Quinta-feira, 21 de Setembro, 2017
Media

Uma fórmula original de serviço público para apoiar o jornalismo local

A grande crise que se tem abatido sobre os meios de comunicação, nos Estados Unidos, é mais visível pelos cortes e despedimentos nos grandes títulos, mas regista um número incontável de vítimas entre os jornais de informação local. Agora, um grupo de jornalistas interessado em reverter esta tendência retoma a noção do serviço público como possível caminho de solução, e o seu espaço de implantação numa entidade autárquica americana pouco conhecida entre nós  -  os Distritos de Serviços Especiais.

Existem presentemente nos EUA mais de 30 mil Special Service Districts, cuja lógica é a vocação de serviço público numa determinada função e para uma determinada comunidade humana, que pode não coincidir com o território definido pelos Estados ou pelas municipalidades onde esta necessidade é sentida. 

Pode tratar-se de manter os serviços de bombeiros, ou de saúde, ou do fornecimento de água, por exemplo. Estes Distritos são sustentados por impostos ou outras contribuições recolhidas em determinada área geográfica, e ficam com a responsabilidade de servir as comunidades que contribuíram para isso. 

Existem depois, dentro desta rede, os Community Information Districts (à letra, Distritos de Informação Comunitária), que têm por missão servir as necessidades de informação em determinada área, que pode reunir várias municipalidades. 

É neste espaço que o jornalista Simon Galperin e os seus companheiros têm estado a propor a criação de um modelo de Special Service District direccionado para o jornalismo local. 

Os jornalistas que já foram abordados sobre este assunto  - como conta em artigo publicado na Columbia Journalism Review, que aqui citamos  -  “ficaram intrigados com a ideia, embora alguns se tenham tornado apreensivos quando se lhes pede que avaliem a proposta como contribuintes; mas nós também falámos com os contribuintes, que se mostraram de modo geral receptivos”. 

O autor cita o exemplo da sua cidade de Fair Lawn, no Estado de New Jersey, com 32 mil habitantes. Uma contribuição anual de 40 dólares por cada habitação podia financiar um orçamento operativo de 500 mil dólares a uma redacção vocacionada para compreender e servir as necessidades de noticiário e informação local da sua comunidade. 

“Esse orçamento podia manter jornais impressos ou online, ou a transmissão ao vivo das assembleias municipais. Um Special Service District para o jornalismo local podia organizar debates comunitários ou cursos de literacia dos media, criar um sistema de mensagens ou alertas de e-mail, ou pagar um serviço automatizado de resposta a perguntas como  – está em vigor o parqueamento em lados alternados?” (...) 

“Estes Community Information Districts não serão uma cura universal, e há obstáculos ao seu estabelecimento. Algumas comunidades podem resistir à noção de mais um imposto. Outras podem não ter, antes do mais, a base necessária para manter estes serviços. Estamos à procura de soluções para estes casos, mas não são insuperáveis.” (...) 

“O acesso às notícias e à informação é a chave para um governo democrático. O modelo dos CID’s oferece um motor financeiro para um jornalismo sustentável e radicalmente local, que por sua vez mantém a Imprensa regional e nacional. Proporciona um incentivo financeiro directo a jornalistas para que deixem as [cidades costeiras], se envolvam profundamente nas suas comunidades e passem a dar prioridade ao impacto do seu trabalho, em vez de às pageviews. Os CID’s podiam revitalizar e manter o noticiário local, reconstruir a confiança e aumentar o envolvimento cívico por todo o país.” 

 

O texto original, na íntegra, na CJ Review

Connosco
A prisão solitária do “egosistema digital” como doença contagiosa do nosso tempo Ver galeria

Há uma geração zombie deambulando pelas ruas sem levantar os olhos dos seus ecrãs, teclando no Whatsapp ou consultando o Facebook. Até os restaurantes se tornaram mais silenciosos, porque chamamos o empregado tocando num botão e conversamos à distância pelo smartphone sem prestar atenção aos vizinhos de mesa que estão a fazer exactamente o mesmo. Não é uma mudança tecnológica, é uma revolução sociológica. E o vírus é contagioso, impregnou o espaço do cosmos. Todos fomos contagiados pela doença do nosso tempo, o egosistema digital.

