Sexta-feira, 18 de Janeiro, 2019
Media

Plataformas digitais provocam indefinição e geram uma crise de credibilidade nos Media

É verdade que a transição tecnológica do impresso para o digital trouxe problemas novos ao jornalismo tradicional, mas a questão de fundo é “cultural e estrutural”. Também é verdade que o sustento dos media baseado na publicidade perdeu, só nos EUA, cerca de 70% durante a última década, e por esse lado é certo que “todo o poder está sendo transferido para as plataformas  - e para as que o podem fazer em grande escala”. Estas reflexões são de Joshua Benton, director do NiemanLab, em entrevista ao Observatório da Imprensa do Brasil  - com o qual mantemos um acordo de parceria.

É uma longa entrevista, com respostas bem informadas a perguntas pertinentes. Descreve, sobretudo, a experiência recente do jornalismo nos Estados Unidos  -  mas foi lá que se desenvolveu, até às dimensões que hoje lhe conhecemos, a indústria digital e as grandes plataformas de distribuição. 

Uma das primeiras perguntas do entrevistador, o jornalista Francisco Rolfsen Belda, é sobre uma afirmação recente do entrevistado, quando escreveu que “o noticiário local está sendo esmagado pelas plataformas gigantes controladas por umas poucas empresas de tecnologia de Silicon Valley” e que “as coisas podem piorar nos próximos anos”. Responde Joshua Benton: 

“No espaço que ela [a publicidade impressa] ocupava veio uma plataforma como o Facebook, uma plataforma como o Twitter, um motor de busca como o Google. O que eles fazem é remontar as partes. O Google sabe exactamente aquilo que você procura. O Facebook sabe exactamente o que os seus amigos estão compartilhando. O Twitter permite que você seleccione exactamente aquilo que lhe interessa. O resultado disso é que essas plataformas, que colectam informações de uma porção de lugares diferentes e as reúnem num pacote, ganham um poder imenso.” (...) 

“Actualmente, muitos desses anunciantes só querem fazer negócio directamente com os websites muito grandes. Em consequência disso, se não tiver 10 milhões de visitas únicas por mês, nos EUA, um grande número de anunciantes nem se preocupará em falar consigo. Você está fora da escala. (...) Se for um editor local numa cidade de 50 mil pessoas, será basicamente impossível atingir essa escala. Não há um número suficiente de pessoas interessadas em suas notícias locais. Acho que isso as deixa numa posição muito inquietante, pois o forte vínculo que tinham com muitos dos seus leitores foi quebrado.” (...) 

Joshua Benton explica também que “essa transição de poder para uma plataforma é o elemento mais importante dos telefones móveis”. (...) 

“Por um lado, as redes irão ficar cada vez mais rápidas. Também os telefones ficarão mais rápidos, bem como os motores de javascript. De certa forma, você poderia imaginar que a tecnologia está se encarregando de resolver parte do problema. Porém, ao mesmo tempo, planos de dados significam que as pessoas dão valor ao que vai para o seu telefone de maneira diferente daquela que dão ao que vai para o seu laptop ou o desktop. A velocidade é mais importante numa conexão lenta. A quantidade de dados é mais importante numa conexão móvel. Acho que se pode analisar o bloqueio de anúncios por essa lente. De certa forma, é uma reacção razoável a toda a porcaria que você não queria em seu telefone.” (...) 

Sobre o sustento dos jornais

“Se você for um editor inteligente nos dias de hoje, e se está tentando descobrir como ganhar dinheiro online, provavelmente estará procurando outras maneiras, e não a publicidade. O New York Times tem um milhão de pessoas que pagam por uma assinatura digital. Muitos outros jornais também tentaram, com menos sucesso. Entretanto, do ponto de vista ideal, você iria preferir que sua receita online não fosse 100% de publicidade, pois o mercado da publicidade é cíclico. A direcção em que ele vai, de uma maneira geral, não tem sido favorável aos pequenos editores.” (...)

