Sábado, 17 de Novembro, 2018
Fórum

Para o director do "El Pais" Antonio Caño a verdade no jornalismo é inimiga do populismo

“A busca da verdade é a única coisa que dá sentido a um jornalista”. O jornalismo livre, independente e de qualidade está em perigo, o que deixa também em perigo a democracia representativa. A crise que pôs em causa a sobrevivência do jornalismo responsável não é só do modelo de negócio, é uma crise de credibilidade que coloca no mesmo patamar as opiniões e a realidade dos factos. É aqui que entram as redes sociais, em cujo “ruído” as pessoas se sentem livres para escolher como verdade aquilo em que já acreditavam, mesmo que seja desmentido. É este o núcleo da reflexão de Antonio Caño, director de El País, em entrevista ao Público.

A questão de fundo é, portanto, a da verdade, “a busca honesta da verdade”, como diz Antonio Caño, citando a frase de Thimothy Garton Ash, historiador e colunista do The Guardian, que abre esta sintese. 

“A verdade é inimiga do populismo. Hoje questiona-se muito o que é isso da verdade. A moda são as emoções, os estados de alma. As opiniões não têm todas o mesmo valor e nada valem perante a realidade dos factos, e neste momento é muito difícil estabelecer essa realidade. (...) A razão está em retrocesso, e a defesa dos factos mediante o uso da razão está a ser ameaçada. Para quem fez carreira a acreditar na defesa dos argumentos racionais, é um problema muito sério.” (...) 

“Há imensas pessoas que querem continuar a acreditar naquilo em que acreditam, independentemente das provas em contrário que lhes apresentem.” (...) 

“Isto é parte das dificuldades que o jornalismo enfrenta, porque mesmo que o nosso jornal seja muito bom, vai sempre haver um grupo de pessoas muito sectárias que não quer acreditar, e pouco lhes importa que seja verdade ou não. É o chamado ‘jornal do eu’. Essa possibilidade de ler uma notícia aqui, outra ali e outra acolá, faz com que algumas pessoas elejam aquelas com as quais estão de acordo. Tudo o resto é simplesmente descartado. E as pessoas vivem felizes dentro desse ambiente que elas próprias criam.” (...)   

O segundo problema é o da crise económica de 2008, “que rompeu com anos de calma e tranquilidade no panorama internacional. A maneira como a classe política geriu esta crise global, que afectou especialmente a Europa e os Estados Unidos, provocou uma série de frustrações que se foram multiplicando e a que as novas tecnologias deram uma gigantesca possibilidade de difusão. E essas frustrações vieram pôr em causa toda a ordem democrático-liberal estabelecida e todas as suas instituições, nas quais se inserem o jornalismo e os jornais”. (...) 

“A crise económica foi destrutiva, não só em termos materiais e quotidianos, mas também do ponto de vista ético e moral. Causou enormes danos em quase todos os países desenvolvidos, e um desses danos graves foi ter posto o jornalismo de qualidade à beira do abismo.” (...) 

Sobre as grandes plataformas digitais e as redes sociais que nelas proliferam, Antonio Caño entende que temos de distinguir entre o que é inevitável e o que é importante e devemos continuar a defender. Por exemplo: 

“O mundo mudou, já não podemos pensar em pôr os jornais à venda num quiosque e esperar que as pessoas vão lá comprá-lo. Se os leitores estão no Facebook, nós temos de estar no Facebook. E o mesmo se passa com o Whatsapp ou o Instagram. Temos de procurar os leitores com humildade, tendo a noção que haverá ocasiões em que nem nos vão reconhecer, isto é, em que vão ler as notícias na página do El País no Facebook e, se depois lhes perguntarmos onde as leram, a resposta será ‘no Facebook’ e não ‘no El País’. Essa é uma realidade com a qual temos de lidar, sabendo que somos necessários e que não nos podemos entregar à demagogia, que é hoje um perigo muito grande, pois tem à sua disposição um megafone, uma maneira de chegar mais longe e mais alto.” (...) 

E reconhece ao jornal impresso uma função que não tem de morrer:

“A minha gestão [do El País] tem passado essencialmente pela transformação digital, e houve ocasiões em que fui mal-interpretado e algumas pessoas, quer de dentro do jornal quer de fora, pensaram que esta direcção digital pressupunha que eu não acreditava na edição em papel, ou que tinha intenção de acabar com o jornal em papel. Nada mais longe da verdade.” 

“Estou convicto de que o papel tem uma função primordial. Há muitos entrevistados cujas entrevistas vão ser lidas na Internet por 45 milhões, mas que ainda me perguntam se sairá no papel, por muito que só alguns milhares de pessoas a leiam nesse formato. O papel mantém essa força de ser algo em que se pode tocar, que se pode guardar. O papel é mais um dos instrumentos que temos e que devemos continuar a utilizá-lo, por muito que às vezes seja tentador eliminar a edição impressa, pelo que custa e pelo pouco rendimento que produz.” 

“Às vezes fazemos umas contas e pensamos que se deixássemos o papel e investíssemos todo esse dinheiro no digital podíamos ser muito maiores. Seria um erro. Creio que os próprios jornais digitais gostariam de ter uma edição impressa, se pudessem. Portanto, sou da opinião que devemos manter o papel, pelo menos enquanto for possível. (...)

