Sexta-feira, 22 de Setembro, 2017
Fórum

As sondagens como alquimia mediática para influenciar o espaço público

Há mais de meio século que os media atribuem às sondagens um papel cada vez maior, para tratarem cada vez mais temas e questões. Mas o que são, afinal, as sondagens? Instrumentos objectivos de medida, ou antes ferramentas destinadas a influenciar a chamada “opinião pública”? É esta a reflexão sarcástica de um texto assinado por Blaise Magnin e Denis Souchon e publicado no AcrimedObservatoire des Médias, em França.

Blaise Magnin, investigador em Ciências Políticas na Universidade de Nanterre, e Denis Souchon, jornalista e membro do Acrimed, chegam à conclusão de que os meios de comunicação que procedem deste modo “tendem a impor a sua visão do espaço social e participam, de facto, na elaboração desta forma de discurso a que Pierre Bourdieu e Luc Boltanski chamavam, em 1976, a ‘ideologia dominante’ pela qual ‘a fracção dominante da classe dominante fornece a sua filosofia social’.”  (...) 

“Este trabalho de imposição de problemáticas ou de pseudo-problemáticas por meio das sondagens é um trabalho colectivo realizado, em estreita relação de concorrência e de obrigações recíprocas com os actores dos mundos políticos e mediáticos, por um clero composto de pseudo-sábios habitualmente chamados sondeurs [técnicos ou especialistas de sondagens].” 

“Estes sondeurs (que são, em muitos aspectos, para o conhecimento do mundo social, aquilo que são os alquimistas para a química ou os atrólogos para a astronomia) são, de facto, administradores de opiniões, tornados mediaticamente omnipresentes desde há 30 anos, sendo ao mesmo tempo os agentes de uma indústria com fins (muito) lucrativos, da qual as sondagens políticas não constituem mais do que a parte visível e a montra de prestígio: a dos inquéritos de opinião com objectivos comerciais, realizados junto dos consumidores.” (...) 

O artigo que citamos detém-se depois sobre duas dúzias de técnicos ou especialistas de sondagens, em França, “activos em 2017, que ocuparam ou continuam a ocupar metodicamente o espaço mediático, com frequências de aparição variáveis ao longo da carreira de cada um, e de um indivíduo para outro”. (...) 

Entre outras características, eles são definidos como “quase-ventríloquos do poder”, por efeito da formação em “Sciences-po” [Ciências Políticas] de cerca de 80%, “que explica em grande parte este ‘ar de família’ (social e ‘intelectual’) que emana deles”. Por sua vez, esta “formação comum explica como parecem intermutáveis na sua forma de contribuirem para pôr em palavras, em números e em curvas [de gráfico] as prioridades, as preocupações e as ‘soluções’ dos seus ex-condiscípulos que ocupam posições de poder nos campos económicos, políticos e mediáticos”. (...) 

Um destes especialistas é objecto particular de atenção no texto que citamos  -  Stéphane Rozès, apresentado como alguém que, “em três decénios, construiu um curriculum vitae que lhe permite tocar ‘música fina’ em quase todos os media e lugares de poder”. 

O diagnóstico final sobre o uso presente das sondagens no universo mediático é sobrio, citando mais uma vez Pierre Bourdieu:

“Entrámos na era da demagogia racional ou racionalizada. A lógica do plebiscito, que é a da sondagem ou da entrevista na televisão em directo, ou do audimat, ou do inquérito de marketing comercial ou político, pode conduzir às formas mais primitivas da barbárie, contra a qual todas as instituições democráticas, parlamentares e, nomeadamente, judiciais, foram construídas.”

 

O artigo citado, na íntegra, no site de Acrimed, a que pertencem ambas as imagens utilizadas

Connosco
A prisão solitária do “egosistema digital” como doença contagiosa do nosso tempo Ver galeria

Há uma geração zombie deambulando pelas ruas sem levantar os olhos dos seus ecrãs, teclando no Whatsapp ou consultando o Facebook. Até os restaurantes se tornaram mais silenciosos, porque chamamos o empregado tocando num botão e conversamos à distância pelo smartphone sem prestar atenção aos vizinhos de mesa que estão a fazer exactamente o mesmo. Não é uma mudança tecnológica, é uma revolução sociológica. E o vírus é contagioso, impregnou o espaço do cosmos. Todos fomos contagiados pela doença do nosso tempo, o egosistema digital.

