Segunda-feira, 22 de Janeiro, 2018
Media

Quando um jornalismo em mudança faz mudar também o seu ensino

Houve tanta mudança e tanta inovação no jornalismo, nestes últimos anos, que a própria investigação académica sobre o ensino do mesmo acabou por ser submetida a um ritmo a que as ciências sociais não estavam habituadas. As coisas estão muito diferentes daquilo que eram. O que não mudou muito é o tempo de conceber, escrever, rever, editar e imprimir um livro que dê conta do que se passa. É esta a reflexão inicial dos dois autores de Remaking the News, um ensaio que “procura avaliar estas duas décadas de ensino do jornalismo e imaginar os novos caminhos que se abrem à sua frente”.

Ambos professores em escolas de Comunicação e Jornalismo, nos Estados Unidos, C.W. Anderson e Pablo Boczkowski resumem em três pontos principais as lições que aprenderam nestes quatro anos de produção conjunta de Remaking the News  (o primeiro já tinha publicado, em 2013, Rebuilding the News: Metropolitan Journalism in the Digital Age). 

A primeira é que os media têm estado a experimentar modos alternativos de apresentar a informação e contar uma história. Em consequência disto, também os docentes de jornalismo sentem esse impulso e, neste caso, eles optaram pelo formato do ensaio para o livro que agora publicaram. “Descobrimos que ele promovia a criatividade intelectual e a alegria de modos que não vemos habitualmente no processo de escrever o género dominante, que é o artigo de jornal.” 

Usando uma imagem do desporto, não há nada como correr na floresta, mas, quando o tempo está muito frio, mantém-se a forma no ginásio. A disciplina clássica do artigo de jornal é como a passadeira rolante do corredor de ginásio  - faz falta, mas não tem a mesma graça. 

O problema é que as instituições académicas exercem tanta pressão sobre a capacidade produtiva dos docentes que eles acabam a escrever como quem corre dentro da roda de plástico de um hamster, como disse o jornalista Dean Starkman, autor de The Watchdog that didn’t bark (“O cão de guarda que não ladrou”  - referindo-se ao papel vigilante do jornalismo). 

A segunda é que a diversidade e mesmo o conflito podem ser fontes de força e inovação, tanto para os profissionais dos media como para os investigadores. O artigo cita o conceito de multiperspectivism, desenvolvido por Herbert Gans, chegando à ideia de que “os jornalistas fariam bem em incorporar uma orientação no sentido de alargar o conjunto de tópicos e de vozes representadas nas notícias; por consequência, isto também significa acolher pontos de vista em competição entre si, dentro do relato da notícia, de uma forma mais inclusiva do que antagonista”.

A terceira é que, finalmente, não podemos ficar prisioneiros da nostalgia. Muito do ensino do jornalismo tem continuado a ser feito em função de noções como a da definição da agenda, ou a dos dois degraus da comunicação (as pessoas são influenciadas pelos opinion-makers, que, por sua vez, são influenciados pelos mass-media). A verdade é que se tornou muito mais difícil à Imprensa fixar a agenda, nos dias que correm, e que a ascenção das redes sociais acrescentou camadas de complexidade àquele esquema simples dos dois degraus. 

Já não adianta ficarmos “a suspirar pelos gloriosos dias do Watergate, quando a Imprensa podia supostamente fixar a atenção do público sobre aquilo que era importante, e o Facebook e o Twitter ainda não estavam a poluir a esfera pública com um tsunami de fake news”. 

A concluir, os autores afirmam:

“Acima de tudo, [o sentimento destas grandes transformações] recorda-nos de que continuamos no lugar do condutor, e que talvez não possamos ter o luxo de confiar muito nas rotinas e instituições que nos serviram tão bem durante a segunda metade do séc. XX. Um sentido renovado de intervenção pode ser, em última instância, a beleza de escrevermos sobre a nossa era digital.” 



O artigo original, na íntegra, em NiemanLab

Connosco
Quatro congressos de jornalistas e gestores de Media em Portugal Ver galeria

Vão decorrer este ano, em Lisboa e Cascais, quase em simultâneo, quatro importantes encontros internacionais de jornalistas, directores e proprietários de media, ou ainda de especialistas nas novas tecnologias digitais aplicadas à comunicação. O título que os agrupa todos é Media Summit, e os dois mais concorridos trazem ao nosso País, cada um deles, perto de um milhar de participantes. Entre o final de Maio e o princípio de Junho, os grandes nomes de referência dos jornais e agências de Imprensa, os Repórteres sem Fronteiras como o Consórcio Internacional de Jornalistas, as plataformas das redes sociais como os representantes da Federação Internacional de Jornalistas, vão poder, pela proximidade física entre todos os eventos, avaliar problemas diversos ou comuns e, eventualmente, marcar encontros entre si.

