Sexta-feira, 22 de Fevereiro, 2019
Fórum

Ser mulher jornalista em países muçulmanos segundo uma iraniana

“Ser uma jornalista tem riscos, em sociedades islâmicas patriarcais como o Irão.” Quando foi presa, em 2014, juntamente com o marido, a iraniana Yeganeh Rezaian conta que havia nessa altura cinco dúzias de jornalistas atrás das grades, sendo dez mulheres. Da sua própria experiência, como da que conheceu de outras, e não só no Irão, recolheu os testemunhos que apresenta no trabalho “Como as mulheres jornalistas são silenciadas num mundo de homens: a espada de dois gumes de fazer reportagem em países muçulmanos”.

A autora conta que esteve detida 72 noites, 69 das quais em cela solitária, antes de sair em liberdade condicional, sob fiança. Não foi acusada nem levada a julgamento, e hoje pensa que estava a ser usada como pressão sobre o marido, Jason Rezaian, que fora chefe da delegação do Washington Post em Teerão e passou 18 meses na prisão, enquanto o Irão e as potências mundiais, incluindo os EUA, negociavam o histórico acordo nuclear. 

“Eu compreendi que, embora as mulheres jornalistas sejam um número pequeno entre todos os que se encontram presos, nós enfrentamos ameaças e desafios distintos, muitos dos quais podem ficar escondidos do mundo por meio de tácticas de pressão como aquelas que eu tive de suportar. Também compreendi que fazem parte de um objectivo mais vasto, de silenciar as mulheres e desorganizar os movimentos de base no sentido da igualdade de género.” (...) 

“As mulheres jornalistas enfrentam determinadas ameaças, tais como initimidação sexual, agressão ou assédio sexual, com muito maior frequência do que os seus colegas masculinos, o que torna necessária e imperiosa uma formação em segurança específica para o seu género, segundo o Comité para a Protecção dos Jornalistas e outras organizações. Não há recursos nem programas de formação suficientes nem mesmo para os membros regulares das maiores empresas internacionais de media, no sentido de preparar as mulheres para o confronto com a violência e outras ameaças. Para as freelancers, não há praticamente nada.” (...) 

No seu texto, Yeganeh Rezaian descreve casos frequentes  - um deles passado consigo -  em que uma jornalista cuja reportagem começa a tornar-se incómoda se torna alvo de chantagem via e-mail, com ameaças de divulgação de escândalos sexuais inventados, mas eficazes para degradação da sua imagem pública. 

Os homens que têm de entrevistar podem assumir atitudes de vários tipos: há os mais conservadores, que chegam a evitar o contacto visual, ou se recusam mesmo a falar com uma repórter, porque “aceitam a visão extrema segundo a qual não é permitido encontrar-se com uma mulher que não seja membro da sua família”. Mas outros “tratam-na como uma sedutora, interagindo com ela como se a sua única utilidade como mulher fosse para gratificação sexual; nunca o dizem em voz alta, mas o movimento dos seus olhos diz tudo.” (...) 

Curiosamente, há um ponto em que ser mulher pode beneficiar o seu trabalho como jornalista. Khadija Ismayilova, uma jornalista do Azerbeijão, contou-lhe que isso sucede porque muitas pessoas “subestimam a inteligência da mulher”: 

“Pelo facto de sermos mulheres, os nossos entrevistados consideram-nos umas tontas e explicam tudo com mais detalhe. Isto torna as nossas entrevistas mais completas. É mais fácil para uma mulher conseguir um autêntico soundbite”  - disse.

 

 

O trabalho de Yeganeh Rezaian, inicialmente publicado no site do Shorenstein Center, é aqui parcialmente citado da Global Investigative Journalism Network. A imagem presente neste site do GIJN é de Shifa Gardi, jornalista de uma estação de televisão curda do Iraque, que foi morta em reportagem, pela explosão de uma bomba.

