Sexta-feira, 24 de Novembro, 2017
Estudo

Estudo sobre reinvenção digital de Espanha cruza-se com receios de desemprego

Quase metade das actividades humanas hoje praticadas em Espanha podiam ser desempenhadas por robots, e 60% dos empregos actuais já são “automatizáveis” em, pelo menos, 30% por cento da sua produção. Estes dados, de um recente estudo sobre “A reinvenção digital de Espanha”, relançam um debate onde se cruzam expectativas de mais progresso tecnológico com temores de mais desemprego, além de sugestões que parecem, de momento, saídas da ficção científica.

A “boa notícia” da apresentação deste estudo, que aqui citamos de Media-tics, é que apenas 5% das profissões actuais são completamente “automatizáveis”, o que significa que 95% vão ter uma automatização parcial, com humanos e robots trabalhando lado a lado. 

“O emprego não vai desaparecer, vai antes ser criado mais emprego”  - afirmou Cristina Garmendia, presidente da Fundação Cotec, que elaborou o referido estudo, com a consultora Digital McKinsey.

 

O que dizem os peritos em robótica, segundo este trabalho, é que “a visão apocalíptica de um mundo sem empregados humanos é falsa, dado que a robotização vai criar outros postos de trabalho, como aconteceu com a Revolução Industrial”. Há correntes de pensamento que aceitam esta visão, mas sublinhando que os robots “vão destruir 3,5 empregos por cada emprego criado”.

 

“Nem é o salário que é determinante: é a profissão. As que têm mais risco de automatização são a hotelaria, o fabrico, o transporte e a logística. Pelo contrário, a educação, a gestão e os serviços profissionais, bem como as profissões com uma componente criativa, são as que menos tarefas podem automatizar.”

 

O que se segue, no esforço de tentar interpretar um futuro decorrente de mudanças demasiado rápidas para serem avaliadas enquanto acontecem, desemboca em terrenos onde não faltam ideias novas e as correspondentes polémicas:

 

  1. Rendimento básico incondicional. A polémica vem pelo lado do seu custo público e dos que vêem nele “o incentivo perfeito para não trabalhar”. Mas, “se a chegada dos robots promete criar indústrias mais eficientes, o excesso de produtividade ajudaria a sufragar a ideia do rendimento universal; e se os humanos forem expulsos do mercado laboral, a segunda razão perde toda a propriedade”.
  2. Tempo parcial. Alguns propõem o emprego a tempo parcial para que, por cada posto de trabalho actual, passem a existir dois trabalhadores, ainda que com um salário mais baixo.
  3. Salário mais alto? Parece contraditório com o que acaba de ser dito, mas alguns peritos em mercado laboral pensam que é necessário reafirmar o valor do trabalho feito pelas pessoas e remunerá-las em conformidade. (…) “Se há menos trabalho, menor jornada laboral e ainda se quer manter a actual economia de consumo, será necessário remunerar melhor essas horas, para poder sustentar o sistema.” (…)
  4. Impostos para todos. Até para os robots, se vão começar a comportar-se como os trabalhadores humanos. E já há quem fale de direitos laborais para as máquinas, para “evitar os abusos que poderiam cometer muitas empresas, sabedoras de que uma máquina é muito mais barata e rentável do que uma pessoa, por todo o ecossistema que gira em torno dela”.

 

 

Mais informação em Media-tics, que cita ainda um artigo anterior; e o estudo agora publicado

 

Connosco
Jornalistas são mais operários da notícia do que estrelas do "showbiz"... Ver galeria

O jornalismo “é uma profissão de ilustres desconhecidos, gente que em sua maior parte ganha pouco e luta para prestar serviço ao leitor, telespectador, ouvinte ou internauta; jornalistas estão mais para operários da notícia do que para estrelas do showbiz”. E reflexão é de Ronaldo Leges, que se apresenta como praticante do “jornalismo de bairro” e dirige uma crítica aos profissionais que passam essa fronteira para o lado do espectáculo, especialmente na televisão: “Não são poucos aqueles repórteres que com o ego inflamado buscam aparecer mais do que a fonte entrevistada e no fim distribuem seus autógrafos ao redor da multidão.” No Observatório da Imprensa do Brasil, com o qual mantemos um acordo de parceria.

