Sexta-feira, 22 de Setembro, 2017
Opinião

Internet e novas formas de participação política

por José Rebelo

Num livro colectivo acabado de publicar, simultaneamente, em treze línguas e em dezenas de países espalhados pelo mundo inteiro, cuja versão francesa se intitula, significativamente, L’âge de la Régression: Pourquoi nous vivons un tournant historique[1], Appadurai disserta sobre o «sentimento de cansaço» que, na sua opinião domina a esfera pública. Sentimento de cansaço relativamente à forma de fazer política. À relação entre eleitos e eleitores. À própria legitimidade do acto eleitoral, como instrumento fundador de um regime democrático. Sentimento de cansaço ou, até, de frustração que, a meu ver, estará na origem de dois tipos de comportamento social diametralmente opostos: heterotópico, um; autotópico, outro.

O comportamento que apelidamos de heterotópico, caracteriza-se pela confiança depositada pelo sujeito numa liderança que lhe é totalmente exterior e à qual voluntariamente se submete, na esperança de lhe serem devolvidos os direitos dos quais se julga espoliado.

Trata-se de um comportamento susceptível de encorajar discursos e projectos populistas.

Em contrapartida, o comportamento autotópico é próprio dos sujeitos que se colocam na génese, no centro dos movimentos em que se envolvem, das dinâmicas que protagonizam. Conscientes dos problemas a resolver mas sem disporem, para eles, de uma solução imediata actuam em rede, sem projecto político nem enquadramento partidário, corporizando, assim, um fenómeno social a que Massimo Di Felice chama “netativismo”[2

O primeiro sinal deste comportamento autotópico, ocorreu a 15 de Fevereiro de 2003. Nesse dia, milhões de pessoas em todo o mundo invadem a rua. Subitamente. Sem que tal mobilização se deva a convocações partidárias tradicionais. Mas sim a mensagens, apelos e petições que fervilham em rede, essa marca distintiva e estruturante dos novos movimentos sociais. Em cada cidade, a causa unificadora é a mesma: “Não à guerra do Iraque”.

E os exemplos multiplicam-se:

15 de Maio de 2011. Na véspera das eleições municipais espanholas, milhares de pessoas respondem a um apelo difundido através do YouTube, por uma dezena de grupos de activistas: Anonymous, V de Vivienda, Hipotecados, Juventud sin futuro, etc. Concentrados nas Portas del Sol, os manifestantes insurgem-se contra os despejos de famílias incapazes de pagarem a rendas das suas habitações, denunciam o desemprego maciço da população jovem, clamam contra o poder da alta finança. Graças à Internet e às redes sociais, os efeitos desta jornada histórica – conhecida como o 15 de Maio ou, de uma forma mais abreviada, o 15 M -, espalham-se por todo o lado, como uma mancha de óleo.

INDIGNAI-VOS!, o grito de revolta lançado no ano anterior por um antigo resistente anti-nazi, Stéphane Hessel, num pequeno ensaio com o mesmo nome, encontra eco.

25 de Maio de 2011: militantes do movimento grego Aganaktismeni (Em Cólera), manifestam-se na Praça Sintagma, no centro de Atenas, contra a corrupção da classe política e contra a austeridade draconiana imposta pela Troika.

17 de Setembro de 2011: o movimento Occupy  assenta arraiais a dois passos da Bolsa de Nova Iorque. Os manifestantes definem-se como representantes dos 99% que não têm nada. Denunciam as desigualdades, a influência do dinheiro na política, o desvio de fundos públicos a favor das instituições bancárias[3].

15 de Outubro de 2011: é organizada uma jornada planetária dos Indignados com manifestações em Londres, Tel-Aviv, Montreal, Tóquio, Taiwan, Joanesburgo.

Julho de 2013: O movimento Black Lives Matter anuncia a sua determinação em lutar, com todos os meios ao seu alcance, contra a violência policial infringida a membros da comunidade negra norte-americana.

Setembro e Outubro de 2014, em Hong-Kong, operários intelectuais e estudantes opõem-se a um projecto de lei do Governo chinês impondo restrições ao sufrágio universal para a eleição presidencial de 2017. É a Revolução dos chapéus de chuva.

