Quarta-feira, 18 de Julho, 2018
Estudo

A “verificação dos factos”, os limites da eficácia e os "curto-circuitos" mentais

Ninguém pode recordar todas as coisas durante todo o tempo, por isso usamos uma espécie de “curto-circuitos” mentais. É mais provável que julguemos verdadeira determinada coisa se a encontrarmos com mais frequência. Uma frase disparatada, como  - “Um sari é a saia que os homens usam na Escócia” -  lida a partir da segunda vez, torna mais provável que as pessoas a aceitem como verdadeira do que à primeira. É a partir daqui que Alexios Mantzarlis, especializado em verificação de factos no Poynter Institute, parte para uma reflexão sobre o papel da repetição em todo este problema.

Num estudo elaborado por psicólogos na Universidade de Western Australia chegou-se à conclusão de que explicações mais detalhadas ajudam as pessoas a recordar durante mais tempo as correcções feitas, mas que os indivíduos acima dos 65 anos são comparativamente piores a manter a informação correctiva (isto é, são mais propensos a voltar a lembrar o mito como sendo facto). 

Um dos problemas que se põem a todos os fact-checkers é que, para corrigir uma falsa afirmação, é preciso identificá-la, portanto afirmá-la outra vez.   

Mas os psicólogos referidos neste estudo assentam em pelo menos duas conclusões:

  1. -  "Os fact-checks detalhados são mais eficientes. No caso deste estudo, as explicações detalhadas continham apenas três ou quatro frases, o que é relativamente curto para ser esclarecido pelos fact-checkers. Mas sugere que os títulos, ou os tweets, por si sós podem não ser tão eficientes para corrigir uma percepção errada."
  2. -  "Os fact-checkers podem ter de repetir frequentemente as suas correcções, para conseguirem contrariar a regressão à ideia de que o mito é um facto, que todos experienciamos ao longo do tempo. O estudo reconhece que esta recomendação é ‘um tanto irónica’, mas o tornar a correcção mais familiar aos leitores pode valer o inconveniente de lhes lembrar o mito que está por baixo."


Apesar deste esforço, estudos feitos sobre eleitores, tanto em França como nos Estados Unidos, concluíram que o fact-checking “corrigiu as crenças das pessoas, mas não reduziu a sua inclinação para votarem no candidato apanhado a mentir”. (...)

 

O artigo original, na íntegra, em Poynter.org

Connosco
CPI e "Tribuna de Macau" instituem Prémios de Ensaio e de Jornalismo da Lusofonia Ver galeria

O Prémio de Jornalismo da Lusofonia, instituído há um ano por iniciativa do jornal Tribuna de Macau, em parceria com o Clube Português de Imprensa, com o patrocínio da Fundação Jorge Álvares e o apoio do JL – Jornal de Artes, Letras e Ideias, reparte-se, nesta sua segunda edição, por dois: um aberto a textos originais, que passa a designar-se o Prémio Ensaio da Lusofonia, e outro que mantém o título de Prémio de Jornalismo da Lusofonia, destinado a textos já publicados, em suporte papel ou digital.

Mantém-se o espírito original de distinguir trabalhos “no quadro do desejado aprofundamento de todos os aspectos ligados à Língua Portuguesa, com relevo para a singularidade do posicionamento de Macau no seu papel de plataforma de ligação entre países de Língua Oficial Portuguesa”.

Jornalismo "ao vivo" em festival de Verão de "Le Monde" Ver galeria

Um festival de Verão sem estrondo de altifalantes, sem música de “fogo-de-artifício”, todo baseado na palavra, na conversa em grupo ou no diálogo directo com os jornalistas presentes. Durante o fim-de-semana de 13 a 15 de Julho, cerca de 4500 inscritos animaram a terceira edição do Festival Internacional de Jornalismo organizado pelo grupo Le Monde na localidade de Couthures, em França, à beira do rio Garonne. A aldeia não chega aos 400 habitantes, mas mais de 100 voluntários ajudaram a fazer funcionar, durante três dias, um encontro de muitos debates. Como disse Gilles van Kote, jornalista de Le Monde, a intenção era precisamente a de que tudo pudesse ser posto em questão, “sem tabus”.

O Clube
O CPI – Clube Português de Imprensa voltou a participar no Prémio  Europeu Helena Vaz da Silva para a Divulgação do Património Cultural 2018,  instituído em 2013 pelo Centro Nacional de Cultura,  em cooperação com a Europa Nostra, a principal organização europeia de defesa do património,  que o CNC representa em Portugal.   O Prémio foi atribuído, este ano,  à...

ver mais >
Opinião
Público: uma tradição manchada
Francisco Sarsfield Cabral
No início do corrente mês de julho os leitores do diário “Público” foram surpreendidos pela notícia de que o seu diretor, o prestigiado jornalista David Dinis, se havia demitido. Por aquilo que veio a saber-se através da comunicação social e de afirmações da administradora do jornal Cristina Soares – que é a única informação que possuo – a demissão de D. Dinis ficou a...
Ao ler no centenário “Diário de Noticias” a noticia da extinção formal da sua edição em papel, de Segunda–Feira a Sábado , a partir de Julho, fica a saber-se que o seu actual director, o  jornalista Ferreira Fernandes, entrou em “oito cafés(…) a caminho do cinema S. Jorge onde decorreu a apresentação do novo jornal” e só “contou três pessoas a ler o jornal em...
Boa ideia, Pedro
Manuel Falcão
Trabalhei um pouco mais de dois anos literalmente lado a lado com o Pedro Rolo Duarte no Se7e, dividíamos a direcção. Partilhávamos uma sala onde todos os dias fabricávamos ideias para fazer ressuscitar o jornal e agitar as águas, que era uma coisa que nos entretinha bastante. Foram dois anos de intensas e produtivas discussões, de muita criatividade e de várias crises - e sempre nos apoiámos mutuamente dos ataques que...
O optimismo de Centeno
Luís Queirós
"A economia da zona Euro cresce há 20 trimestres consecutivos", disse Mário Centeno no Grémio Literário, na palestra, proferida no passado dia 22 de Maio passado, integrada no ciclo que ali decorre subordinado ao tema  "O estado do Estado: Estado, Sociedade, Opções", uma iniciativa do Clube de Imprensa, em parceria com o Centro Nacional de Cultura e com o Grémio Literário. O Ministro das Finanças de Portugal e presidente do...
Em meados do séc. XVIII, os parisienses que quisessem manter-se “au courant” àcerca do andamento da Guerra dos Sete Anos (iniciada em 1756) não tinham muitas escolhas. Se fizessem parte, dentre os 600 mil habitantes da capital francesa, da minoria que sabia ler – menos de metade dos homens e uma quarta parte das mulheres – e também estivessem entre os poucos privilegiados que podiam dar-se ao luxo de comprar um jornal, tinham três...
Agenda
23
Jul
30
Jul
22
Ago
Edinburgh International Television Festival
09:00 @ Edimburgo, Escócia
28
Ago
Summer CEmp
09:00 @ Marvão
01
Set
dmexco
09:00 @ Colónia, Alemanha