Quarta-feira, 18 de Julho, 2018
Media

Plataformas digitais provocam indefinição e geram uma crise de credibilidade nos Media

É verdade que a transição tecnológica do impresso para o digital trouxe problemas novos ao jornalismo tradicional, mas a questão de fundo é “cultural e estrutural”. Também é verdade que o sustento dos media baseado na publicidade perdeu, só nos EUA, cerca de 70% durante a última década, e por esse lado é certo que “todo o poder está sendo transferido para as plataformas  - e para as que o podem fazer em grande escala”. Estas reflexões são de Joshua Benton, director do NiemanLab, em entrevista ao Observatório da Imprensa do Brasil  - com o qual mantemos um acordo de parceria.

É uma longa entrevista, com respostas bem informadas a perguntas pertinentes. Descreve, sobretudo, a experiência recente do jornalismo nos Estados Unidos  -  mas foi lá que se desenvolveu, até às dimensões que hoje lhe conhecemos, a indústria digital e as grandes plataformas de distribuição. 

Uma das primeiras perguntas do entrevistador, o jornalista Francisco Rolfsen Belda, é sobre uma afirmação recente do entrevistado, quando escreveu que “o noticiário local está sendo esmagado pelas plataformas gigantes controladas por umas poucas empresas de tecnologia de Silicon Valley” e que “as coisas podem piorar nos próximos anos”. Responde Joshua Benton: 

“No espaço que ela [a publicidade impressa] ocupava veio uma plataforma como o Facebook, uma plataforma como o Twitter, um motor de busca como o Google. O que eles fazem é remontar as partes. O Google sabe exactamente aquilo que você procura. O Facebook sabe exactamente o que os seus amigos estão compartilhando. O Twitter permite que você seleccione exactamente aquilo que lhe interessa. O resultado disso é que essas plataformas, que colectam informações de uma porção de lugares diferentes e as reúnem num pacote, ganham um poder imenso.” (...) 

“Actualmente, muitos desses anunciantes só querem fazer negócio directamente com os websites muito grandes. Em consequência disso, se não tiver 10 milhões de visitas únicas por mês, nos EUA, um grande número de anunciantes nem se preocupará em falar consigo. Você está fora da escala. (...) Se for um editor local numa cidade de 50 mil pessoas, será basicamente impossível atingir essa escala. Não há um número suficiente de pessoas interessadas em suas notícias locais. Acho que isso as deixa numa posição muito inquietante, pois o forte vínculo que tinham com muitos dos seus leitores foi quebrado.” (...) 

Joshua Benton explica também que “essa transição de poder para uma plataforma é o elemento mais importante dos telefones móveis”. (...) 

“Por um lado, as redes irão ficar cada vez mais rápidas. Também os telefones ficarão mais rápidos, bem como os motores de javascript. De certa forma, você poderia imaginar que a tecnologia está se encarregando de resolver parte do problema. Porém, ao mesmo tempo, planos de dados significam que as pessoas dão valor ao que vai para o seu telefone de maneira diferente daquela que dão ao que vai para o seu laptop ou o desktop. A velocidade é mais importante numa conexão lenta. A quantidade de dados é mais importante numa conexão móvel. Acho que se pode analisar o bloqueio de anúncios por essa lente. De certa forma, é uma reacção razoável a toda a porcaria que você não queria em seu telefone.” (...) 

Sobre o sustento dos jornais

“Se você for um editor inteligente nos dias de hoje, e se está tentando descobrir como ganhar dinheiro online, provavelmente estará procurando outras maneiras, e não a publicidade. O New York Times tem um milhão de pessoas que pagam por uma assinatura digital. Muitos outros jornais também tentaram, com menos sucesso. Entretanto, do ponto de vista ideal, você iria preferir que sua receita online não fosse 100% de publicidade, pois o mercado da publicidade é cíclico. A direcção em que ele vai, de uma maneira geral, não tem sido favorável aos pequenos editores.” (...)

“Leva tempo para que as novas formas de comunicação evoluam. Hoje, nós temos 20 anos de World Wide Web. Temos ainda menos tempo de apps em telefones. Temos 10 anos de Podcast. Seja como você dividir essas áreas, a coisa ainda é nova. Acho que ainda estamos negociando quais são as formas certas, e quais os veículos que os leitores estão tentando descobrir em que devem confiar e nos que não devem, a quais deles querem pagar dinheiro e a quais não querem.” (...) 

Sobre esta última questão, da credibilidade dos media

“A ideia de criar credibilidade nos media, agora é quase impossível, porque não há uma definição rigorosa do que os media são. Media digital pode ser qualquer pessoa. Pode ser o seu amigo compartilhando uma ideia idiota no Facebook, ou pode ser uma investigação vencedora de um prêmio Pulitzer. Nesse caso… você não está preocupado com os media. Está preocupado com a sua marca, porque é isso que você controla. (...) 

“Qualquer pessoa pode ter uma conta no Twitter. Qualquer pessoa pode ter um blog. Qualquer pessoa pode postar qualquer coisa no Facebook. Qualquer pessoa pode publicar. Na medida em que isso é verdade, media deixa de ser uma referência determinante para credibilidade, porque se torna o equivalente a perguntar: ‘Você confia nas palavras que saem da boca das pessoas?’

