media, no original]: “Nós antevemos um dia em que a CNN já não esteja em funções. Nós antevemos um dia em que o New York Times feche as portas. Eu penso que esse dia é possível.” Um dos mais recentes tweets de Donald Trump diz que a licença de operação da NBC “deve ser contestada” e possivelmente “revogada”. Abriu nos Estados Unidos um debate sobre se o Presidente não estará já, por palavras de ameaça, a pisar o risco vermelho da violação da Primeira Emenda.

O discurso incendiário de Matt Boyle não disse, no fundo, nada de mais em relação àquilo que o Breitbart News e outros sites de extrema-direita, muito activos na promoção de Donald Trump, têm vindo a pregar desde há muito tempo. Como escreve McKay Coppins, no artigo que aqui citamos da Columbia Journalism Review, “tornaram-se conhecidos por este género de fanfarronice, e a maior parte dos jornalistas habituou-se a desligar; mas talvez tenhamos de lhe prestar mais atenção”. (...) 

“A integridade jornalística morreu  - declara Matt Boyle. - Já não há mais disso. Agora tem tudo a ver com a ‘armamentização’ [weaponization] da informação.” 

McKay Coppins recorda, no seu texto, a longa tradição Republicana de desacreditar a “Imprensa liberal da costa Leste”, mas afirma que, durante muito tempo, isto era feito no reconhecimento da “importância de um jornalismo não-partidário”. Mas esta contenção desapareceu com a campanha de Donald Trump: 

“Ele soube minar, com sucesso, meses de cobertura crítica e de rigoroso fact-checking apresentando os repórteres como maldosos. De cada vez que a campanha estava em problemas, o candidato fazia escalar a guerra contra a Imprensa. Para o final do processo eleitoral, nós já não éramos apenas tendenciosos ou corruptos  - éramos perigosos, conspirativos, parte de uma sombria cabala global. Poucos dias depois do investimento de Trump, Steve Bannon, então o estratego da Casa Branca, disse ao The New York Times: ‘Vocês é que são a oposição, não é o Partido Democrático. Os media são o partido de oposição’.” (...) 

E o próprio Donald Trump, nesses primeiros dias, não deixou de classificar os media como “o inimigo do povo americano” e cheios de gente “totalmente desonesta”. Como conta McKay Coppins, “em vez de fingir reverência pela Primeira Emenda, ele prometeu ‘alargar a nosssa legislação sobre difamação’ para tornar mais fácil processar os jornalistas”. (...) 

Um problema que vem agravar esta deriva é o facto de que mesmo conservadores de centro-direita já não parecem interessados em defender uma Imprensa independente não-partidária, nos termos em que era sssim definida nos anos 60 do século findo. Coppins descreve a conversa que teve com Matthew Continetti, editor do Washington Free Bacon, que lhe afirmou: 

“Uma das razões pelas quais não há denominador comum nos media é que não há, realmente, denominador comum na vida americana. Como regra geral, nós somos uma sociedade dividida. Estamos em desacordo real sobre os valores, sobre aquilo que é importante.” 

-  “Mas não deviam os factos ser esse denominador comum?”  -  perguntou McKay Coppins. Continetti respondeu: 

“Acho que o problema que descreve não tem solução. As pessoas vão continuar a acreditar naquilo que querem. Não me compete dizer-lhes o que devem acreditar. Compete-me editar um site que traz nova informação e acrescenta valor todos os dias. Há certamente muitas pessoas, como Howard Dean, que vão dizer que são fake news. Tudo bem, eu não vou controlar aquilo que pensa Howard Dean. Ele tem todo o direito.”  (E um sorriso afectado apareceu-lhe na cara)  “E também eu não acredito numa palavra do que ele diz.” (...)

 

Os artigos de McKay Coppins e Trevor Timm, na CJR, a que pertence a ilustração, de Steve Brodner
Connosco
António Martins da Cruz em Janeiro no ciclo de jantares-debate “Portugal: que País vai a votos?” Ver galeria

O próximo orador-convidado do novo ciclo de jantares-debate subordinado ao tema “Portugal: que País vai a votos?” é o embaixador António Martins da Cruz, um observador atento, persistente e ouvido da realidade portuguesa, que aceitou estar connosco.

