Terça-feira, 21 de Agosto, 2018
Media

Uma fórmula original de serviço público para apoiar o jornalismo local

A grande crise que se tem abatido sobre os meios de comunicação, nos Estados Unidos, é mais visível pelos cortes e despedimentos nos grandes títulos, mas regista um número incontável de vítimas entre os jornais de informação local. Agora, um grupo de jornalistas interessado em reverter esta tendência retoma a noção do serviço público como possível caminho de solução, e o seu espaço de implantação numa entidade autárquica americana pouco conhecida entre nós  -  os Distritos de Serviços Especiais.

Existem presentemente nos EUA mais de 30 mil Special Service Districts, cuja lógica é a vocação de serviço público numa determinada função e para uma determinada comunidade humana, que pode não coincidir com o território definido pelos Estados ou pelas municipalidades onde esta necessidade é sentida. 

Pode tratar-se de manter os serviços de bombeiros, ou de saúde, ou do fornecimento de água, por exemplo. Estes Distritos são sustentados por impostos ou outras contribuições recolhidas em determinada área geográfica, e ficam com a responsabilidade de servir as comunidades que contribuíram para isso. 

Existem depois, dentro desta rede, os Community Information Districts (à letra, Distritos de Informação Comunitária), que têm por missão servir as necessidades de informação em determinada área, que pode reunir várias municipalidades. 

É neste espaço que o jornalista Simon Galperin e os seus companheiros têm estado a propor a criação de um modelo de Special Service District direccionado para o jornalismo local. 

Os jornalistas que já foram abordados sobre este assunto  - como conta em artigo publicado na Columbia Journalism Review, que aqui citamos  -  “ficaram intrigados com a ideia, embora alguns se tenham tornado apreensivos quando se lhes pede que avaliem a proposta como contribuintes; mas nós também falámos com os contribuintes, que se mostraram de modo geral receptivos”. 

O autor cita o exemplo da sua cidade de Fair Lawn, no Estado de New Jersey, com 32 mil habitantes. Uma contribuição anual de 40 dólares por cada habitação podia financiar um orçamento operativo de 500 mil dólares a uma redacção vocacionada para compreender e servir as necessidades de noticiário e informação local da sua comunidade. 

“Esse orçamento podia manter jornais impressos ou online, ou a transmissão ao vivo das assembleias municipais. Um Special Service District para o jornalismo local podia organizar debates comunitários ou cursos de literacia dos media, criar um sistema de mensagens ou alertas de e-mail, ou pagar um serviço automatizado de resposta a perguntas como  – está em vigor o parqueamento em lados alternados?” (...) 

“Estes Community Information Districts não serão uma cura universal, e há obstáculos ao seu estabelecimento. Algumas comunidades podem resistir à noção de mais um imposto. Outras podem não ter, antes do mais, a base necessária para manter estes serviços. Estamos à procura de soluções para estes casos, mas não são insuperáveis.” (...) 

“O acesso às notícias e à informação é a chave para um governo democrático. O modelo dos CID’s oferece um motor financeiro para um jornalismo sustentável e radicalmente local, que por sua vez mantém a Imprensa regional e nacional. Proporciona um incentivo financeiro directo a jornalistas para que deixem as [cidades costeiras], se envolvam profundamente nas suas comunidades e passem a dar prioridade ao impacto do seu trabalho, em vez de às pageviews. Os CID’s podiam revitalizar e manter o noticiário local, reconstruir a confiança e aumentar o envolvimento cívico por todo o país.” 

 

O texto original, na íntegra, na CJ Review

Connosco
A crise de identidade nos jornais de prestígio e a “anarquia digital” Ver galeria

As datas são recentes, mas a história que contam parece comprida, tem capítulos uns atrás dos outros. O efeito da revolução digital sobre o jornal impresso está sempre a ser revisto e avaliado, como nos filmes de ficção científica em que o herói vai ao passado para tentar “corrigir” a História.
“O marco da anarquia digital é 1996, ninguém previu o novo ciclo e ele se inicia para implantar o caos e desorganizar a segurança conservadora, principalmente dos grandes grupos de comunicação.”

A reflexão é do jornalista Luís Sérgio Santos, docente de Desenho Editorial na Universidade Federal do Ceará, e o seu texto multiplica termos como “ameaça”, “abismo”, “conflito”, “incerteza”. Mas trata-se apenas de uma abordagem à “crise de identidade dos jornais de prestígio”  - título que escolheu para este artigo, publicado no Observatório da Imprensa do Brasil.

O perigo de instrumentalizar a Rede para uma "guerra digital" Ver galeria

A relação entre os poderes instituídos e o novo poder das redes sociais passou por diversas fases. Houve um tempo em que alguns governos temeram a voz do povo na Internet, e fenómenos como as Primaveras Árabes, que derrubaram regimes instalados, levaram ao bloqueio destas plataformas. “Mas agora muitos governos descobriram que é mais útil intoxicar nas redes sociais do que proibi-las. E os trolls encarregam-se do resto.”

É esta a reflexão inicial do jornalista e empreendedor no meio digital Miguel Ossorio Vega, que faz uma síntese do ocorrido neste terreno nos últimos anos, chamando a atenção para o que considera serem os maiores perigos da ciberguerra em curso.

O Clube
O CPI – Clube Português de Imprensa voltou a participar no Prémio  Europeu Helena Vaz da Silva para a Divulgação do Património Cultural 2018,  instituído em 2013 pelo Centro Nacional de Cultura,  em cooperação com a Europa Nostra, a principal organização europeia de defesa do património,  que o CNC representa em Portugal.   O Prémio foi atribuído, este ano,  à...

ver mais >
Opinião
Trump contra o jornalismo
Francisco Sarsfield Cabral
Numa iniciativa inédita, mais de 300 órgãos de comunicação dos EUA manifestaram na quinta-feira repúdio contra os violentos ataques de Trump ao jornalismo.  Como jornalista com muitos anos de profissão, tenho pena de reconhecer que a qualidade do produto jornalístico baixou ao longo das últimas décadas. Mas importa perceber porquê. No século XIX o jornalismo resumia-se a… jornais impressos....
É inegável a importância da tomada de posição conjunta de 350 jornais americanos que, respondendo a um apelo do The Boston Globe, assinaram  editoriais simultâneos, rejeitando a política de hostilidade desencadeada pelo presidente Trump contra os media. A data de 16 de Agosto ficará para a História da Imprensa  americana ao assumir esta iniciativa solidária e absolutamente inédita, que mobilizou grandes...
O optimismo de Centeno
Luís Queirós
"A economia da zona Euro cresce há 20 trimestres consecutivos", disse Mário Centeno no Grémio Literário, na palestra, proferida no passado dia 22 de Maio passado, integrada no ciclo que ali decorre subordinado ao tema  "O estado do Estado: Estado, Sociedade, Opções", uma iniciativa do Clube de Imprensa, em parceria com o Centro Nacional de Cultura e com o Grémio Literário. O Ministro das Finanças de Portugal e presidente do...
Em meados do séc. XVIII, os parisienses que quisessem manter-se “au courant” àcerca do andamento da Guerra dos Sete Anos (iniciada em 1756) não tinham muitas escolhas. Se fizessem parte, dentre os 600 mil habitantes da capital francesa, da minoria que sabia ler – menos de metade dos homens e uma quarta parte das mulheres – e também estivessem entre os poucos privilegiados que podiam dar-se ao luxo de comprar um jornal, tinham três...