Quarta-feira, 14 de Novembro, 2018
Media

Mulheres jornalistas espanholas contam a sua história em cenário de guerra

Muitas das reportagens de guerra que hoje lemos, ou cujas imagens nos impressionam, realizadas nos campos de batalha mais perigosos do mundo, são feitas por mulheres jornalistas. O seu número está em crescimento e só não há mais, como conta a freelance Ana Alba, que cobriu as guerras da Sérvia, Iraque, Montenegro, Kosovo e as duas Intifadas, porque agora “pedem-se crónicas grátis, ou quase, a jovens, para não ter de mandar pessoas com experiência e poupar nos seguros de vida”.

Estas palavras são de outra jornalista espanhola, Ana del Paso, que apresentou uma tese de doutoramento, na Universidade Complutense de Madrid, intitulada “Rol de las periodistas españolas enviadas a conflictos armados”, sobre os depoimentos de 32 repórteres que viveram esta experiência.

Uma das primeiras coisas que nos explica é que, se todos conhecemos as imagens e a fama de Robert Kapa, título profissional de um fotógrafo húngaro chamado Endre Ernö, co-fundador da Agência Magnum, que cobriu a guerra civil espanhola e a II Guerra Mundial, poucos sabem que a sua companheira, Gerda Taro, trabalhava com ele, e Robert Kapa era o seu pseudónimo comum, pelo que nem sempre é certo identificar a autoria exacta de determinadas imagens.  

Na sua tese, Ana del Paso descreve a outra guerra que tinham de vencer, junto dos seus meios de comunicação, para serem enviadas a locais de conflito armado. Carmen Sarmiento, da TVE, não conseguiu ser correspondente na guerra do Vietname, mas só nos anos 80 na guerra civil de El Salvador, época em que Rosa María Calaf, também da TVE, pôde trabalhar no Líbano. 

Como conta a autora desta tese, que aqui citamos de Cuadernos de Periodistas, da Asociación de la Prensa de Madrid  - com a qual mantemos um acordo de parceria: 

Naiara Galarraga, subdirectora do Internacional de El País, afirma que sempre se sentiu “estranha ao conceito de correspondente de guerra”, declarando-se antes “firme partidária de que o jornalista se especialize, ou cubra uma zona do mundo, e que se ocupe de tudo o que lhe diz respeito, seja ou não um conflito armado”: 

“Creio que a cobertura resulta mais rica desta forma, melhor do que com enviados especiais que vão de conflito em conflito”. (...) 

Marie Colvin, jornalista de The Guardian, assassinada pelo Daesh em Fevereiro de 2012, na localidade síria de Homs, dizia: 

“Fazer jornalismo de guerra continua a ser basicamente o mesmo, alguém tem que lá ir e ver o que está a acontecer. Não se pode conseguir a informação sem ir aos lugares onde as pessoas estão a ser atingidas e onde disparam contra ti.” Sublinhava que o importante era uma pessoa tornar-se “apaixonada e envolvida por aquilo em que acredita, e fazê-lo o mais completa e hostamente que seja capaz, e sempre sem medo.” 

Sobre jornalistas desta têmpera, Ana del Paso conclui: 

“São, como os seus companheiros masculinos, contadoras de histórias em cenários hostis, àqueles aonde ninguém que ir, porque estão mais perto do inferno do que da terra. São mulheres em guerra para dar voz aos que não a têm, mas cujos nomes constam sempre nas listas de baixas dos conflitos armados. Elas não são alheias a estas vítimas e pensam que, por meio do jornalismo, se pode construir um mundo melhor.”

 

 

O texto de Ana del Paso, na íntegra, em Cuadernos de Periodistas, da APM

Connosco
Agravam-se as ameças sobre os jornalistas na Europa Ver galeria

Jornalistas queimados em efígie, insultados e ameaçados, desacreditados pelos dirigentes dos seus próprios países. Processados, assaltados, alvo de ameaças de violação ou de morte, e em vários casos efectivamente assassinados. É este, hoje, o ambiente em que trabalham muitos jornalistas na Europa.

