Sexta-feira, 22 de Setembro, 2017
Media

História da Al-Jazeera "longe de ser perfeita" vista por um seu “biógrafo”

A estação Al-Jazeera está “longe de ser perfeita”, e a sua política continua controversa, mas “as sociedades árabes beneficiam por terem uma diversidade de vozes debatendo os temas actuais”. “Fechar qualquer empresa noticiosa enfraquece a viabilidade de uma Imprensa livre  - em especial numa região onde a democracia tem tanta dificuldade em consolidar-se.” Esta reflexão é de Philip Seib, docente de Jornalismo e Relações Internacionais na Universidade de Southern California, citada do European Journalism Observatory.

O autor começa por se declarar um estudioso e comentador do fenómeno Al-Jazeera desde o seu começo, o que o levou, em 2008, a publicar o livro The Al Jazeera Effect

Philip Seib descreve a surpresa que causou na paisagem mediática árabe, quando foi fundada em 1996, oferecendo “uma cobertura relativamente não censurada da política na região”, um pouco à semelhança dos noticiários da BBC e da CNN

Mais importante, quando aconteceu a Segunda Intifada (o levantamento Palestiniano de 2000 contra Israel), “as audiências árabes já não tinham de ligar para as estações ocidentais para obterem uma análise sobre o que estava a acontecer; em vez disso viam repórteres árabes cobrindo as notícias com uma inclinação pró-árabe”. (...) 

“Em termos mais amplos, o canal tornou-se controverso devido à sua reportagem das guerras americanas no Afeganistão e no Iraque. O governo de George W. Bush considerou a sua cobertura inflamatória, pelo relevo atribuído às baixas civis nesses conflitos, com representantes oficiais acusando a Al-Jazeera de atiçar a oposição contra os esforços dos Estados Unidos na região.” (...)

Philip Seib explica, também, que, sendo embora muito crítica das classes dominantes na maior parte dos Estados árebes, a Al-Jazeera não faz a cobertura da família real do Qatar com o mesmo nível de investigação, sendo considerada, na prática, uma parte do “aparelho de política estrangeira do Qatar”. (...) 

“A Arábia Saudita, o Bahrain e os Emirados Árabes Unidos sentiram-se especialmente contrariados com a Al-Jazeera e os seus proprietários do Qatar a partir das Primaveras Árabes de 2011. Eles consideraram a Al-Jazeera como favorável aos contestatários e entenderam que estava a soprar as labaredas da revolta que ameaçava as monarquias da região.” 

Philip Seib afirma que a Al-Jazeera fez uma cobertura favorável à Irmandade Muçulmana (o que enfureceu o Presidente Abdel Fattah el-Sisi), e que é verdade que a sua reportagem tem “uma inclinação pró-Islamista”. Os adversários do Qatar dizem “que esta reportagem toma a forma de uma cobertura simpática não só da Irmandade Muçulmana, mas ainda de grupos ligados à Al-Qaeda na Síria e no Iemen”. (...) 

Apesar de tudo, e em conclusão, o autor declara:

“O Médio Oriente tem problemas incontáveis, mas eles não vão ser resolvidos fazendo recuar uma já limitada liberdade de Imprensa.”

 

O artigo de Philip Seib, no European Journalism Observatory

Connosco
A prisão solitária do “egosistema digital” como doença contagiosa do nosso tempo Ver galeria

Há uma geração zombie deambulando pelas ruas sem levantar os olhos dos seus ecrãs, teclando no Whatsapp ou consultando o Facebook. Até os restaurantes se tornaram mais silenciosos, porque chamamos o empregado tocando num botão e conversamos à distância pelo smartphone sem prestar atenção aos vizinhos de mesa que estão a fazer exactamente o mesmo. Não é uma mudança tecnológica, é uma revolução sociológica. E o vírus é contagioso, impregnou o espaço do cosmos. Todos fomos contagiados pela doença do nosso tempo, o egosistema digital.

O jornalismo em “tempos de cólera” e a interacção com o público Ver galeria

Chegámos a um novo “patamar de interacção entre jornais e público, potencializado pela Internet e pelas ferramentas de diálogo”, e é nesse espaço  que “um tipo específico de emoção e de sensação” é agora exposto com mais frequência: “há casos recentes e emblemáticos que ilustram tempos de cólera, intolerância e polarização social por todo o mundo”. A questão de fundo é a de saber que papel de controlo, ou de mediação, pode ainda o jornalismo exercer. É este o tema do “comentário da semana” de ObjEthos, Observatório da Ética Jornalística do Brasil.

O Clube

Está formado o Júri que vai apreciar os trabalhos concorrentes ao Prémio de Jornalismo da Lusofonia, instituído pelo Clube Português de Imprensa (CPI) e pelo Jornal Tribuna de Macau (JTM),  com o apoio da Fundação Jorge Álvares.

O Júri será presidido por Dinis de Abreu, em representação do CPI, e integrado pelos jornalistas José Rocha Diniz, fundador e administrador do Jornal Tribuna de Macau, José Carlos de Vasconcelos, director do JL – Jornal de Letras, Artes e Ideias, Carlos Magno, pela Fundação Jorge Álvares e por José António Silva Pires, também do CPI.


ver mais >
Opinião
Na semana passada aconteceu o que há muito se esperava – um dos maiores grupos de comunicação anunciou que vai encerrar ou vender a maior parte dos seus títulos de imprensa. A braços com um endividamente gigantesco, acaba por reconhecer que as receitas que obtém, quando existem, são insuficientes para inverter a situação criada ao longo de anos. O cenário actual complica tudo: é devastador folhear um jornal...
Falhada a emissão obrigacionista, sabia-se que algo teria de acontecer na Impresa, em função do elevado nível do seu endividamento. A entrevista de 12 páginas publicada na revista do Expresso com António Costa, sem nenhuma novidade que justificasse tamanho relevo, acompanhada de uma invulgar chamada de capa  a 5 colunas (além da própria capa integral da revista)  já deixava perceber um critério editorial pouco...
Peter Barbey, actual proprietário (desde 2015) do The Village Voice, anunciou em 22 de Agosto o fim da edição impressa do semanário nova-iorquino, após 62 anos de publicação, continuando a ser produzida a versão digital. A edição impressa – gratuita desde há 21 anos -  tinha actualmente uma tiragem de 120 mil exemplares, enquanto a versão digital, segundo a comScore (empresa de análise de...
Balsemão e o jornalismo
Francisco Sarsfield Cabral
O grupo Impresa passa por algumas dificuldades, constando que irá vender, ou fechar, certas revistas. Mas essas dificuldades não devem levar-nos a esquecer que Francisco P. Balsemão é um destacado empresário da comunicação social. Chegou a primeiro-ministro, mas a sua paixão era e é o jornalismo. Por isso, enquanto chefe do grupo Impresa, soube compreender e até promover a independência editorial dos seus...
O Rumo da Europa
Luís Queirós
Na minha opinião, as declarações da Sra Merkel na Baviera - proferidas no rescaldo da cimeira do G7, em Taormina- podem ser o sinal de uma mudança de rumo para a Europa. No essencial, a Sra. Merkel sentenciou que "os europeus têm de cuidar de si próprios e resolver os seus problemas, e que a Europa tem de continuar a manter boas relações com  os Estados Unidos e com ao Reino Unido, mas também com outros países,...
Agenda
25
Set
4º Workshop de Pós-Graduação em Ciência da Informação
09:00 @ Faculdade de Letras da Universidade do Porto
25
Set
Atelier de Jornalismo Televisivo
09:00 @ Cenjor, Lisboa
02
Out
09
Out