Sexta-feira, 24 de Novembro, 2017
Homenagem

A história fascinante de David Perlman ao despedir-se do jornalismo após 80 anos de carreira

Um jornalista pode chegar aos 98 anos de idade e gostar tanto do que faz que vai adiando a reforma. Aconteceu com David Perlman, o editor de temas científicos do jornal The San Francisco Chronicle. Bem, desta vez aceitou a ideia e vai mesmo sair. A redacção fez-lhe uma festa de despedida. Entrevistado pelo Poynter Institute, fala dos seus quase 80 anos de carreira, conta como foi, reflecte sobre o que está a acontecer agora e tem recados para nós todos.

David Perlman ganhou uma quantidade de prémios na área do jornalismo sobre ciência  - e até já existem prémios com o seu nome -  além de ter presidido a diversas organizações de divulgação científica. A respeito da reforma, confessa ao Poynter

“Comecei a pensar nisso há cerca de um ano e, nessa altura, caramba!... era muito divertido continuar a trabalhar, e eu ainda podia escrever bons artigos. Só agora, há uns poucos meses, mais ou menos, é que eu achei que realmente era tempo de parar.” 

Mas mantendo sempre que, se voltasse atrás, voltava a fazer tudo da mesma maneira:

“O que eu sou é jornalista, e isso eu nunca mudaria” – garante. 

David Perlman estudou Jornalismo na Columbia University, no curso de 1939, serviu no Exército durante a II Guerra Mundial e estava na Europa quando ela acabou, de modo que ficou algum tempo em Paris, a trabalhar na edição europeia de The New York Herald Tribune. Mas já tinha começado no San Francisco Chronicle, antes da guerra, e acabou por voltar para lá em 1951... até hoje. 

A respeito de como era o jornal nesse tempo, conta coisas que os mais grisalhos entre nós recordam bem:

“Em primeiro lugar, era todo impresso, evidentemente  - não havia nada digital. Em segundo, nós fazíamos o artigo. Eu tinha uma grande máquina de escrever e, se saísse da cidade em reportagem, levava uma velha Olivetti portátil, e tínhamos telefones, ditávamos os textos para alguém os escrever na redacção.” 

“Os caracteres para impressão eram feitos na linotype e as rotativas eram na cave do edifício do Chronicle, aqui no cruzamento da 5th street com a Mission street.” 

“Era como qualquer outro jornal impresso, porque não havia outra coisa. O objecto mais electrónico que tínhamos era um rádio, acho eu, e é claro que havia noticiários radiofónicos. Mas isto foi antes da televisão. No final dos anos 40, a televisão estava a tomar forma e não havia ainda autêntica concorrência. Era um jornal impresso, como todos eram nos anos 50, 60, 70 e 80, até que veio a Internet e as coisas mudaram rapidamente  - e continuam a mudar.” (...) 

O seu interesse pela ciência começou em 1957, quando teve uma fractura a fazer esqui, e ficou imobilizado algum tempo. Um amigo trouxe-lhe o livro The Nature of the Universe, do astrónomo britânico Fred Hoyle, que ele acabou por achar interessante, indo ao ponto, quando saíu do hospital, de visitar o Lick Observatory, na Califórnia, e procurar astrónomos americanos para conhecer a sério o trabalho que faziam. 

Hoje confessa que se apaixonou pelo tema quando ouviu falar do nascimento das estrelas, que achou de tal modo “romântico” que escreveu um primeiro artigo sobre o assunto. O jornal entregou-lhe de boa vontade o lugar de redactor de temas científicos, porque não tinha outra pessoa.

“Tudo o que escrevi desde então tem sido uma experiência de aprendizagem, e é esse o prazer de ser um repórter  - especialmente num jornal como este, que encoraja os repórteres, novos ou velhos, a procurarem os temas que os fascinam e a dedicarem-se a eles.” (...) 

David Perlman confessa que, quando ainda estudava para vir a ser um jornalista, a imagem que tinha era a de vir para a rua com um cartão de “Press” no chapéu e fazer a reportagem de crimes:

“Eu tinha todas essas ideias românticas habituais dos candidatos ao jornalismo. Por outro lado, a minha carreira acabou por ser muito diferente do que eu alguma vez tinha imaginado, mas foi maravilhosa. E, aqui no Chronicle, os nossos editores deixaram-me fazer o tipo de trabalho que eu queria fazer.” (...) 

Sobre o que se passa hoje, com os cortes nas secções de divulgação científica dos jornais, David Perlman tem palavras fortes:

“Acho que é completamente obsceno. Os jornais, sejam eles online ou impressos, são um factor primordial na educação continuada e na consciência do público, especialmente das gerações mais novas. Quer sejam online ou impressos, a ideia de descurarem os avanços na ciência... isso vai criar uma geração com uma deficiência fundamental naquilo que podem pensar e compreender.” 

“Um exemplo perfeito disto é a controvérsia sobre as alterações climáticas, o aquecimento global e tudo o que isso implica. (...) Eu acho que os jornais abdicaram da sua responsabilidade ao reduzirem a cobertura científica. Houve um tempo em que tínhamos umas 50, ou até 75, secções de ciência em jornais por todo o país. Agora temos The New York Times às terças-feiras. Muito poucos jornais mantêm qualquer coisa próxima disso.” (...) 

