Terça-feira, 11 de Dezembro, 2018
Media

Quando um jornalismo em mudança faz mudar também o seu ensino

Houve tanta mudança e tanta inovação no jornalismo, nestes últimos anos, que a própria investigação académica sobre o ensino do mesmo acabou por ser submetida a um ritmo a que as ciências sociais não estavam habituadas. As coisas estão muito diferentes daquilo que eram. O que não mudou muito é o tempo de conceber, escrever, rever, editar e imprimir um livro que dê conta do que se passa. É esta a reflexão inicial dos dois autores de Remaking the News, um ensaio que “procura avaliar estas duas décadas de ensino do jornalismo e imaginar os novos caminhos que se abrem à sua frente”.

Ambos professores em escolas de Comunicação e Jornalismo, nos Estados Unidos, C.W. Anderson e Pablo Boczkowski resumem em três pontos principais as lições que aprenderam nestes quatro anos de produção conjunta de Remaking the News  (o primeiro já tinha publicado, em 2013, Rebuilding the News: Metropolitan Journalism in the Digital Age). 

A primeira é que os media têm estado a experimentar modos alternativos de apresentar a informação e contar uma história. Em consequência disto, também os docentes de jornalismo sentem esse impulso e, neste caso, eles optaram pelo formato do ensaio para o livro que agora publicaram. “Descobrimos que ele promovia a criatividade intelectual e a alegria de modos que não vemos habitualmente no processo de escrever o género dominante, que é o artigo de jornal.” 

Usando uma imagem do desporto, não há nada como correr na floresta, mas, quando o tempo está muito frio, mantém-se a forma no ginásio. A disciplina clássica do artigo de jornal é como a passadeira rolante do corredor de ginásio  - faz falta, mas não tem a mesma graça. 

O problema é que as instituições académicas exercem tanta pressão sobre a capacidade produtiva dos docentes que eles acabam a escrever como quem corre dentro da roda de plástico de um hamster, como disse o jornalista Dean Starkman, autor de The Watchdog that didn’t bark (“O cão de guarda que não ladrou”  - referindo-se ao papel vigilante do jornalismo). 

A segunda é que a diversidade e mesmo o conflito podem ser fontes de força e inovação, tanto para os profissionais dos media como para os investigadores. O artigo cita o conceito de multiperspectivism, desenvolvido por Herbert Gans, chegando à ideia de que “os jornalistas fariam bem em incorporar uma orientação no sentido de alargar o conjunto de tópicos e de vozes representadas nas notícias; por consequência, isto também significa acolher pontos de vista em competição entre si, dentro do relato da notícia, de uma forma mais inclusiva do que antagonista”.

A terceira é que, finalmente, não podemos ficar prisioneiros da nostalgia. Muito do ensino do jornalismo tem continuado a ser feito em função de noções como a da definição da agenda, ou a dos dois degraus da comunicação (as pessoas são influenciadas pelos opinion-makers, que, por sua vez, são influenciados pelos mass-media). A verdade é que se tornou muito mais difícil à Imprensa fixar a agenda, nos dias que correm, e que a ascenção das redes sociais acrescentou camadas de complexidade àquele esquema simples dos dois degraus. 

Já não adianta ficarmos “a suspirar pelos gloriosos dias do Watergate, quando a Imprensa podia supostamente fixar a atenção do público sobre aquilo que era importante, e o Facebook e o Twitter ainda não estavam a poluir a esfera pública com um tsunami de fake news”. 

A concluir, os autores afirmam:

“Acima de tudo, [o sentimento destas grandes transformações] recorda-nos de que continuamos no lugar do condutor, e que talvez não possamos ter o luxo de confiar muito nas rotinas e instituições que nos serviram tão bem durante a segunda metade do séc. XX. Um sentido renovado de intervenção pode ser, em última instância, a beleza de escrevermos sobre a nossa era digital.” 



O artigo original, na íntegra, em NiemanLab

Connosco
Estratégia mediática da China usa "barcos emprestados" para "autenticar" a propaganda... Ver galeria

Durante décadas, a estratégia de imagem da China foi defensiva, de resposta, e apontada sobretudo à sua audiência interna. O efeito mais visível era o desaparecimento de conteúdos: revistas estrangeiras com páginas arrancadas, ou as emissões da BBC que ficavam escuras quando tratavam de temas sensíveis, como o Tibete, Taiwan ou o massacre de Tienanmen.