A conferência está marcada para o próximo dia 24 de Janeiro na Sala da Biblioteca do Grémio Literário, dando continuidade à iniciativa lançada há cinco anos pelo CPI -  Clube Português de Imprensa, em parceria com o CNC – Centro Nacional de Cultura e o próprio Grémio.

Político e diplomata, António Manuel de Mendonça Martins da Cruz nasceu a 28 de Dezembro de 1946, em Lisboa. Licenciado em Direito pela Universidade de Lisboa, fez ainda estudos de pós-graduação na Universidade de Genebra, na Suíça.

Edição especial de "Charlie Hebdo" no aniversário do atentado Ver galeria

A revista satírica francesa Charlie Hebdo recordou o atentado de 7 de Janeiro de 2015, contra a sua redacção, publicando uma edição especial com a capa acima reproduzida, mostrando a imagem de um cardeal católico e um imã muçulmano soprando a chama de uma vela. Partindo desta imagem, o jornalista Rui Martins sugere que “ambos desejam a mesma coisa, em nome de Jesus ou Maomé: o advento do obscurantismo, para se apagar, enfim, o Iluminismo e mergulharmos novamente num novo período de trevas”.

Segundo afirma, “esse número especial não quer apenas relembrar a chacina, Charlie Hebdo vai mais longe”:
“Esse novo milénio, profetizado pelo francês André Malraux como religioso, será mais que isso. Será fundamentalista, fanático, intolerante e irá pouco a pouco asfixiar os livres pensadores até acabar por completo com o exercício da livre expressão.”

No Observatório da Imprensa do Brasil, com o qual mantemos um acordo de parceria.

O Clube

O Novo Ano não se antevê fácil para os media e para o jornalismo.

Sobram os indicadores pessimistas, nos jornais, com a queda acentuada de  vendas,  e nas televisões, temáticas ou generalistas, com audiências degradadas e uma tendência em ambos os casos para a tabloidização, como forma  já desesperada de fidelização de  leitores e espectadores, atraídos por outras fontes de informação e de entretenimento.


ver mais >
Opinião
Sobre a liberdade de expressão em Portugal
Francisco Sarsfield Cabral
O caso da participação num programa matinal da TVI de um racista, já condenado e tendo cumprido pena de prisão, Mário Machado, suscitou polémica. Ainda bem, porque as questões em causa são importantes. Mas, como é costume, o debate rapidamente derivou para um confronto entre a esquerda indignada por se ter dado tempo de antena a um criminoso fascista e a direita defendendo a liberdade de expressão e a dualidade de...
O panorama dos media
Manuel Falcão
Se olharmos para o top dos programas mais vistos na televisão generalista em 2018 vemos um claro domínio das transmissões desportivas, seguidas a grande distância pelos reality shows e, ainda mais para trás, pelas telenovelas. No entanto as transmissões televisivas produzem apenas picos de audiência e contribuem relativamente pouco para as médias e para planos continuados. O dilema das televisões generalistas está na...
Informar ou depender…
Dinis de Abreu
O título deste texto corresponde a um livro publicado nos anos 70 por Francisco Balsemão, numa altura em que já se ‘contavam espingardas’ para pôr termo ao Estado Novo, como veio a acontecer com o derrube de Marcello Caetano, em 25 de Abril de 74.  A obra foi polémica à época e justamente considerada um ‘grito de alma’, assinada por quem começara a sua vida profissional num jornal controlado pela família...
Há, na ideia de uma comunicação social estatizada ou ajudada pelo governo, uma contradição incontornável: como pode a imprensa depender da entidade que mais se queixa da imprensa? Uma parte da comunicação social portuguesa – televisão, rádio, imprensa escrita — é deficitária, está endividada e admite “problemas de tesouraria”. Mas acima desse, há outro problema, mais grave:...
O jornalismo estará a render-se à subjetividade, rainha e senhora de certas redes sociais. As ‘fake news’ e o futuro dos media foram dos temas mais falados na edição de 2018, da Web Summit. Usadas como arma de arremesso político e de intoxicação, as notícias falsas são uma praga. Invadem o espaço público, distorcem os factos, desviam a atenção, comprometem a reflexão. E pelo caminho...