Quarta-feira, 18 de Julho, 2018
Media

Mulheres jornalistas espanholas contam a sua história em cenário de guerra

Muitas das reportagens de guerra que hoje lemos, ou cujas imagens nos impressionam, realizadas nos campos de batalha mais perigosos do mundo, são feitas por mulheres jornalistas. O seu número está em crescimento e só não há mais, como conta a freelance Ana Alba, que cobriu as guerras da Sérvia, Iraque, Montenegro, Kosovo e as duas Intifadas, porque agora “pedem-se crónicas grátis, ou quase, a jovens, para não ter de mandar pessoas com experiência e poupar nos seguros de vida”.

Estas palavras são de outra jornalista espanhola, Ana del Paso, que apresentou uma tese de doutoramento, na Universidade Complutense de Madrid, intitulada “Rol de las periodistas españolas enviadas a conflictos armados”, sobre os depoimentos de 32 repórteres que viveram esta experiência.

Uma das primeiras coisas que nos explica é que, se todos conhecemos as imagens e a fama de Robert Kapa, título profissional de um fotógrafo húngaro chamado Endre Ernö, co-fundador da Agência Magnum, que cobriu a guerra civil espanhola e a II Guerra Mundial, poucos sabem que a sua companheira, Gerda Taro, trabalhava com ele, e Robert Kapa era o seu pseudónimo comum, pelo que nem sempre é certo identificar a autoria exacta de determinadas imagens.  

Na sua tese, Ana del Paso descreve a outra guerra que tinham de vencer, junto dos seus meios de comunicação, para serem enviadas a locais de conflito armado. Carmen Sarmiento, da TVE, não conseguiu ser correspondente na guerra do Vietname, mas só nos anos 80 na guerra civil de El Salvador, época em que Rosa María Calaf, também da TVE, pôde trabalhar no Líbano. 

Como conta a autora desta tese, que aqui citamos de Cuadernos de Periodistas, da Asociación de la Prensa de Madrid  - com a qual mantemos um acordo de parceria: 

Naiara Galarraga, subdirectora do Internacional de El País, afirma que sempre se sentiu “estranha ao conceito de correspondente de guerra”, declarando-se antes “firme partidária de que o jornalista se especialize, ou cubra uma zona do mundo, e que se ocupe de tudo o que lhe diz respeito, seja ou não um conflito armado”: 

“Creio que a cobertura resulta mais rica desta forma, melhor do que com enviados especiais que vão de conflito em conflito”. (...) 

Marie Colvin, jornalista de The Guardian, assassinada pelo Daesh em Fevereiro de 2012, na localidade síria de Homs, dizia: 

“Fazer jornalismo de guerra continua a ser basicamente o mesmo, alguém tem que lá ir e ver o que está a acontecer. Não se pode conseguir a informação sem ir aos lugares onde as pessoas estão a ser atingidas e onde disparam contra ti.” Sublinhava que o importante era uma pessoa tornar-se “apaixonada e envolvida por aquilo em que acredita, e fazê-lo o mais completa e hostamente que seja capaz, e sempre sem medo.” 

Sobre jornalistas desta têmpera, Ana del Paso conclui: 

“São, como os seus companheiros masculinos, contadoras de histórias em cenários hostis, àqueles aonde ninguém que ir, porque estão mais perto do inferno do que da terra. São mulheres em guerra para dar voz aos que não a têm, mas cujos nomes constam sempre nas listas de baixas dos conflitos armados. Elas não são alheias a estas vítimas e pensam que, por meio do jornalismo, se pode construir um mundo melhor.”

 

 

O texto de Ana del Paso, na íntegra, em Cuadernos de Periodistas, da APM

Connosco
CPI e "Tribuna de Macau" instituem Prémios de Ensaio e de Jornalismo da Lusofonia Ver galeria

O Prémio de Jornalismo da Lusofonia, instituído há um ano por iniciativa do jornal Tribuna de Macau, em parceria com o Clube Português de Imprensa, com o patrocínio da Fundação Jorge Álvares e o apoio do JL – Jornal de Artes, Letras e Ideias, reparte-se, nesta sua segunda edição, por dois: um aberto a textos originais, que passa a designar-se o Prémio Ensaio da Lusofonia, e outro que mantém o título de Prémio de Jornalismo da Lusofonia, destinado a textos já publicados, em suporte papel ou digital.