 

A entrevista com Antonio Caño na íntegra, na revista P2 do Público

 

 

 

Connosco
Bettany Hughes, Prémio Europeu Helena Vaz da Silva a comunicar história e património cultural Ver galeria

A historiadora britânica Bettany Hughes, que recebeu este ano o Prémio Europeu Helena Vaz da Silva para a Divulgação do Património Cultural, sublinhou a importância da memória em toda a actividade humana, mesmo quando se trata de criar um mundo novo. Reconhecida, tanto a nível académico como no da divulgação científica pela televisão, explicou o seu percurso nesta direcção, que “não foi fácil”, como disse, e terminou com um voto pela “paz e a vida, e ao futuro poderoso da Cultura e da herança”.

Guilherme d’Oliveira Martins, anfitrião da cerimónia, na qualidade de administrador da Fundação Calouste Gulbenkian, apresentou Bettany Hughes como “uma historiadora que dedicou os últimos vinte cinco anos à comunicação do passado”, não numa visão retrospectiva, mas sim com “uma leitura dinâmica das raízes, da História, do tempo, das culturas, dos encontros e desencontros, numa palavra: da complexidade”.

Graça Fonseca, ministra da Cultura, evocou a figura de Helena Vaz da Silva pelo seu “contributo de excepção para a cultura portuguesa, quer enquanto jornalista e escritora, quer na sua vertente mais institucional”, como Presidente da Comissão Nacional da UNESCO e à frente do Centro Nacional de Cultura.

Para Dinis de Abreu, que interveio na sua qualidade de Presidente do Clube Português de Imprensa, Bettany Hughes persegue, afinal, um objectivo em tudo idêntico ao que um dia Helena Vaz da Silva atribuiu aos seus escritos, resumindo-os como “pequenas pedras que vou semeando”:

“Sabe bem evocar o seu exemplo, numa época instável e amiúde caótica, onde a responsabilidade se dilui por entre sombras e vazios, ocupados por populismos e extremismos, de esquerda e de direita, que vicejam e agravam as incertezas” – disse.

Marçal Grilo abre novo ciclo de jantares-debate em Novembro Ver galeria

O Clube Português de Imprensa, o Centro Nacional de Cultura e o Grémio Literário juntam-se, novamente,para promover um novo ciclo de jantares-debate, desta vez subordinado ao tema “Portugal: que País vai a votos?

Será orador convidado, no próximo dia 22 de Novembro, Eduardo Marçal Grilo, antigo ministro da Educação e administrador da Fundação Gulbenkian, que tem dedicado à problemática do ensino e às causas da cultura e da ciência o essencial da sua actividade de intelectual, de homem político e enquanto docente.

O Clube

Foi em Novembro de 2015 que o Clube Português de Imprensa criou este site, consagrado à informação das suas actividades e à divulgação da actualidade relacionada com o que está a acontecer, em Portugal e no mundo, ao jornalismo e aos   jornalistas.

Temos dedicado , também, um espaço significativo às grandes questões em debate sobre a evolução do espaço mediático, designadamente,  em termos éticos e deontológicos,  a par da  transformação das redes sociais em fontes primárias de informação, sobretudo  por parte das camadas mais jovens.


ver mais >
Opinião
O jornalismo estará a render-se à subjetividade, rainha e senhora de certas redes sociais. As ‘fake news’ e o futuro dos media foram dos temas mais falados na edição de 2018, da Web Summit. Usadas como arma de arremesso político e de intoxicação, as notícias falsas são uma praga. Invadem o espaço público, distorcem os factos, desviam a atenção, comprometem a reflexão. E pelo caminho...
As notícias falsas e a internet
Francisco Sarsfield Cabral
As redes sociais são, hoje, a principal fonte de informação, se não mesmo a única, para imensa gente. O combate às “fake news” tem que ser feito, não pela censura, mas pela consciencialização dos utilizadores da net. Jair Bolsonaro foi eleito presidente do Brasil graças à utilização maciça das redes sociais. A maioria dos jornais brasileiros de referência não o apoiou, o...
1.Segundo um estudo da Marktest sobre a utilização que os portugueses fazem das redes sociais 65.9% dos inquiridos referem o Facebook, 16.4% indicam o Instagram, 8.3% oWhatsApp, 4% o Youtube e 5.4% outras redes. O estudo sublinha que esta predominância do Facebook não é transversal a toda a população: “Entre os jovens utilizadores de redes sociais, os resultados de 2018 mostram uma inversão das redes visitadas com mais...
Há cerca de um ano, António Barreto  costumava assinar uma assertiva coluna de opinião no Diário de Noticias, entretanto desaparecida como outras, sem deixar rasto. Numa delas,  reconhecia ser “simplesmente desmoralizante. Ver e ouvir os serviços de notícias das três ou quatro estações de televisão” . E comentava, a propósito,  que  “a vulgaridade é sinal de verdade. A...
Agenda
19
Nov
21
Nov
22
Nov
Westminster Forum Projects
09:00 @ Londres, Reino Unido
23
Nov
#6COBCIBER – VI Congresso Internacional de Ciberjornalismo
09:00 @ Faculdade de Letras da Universidade do Porto