Sexta-feira, 22 de Fevereiro, 2019
Media

Hemeroteca evoca o semanário “A Illustração Popular”

Está disponível, no site da Hemeroteca Municipal de Lisboa, a colecção completa do semanário A Illustração Popular: Chronica Semanal, publicada na capital ao longo do segundo semestre de 1884. Apresentava-se, no seu programa, como “modesta”, com a única aspiração de “entrar na oficina, no atelier, na escola, nas salas e nos palacios, sem se tornar notável pelos artifícios da phrase, nem antipatica pela escolha do assumpto”. 

No entanto, como observa a ficha histórica que a descreve, pouco adiante aparece um parágrafo “que contradiz essa intenção de querer atingir todos os tipos de público”: 

“A Illustração Popular é uma publicação especialmente destinada às classes laboriosas, que não podem comprar as edições de luxo, mas apesar da modicidade do seu preço, offerecerá aos menos abastados uma selecta colecção de ilustrações e a todos os seus leitores uma chronica circumstanciada dos mais notáveis acontecimentos da semana, uma revista dos theatros, a descrição das gravuras, um romance em folhetim, uma secção de poesia, outra de charadas, enygmas ou logogriphos, além de quaesquer assumptos, que á redacção pareçam de interesse publico”. (…) 

Faz questão de se demarcar da “liça da imprensa para supplantar adversários que primam pela elegância com que sabem esgrimir as polidas armas de estilo, da critica e do espírito”, de ser “redigida por uma sociedade de homens, desconhecidos no mundo litterario”, e que “não pretende subir ao pantheon da gloria para ser coroada pela fama, mas aspira a guardar ilibado o tesouro da língua pátria, tão rica que não carece de augmentos e tão bella que não precisa de adornos estranhos”.  

Em Dezembro de 1884, anunciada a sua suspensão, despediu-se com elegância, afirmando que “o fim único da publicação foi proporcionar ás classes proletárias um hebdomadario illustrado por um preço módico e com assumptos acomodados ao grau de instrucção dos seus leitores”; (…) e que “da parte da empresa não ha o menor ressentimento para com o publico, porque a empresa teve sempre o bom senso de não esquecer a pequenez do paiz e as forças do mercado”.  

Termina com três agradecimentos: aos assinantes pagantes; à “imprensa o favor que nos dispensou, recomendando a leitura do nosso hebdomadário e aos cavalheiros que nos distinguiram com a sua collaboração” (n.º 26, p. 208).

 

Mais informação na ficha histórica, elaborada por Helena Roldão, e a colecção dos 26 números da Illustração Popular, que podem ser consultados em PDF ou HTML

Connosco
Jorge Soares em Fevereiro no ciclo de jantares-debate “Portugal: que País vai a votos?” Ver galeria

Prossegue a 27  Fevereiro o ciclo de jantares-debate subordinado ao tema “Portugal: que País vai a votos?”, promovido pelo CPI, em parceria com o CNC e o Grémio Literário, tendo como orador convidado o Prof. Jorge Soares, que preside ao Conselho Nacional de Ética para as Ciências da Vida, desde 2016, preenchendo o lugar deixado vago por morte de João Lobo Antunes.  

Director do Programa Gulbenkian Inovar em Saúde, da Fundação Calouste Gulbenkian, Jorge Soares já fazia parte daquele Conselho, antes de ser eleito para a sua presidência .

O seu currículo é vasto. Presidiu também à  Comissão Externa para Avaliação da Qualidade do Ensino, e, mais tarde,  assumiu a vice-presidência da Comissão de Ética da Fundação Champalimaud, e, a partir de 2016, foi presidente da Comissão Nacional dos Centros de Referência. É Perito Nacional na União Europeia do 3rd Programme “EuropeAgainst Cancer” .

Expressiva manifestação em Bratislava evocando jornalista morto Ver galeria
“Esperamos respostas tão breve quanto possível, porque ainda há muitas questões”  - afirmou.
O Clube


Lançado em Novembro de 2015, este site tem vindo a conquistar uma audiência crescente, traduzida no número de visitantes e de sessões e do tempo médio despendido. É reconfortante e  encorajador, para um projecto concebido para ser um espaço de informação e de reflexão sobre os problemas que se colocam, de uma forma cada vez mais aguda, ao jornalismo e aos  media.

Observa-se , aliás, ressalvadas as excepções , que a problemática dos media , desde a precariedade  dos seus quadros às incertezas do futuro -  quer no plano tecnológico  quer no editorial - , raramente  constitui  tema de debate  nas páginas dos jornais, e menos ainda nas  suas versões  online ou nos audiovisuais. É um assunto quase tabú.


ver mais >
Opinião
Adoro imprensa…
Manuel Falcão
Sou um apaixonado leitor de imprensa, quer de jornais quer de revistas, e gosto de seguir o que se publica. A edição mais recente da revista Time tem por título de capa "The Art Of Optimism" e apresenta 34 pessoas que são relevantes e inspiracionais, na sociedade norte-americana, mostrando o que estão a fazer. A edição é cuidada e permite-nos ter de forma sintética um retrato daquilo que tantas vezes passa despercebido. O...
Os actuais detentores da Global Media, proprietária do Diário de Noticias e do Jornal de Noticias, além da TSF e de outros títulos, parecem estar a especializar-se como uma espécie  de “comissão  liquidatária” da empresa. Depois de alienarem  o edifício-sede histórico do Diário de Noticias , construído de raiz para albergar aquele jornal centenário,  segundo um projecto de Pardal...
Zé Manel, o talento e a sensualidade
António Gomes de Almeida
Geralmente considerado um dos mais talentosos ilustradores portugueses, a sua arte manifestou-se sob várias facetas, desde as Capas e as Ilustrações de Livros à Banda Desenhada, aos Cartazes, ao Cartoon, à Caricatura e, até, ao Vitral. E será, provavelmente, essa dispersão por tantos meios de expressão da sua Arte que fez com que demorasse algum tempo, antes de ser tão conhecido do grande público, e de ter a...
Jornalismo a meia-haste
Graça Franco
Atropelados pela ditadura do entretenimento, podemos enquanto “informadores” desde já colocar a bandeira a meia-haste. O jornalismo não está a morrer. Está a cometer suicídio em direto. Temi que algum jornalista se oferecesse para partilhar a cadeia com Armando Vara, só para ver como este se sentia “já lá dentro”. A porta ia-se fechando, em câmara lenta, e o enxame de microfones não largava a presa. O...
Há, na ideia de uma comunicação social estatizada ou ajudada pelo governo, uma contradição incontornável: como pode a imprensa depender da entidade que mais se queixa da imprensa? Uma parte da comunicação social portuguesa – televisão, rádio, imprensa escrita — é deficitária, está endividada e admite “problemas de tesouraria”. Mas acima desse, há outro problema, mais grave:...
Agenda
26
Fev
Digital Summit Seattle
09:00 @ Seattle, EUA
02
Mar
LinkedIn para Jornalistas
09:00 @ Cenjor, Lisboa
04
Mar
Simpósio de Radiodifusão Digital da ABU
09:00 @ Kuala Lumpur, Malásia