Mantém-se o espírito original de distinguir trabalhos “no quadro do desejado aprofundamento de todos os aspectos ligados à Língua Portuguesa, com relevo para a singularidade do posicionamento de Macau no seu papel de plataforma de ligação entre países de Língua Oficial Portuguesa”.

Jornalismo "ao vivo" em festival de Verão de "Le Monde" Ver galeria

Um festival de Verão sem estrondo de altifalantes, sem música de “fogo-de-artifício”, todo baseado na palavra, na conversa em grupo ou no diálogo directo com os jornalistas presentes. Durante o fim-de-semana de 13 a 15 de Julho, cerca de 4500 inscritos animaram a terceira edição do Festival Internacional de Jornalismo organizado pelo grupo Le Monde na localidade de Couthures, em França, à beira do rio Garonne. A aldeia não chega aos 400 habitantes, mas mais de 100 voluntários ajudaram a fazer funcionar, durante três dias, um encontro de muitos debates. Como disse Gilles van Kote, jornalista de Le Monde, a intenção era precisamente a de que tudo pudesse ser posto em questão, “sem tabus”.

O Clube
O CPI – Clube Português de Imprensa voltou a participar no Prémio  Europeu Helena Vaz da Silva para a Divulgação do Património Cultural 2018,  instituído em 2013 pelo Centro Nacional de Cultura,  em cooperação com a Europa Nostra, a principal organização europeia de defesa do património,  que o CNC representa em Portugal.   O Prémio foi atribuído, este ano,  à...

ver mais >
Opinião
Público: uma tradição manchada
Francisco Sarsfield Cabral
No início do corrente mês de julho os leitores do diário “Público” foram surpreendidos pela notícia de que o seu diretor, o prestigiado jornalista David Dinis, se havia demitido. Por aquilo que veio a saber-se através da comunicação social e de afirmações da administradora do jornal Cristina Soares – que é a única informação que possuo – a demissão de D. Dinis ficou a...
Ao ler no centenário “Diário de Noticias” a noticia da extinção formal da sua edição em papel, de Segunda–Feira a Sábado , a partir de Julho, fica a saber-se que o seu actual director, o  jornalista Ferreira Fernandes, entrou em “oito cafés(…) a caminho do cinema S. Jorge onde decorreu a apresentação do novo jornal” e só “contou três pessoas a ler o jornal em...
Boa ideia, Pedro
Manuel Falcão
Trabalhei um pouco mais de dois anos literalmente lado a lado com o Pedro Rolo Duarte no Se7e, dividíamos a direcção. Partilhávamos uma sala onde todos os dias fabricávamos ideias para fazer ressuscitar o jornal e agitar as águas, que era uma coisa que nos entretinha bastante. Foram dois anos de intensas e produtivas discussões, de muita criatividade e de várias crises - e sempre nos apoiámos mutuamente dos ataques que...
O optimismo de Centeno
Luís Queirós
"A economia da zona Euro cresce há 20 trimestres consecutivos", disse Mário Centeno no Grémio Literário, na palestra, proferida no passado dia 22 de Maio passado, integrada no ciclo que ali decorre subordinado ao tema  "O estado do Estado: Estado, Sociedade, Opções", uma iniciativa do Clube de Imprensa, em parceria com o Centro Nacional de Cultura e com o Grémio Literário. O Ministro das Finanças de Portugal e presidente do...
Em meados do séc. XVIII, os parisienses que quisessem manter-se “au courant” àcerca do andamento da Guerra dos Sete Anos (iniciada em 1756) não tinham muitas escolhas. Se fizessem parte, dentre os 600 mil habitantes da capital francesa, da minoria que sabia ler – menos de metade dos homens e uma quarta parte das mulheres – e também estivessem entre os poucos privilegiados que podiam dar-se ao luxo de comprar um jornal, tinham três...
Agenda
23
Jul
30
Jul
22
Ago
Edinburgh International Television Festival
09:00 @ Edimburgo, Escócia
28
Ago
Summer CEmp
09:00 @ Marvão
01
Set
dmexco
09:00 @ Colónia, Alemanha