31 de Março de 2016: iniciam-se manifestações em cadeia por toda a França. O movimento que toma a denominação Nuit Debout, tem origem numa contestação à nova legislação do trabalho, elaborada pelo então ministro da Economia Emmanuel Macron mas, rapidamente, passa a contestar, globalmente, as instituições políticas e económicas do país. Sem líderes nem porta-vozes, propõe-se funcionar como ponto de «convergência das lutas». As decisões são tomadas por consenso, ao ar livre, em assembleias-gerais que, nalgumas cidades, chegam a reunir-se diariamente. Depois vão-se espaçando. Até desaparecerem por completo.

E é neste contexto que o movimento Que se lixe a troika! nasce e se desenvolve, em Portugal. «Que se lixe a troika! Queremos as nossas vidas!»: a reivindicação, assim formulada, foi gritada em uníssono por meio milhão de pessoas,em Lisboa. Estávamos em 15 de Setembro de 2012.

Em termos gerais, todos estes movimentos contestam o que consideram ser um modelo de governação oligárquica em que um reduzido número de privilegiados deteria os poderes económico e político e determinaria as grandes orientações aplicáveis a toda a gente. A «Revolução democrática» característica da modernidade não teria significado mais do que a substituição de uma «aristocracia hereditária» por uma «aristocracia escolhida» cada vez mais afastada do povo[4]. A campanha de Jean-Luc Mélenchon, nas recentes eleições presidenciais francesas, espelha, de alguma forma, esta apreciação.

Para o filósofo francês Michel Serres estamos perante uma «mudança de mundo»[5] que as novas tecnologias de informação e comunicação, gerando redes sociais cada vez mais alargadas, vieram acelerar. «Existir numa rede social, considera Alain Kiyindou, é sinónimo de estar sempre pronto a reagir a situações que impliquem outros membros da rede, quer eles sejam conhecidos ou não». E o mesmo autor conclui: «Essas manifestações de solidariedade estão ligadas a valores partilhados, a crenças, a uma ética e a uma certa percepção da vida e do mundo»[6].

Na obra colectiva já evocada, o antropólogo indiano Appadurai, mundialmente conhecido pelas suas reflexões sobre a globalização, destaca o papel fundamental exercido neste processo de mudança pela Internet e pelos media sociais. Diz ele: «O facto de segmentos cada vez mais alargados da população utilizarem a Internet e os media sociais na sua prática quotidiana, o facto de ser possível mobilizar e difundir propaganda através da Internet, de construir uma identidade e de procurar parceiros na Internet, tudo isso cria uma ilusão: a de que poderíamos, todos, fossemos quem fossemos e fossem quais fossem os nossos objectivos, encontrar na Internet e nas redes sociais os parceiros, os aliados, os amigos, os colaboradores, os colegas, os convertidos à nossa causa»[7]. Uma ilusão que ele não deixa, contudo, de considerar «perigosa», em particular pelas falsas expectativas que pode criar.

Mudança de mundo, para retomar a expressão de Michel Serres que, nalguns casos mais radicais, se traduz, é certo, por uma ruptura total com o sistema.

Mas mudança de mundo que se traduz também, por tentativas de melhorar esse mesmo sistema, nomeadamente através da adopção de novos modelos de representação e de participação política.

E a engenhosidade não falta.

Em França, e no sentido de possibilitar a qualquer cidadão apresentar-se às eleições presidenciais de 2017 e de permitir aos franceses escolherem livremente o seu candidato sem passar pelo crivo dos partidos políticos, um grupo de internautas lançou uma estrutura organizativa denominada La Primaire.org. O processo é tecnologicamente muito simples. Uma aplicação carregada num telemóvel permite a cada pessoa votar por telemóvel ou, também por telemóvel, anunciar a sua intenção de se candidatar. Para ser concretizada, tal intenção de candidatura exige que o pretendente receba o apoio de 500 outras pessoas e que insira uma mensagem, do tipo SMS, com o seu programa.

