Segunda-feira, 25 de Junho, 2018
Opinião

A comunicação social e a Catalunha

por Francisco Sarsfield Cabral

A crise da Catalunha foi, em grande parte, feita para a comunicação social. Os independentistas catalães estavam nos últimos anos a perder adeptos. Uma forma de atrair para a causa os moderados seria provocar Madrid a usar a força policial na região e em particular em Barcelona.

Correram mundo as imagens televisivas de polícias nacionais a carregar sobre pessoas que queriam votar no simulacro de referendo. O que descredibilizou internacionalmente o governo de Rajoy, que deveria ter evitado cair nesta armadilha, e deu aos independentistas uma aura de vítimas e “mártires” – levando a que se falasse menos das condições inaceitáveis em que foi convocado e concretizado um “referendo” em que houve muito quem votasse várias vezes…


Barcelona tem poucos correspondentes da Imprensa internacional a viverem na cidade. Por isso muitos órgãos da comunicação social, nomeadamente portuguesa, mandaram para a Catalunha enviados especiais, a maioria dos quais não possuía grandes conhecimentos nem contactos sobre a questão da independência.

E como os catalães contrários à independência se mantiveram longo tempo em silêncio, evitando até sair à rua, os jornalistas recorriam sobretudo a fontes independentistas. Daí um certo enviesamento pró-independência em numerosas peças escritas e televisivas.

 

Por exemplo, a certa altura falou-se em mais de 900 feridos pela polícia nacional, quando tentavam votar. Que eu saiba quase ninguém tentou controlar esse número. Nem houve informações sobre o estado de saúde de quatro supostos feridos graves. Parece que a gravidade não foi tanta como isso.

 

Não faltaram peças jornalísticas tomando a parte pelo todo: falavam da aspiração à independência da Catalunha como se esse fosse o sentimento geral na região. Ora ele não é sequer maioritário, embora a maioria dos catalães queira votar num referendo legal sobre a questão, o que implica uma revisão constitucional em Espanha.

 

De um modo geral, na minha opinião os jornalistas estrangeiros não fizeram uma cobertura equilibrada dos acontecimentos na Catalunha. Como, infelizmente, esses acontecimentos ainda não cessaram, espera-se que a comunicação social internacional – isto é, não espanhola, pois a maioria desta tomou há muito partido – promova no futuro uma informação equilibrada e séria.

 

 


Connosco
Historiadora Bettany Hughes distinguida com Prémio Europeu Helena Vaz da Silva 2018 Ver galeria

A historiadora britânica Bettany Hughes, também editora e apresentadora de programas de televisão e rádio, é a vencedora do Prémio Europeu Helena Vaz da Silva para a Divulgação do Património Cultural 2018, segundo foi anunciado pelo respectivo júri. A escolha “tem por objectivo homenagear a personalidade excepcional de Hughes, demonstrada repetidamente na sua maneira de comunicar o passado de forma popular e entusiasmante”, tendo ainda em conta a necessidade “vital de construir uma visão da nossa identidade multifacetada”, numa era de nacionalismos e populismos, como se lê na declaração agora divulgada. A cerimónia de entrega do Prémio realiza-se no dia 15 de Novembro deste ano na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa.

Agência “Xinhua” em vantagem na ‘inteligência artificial’ Ver galeria

No início do ano, a Xinhua, maior agência noticiosa estatal da China, divulgou o desenvolvimento de aplicação da ‘inteligência artificial’ para construir “um novo tipo de redacção, baseada na tecnologia de informação e utilizando colaboração entre o homem e a máquina”. Estava então a equipar-se com a plataforma Media Brain, que aplica a parafernália corrente designada por IA (inteligência artificial), Internet das coisas, big data e cloud computing a todas as fases da produção de notícias, desde a criação dos leads à agregação, edição, distribuição e análise de feedback.

Agora anunciou um update ao Media Brain, que vai usar MGC – machine generated content  para uma produção noticiosa de alta velocidade, que pode criar um vídeo de modo automático em cerca de dez segundos. O presidente da Xinhua, Cai Mingzaho, disse que a agência usará a IA para criar uma “informação individualizada e personalizada” que pode tomar muitas formas, desde portais noticiosos personalizados até títulos e artigos ajustados para leitores individuais  -  “e, provavelmente, para propaganda”. A informação é de um artigo de Kelsey Ables, assistente editorial na Columbia Journalism Review.
O Clube
O CPI – Clube Português de Imprensa voltou a participar no Prémio  Europeu Helena Vaz da Silva para a Divulgação do Património Cultural 2018,  instituído em 2013 pelo Centro Nacional de Cultura,  em cooperação com a Europa Nostra, a principal organização europeia de defesa do património,  que o CNC representa em Portugal.   O Prémio foi atribuído, este ano,  à...

ver mais >
Opinião
Agenda
25
Jun
Oficina de Reportagem
09:00 @ Cenjor,Lisboa
25
Jun
Women in Industry Forum
09:00 @ San Diego,EUA
26
Jun
VI Congresso Internacional da AE-IC “Comunicação e Conhecimento”.
09:00 @ Universidade de Salamanca, Salamanca, Espanha
26
Jun
BroadcastAsia
09:00 @ Suntec,Singapura
02
Jul