Quarta-feira, 18 de Julho, 2018
Fórum

Publicidade com “estereótipos de género” vai ser combatida nos Media do Reino Unido

O combate às formas de publicidade consideradas “sexistas”, ou veiculando “estereótipos de género”, pode interditar muitos dos anúncios expostos no Reino Unido, se as medidas agora propostas forem aprovadas. A entidade reguladora  - a ASA – Advertising Standards Authority -  publicou o relatório Depictions, Perceptions and Harm, identificando várias situações que têm sido objecto de polémica, e enumera uma série de normas entendidas como necessárias para corrigir formas de publicidade incorrecta ou danosa. Este relatório será agora avaliado pelo Committee of Advertising Practice, ao qual compete estabelecer o código publicitário no Reino Unido, em todos os media  - desde a TV e os jornais aos painéis públicos e aos anúncios online

O título do relatório, que poderíamos traduzir por Descrições (ou Imagens), Percepções e Dano (ou Ofensa)  - sem esgotar a multiplicidade de sentidos sugeridos -  é revelador do terreno sujeito a controvérsia em que o estudo se move.  

A questão posta à partida, como refere Le Figaro, é a de saber se a legislação em vigor é suficiente para evitar “o potencial de causar dano ou ofensa proveniente da inclusão de estereótipos de género na publicidade” e, uma vez publicado o relatório, a resposta parece simples: não.  

É recordada uma das polémicas que deram mais agitação na opinião pública britânica, causada em 2015 pelo anúncio de uma marca de suplementos dietéticos, supostamente benéficos para a perda de peso, que mostrava uma jovem em biquini, em painéis no Metro de Londres, com a pergunta: “Está com o seu corpo pronto para a praia?”  

Houve uma petição com cerca de 70 mil assinaturas condenando esta publicidade como “socialmente irresponsável”, e foram enviadas 400 queixas à ASA. Esta autoridade reguladora acabou por não interditar o anúncio, afirmando que não entendia essa imagem como humilhante para “mulheres com diferentes formas corporais”, no sentido de as levar a procurar “suplementos de emagrecimento para se sentirem confiantes em fato de banho, em público”.  

“Ironicamente”  - como conta The Guardian -  “o anúncio acabou por ser removido porque continha publicidade enganosa a respeito das virtudes do suplemento da Protein World.”  

Como recorda ainda Le Figaro, “este debate acabou por ter repercussões políticas, porque Sadiq Khan, o actual mayor de Londres, tinha feito da luta contra a publicidade sexista uma das suas promessas de campanha; uma vez eleito, conseguiu mesmo proibir (até certo ponto) os anúncios revelando ‘corpos femininos irrealistas’ no Metro de Londres”.  

Há um sexismo muito enraizado na publicidade, segundo o estudo que o Geena Davis Institute publicou recentemente, baseado na observação de dois mil anúncios em língua inglesa, entre 2006 e 2017, e segundo o qual “as mulheres, sub-representadas na publicidade, são sobretudo remetidas para os papéis do serviço doméstico ou da mulher-objecto”.  

Citando ainda Le Figaro, “este problema não é, aliás, simplesmente anglo-saxónico: no final de 2016, 82% das francesas afirmavam que a publicidade ‘causava complexos’ às mulheres, segundo um estudo do Ministério das Famílias, da Infância e do Direito das Mulheres”.  

Segundo The Guardian, o presente projecto da ASA inscreve-se numa tendência que já levou a que determinados anúncios, mesmo com figuras famosas da beleza feminina, como Cara Delevingne, Natalie Portman e Julia Andrews, tenham sido banidos, assim como aqueles que exibem modelos “doentiamente magras”.  

 

Mais informação em Le Figaro e The Guardian, e o relatório de síntese da ASA, que contém o link para o texto completo

Connosco
CPI e "Tribuna de Macau" instituem Prémios de Ensaio e de Jornalismo da Lusofonia Ver galeria

O Prémio de Jornalismo da Lusofonia, instituído há um ano por iniciativa do jornal Tribuna de Macau, em parceria com o Clube Português de Imprensa, com o patrocínio da Fundação Jorge Álvares e o apoio do JL – Jornal de Artes, Letras e Ideias, reparte-se, nesta sua segunda edição, por dois: um aberto a textos originais, que passa a designar-se o Prémio Ensaio da Lusofonia, e outro que mantém o título de Prémio de Jornalismo da Lusofonia, destinado a textos já publicados, em suporte papel ou digital.