Connosco
Eslováquia recorda jornalista morto há um ano Ver galeria
“Esperamos respostas tão breve quanto possível, porque ainda há muitas questões”  - afirmou.
Prémios do World Press Photo 2019 já têm candidatos escolhidos... Ver galeria

Um fotojornalista português, Mário Cruz, da Agência Lusa, figura entre os nomeados para o World Press Photo 2019, o mais prestigiado prémio de fotojornalismo do mundo, cuja identidade e trabalhos a concurso foram agora conhecidos. A Fundação organizadora introduziu também uma nova categoria a ser premiada, a História do Ano, destinada a “fotógrafos cuja criatividade e habilidades visuais produziram uma história com excelente edição e sequenciamento, que captura ou representa um evento ou assunto de grande importância jornalística”.

A imagem de Mário Cruz, intitulada “Viver entre o que foi deixado para trás”, mostra uma criança recolhendo material reciclável, deitada num colchão cercado por lixo, enquanto flutua no rio Pasig, em Manila, nas Filipinas.

Os vencedores do concurso serão conhecidos na cerimónia marcada para 11 de Abril, em Amesterdão, na Holanda.

O Clube


Lançado em Novembro de 2015, este site tem vindo a conquistar uma audiência crescente, traduzida no número de visitantes e de sessões e do tempo médio despendido. É reconfortante e  encorajador, para um projecto concebido para ser um espaço de informação e de reflexão sobre os problemas que se colocam, de uma forma cada vez mais aguda, ao jornalismo e aos  media.

Observa-se , aliás, ressalvadas as excepções , que a problemática dos media , desde a precariedade  dos seus quadros às incertezas do futuro -  quer no plano tecnológico  quer no editorial - , raramente  constitui  tema de debate  nas páginas dos jornais, e menos ainda nas  suas versões  online ou nos audiovisuais. É um assunto quase tabú.


ver mais >
Opinião
Adoro imprensa…
Manuel Falcão
Sou um apaixonado leitor de imprensa, quer de jornais quer de revistas, e gosto de seguir o que se publica. A edição mais recente da revista Time tem por título de capa "The Art Of Optimism" e apresenta 34 pessoas que são relevantes e inspiracionais, na sociedade norte-americana, mostrando o que estão a fazer. A edição é cuidada e permite-nos ter de forma sintética um retrato daquilo que tantas vezes passa despercebido. O...
Os actuais detentores da Global Media, proprietária do Diário de Noticias e do Jornal de Noticias, além da TSF e de outros títulos, parecem estar a especializar-se como uma espécie  de “comissão  liquidatária” da empresa. Depois de alienarem  o edifício-sede histórico do Diário de Noticias , construído de raiz para albergar aquele jornal centenário,  segundo um projecto de Pardal...
Zé Manel, o talento e a sensualidade
António Gomes de Almeida
Geralmente considerado um dos mais talentosos ilustradores portugueses, a sua arte manifestou-se sob várias facetas, desde as Capas e as Ilustrações de Livros à Banda Desenhada, aos Cartazes, ao Cartoon, à Caricatura e, até, ao Vitral. E será, provavelmente, essa dispersão por tantos meios de expressão da sua Arte que fez com que demorasse algum tempo, antes de ser tão conhecido do grande público, e de ter a...
Jornalismo a meia-haste
Graça Franco
Atropelados pela ditadura do entretenimento, podemos enquanto “informadores” desde já colocar a bandeira a meia-haste. O jornalismo não está a morrer. Está a cometer suicídio em direto. Temi que algum jornalista se oferecesse para partilhar a cadeia com Armando Vara, só para ver como este se sentia “já lá dentro”. A porta ia-se fechando, em câmara lenta, e o enxame de microfones não largava a presa. O...
Há, na ideia de uma comunicação social estatizada ou ajudada pelo governo, uma contradição incontornável: como pode a imprensa depender da entidade que mais se queixa da imprensa? Uma parte da comunicação social portuguesa – televisão, rádio, imprensa escrita — é deficitária, está endividada e admite “problemas de tesouraria”. Mas acima desse, há outro problema, mais grave:...
Agenda
26
Fev
Digital Summit Seattle
09:00 @ Seattle, EUA
02
Mar
LinkedIn para Jornalistas
09:00 @ Cenjor, Lisboa
04
Mar
Simpósio de Radiodifusão Digital da ABU
09:00 @ Kuala Lumpur, Malásia