O jornalismo em “tempos de cólera” e a interacção com o público Ver galeria

Chegámos a um novo “patamar de interacção entre jornais e público, potencializado pela Internet e pelas ferramentas de diálogo”, e é nesse espaço  que “um tipo específico de emoção e de sensação” é agora exposto com mais frequência: “há casos recentes e emblemáticos que ilustram tempos de cólera, intolerância e polarização social por todo o mundo”. A questão de fundo é a de saber que papel de controlo, ou de mediação, pode ainda o jornalismo exercer. É este o tema do “comentário da semana” de ObjEthos, Observatório da Ética Jornalística do Brasil.

O Clube

Está formado o Júri que vai apreciar os trabalhos concorrentes ao Prémio de Jornalismo da Lusofonia, instituído pelo Clube Português de Imprensa (CPI) e pelo Jornal Tribuna de Macau (JTM),  com o apoio da Fundação Jorge Álvares.

O Júri será presidido por Dinis de Abreu, em representação do CPI, e integrado pelos jornalistas José Rocha Diniz, fundador e administrador do Jornal Tribuna de Macau, José Carlos de Vasconcelos, director do JL – Jornal de Letras, Artes e Ideias, Carlos Magno, pela Fundação Jorge Álvares e por José António Silva Pires, também do CPI.


ver mais >
Opinião
Na semana passada aconteceu o que há muito se esperava – um dos maiores grupos de comunicação anunciou que vai encerrar ou vender a maior parte dos seus títulos de imprensa. A braços com um endividamente gigantesco, acaba por reconhecer que as receitas que obtém, quando existem, são insuficientes para inverter a situação criada ao longo de anos. O cenário actual complica tudo: é devastador folhear um jornal...
Falhada a emissão obrigacionista, sabia-se que algo teria de acontecer na Impresa, em função do elevado nível do seu endividamento. A entrevista de 12 páginas publicada na revista do Expresso com António Costa, sem nenhuma novidade que justificasse tamanho relevo, acompanhada de uma invulgar chamada de capa  a 5 colunas (além da própria capa integral da revista)  já deixava perceber um critério editorial pouco...
Peter Barbey, actual proprietário (desde 2015) do The Village Voice, anunciou em 22 de Agosto o fim da edição impressa do semanário nova-iorquino, após 62 anos de publicação, continuando a ser produzida a versão digital. A edição impressa – gratuita desde há 21 anos -  tinha actualmente uma tiragem de 120 mil exemplares, enquanto a versão digital, segundo a comScore (empresa de análise de...
Balsemão e o jornalismo
Francisco Sarsfield Cabral
O grupo Impresa passa por algumas dificuldades, constando que irá vender, ou fechar, certas revistas. Mas essas dificuldades não devem levar-nos a esquecer que Francisco P. Balsemão é um destacado empresário da comunicação social. Chegou a primeiro-ministro, mas a sua paixão era e é o jornalismo. Por isso, enquanto chefe do grupo Impresa, soube compreender e até promover a independência editorial dos seus...
O Rumo da Europa
Luís Queirós
Na minha opinião, as declarações da Sra Merkel na Baviera - proferidas no rescaldo da cimeira do G7, em Taormina- podem ser o sinal de uma mudança de rumo para a Europa. No essencial, a Sra. Merkel sentenciou que "os europeus têm de cuidar de si próprios e resolver os seus problemas, e que a Europa tem de continuar a manter boas relações com  os Estados Unidos e com ao Reino Unido, mas também com outros países,...
Agenda
25
Set
4º Workshop de Pós-Graduação em Ciência da Informação
09:00 @ Faculdade de Letras da Universidade do Porto
25
Set
Atelier de Jornalismo Televisivo
09:00 @ Cenjor, Lisboa
02
Out
09
Out