A organização Index on Censorship, com o apoio da Federação Europeia de Jornalistas, reuniu no relatório Mapping Media Freedom mais de três mil episódios de situações deste tipo, registadas desde Maio de 2004. A informação recolhida apresenta os jornalistas e os media onde trabalham como alvos de dirigentes políticos, empresas e mesmo o público em geral  -  mas algumas tendências principais são destacadas e apontadas neste trabalho. O objectivo é fornecer indicações úteis aos legisladores e a quantos desejem continuar a defender o ambiente favorável a uma Imprensa independente e pluralista.

Marçal Grilo abre novo ciclo de jantares-debate em Novembro Ver galeria

O Clube Português de Imprensa, o Centro Nacional de Cultura e o Grémio Literário juntam-se, novamente,para promover um novo ciclo de jantares-debate, desta vez subordinado ao tema “Portugal: que País vai a votos?

Será orador convidado, no próximo dia 22 de Novembro, Eduardo Marçal Grilo, antigo ministro da Educação e administrador da Fundação Gulbenkian, que tem dedicado à problemática do ensino e às causas da cultura e da ciência o essencial da sua actividade de intelectual, de homem político e enquanto docente.

O Clube

Bettany Hughes, inglesa, historiadora, autora e também editora e apresentadora de programas de televisão e de rádio, é a vencedora do Prémio Europeu Helena Vaz da Silva para a Divulgação do Património Cultural 2018.

O Prémio pretende homenagear a personalidade excecional de Hughes, demonstrada repetidamente na sua maneira de comunicar o passado de forma popular e entusiasmante.

A cerimónia de atribuição do prémio terá lugar no dia 15 de novembro 2018 na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa.


ver mais >
Opinião
1.Segundo um estudo da Marktest sobre a utilização que os portugueses fazem das redes sociais 65.9% dos inquiridos referem o Facebook, 16.4% indicam o Instagram, 8.3% oWhatsApp, 4% o Youtube e 5.4% outras redes. O estudo sublinha que esta predominância do Facebook não é transversal a toda a população: “Entre os jovens utilizadores de redes sociais, os resultados de 2018 mostram uma inversão das redes visitadas com mais...
Há cerca de um ano, António Barreto  costumava assinar uma assertiva coluna de opinião no Diário de Noticias, entretanto desaparecida como outras, sem deixar rasto. Numa delas,  reconhecia ser “simplesmente desmoralizante. Ver e ouvir os serviços de notícias das três ou quatro estações de televisão” . E comentava, a propósito,  que  “a vulgaridade é sinal de verdade. A...
Ironias de uma tragédia
Francisco Sarsfield Cabral
O horrível assassinato de um jornalista saudita no consulado do seu país em Istambul tem várias e graves implicações políticas. Embaraça Trump, que logo no início do seu mandato decidiu apoiar a Arábia Saudita, contra o seu ódio de estimação, o Irão. Por outro lado, ninguém acredita que o até aqui todo poderoso príncipe herdeiro saudita, M. bin Salman, seja alheio ao crime. Pelo...
Em meados do séc. XVIII, os parisienses que quisessem manter-se “au courant” àcerca do andamento da Guerra dos Sete Anos (iniciada em 1756) não tinham muitas escolhas. Se fizessem parte, dentre os 600 mil habitantes da capital francesa, da minoria que sabia ler – menos de metade dos homens e uma quarta parte das mulheres – e também estivessem entre os poucos privilegiados que podiam dar-se ao luxo de comprar um jornal, tinham três...
Agenda
14
Nov
News Xchange 2018
09:00 @ Edinburgo, Escócia
14
Nov
10ª Conferência Comunicação e Jornalismo
10:00 @ Universidade Lusófona, Lisboa
17
Nov
Google Analytics para Jornalistas
09:00 @ Cenjor,Lisboa
19
Nov