O jornalismo em “tempos de cólera” e a interacção com o público Ver galeria

Chegámos a um novo “patamar de interacção entre jornais e público, potencializado pela Internet e pelas ferramentas de diálogo”, e é nesse espaço  que “um tipo específico de emoção e de sensação” é agora exposto com mais frequência: “há casos recentes e emblemáticos que ilustram tempos de cólera, intolerância e polarização social por todo o mundo”. A questão de fundo é a de saber que papel de controlo, ou de mediação, pode ainda o jornalismo exercer. É este o tema do “comentário da semana” de ObjEthos, Observatório da Ética Jornalística do Brasil.

O Clube

Está formado o Júri que vai apreciar os trabalhos concorrentes ao Prémio de Jornalismo da Lusofonia, instituído pelo Clube Português de Imprensa (CPI) e pelo Jornal Tribuna de Macau (JTM),  com o apoio da Fundação Jorge Álvares.

O Júri será presidido por Dinis de Abreu, em representação do CPI, e integrado pelos jornalistas José Rocha Diniz, fundador e administrador do Jornal Tribuna de Macau, José Carlos de Vasconcelos, director do JL – Jornal de Letras, Artes e Ideias, Carlos Magno, pela Fundação Jorge Álvares e por José António Silva Pires, também do CPI.


ver mais >
Opinião
Na semana passada aconteceu o que há muito se esperava – um dos maiores grupos de comunicação anunciou que vai encerrar ou vender a maior parte dos seus títulos de imprensa. A braços com um endividamente gigantesco, acaba por reconhecer que as receitas que obtém, quando existem, são insuficientes para inverter a situação criada ao longo de anos. O cenário actual complica tudo: é devastador folhear um jornal...
Falhada a emissão obrigacionista, sabia-se que algo teria de acontecer na Impresa, em função do elevado nível do seu endividamento. A entrevista de 12 páginas publicada na revista do Expresso com António Costa, sem nenhuma novidade que justificasse tamanho relevo, acompanhada de uma invulgar chamada de capa  a 5 colunas (além da própria capa integral da revista)  já deixava perceber um critério editorial pouco...
Peter Barbey, actual proprietário (desde 2015) do The Village Voice, anunciou em 22 de Agosto o fim da edição impressa do semanário nova-iorquino, após 62 anos de publicação, continuando a ser produzida a versão digital. A edição impressa – gratuita desde há 21 anos -  tinha actualmente uma tiragem de 120 mil exemplares, enquanto a versão digital, segundo a comScore (empresa de análise de...
Balsemão e o jornalismo
Francisco Sarsfield Cabral
O grupo Impresa passa por algumas dificuldades, constando que irá vender, ou fechar, certas revistas. Mas essas dificuldades não devem levar-nos a esquecer que Francisco P. Balsemão é um destacado empresário da comunicação social. Chegou a primeiro-ministro, mas a sua paixão era e é o jornalismo. Por isso, enquanto chefe do grupo Impresa, soube compreender e até promover a independência editorial dos seus...
O Rumo da Europa
Luís Queirós
Na minha opinião, as declarações da Sra Merkel na Baviera - proferidas no rescaldo da cimeira do G7, em Taormina- podem ser o sinal de uma mudança de rumo para a Europa. No essencial, a Sra. Merkel sentenciou que "os europeus têm de cuidar de si próprios e resolver os seus problemas, e que a Europa tem de continuar a manter boas relações com  os Estados Unidos e com ao Reino Unido, mas também com outros países,...
Agenda
25
Set
4º Workshop de Pós-Graduação em Ciência da Informação
09:00 @ Faculdade de Letras da Universidade do Porto
25
Set
Atelier de Jornalismo Televisivo
09:00 @ Cenjor, Lisboa
02
Out
09
Out