Numa segunda fase, os candidatos à candidatura são distribuídos, aleatoriamente, em lotes e cada pessoa terá que votar num dos candidatos incluídos no lote que lhe tiver calhado.

Apuraram-se, assim, 4 ou 5 candidatos com maior número de votos que se apresentaram a uma votação final para seleccionar aquele que, efectivamente, se apresentaria às presidenciais.

Tudo isto por telemóvel, insisto.

Uma vez encontrado o candidato, a organização La Primaire.org encarregar-se-ia dos trâmites necessários à sua validação pelo Conselho Constitucional; de lançar uma colecta, via Internet, de modo a financiar a campanha; de escolher, de entre os membros da comunidade envolvida, e em consonância com o candidato, os membros que viriam a constituir o seu staff.

De tão complexa que era, a tarefa não chegou a materializar-se. E, La Primaire.org, não conseguiu ter o seu candidato.

Também por iniciativa de um grupo de internautas, um novo partido político surgiu na Argentina, mais concretamente em Buenos Aires, em Agosto de 2013. Chama-se Partido de la Red e o seu objectivo consiste em impedir que os eleitos se desviem do mandato que lhes foi confiado. Segundo os Estatutos do novo partido, os eleitos são obrigados a aplicar em permanência aquilo que resulta da vontade expressa pelos seus eleitores que, para isso, se manifestam numa plataforma especificamente construída para o efeito: a plataforma Democracy OS. Dito de outra forma: os eleitos estão impedidos de decidir seja o que for em seu nome pessoal.

O Partido de la Red apresentou-se às eleições legislativas de 2013 recolhendo, apenas, 20.000 votos o que não lhe permitiu eleger qualquer deputado. Mas os seus inspiradores não desistem e preparam-se para tornar a concorrer às eleições previstas para este ano.

De todas as iniciativas conhecidas avulta sem dúvida a criação, em Espanha, do partido Podemos e, na Suécia, do Partido Pirata.

Algumas breves notas sobre estas duas formações políticas que adoptam práticas que as colocam entre a democracia directa e a democracia representativa.

Lançado em Janeiro de 2014 por um grupo de universitários, na sequência do movimento do 15 de Maio, o Podemos teve um progresso fulgurante: durante os primeiros 20 dias da sua existência registou mais de 100.000 inscrições assumindo-se, assim, como terceira força política espanhola, em número de aderentes. «Quando há uma ocasião histórica para tomar o poder não a podemos falhar, isolando-nos na contestação ou limitando-nos à experimentação» explica um dos seus fundadores[8]. Daí, o lema claramente enunciado no Manifesto do partido: «converter a indignação em mudança política».

Lema que as performances eleitorais parecem legitimar. Nas eleições municipais e regionais de Maio de 2015 as listas do Podemos, ou apoiadas por ele, ganharam as Câmaras Municipais de cidades tão importantes como Madrid, Barcelona e Saragoça. Nas legislativas de Junho de 2016, o partido obteve 21% dos sufrágios expressos o que lhe permitiu eleger 71 deputados e ombrear, na oposição, com o histórico Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE).

Tal sucesso deve-se, em grande parte, ao recurso às novas tecnologias, como instrumento de contacto directo e permanente entre eleitos e eleitores. «Através da Internet, sublinha o líder do partido Pablo Iglésias, vimos aparecer um novo sujeito político, um “nós”, que dispensa a existência de delegados. Com efeito, prossegue o mesmo dirigente, «as novas tecnologias da informação facilitam a participação de todos, sem outra mediação que não seja a do suporte tecnológico»[9].

Através do fórum PlazaPodemos, os militantes e simpatizantes são convidados a transmitir propostas de solução para os problemas em debate.

Através da aplicação Appgree respondem, regularmente, a sondagens de opinião.

Através da aplicação WhatsApp, recebem mensagens e propostas dos dirigentes, locais, regionais ou nacionais.