Eu confio nas palavras que saem da boca de uma porção de pessoas, mas não confio em todas as pessoas, porque isso seria uma coisa idiota.” (...)

 

"Quando as pessoas pensam nos media nos dias de hoje, podem estar pensando no New York Times ou na CNN, mas também podem estar pensando num blog terrivelmente racista que visitaram, assim como podem num meio muito tendencioso, em termos políticos, ou podem estar pensando no boletim eletrónico que aquele tio maluco acabou de lhes encaminhar." (...)



A entrevista na íntegra, no Observatório da Imprensa do Brasil

Connosco
CPI e "Tribuna de Macau" instituem Prémios de Ensaio e de Jornalismo da Lusofonia Ver galeria

O Prémio de Jornalismo da Lusofonia, instituído há um ano por iniciativa do jornal Tribuna de Macau, em parceria com o Clube Português de Imprensa, com o patrocínio da Fundação Jorge Álvares e o apoio do JL – Jornal de Artes, Letras e Ideias, reparte-se, nesta sua segunda edição, por dois: um aberto a textos originais, que passa a designar-se o Prémio Ensaio da Lusofonia, e outro que mantém o título de Prémio de Jornalismo da Lusofonia, destinado a textos já publicados, em suporte papel ou digital.

Mantém-se o espírito original de distinguir trabalhos “no quadro do desejado aprofundamento de todos os aspectos ligados à Língua Portuguesa, com relevo para a singularidade do posicionamento de Macau no seu papel de plataforma de ligação entre países de Língua Oficial Portuguesa”.

Jornalismo "ao vivo" em festival de Verão de "Le Monde" Ver galeria

Um festival de Verão sem estrondo de altifalantes, sem música de “fogo-de-artifício”, todo baseado na palavra, na conversa em grupo ou no diálogo directo com os jornalistas presentes. Durante o fim-de-semana de 13 a 15 de Julho, cerca de 4500 inscritos animaram a terceira edição do Festival Internacional de Jornalismo organizado pelo grupo Le Monde na localidade de Couthures, em França, à beira do rio Garonne. A aldeia não chega aos 400 habitantes, mas mais de 100 voluntários ajudaram a fazer funcionar, durante três dias, um encontro de muitos debates. Como disse Gilles van Kote, jornalista de Le Monde, a intenção era precisamente a de que tudo pudesse ser posto em questão, “sem tabus”.

O Clube
O CPI – Clube Português de Imprensa voltou a participar no Prémio  Europeu Helena Vaz da Silva para a Divulgação do Património Cultural 2018,  instituído em 2013 pelo Centro Nacional de Cultura,  em cooperação com a Europa Nostra, a principal organização europeia de defesa do património,  que o CNC representa em Portugal.   O Prémio foi atribuído, este ano,  à...

ver mais >
Opinião
Público: uma tradição manchada
Francisco Sarsfield Cabral
No início do corrente mês de julho os leitores do diário “Público” foram surpreendidos pela notícia de que o seu diretor, o prestigiado jornalista David Dinis, se havia demitido. Por aquilo que veio a saber-se através da comunicação social e de afirmações da administradora do jornal Cristina Soares – que é a única informação que possuo – a demissão de D. Dinis ficou a...
Ao ler no centenário “Diário de Noticias” a noticia da extinção formal da sua edição em papel, de Segunda–Feira a Sábado , a partir de Julho, fica a saber-se que o seu actual director, o  jornalista Ferreira Fernandes, entrou em “oito cafés(…) a caminho do cinema S. Jorge onde decorreu a apresentação do novo jornal” e só “contou três pessoas a ler o jornal em...
Boa ideia, Pedro
Manuel Falcão
Trabalhei um pouco mais de dois anos literalmente lado a lado com o Pedro Rolo Duarte no Se7e, dividíamos a direcção. Partilhávamos uma sala onde todos os dias fabricávamos ideias para fazer ressuscitar o jornal e agitar as águas, que era uma coisa que nos entretinha bastante. Foram dois anos de intensas e produtivas discussões, de muita criatividade e de várias crises - e sempre nos apoiámos mutuamente dos ataques que...
O optimismo de Centeno
Luís Queirós
"A economia da zona Euro cresce há 20 trimestres consecutivos", disse Mário Centeno no Grémio Literário, na palestra, proferida no passado dia 22 de Maio passado, integrada no ciclo que ali decorre subordinado ao tema  "O estado do Estado: Estado, Sociedade, Opções", uma iniciativa do Clube de Imprensa, em parceria com o Centro Nacional de Cultura e com o Grémio Literário. O Ministro das Finanças de Portugal e presidente do...
Em meados do séc. XVIII, os parisienses que quisessem manter-se “au courant” àcerca do andamento da Guerra dos Sete Anos (iniciada em 1756) não tinham muitas escolhas. Se fizessem parte, dentre os 600 mil habitantes da capital francesa, da minoria que sabia ler – menos de metade dos homens e uma quarta parte das mulheres – e também estivessem entre os poucos privilegiados que podiam dar-se ao luxo de comprar um jornal, tinham três...
Agenda
23
Jul
30
Jul
22
Ago
Edinburgh International Television Festival
09:00 @ Edimburgo, Escócia
28
Ago
Summer CEmp
09:00 @ Marvão
01
Set
dmexco
09:00 @ Colónia, Alemanha