Mas nos últimos anos a China desenvolveu uma estratégia mais sofisticada e assertiva, apontada às audiências internacionais. E Pequim está a fazê-lo com grande investimento financeiro  - que inclui cobertura jornalística patrocinada.

Um dos exemplos mais ostensivos é agora a contratação de jornalistas ocidentais para a China Global Television Network  - o ramo internacional da Televisão Central da China -  com estúdios em Chiswick, Londres. O objectivo deste esforço é, nas palavras do Presidente Xi Jinping, “contar bem a história da China”. E não faltam candidatos. A informação consta de uma reportagem extensa, em The Guardian.

Jornais perdem publicidade e a democracia qualidade Ver galeria

A receita proveniente da publicidade nos diários impressos está a desaparecer num movimento que parece inexorável. Acontece em todos os mercados, e nomeadamente no dos EUA, que pode servir de aviso aos outros: neste caso, a receita da publicidade de todos os diários foi de 13.330 milhões de dólares em 2016, de 9.760 neste ano de 2018, quase a acabar, e será de apenas 4.400 milhões em 2022, segundo a mais recente projecção da eMarketer.

Na Espanha, e segundo os dados da InfoAdex sobre os nove primeiros meses de 2018, regista-se uma queda generalizada de 6,1% no investimento na Imprensa escrita, depois de onze anos de descida sem fim. O balanço é de Miguel Ormaetxea, editor de Media-tics, que conclui: “A desinformação instala-se à vontade e é urgente fazer qualquer coisa. Não abandonemos os editores, ou a qualidade da democracia irá pelo mesmo ralo por onde se escoa a conta de resultados dos meios de comunicação.”

O Clube

Foi em Novembro de 2015 que o Clube Português de Imprensa criou este site, consagrado à informação das suas actividades e à divulgação da actualidade relacionada com o que está a acontecer, em Portugal e no mundo, ao jornalismo e aos   jornalistas.

Temos dedicado , também, um espaço significativo às grandes questões em debate sobre a evolução do espaço mediático, designadamente,  em termos éticos e deontológicos,  a par da  transformação das redes sociais em fontes primárias de informação, sobretudo  por parte das camadas mais jovens.


ver mais >
Opinião
O Presidente Marcelo é um dos poucos políticos portugueses com legitimidade para colocar a questão dos apoios do estado à produção jornalística porque ele é produtor e produto do sistema mediático.A sua biografia confunde-se com a liberdade de imprensa e a pergunta que Marcelo faz é, para ele, uma questão de consciência presidencial.Dito isto, pergunto:O que diríamos nós se fosse Donald Trump a...
Perante a bem conhecida e infelizmente bem real crise da comunicação social o Presidente da República questionou, há dias, se o Estado não tem a obrigação de intervir. Para Marcelo Rebelo de Sousa há uma "situação de emergência", que já constitui um problema democrático e de regime. A crise está longe de ser apenas portuguesa: é mundial. E tem sobretudo a ver com o facto de cada vez mais...
Há, na ideia de uma comunicação social estatizada ou ajudada pelo governo, uma contradição incontornável: como pode a imprensa depender da entidade que mais se queixa da imprensa? Uma parte da comunicação social portuguesa – televisão, rádio, imprensa escrita — é deficitária, está endividada e admite “problemas de tesouraria”. Mas acima desse, há outro problema, mais grave:...
O jornalismo estará a render-se à subjetividade, rainha e senhora de certas redes sociais. As ‘fake news’ e o futuro dos media foram dos temas mais falados na edição de 2018, da Web Summit. Usadas como arma de arremesso político e de intoxicação, as notícias falsas são uma praga. Invadem o espaço público, distorcem os factos, desviam a atenção, comprometem a reflexão. E pelo caminho...
1.Segundo um estudo da Marktest sobre a utilização que os portugueses fazem das redes sociais 65.9% dos inquiridos referem o Facebook, 16.4% indicam o Instagram, 8.3% oWhatsApp, 4% o Youtube e 5.4% outras redes. O estudo sublinha que esta predominância do Facebook não é transversal a toda a população: “Entre os jovens utilizadores de redes sociais, os resultados de 2018 mostram uma inversão das redes visitadas com mais...