A morte anunciada da televisão foi manifestamente exagerada... Ver galeria

Já se fizeram muitos “diagnósticos” (e alguns “prognósticos”) à televisão. Um dos mais recentes é que estava moribunda. Mas este seu fim anunciado é ele próprio “um mito gasto”. O êxito actual das novas séries é um bom exemplo: seria paradoxal anunciar a morte da televisão “no preciso momento em que as suas produções conquistam uma legitimidade cultural que ela procurou durante meio século”. Vistas as coisas em perspectiva histórica, o “discurso de denúncia” contra a televisão já foi usado “contra o romance em folhetins, a BD, o cinema e a leitura (que, como nota o historiador Roger Chartier, perde o seu estatuto sedicioso sob a ameaça da televisão, para se tornar no final do séc. XX o refúgio da cultura)”. Uma reflexão que continua, a propósito do próximo lançamento, em Paris, do livro Sociologie de la télévision.

O Clube


Este
site do Clube Português de Imprensa nasceu  em Novembro de 2015. Poderia ter sido lançado, como outros congéneres, apenas com o objectivo de ser um espaço informativo sobre as actividades prosseguidas pelo Clube e uma memória permanente do seu histórico  de quase meio século . Mas foi mais ambicioso.

Nestes dois anos decorridos quisemos ser, também, um espaço de reflexão sobre as questões mais prementes que se colocam hoje aos jornalistas e às empresas jornalísticas, perante a mudança de paradigma, com efeitos dramáticos em não poucos casos.

Os trabalhos inseridos e arquivados neste site constituem já um acervo invulgar , até pela estranha desatenção com que os media generalistas  seguem o fenómeno, que está a afectá-los gravemente e do qual  serão, afinal, as primeiras vítimas.

ver mais >
Opinião
As redes sociais e o passado
Francisco Sarsfield Cabral
O semanário britânico The Economist, geralmente um entusiasta do progresso científico e tecnológico, dedicou a capa e o primeiro editorial de um seu recente número a uma crítica severa às redes sociais. Estas, em vez de contribuírem para o esclarecimento público e o debate racional (como inicialmente se esperava), multiplicam mentiras e falsidades – por exemplo, as milhares de intromissões russas no Facebook e no...
Quem achar que a Amazon é apenas um vendedor de livros ou de discos está enganado, e muito. A Amazon tem estado no último ano a alargar o seu espectro de acção, comprando cadeias de retalhistas, oferecendo novos serviços através de parcerias que estabelece nas mais diversas áreas e, sobretudo, está a começar a utilizar o enorme conhecimento que tem sobre os hábitos dos seus clientes. Poucas empresas da nova economia...
O  estado dos media americanos continua a inspirar apreensão, e desenvolvimentos reportados desde o verão têem acentuado os motivos de preocupação, com poucas  excepções. Os relatórios do Pew Research Center – organização não-partidária com sede em Washington, fundada em 2004, dedicada ao estudo da evolução de sectores como o jornalismo, demografia, política e opinião...
Ao completar 25 anos, a SIC  cresceu, mas não se emancipou nem libertou o seu criador de preocupações. Francisco Pinto Balsemão, com 80 anos feitos, merecia um sossego que não tem, perante a crise que atingiu o Grupo de media que construiu do zero . Balsemão ganhou vários desafios, alguns deles complexos, desde que lançou o Expresso nos idos de 70 do século passado - o seu “navio-almirante”, como gosta de...
Num livro colectivo acabado de publicar, simultaneamente, em treze línguas e em dezenas de países espalhados pelo mundo inteiro, cuja versão francesa se intitula, significativamente, L’âge de la Régression: Pourquoi nous vivons un tournant historique[1], Appadurai disserta sobre o «sentimento de cansaço» que, na sua opinião domina a esfera pública. Sentimento de cansaço relativamente à forma de fazer...
Agenda
27
Nov
10º Congresso Sopcom
09:00 @ Viseu
27
Nov
Formação sobre podcasts
09:00 @ Cenjor,Lisboa
28
Nov
29
Nov
SEO para Jornalistas
09:00 @ Cenjor, Lisboa