Mantém-se o espírito original de distinguir trabalhos “no quadro do desejado aprofundamento de todos os aspectos ligados à Língua Portuguesa, com relevo para a singularidade do posicionamento de Macau no seu papel de plataforma de ligação entre países de Língua Oficial Portuguesa”.

Jornalismo "ao vivo" em festival de Verão de "Le Monde" Ver galeria

Um festival de Verão sem estrondo de altifalantes, sem música de “fogo-de-artifício”, todo baseado na palavra, na conversa em grupo ou no diálogo directo com os jornalistas presentes. Durante o fim-de-semana de 13 a 15 de Julho, cerca de 4500 inscritos animaram a terceira edição do Festival Internacional de Jornalismo organizado pelo grupo Le Monde na localidade de Couthures, em França, à beira do rio Garonne. A aldeia não chega aos 400 habitantes, mas mais de 100 voluntários ajudaram a fazer funcionar, durante três dias, um encontro de muitos debates. Como disse Gilles van Kote, jornalista de Le Monde, a intenção era precisamente a de que tudo pudesse ser posto em questão, “sem tabus”.

O Clube
O CPI – Clube Português de Imprensa voltou a participar no Prémio  Europeu Helena Vaz da Silva para a Divulgação do Património Cultural 2018,  instituído em 2013 pelo Centro Nacional de Cultura,  em cooperação com a Europa Nostra, a principal organização europeia de defesa do património,  que o CNC representa em Portugal.   O Prémio foi atribuído, este ano,  à...

ver mais >
Opinião
Público: uma tradição manchada
Francisco Sarsfield Cabral
No início do corrente mês de julho os leitores do diário “Público” foram surpreendidos pela notícia de que o seu diretor, o prestigiado jornalista David Dinis, se havia demitido. Por aquilo que veio a saber-se através da comunicação social e de afirmações da administradora do jornal Cristina Soares – que é a única informação que possuo – a demissão de D. Dinis ficou a...
Ao ler no centenário “Diário de Noticias” a noticia da extinção formal da sua edição em papel, de Segunda–Feira a Sábado , a partir de Julho, fica a saber-se que o seu actual director, o  jornalista Ferreira Fernandes, entrou em “oito cafés(…) a caminho do cinema S. Jorge onde decorreu a apresentação do novo jornal” e só “contou três pessoas a ler o jornal em...
Boa ideia, Pedro
Manuel Falcão
Trabalhei um pouco mais de dois anos literalmente lado a lado com o Pedro Rolo Duarte no Se7e, dividíamos a direcção. Partilhávamos uma sala onde todos os dias fabricávamos ideias para fazer ressuscitar o jornal e agitar as águas, que era uma coisa que nos entretinha bastante. Foram dois anos de intensas e produtivas discussões, de muita criatividade e de várias crises - e sempre nos apoiámos mutuamente dos ataques que...
O optimismo de Centeno
Luís Queirós
"A economia da zona Euro cresce há 20 trimestres consecutivos", disse Mário Centeno no Grémio Literário, na palestra, proferida no passado dia 22 de Maio passado, integrada no ciclo que ali decorre subordinado ao tema  "O estado do Estado: Estado, Sociedade, Opções", uma iniciativa do Clube de Imprensa, em parceria com o Centro Nacional de Cultura e com o Grémio Literário. O Ministro das Finanças de Portugal e presidente do...
Em meados do séc. XVIII, os parisienses que quisessem manter-se “au courant” àcerca do andamento da Guerra dos Sete Anos (iniciada em 1756) não tinham muitas escolhas. Se fizessem parte, dentre os 600 mil habitantes da capital francesa, da minoria que sabia ler – menos de metade dos homens e uma quarta parte das mulheres – e também estivessem entre os poucos privilegiados que podiam dar-se ao luxo de comprar um jornal, tinham três...
Agenda
23
Jul
30
Jul
22
Ago
Edinburgh International Television Festival
09:00 @ Edimburgo, Escócia
28
Ago
Summer CEmp
09:00 @ Marvão
01
Set
dmexco
09:00 @ Colónia, Alemanha