Segunda-feira, 25 de Junho, 2018
Opinião

O grande desafio de Balsemão

por Dinis de Abreu

Ao completar 25 anos, a SIC  cresceu, mas não se emancipou nem libertou o seu criador de preocupações. Francisco Pinto Balsemão, com 80 anos feitos, merecia um sossego que não tem, perante a crise que atingiu o Grupo de media que construiu do zero .

Balsemão ganhou vários desafios, alguns deles complexos, desde que lançou o Expresso nos idos de 70 do século passado - o seu “navio-almirante”, como gosta de chamar-lhe - , juntando-lhe, depois,  várias publicações especializadas  e uma televisão generalista, o seu outro grande sonho.

Nunca sentiu queda para a Rádio, apesar das oportunidades  que teve, mas, em contrapartida,  percebeu, desde muito cedo, a importância da Internet,  apostando nesse futuro digital, a começar pela edição do  Expresso online, o jornal diário  que nunca teve em versão impressa.

Foi capaz de vencer adversários poderosos, incluindo um “infiltrado”, que, um dia, quis tomar-lhe conta do Grupo, financiado pelo BES , de Ricardo Salgado.

Já nessa altura o conglomerado de empresas experimentava dificuldades, interpretadas e exploradas pela  Ongoing – uma ficção criada à sombra do BES - como uma soberana oportunidade para apear Balsemão e controlar o Grupo.

Perante o desafio, Balsemão viu-se forçado a sair do conforto e a  arregaçar as mangas, assumindo medidas de contingência para   afastar a Ongoing do perímetro da Impresa.

Fez um pleno ganhador, nessa roleta posta em movimento por quem menos esperava e teve, mais tarde,  a “recompensa” de assistir à falência da Ongoing e  do seu  grupo editorial de “pés de barro”.

O Grupo Balsemão, como é mais conhecido, não logrou vencer, contudo, nem a mudança de paradigma mediático -  com a forte migração de leitores do papel para a net -, nem a estrutura familiar que está na sua génese.

São vários e importantes   os Grupos empresariais portugueses  de estrutura familiar. Desde a  Sonae, de Belmiro de Azevedo,  a Jerónimo Martins, aos Mellos ou  Amorim.

Na curva da vida, cada um procurou – ou procura - encontrar soluções entre os sucessores preparados para “reinar” ou entre gestores profissionais que assegurem a continuidade.

Houve quem fosse bem sucedido e encare a sua finitude com a casa arrumada e relativa tranquilidade.

Mas o destino pregou uma partida a Francisco Balsemão, que moldou um verdadeiro império de media, mas que se vê hoje obrigado  a vender publicações ao desbarato para salvar o emblemático Expresso e a SIC aniversariante.

A vida não está fácil para as empresas jornalísticas, que,  além de erros próprios, estão a ser fustigadas pelas grandes plataformas digitais, como a Google ,  Facebook ou a Amazon, cativando   a nível global as melhores receitas de publicidade, deixando as sobras  para os editores, que  não bastam para a sua sobrevivência.

Balsemão é um homem informado. Mas carece de uma equipa à sua volta  capaz de antecipar o futuro .

A Imprensa está fragilizada. Com excepção de dois ou três títulos, as  tiragens dos jornais  são irrisórias.  Depois, a migração para o digital está a fazer-se com muitas hesitações e falta de percepção da vertigem que se vive  nos mercados.  
 

A televisão está, igualmente,  numa transição tecnológica acelerada,  para a qual muitos responsáveis editoriais e de programas não estão preparados ou a desprezam por  amor às rotinas.

A festa das novas “grelhas” de programas acabou. E quem o fizer  não percebe que continua  agarrado ao passado. O espectador está a ficar “dono” da sua programação, elaborando-a conforme entende e em função das suas preferências. Os separadores longos e insuportáveis de publicidade estão condenados.

As televisões regionais, locais, de bairro, temáticas, corporativas ou   de “vão de escada” vão competir com as generalistas convencionais. Os gigantes globais ( e o algoritmo) farão o resto..

Balsemão não  merecia assistir ao desmoronamento do edifício que construiu . Mas corre esse risco.   

 

     

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Connosco
Historiadora Bettany Hughes distinguida com Prémio Europeu Helena Vaz da Silva 2018 Ver galeria

A historiadora britânica Bettany Hughes, também editora e apresentadora de programas de televisão e rádio, é a vencedora do Prémio Europeu Helena Vaz da Silva para a Divulgação do Património Cultural 2018, segundo foi anunciado pelo respectivo júri. A escolha “tem por objectivo homenagear a personalidade excepcional de Hughes, demonstrada repetidamente na sua maneira de comunicar o passado de forma popular e entusiasmante”, tendo ainda em conta a necessidade “vital de construir uma visão da nossa identidade multifacetada”, numa era de nacionalismos e populismos, como se lê na declaração agora divulgada. A cerimónia de entrega do Prémio realiza-se no dia 15 de Novembro deste ano na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa.

Agência “Xinhua” em vantagem na ‘inteligência artificial’ Ver galeria

No início do ano, a Xinhua, maior agência noticiosa estatal da China, divulgou o desenvolvimento de aplicação da ‘inteligência artificial’ para construir “um novo tipo de redacção, baseada na tecnologia de informação e utilizando colaboração entre o homem e a máquina”. Estava então a equipar-se com a plataforma Media Brain, que aplica a parafernália corrente designada por IA (inteligência artificial), Internet das coisas, big data e cloud computing a todas as fases da produção de notícias, desde a criação dos leads à agregação, edição, distribuição e análise de feedback.

Agora anunciou um update ao Media Brain, que vai usar MGC – machine generated content  para uma produção noticiosa de alta velocidade, que pode criar um vídeo de modo automático em cerca de dez segundos. O presidente da Xinhua, Cai Mingzaho, disse que a agência usará a IA para criar uma “informação individualizada e personalizada” que pode tomar muitas formas, desde portais noticiosos personalizados até títulos e artigos ajustados para leitores individuais  -  “e, provavelmente, para propaganda”. A informação é de um artigo de Kelsey Ables, assistente editorial na Columbia Journalism Review.
O Clube
O CPI – Clube Português de Imprensa voltou a participar no Prémio  Europeu Helena Vaz da Silva para a Divulgação do Património Cultural 2018,  instituído em 2013 pelo Centro Nacional de Cultura,  em cooperação com a Europa Nostra, a principal organização europeia de defesa do património,  que o CNC representa em Portugal.   O Prémio foi atribuído, este ano,  à...

ver mais >
Opinião
Agenda
25
Jun
Oficina de Reportagem
09:00 @ Cenjor,Lisboa
25
Jun
Women in Industry Forum
09:00 @ San Diego,EUA
26
Jun
VI Congresso Internacional da AE-IC “Comunicação e Conhecimento”.
09:00 @ Universidade de Salamanca, Salamanca, Espanha
26
Jun
BroadcastAsia
09:00 @ Suntec,Singapura
02
Jul