 

A entrevista na íntegra, no Poynter.org

Connosco
Jornalistas são mais operários da notícia do que estrelas do "showbiz"... Ver galeria

O jornalismo “é uma profissão de ilustres desconhecidos, gente que em sua maior parte ganha pouco e luta para prestar serviço ao leitor, telespectador, ouvinte ou internauta; jornalistas estão mais para operários da notícia do que para estrelas do showbiz”. E reflexão é de Ronaldo Leges, que se apresenta como praticante do “jornalismo de bairro” e dirige uma crítica aos profissionais que passam essa fronteira para o lado do espectáculo, especialmente na televisão: “Não são poucos aqueles repórteres que com o ego inflamado buscam aparecer mais do que a fonte entrevistada e no fim distribuem seus autógrafos ao redor da multidão.” No Observatório da Imprensa do Brasil, com o qual mantemos um acordo de parceria.

A morte anunciada da televisão foi manifestamente exagerada... Ver galeria

Já se fizeram muitos “diagnósticos” (e alguns “prognósticos”) à televisão. Um dos mais recentes é que estava moribunda. Mas este seu fim anunciado é ele próprio “um mito gasto”. O êxito actual das novas séries é um bom exemplo: seria paradoxal anunciar a morte da televisão “no preciso momento em que as suas produções conquistam uma legitimidade cultural que ela procurou durante meio século”. Vistas as coisas em perspectiva histórica, o “discurso de denúncia” contra a televisão já foi usado “contra o romance em folhetins, a BD, o cinema e a leitura (que, como nota o historiador Roger Chartier, perde o seu estatuto sedicioso sob a ameaça da televisão, para se tornar no final do séc. XX o refúgio da cultura)”. Uma reflexão que continua, a propósito do próximo lançamento, em Paris, do livro Sociologie de la télévision.

O Clube


Este
site do Clube Português de Imprensa nasceu  em Novembro de 2015. Poderia ter sido lançado, como outros congéneres, apenas com o objectivo de ser um espaço informativo sobre as actividades prosseguidas pelo Clube e uma memória permanente do seu histórico  de quase meio século . Mas foi mais ambicioso.

Nestes dois anos decorridos quisemos ser, também, um espaço de reflexão sobre as questões mais prementes que se colocam hoje aos jornalistas e às empresas jornalísticas, perante a mudança de paradigma, com efeitos dramáticos em não poucos casos.

Os trabalhos inseridos e arquivados neste site constituem já um acervo invulgar , até pela estranha desatenção com que os media generalistas  seguem o fenómeno, que está a afectá-los gravemente e do qual  serão, afinal, as primeiras vítimas.

ver mais >
Opinião
As redes sociais e o passado
Francisco Sarsfield Cabral
O semanário britânico The Economist, geralmente um entusiasta do progresso científico e tecnológico, dedicou a capa e o primeiro editorial de um seu recente número a uma crítica severa às redes sociais. Estas, em vez de contribuírem para o esclarecimento público e o debate racional (como inicialmente se esperava), multiplicam mentiras e falsidades – por exemplo, as milhares de intromissões russas no Facebook e no...
Quem achar que a Amazon é apenas um vendedor de livros ou de discos está enganado, e muito. A Amazon tem estado no último ano a alargar o seu espectro de acção, comprando cadeias de retalhistas, oferecendo novos serviços através de parcerias que estabelece nas mais diversas áreas e, sobretudo, está a começar a utilizar o enorme conhecimento que tem sobre os hábitos dos seus clientes. Poucas empresas da nova economia...
O  estado dos media americanos continua a inspirar apreensão, e desenvolvimentos reportados desde o verão têem acentuado os motivos de preocupação, com poucas  excepções. Os relatórios do Pew Research Center – organização não-partidária com sede em Washington, fundada em 2004, dedicada ao estudo da evolução de sectores como o jornalismo, demografia, política e opinião...
Ao completar 25 anos, a SIC  cresceu, mas não se emancipou nem libertou o seu criador de preocupações. Francisco Pinto Balsemão, com 80 anos feitos, merecia um sossego que não tem, perante a crise que atingiu o Grupo de media que construiu do zero . Balsemão ganhou vários desafios, alguns deles complexos, desde que lançou o Expresso nos idos de 70 do século passado - o seu “navio-almirante”, como gosta de...
Num livro colectivo acabado de publicar, simultaneamente, em treze línguas e em dezenas de países espalhados pelo mundo inteiro, cuja versão francesa se intitula, significativamente, L’âge de la Régression: Pourquoi nous vivons un tournant historique[1], Appadurai disserta sobre o «sentimento de cansaço» que, na sua opinião domina a esfera pública. Sentimento de cansaço relativamente à forma de fazer...
Agenda
27
Nov
10º Congresso Sopcom
09:00 @ Viseu
27
Nov
Formação sobre podcasts
09:00 @ Cenjor,Lisboa
28
Nov
29
Nov
SEO para Jornalistas
09:00 @ Cenjor, Lisboa