Terça-feira, 21 de Agosto, 2018
Media

Imprensa espanhola pode estar à beira da extinção por imobilismo suicida

Os diários espanhóis perderam, em poucos anos, cerca de 50% da circulação e 60% da sua receita publicitária. No mesmo período foram suprimidos 15 mil postos de trabalho de jornalistas, mas todos os anos saem seis mil novos licenciados das várias escolas de comunicação. “Já temos grandes cidades sem jornais impressos”  - avisou recentemente Juan Luís Cebrián, presidente executivo da PRISA. A conclusão que se segue pode parecer alarmista, mas é a que escolheu, para título do seu texto, Miguel Ormaetxea, editor de Media-tics: “A Imprensa caminha para a sua extinção num imobilismo suicida”.

O texto que assina é sobretudo uma uma crítica à persistência nos mesmos métodos de trabalho: “A apresentação editorial e jornalística continua exactamente igual ao que era há 20 ou 25 anos. Baixou a qualidade, e a informação mistura-se com opinião, com demasiada frequência.” (...) 

“Na Espanha, as primeiras páginas dos diários continuam idênticas, as secções são as mesmas e é clamorosa a falta de inovação jornalística. Os títulos de primeira página misturam frequentemente opinião com informação, rompendo o que era um princípio sagrado do jornalismo de qualidade.” (...)

Este imobilismo não está apenas, segundo Ormaetxea, nas redacções:

“As televisões e estações de rádio [reproduzem] as primeiras páginas dos diários impressos, com absoluto esquecimento dos meios digitais, que têm, com frequência, uma difusão muito maior que a de alguns dos citados diários.” 

O autor menciona, como exemplo contrário, o de alguns grandes jornais de outros países, como The New York Times, Le Monde, The Washington Post ou Financial Times, onde se pode encontrar “muito mais análise, mais temas em profundidade, mais opiniões de peritos, novas secções e distribuição da informação de modos novos”. 

Em sua opinião, tudo isto, associado às quebras na receita publicitária, ao domínio do Facebook, “que se converteu no maior meio de comunicação do mundo e recolhe 80% da publicidade digital sem gerar conteúdos nem contrarar jornalistas”, mais as diversas ameaças contidas na “mudança de paradigma” pela “robotização”, a manipulação genética e a inteligência artificial, desenvolvem uma situação que não se compadece com o citado imobilismo da Imprensa espanhola  -  que continua a “esmagar os seus leitores em sofrimento com a meia dúzia de temas que todos disputam; uma deriva que tem muito de suicídio”. 

 

O artigo de Miguel Ormaetxea, na íntegra, em Media-tics, de onde colhemos também a imagem utilizada

Connosco
A crise de identidade nos jornais de prestígio e a “anarquia digital” Ver galeria

As datas são recentes, mas a história que contam parece comprida, tem capítulos uns atrás dos outros. O efeito da revolução digital sobre o jornal impresso está sempre a ser revisto e avaliado, como nos filmes de ficção científica em que o herói vai ao passado para tentar “corrigir” a História.
“O marco da anarquia digital é 1996, ninguém previu o novo ciclo e ele se inicia para implantar o caos e desorganizar a segurança conservadora, principalmente dos grandes grupos de comunicação.”

A reflexão é do jornalista Luís Sérgio Santos, docente de Desenho Editorial na Universidade Federal do Ceará, e o seu texto multiplica termos como “ameaça”, “abismo”, “conflito”, “incerteza”. Mas trata-se apenas de uma abordagem à “crise de identidade dos jornais de prestígio”  - título que escolheu para este artigo, publicado no Observatório da Imprensa do Brasil.

O perigo de instrumentalizar a Rede para uma "guerra digital" Ver galeria

A relação entre os poderes instituídos e o novo poder das redes sociais passou por diversas fases. Houve um tempo em que alguns governos temeram a voz do povo na Internet, e fenómenos como as Primaveras Árabes, que derrubaram regimes instalados, levaram ao bloqueio destas plataformas. “Mas agora muitos governos descobriram que é mais útil intoxicar nas redes sociais do que proibi-las. E os trolls encarregam-se do resto.”

É esta a reflexão inicial do jornalista e empreendedor no meio digital Miguel Ossorio Vega, que faz uma síntese do ocorrido neste terreno nos últimos anos, chamando a atenção para o que considera serem os maiores perigos da ciberguerra em curso.

O Clube
O CPI – Clube Português de Imprensa voltou a participar no Prémio  Europeu Helena Vaz da Silva para a Divulgação do Património Cultural 2018,  instituído em 2013 pelo Centro Nacional de Cultura,  em cooperação com a Europa Nostra, a principal organização europeia de defesa do património,  que o CNC representa em Portugal.   O Prémio foi atribuído, este ano,  à...

ver mais >
Opinião
Trump contra o jornalismo
Francisco Sarsfield Cabral
Numa iniciativa inédita, mais de 300 órgãos de comunicação dos EUA manifestaram na quinta-feira repúdio contra os violentos ataques de Trump ao jornalismo.  Como jornalista com muitos anos de profissão, tenho pena de reconhecer que a qualidade do produto jornalístico baixou ao longo das últimas décadas. Mas importa perceber porquê. No século XIX o jornalismo resumia-se a… jornais impressos....
É inegável a importância da tomada de posição conjunta de 350 jornais americanos que, respondendo a um apelo do The Boston Globe, assinaram  editoriais simultâneos, rejeitando a política de hostilidade desencadeada pelo presidente Trump contra os media. A data de 16 de Agosto ficará para a História da Imprensa  americana ao assumir esta iniciativa solidária e absolutamente inédita, que mobilizou grandes...
O optimismo de Centeno
Luís Queirós
"A economia da zona Euro cresce há 20 trimestres consecutivos", disse Mário Centeno no Grémio Literário, na palestra, proferida no passado dia 22 de Maio passado, integrada no ciclo que ali decorre subordinado ao tema  "O estado do Estado: Estado, Sociedade, Opções", uma iniciativa do Clube de Imprensa, em parceria com o Centro Nacional de Cultura e com o Grémio Literário. O Ministro das Finanças de Portugal e presidente do...
Em meados do séc. XVIII, os parisienses que quisessem manter-se “au courant” àcerca do andamento da Guerra dos Sete Anos (iniciada em 1756) não tinham muitas escolhas. Se fizessem parte, dentre os 600 mil habitantes da capital francesa, da minoria que sabia ler – menos de metade dos homens e uma quarta parte das mulheres – e também estivessem entre os poucos privilegiados que podiam dar-se ao luxo de comprar um jornal, tinham três...