António Lobo Xavier em Janeiro no novo ciclo de jantares-debate do CPI Ver galeria

O novo ciclo de jantares-debate,  promovido pelo Clube Português de Imprensa, em parceria com o Centro Nacional de Cultura e o  Grémio Literário, subordinado ao tema genérico O estado do Estado: Estado, Sociedade, Opções” prossegue  no próximo dia 24 de Janeiro, sendo orador convidado António Lobo Xavier, advogado, político e conselheiro de Estado designado por Marcelo Rebelo de Sousa.  

António Bernardo Aranha da Gama Lobo Xavier, de seu nome completo, nasceu em Coimbra em 1959, e é um prestigiado advogado, ligado desde a juventude ao CDS-PP, com uma intervenção política regular e respeitada, designadamente, no programa televisivo “Quadratura do Círculo”, no qual participa desde 2004.


O Clube


Este
site do Clube Português de Imprensa nasceu  em Novembro de 2015. Poderia ter sido lançado, como outros congéneres, apenas com o objectivo de ser um espaço informativo sobre as actividades prosseguidas pelo Clube e uma memória permanente do seu histórico  de quase meio século . Mas foi mais ambicioso.

Nestes dois anos decorridos quisemos ser, também, um espaço de reflexão sobre as questões mais prementes que se colocam hoje aos jornalistas e às empresas jornalísticas, perante a mudança de paradigma, com efeitos dramáticos em não poucos casos.

Os trabalhos inseridos e arquivados neste site constituem já um acervo invulgar , até pela estranha desatenção com que os media generalistas  seguem o fenómeno, que está a afectá-los gravemente e do qual  serão, afinal, as primeiras vítimas.

ver mais >
Opinião
Como será o ano de 2018 para os mídia e a actividade publicitária? Vamos então brincar às bolas de cristal. Em primeiro lugar as estações de televisão generalistas estão a perder espectadores e estas quedas são mais rápidas do que se pensava. A culpa, já se sabe, é da internet – que é a razão para todas as crises de mídia do mundo. Explicando melhor, a culpa é do...
Jornalismo melhor ou pior em Portugal?
Francisco Sarsfield Cabral
Esta interrogação vem a propósito de um recente artigo de João Miguel Tavares no Público, refutando afirmações de Pacheco Pereira no mesmo jornal sobre a qualidade do jornalismo no nosso país. Pacheco Pereira sempre foi crítico dos jornalistas portugueses e dos seus métodos de trabalho. Há anos, quando era deputado do PSD, procurou isolar o mais possível, no Parlamento, os deputados dos jornalistas que ali...
Os últimos dados auditados pela APCT, no ano findo, estão longe de serem tranquilizadores sobre a boa saúde da Imprensa escrita.  De um modo geral,  os generalistas  continuam  a perder vendas em banca e os raros que escapam a essa erosão fatal não exibem subidas convincentes. Um dos recuos mais evidentes é o do centenário “Diário de  Noticias”,  que já deslizou para uma fasquia...
Se 2016 foi o ano em que se tornou evidente o impacto do Facebook e da Google nos meios de comunicação social tradicionais em termos de perda de receita publicitária, então 2017 foi quando se tornou impossível ignorar outros impactos. O ano que agora começa pode acelerar essas tendências ou testemunhar uma intensificação dos esforços recentes para as contrariar. No Reino Unido, o Parlamento deu ao Facebook e ao Twitter...
Gostaria de felicitar a Assembleia da República pela organização desta Conferência sobre a agência portuguesa de notícias – LUSA. Três razões justificam, só por si, a iniciativa. Passo a enunciá-las. Primeira razão: a LUSA é hoje, e de longe, o principal fornecedor de conteúdos para os órgãos de comunicação social portugueses. Cerca de 70% do material informativo que...
Agenda
25
Jan
Salão da Radio 2018
09:00 @ Paris, França
26
Jan
Fake News and Weaponized Defamation: Global Perspectives
09:00 @ Los Angeles, Estados Unidos da América
02
Fev
04
Fev
05
Fev
Email Insider Summit: Europe
09:00 @ Grindelwald, Suiça