Vejamos, agora, o caso do Partido Pirata, fundado na Suécia em 2006 como forma de contestar uma legislação do Governo sueco proibindo a partilha de ficheiros nas redes peer-to-peer. No início, o projecto consistia em questionar a legitimidade do copyright e em abrir caminho a novas disposições legais adaptadas às mutações tecnológicas e culturais duma sociedade de partilha.

Logo em 2009, isto é, três anos após a sua constituição, o Partido Pirata da Suécia elege dois deputados para o Parlamento Europeu. Deputados que, em Bruxelas, consagram toda a sua energia à reforma da propriedade intelectual.

Rapidamente, porém, o exemplo é seguido noutros países. Na Alemanha, um Partido Pirata realiza um score superior a 5%, nas eleições regionais da cidade-Estado de Berlim. Em 2014, elege um deputado europeu.

Na Islândia, um Partido Pirata alcança 14,5% dos votos, nas legislativas de 2016, e ameaça conquistar o poder.

Actualmente, os Partidos Pirata estão presentes em cerca de 40 países. Claro que, entretanto, os seus objectivos alargaram-se. Não se trata já de questionar os princípios que regem o copyright. Trata-se, agora, de por em prática mecanismos que promovam formas de democracia directa e de transparência política.

A sua actividade assenta em dois pressupostos:

1. As principais decisões devem estar sujeitas a referendo;

2. Os cidadãos eleitores não têm que estar aptos a responder a todas as questões que lhes forem colocadas.

Deste segundo pressuposto resulta um procedimento extremamente original, chamado «democracia líquida» que consiste no seguinte: cada cidadão pode delegar o seu voto noutro cidadão da sua confiança e que julgue mais habilitado, de que ele próprio, para responder à questão referendada. Para agilizar tal procedimento, o Partido Pirata alemão criou uma plataforma chamada LiquidFeedback: as pessoas, registadas na plataforma e habilitadas a votar delegam o seu voto num outro membro da rede julgado mais competente para se pronunciar sobre o assunto em discussão.

Que balanço fazer de todas estas iniciativas, de todas estas experiências que contestam as formas tradicionais da política e buscam alternativas mais ou menos imaginativas, mais ou menos exequíveis?

É verdade que a memória colectiva pouco guarda do movimento espanhol do 15 de Maio; do movimento grego Aganaktismeni; dos movimentos norte-americanos Occupy e Black Lives Matter, do movimento francês Nuit Debout, da Revolução dos chapéus de chuva, em Hong Kong, do movimento Que se Lixe a Troika, em Portugal.

É verdade que todos esses movimentos se esbateram, tão depressa quanto despontaram.

É verdade que tentativas de fazer do eleitor um cidadão activo, libertado das contingências partidárias e apto a controlar o trabalho dos eleitos, se revelam efémeras ou meramente simbólicas. Provam-no os dois exemplos aqui referidos, em França e na Argentina.

E, mesmo no que toca às iniciativas de maior alcance, como a criação do Podemos ou dos Partidos Pirata, os riscos de desvio aos objectivos iniciais não param de aumentar.

No Podemos, Pablo Iglésias reforça, gradualmente, o seu estatuto de chefia. Fortemente mediatizado e rodeado por uma equipa que vai tomando as rédeas do partido, assume-se, cada vez mais, como catalizador de uma centralização antes recusada com todo o vigor. A necessidade de ganhar batalhas eleitorais, o que implica a procura de maior eficácia de funcionamento interno, provoca a inevitável profissionalização dos principais actores. A emergência duma nova «elite» ou a regeneração de «elites» anteriores pode estar em curso.

Nada garante, por outro lado, a transparência da «democracia líquida» em que se baseiam os Partidos Pirata.  Há fossos digitais que não podem ser ignorados. Há sujeitos mais aptos a navegar na Internet e que, por isso, ganham preponderância no momento da tomada da decisão via referendo. E há a corrupção, a compra de votos, as ameaças e as chantagens que nenhum dispositivo tecnológico conseguirá evitar.

Significa, isto, um balanço negativo? Um posicionamento disfórico relativamente às consequências sociais e políticas das novas tecnologias de informação e comunicação? Um descrédito, relativamente aos méritos de um «mundo novo» organizado em rede?

