Terça-feira, 21 de Agosto, 2018
Fórum

A civilização da pós-verdade está de ressaca depois de eleita como palavra do ano

Convém recordar os factos recentes: “Em Setembro de 2016, o semanário inglês The Economist saiu com uma capa sobre a ‘pós-verdade’, e até ali tudo bem. No final do mesmo ano, o termo ‘pós-verdade’ foi declarado ‘a palavra do ano’ pelo Dicionário Oxford, como um qualificativo de ‘um ambiente em que os factos objectivos têm menos peso do que apelos emocionais ou crenças pessoais em formar a opinião pública’. A questão, como se nota, não é bem ‘a verdade’  – filosófica, ontológica, metafísica, religiosa etc. –, mas os factos. Esse é o ponto.”

É nestes termos esclarecedores que se pronuncia o editorial  - intitulado “Da pós-verdade à pós-imprensa” -  da Revista de Jornalismo da ESPM, a edição brasileira da Columbia Journalism Review, cujo conteúdo produzido no Brasil passa a ser publicado no Observatório da Imprensa, com o qual mantemos um acordo de parceria.

O texto parte da distinção estabelecida por Walter Lippmann, no início do século passado, entre notícia e verdade, sendo função da primeira “sinalizar um evento”, e função da verdade “trazer luz para factos ocultos, relacioná-los a outros, e traçar um retrato da realidade a partir do qual os homens possam actuar”.

Mas o editorial que citamos procura uma definição mais modesta da função do jornalismo:

“Essa história de ‘iluminar’ factos ocultos é bastante problemática. Até para os iluministas, aos quais devemos as ideias fundadoras da Imprensa, já era muito complicado.Quando muito, o jornalismo pode pretender estimular um ambiente de debate público em que os factos de interesse geral fiquem mais acessíveis à inteligência dos cidadãos. Se registar os factos, apenas isso, ‘com tudo que é insolvente e provisório’ (na síntese pouco jornalística de Carlos Penna Filho), já terá prestado um excelente serviço à sociedade.” (...) 

Reconhece, então, que o tema desta edição não tem nada a ver com ‘a verdade’, nesse sentido mais profundo do termo, “mas apenas com a ‘pós-verdade’, ou, pior, com a ressaca dessa overdose de ‘pós-verdade’ que nos entorpece há alguns anos”. (...) 

Este clima que nos constrange é assim definido:

“Estaríamos vivendo uma era em que os factos deixaram de lastrear as condutas e as acções humanas. Se isso for mesmo verdade, quer dizer, se o pós-facto é mesmo um facto, a política deixa de ser política  – vira uma obra coletiva de ficção, num grau superior ao que pudemos testemunhar em eras anteriores.” (...) 

A sua conclusão provisória é que, “para dizer a verdade, a civilização não anda bem, ainda que esta revista ainda esteja aqui, no front.” (...)

 

O editorial citado, na íntegra, no Observatório da Imprensa, e a notícia da parceria com a Revista Brasileira de Jornalismo da ESPM, a edição brasileira da Columbia Journalism Review

Ilustração retirada do site Gurupi - Atualidades

Connosco
A crise de identidade nos jornais de prestígio e a “anarquia digital” Ver galeria

As datas são recentes, mas a história que contam parece comprida, tem capítulos uns atrás dos outros. O efeito da revolução digital sobre o jornal impresso está sempre a ser revisto e avaliado, como nos filmes de ficção científica em que o herói vai ao passado para tentar “corrigir” a História.
“O marco da anarquia digital é 1996, ninguém previu o novo ciclo e ele se inicia para implantar o caos e desorganizar a segurança conservadora, principalmente dos grandes grupos de comunicação.”

A reflexão é do jornalista Luís Sérgio Santos, docente de Desenho Editorial na Universidade Federal do Ceará, e o seu texto multiplica termos como “ameaça”, “abismo”, “conflito”, “incerteza”. Mas trata-se apenas de uma abordagem à “crise de identidade dos jornais de prestígio”  - título que escolheu para este artigo, publicado no Observatório da Imprensa do Brasil.

O perigo de instrumentalizar a Rede para uma "guerra digital" Ver galeria

A relação entre os poderes instituídos e o novo poder das redes sociais passou por diversas fases. Houve um tempo em que alguns governos temeram a voz do povo na Internet, e fenómenos como as Primaveras Árabes, que derrubaram regimes instalados, levaram ao bloqueio destas plataformas. “Mas agora muitos governos descobriram que é mais útil intoxicar nas redes sociais do que proibi-las. E os trolls encarregam-se do resto.”

É esta a reflexão inicial do jornalista e empreendedor no meio digital Miguel Ossorio Vega, que faz uma síntese do ocorrido neste terreno nos últimos anos, chamando a atenção para o que considera serem os maiores perigos da ciberguerra em curso.

O Clube
O CPI – Clube Português de Imprensa voltou a participar no Prémio  Europeu Helena Vaz da Silva para a Divulgação do Património Cultural 2018,  instituído em 2013 pelo Centro Nacional de Cultura,  em cooperação com a Europa Nostra, a principal organização europeia de defesa do património,  que o CNC representa em Portugal.   O Prémio foi atribuído, este ano,  à...

ver mais >
Opinião
Trump contra o jornalismo
Francisco Sarsfield Cabral
Numa iniciativa inédita, mais de 300 órgãos de comunicação dos EUA manifestaram na quinta-feira repúdio contra os violentos ataques de Trump ao jornalismo.  Como jornalista com muitos anos de profissão, tenho pena de reconhecer que a qualidade do produto jornalístico baixou ao longo das últimas décadas. Mas importa perceber porquê. No século XIX o jornalismo resumia-se a… jornais impressos....
É inegável a importância da tomada de posição conjunta de 350 jornais americanos que, respondendo a um apelo do The Boston Globe, assinaram  editoriais simultâneos, rejeitando a política de hostilidade desencadeada pelo presidente Trump contra os media. A data de 16 de Agosto ficará para a História da Imprensa  americana ao assumir esta iniciativa solidária e absolutamente inédita, que mobilizou grandes...
O optimismo de Centeno
Luís Queirós
"A economia da zona Euro cresce há 20 trimestres consecutivos", disse Mário Centeno no Grémio Literário, na palestra, proferida no passado dia 22 de Maio passado, integrada no ciclo que ali decorre subordinado ao tema  "O estado do Estado: Estado, Sociedade, Opções", uma iniciativa do Clube de Imprensa, em parceria com o Centro Nacional de Cultura e com o Grémio Literário. O Ministro das Finanças de Portugal e presidente do...
Em meados do séc. XVIII, os parisienses que quisessem manter-se “au courant” àcerca do andamento da Guerra dos Sete Anos (iniciada em 1756) não tinham muitas escolhas. Se fizessem parte, dentre os 600 mil habitantes da capital francesa, da minoria que sabia ler – menos de metade dos homens e uma quarta parte das mulheres – e também estivessem entre os poucos privilegiados que podiam dar-se ao luxo de comprar um jornal, tinham três...