Nada disso.

Este vai-e-vem de acções, de experimentações deixa lastro, deixa um resíduo que reconfigura, mesmo que imperceptivelmente, o real ou a sua representação. Contribui, decisivamente, para a construção de um Lebenswelt, para utilizar um conceito filosófico de Husserl e trabalhado sociologicamente por Habermas, que marcará o devir.

 

(Comunicação apresentada no Colóquio “Notícias Falsas e Algoritmos: Responsabilidade Editorial e Liberdade de Expressão no Mundo On-Line”, organizado, em parceria, pela Internet Society, pelo Centro para a Investigação em Comunicação, Informação e Cultura Digital, da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade de Lisboa, e pela Associação de Estudos Comunicação e Jornalismo, a 24 de Maio de 2017)  

       



[1] Edições Premier Parallèle, Paris, 2017.

[2] “Netativismo: novos aspectos da opinião pública em contextos digitais”, Revista FAMECOS – mídia, cultura e tecnologia, v. 19, n. 1, pp. 27-45, Porto Alegre, Janeiro/Abril 2012.

[3] Cf. de Noam Chomsky, Occupy, Antígona, Lisboa, 2013.

[4] Cf. Elisa Lewis e Romain Slitine, Le Coup d’État citoyen,La Découverte, Paris, 2016, p. 19.

[5] Entrevista ao Journal du Dimanche, 30 de Dezembro de 2012.

[6] Cf. “Réseaux Socionumériques et solidarité”, Hermès – Ces réseaux numériques dits sociaux,  nº59, CNRS Editions, Paris, 2011, pp. 117-122.

[7] Op, cit, p. 27.

[8] Cf. Elisa Lewis e Romain Slitine, op. cit. p. 27.

[9] Idem, p. 31.

Connosco
A prisão solitária do “egosistema digital” como doença contagiosa do nosso tempo Ver galeria

Há uma geração zombie deambulando pelas ruas sem levantar os olhos dos seus ecrãs, teclando no Whatsapp ou consultando o Facebook. Até os restaurantes se tornaram mais silenciosos, porque chamamos o empregado tocando num botão e conversamos à distância pelo smartphone sem prestar atenção aos vizinhos de mesa que estão a fazer exactamente o mesmo. Não é uma mudança tecnológica, é uma revolução sociológica. E o vírus é contagioso, impregnou o espaço do cosmos. Todos fomos contagiados pela doença do nosso tempo, o egosistema digital.

O jornalismo em “tempos de cólera” e a interacção com o público Ver galeria

Chegámos a um novo “patamar de interacção entre jornais e público, potencializado pela Internet e pelas ferramentas de diálogo”, e é nesse espaço  que “um tipo específico de emoção e de sensação” é agora exposto com mais frequência: “há casos recentes e emblemáticos que ilustram tempos de cólera, intolerância e polarização social por todo o mundo”. A questão de fundo é a de saber que papel de controlo, ou de mediação, pode ainda o jornalismo exercer. É este o tema do “comentário da semana” de ObjEthos, Observatório da Ética Jornalística do Brasil.

O Clube

Está formado o Júri que vai apreciar os trabalhos concorrentes ao Prémio de Jornalismo da Lusofonia, instituído pelo Clube Português de Imprensa (CPI) e pelo Jornal Tribuna de Macau (JTM),  com o apoio da Fundação Jorge Álvares.

O Júri será presidido por Dinis de Abreu, em representação do CPI, e integrado pelos jornalistas José Rocha Diniz, fundador e administrador do Jornal Tribuna de Macau, José Carlos de Vasconcelos, director do JL – Jornal de Letras, Artes e Ideias, Carlos Magno, pela Fundação Jorge Álvares e por José António Silva Pires, também do CPI.


ver mais >
Opinião
Agenda
25
Set
4º Workshop de Pós-Graduação em Ciência da Informação
09:00 @ Faculdade de Letras da Universidade do Porto
25
Set
Atelier de Jornalismo Televisivo
09:00 @ Cenjor, Lisboa
02
Out
09
Out