“Leva tempo para que as novas formas de comunicação evoluam. Hoje, nós temos 20 anos de World Wide Web. Temos ainda menos tempo de apps em telefones. Temos 10 anos de Podcast. Seja como você dividir essas áreas, a coisa ainda é nova. Acho que ainda estamos negociando quais são as formas certas, e quais os veículos que os leitores estão tentando descobrir em que devem confiar e nos que não devem, a quais deles querem pagar dinheiro e a quais não querem.” (...) 

Sobre esta última questão, da credibilidade dos media

“A ideia de criar credibilidade nos media, agora é quase impossível, porque não há uma definição rigorosa do que os media são. Media digital pode ser qualquer pessoa. Pode ser o seu amigo compartilhando uma ideia idiota no Facebook, ou pode ser uma investigação vencedora de um prêmio Pulitzer. Nesse caso… você não está preocupado com os media. Está preocupado com a sua marca, porque é isso que você controla. (...) 

“Qualquer pessoa pode ter uma conta no Twitter. Qualquer pessoa pode ter um blog. Qualquer pessoa pode postar qualquer coisa no Facebook. Qualquer pessoa pode publicar. Na medida em que isso é verdade, media deixa de ser uma referência determinante para credibilidade, porque se torna o equivalente a perguntar: ‘Você confia nas palavras que saem da boca das pessoas?’

Eu confio nas palavras que saem da boca de uma porção de pessoas, mas não confio em todas as pessoas, porque isso seria uma coisa idiota.” (...)

 

"Quando as pessoas pensam nos media nos dias de hoje, podem estar pensando no New York Times ou na CNN, mas também podem estar pensando num blog terrivelmente racista que visitaram, assim como podem num meio muito tendencioso, em termos políticos, ou podem estar pensando no boletim eletrónico que aquele tio maluco acabou de lhes encaminhar." (...)



A entrevista na íntegra, no Observatório da Imprensa do Brasil

Connosco
António Martins da Cruz em Janeiro no ciclo de jantares-debate “Portugal: que País vai a votos?” Ver galeria

O próximo orador-convidado do novo ciclo de jantares-debate subordinado ao tema “Portugal: que País vai a votos?” é o embaixador António Martins da Cruz, um observador atento, persistente e ouvido da realidade portuguesa, que aceitou estar connosco.

A conferência está marcada para o próximo dia 24 de Janeiro na Sala da Biblioteca do Grémio Literário, dando continuidade à iniciativa lançada há cinco anos pelo CPI -  Clube Português de Imprensa, em parceria com o CNC – Centro Nacional de Cultura e o próprio Grémio.

Político e diplomata, António Manuel de Mendonça Martins da Cruz nasceu a 28 de Dezembro de 1946, em Lisboa. Licenciado em Direito pela Universidade de Lisboa, fez ainda estudos de pós-graduação na Universidade de Genebra, na Suíça.

Edição especial de "Charlie Hebdo" no aniversário do atentado Ver galeria

A revista satírica francesa Charlie Hebdo recordou o atentado de 7 de Janeiro de 2015, contra a sua redacção, publicando uma edição especial com a capa acima reproduzida, mostrando a imagem de um cardeal católico e um imã muçulmano soprando a chama de uma vela. Partindo desta imagem, o jornalista Rui Martins sugere que “ambos desejam a mesma coisa, em nome de Jesus ou Maomé: o advento do obscurantismo, para se apagar, enfim, o Iluminismo e mergulharmos novamente num novo período de trevas”.

Segundo afirma, “esse número especial não quer apenas relembrar a chacina, Charlie Hebdo vai mais longe”:
“Esse novo milénio, profetizado pelo francês André Malraux como religioso, será mais que isso. Será fundamentalista, fanático, intolerante e irá pouco a pouco asfixiar os livres pensadores até acabar por completo com o exercício da livre expressão.”

No Observatório da Imprensa do Brasil, com o qual mantemos um acordo de parceria.

O Clube

O Novo Ano não se antevê fácil para os media e para o jornalismo.

Sobram os indicadores pessimistas, nos jornais, com a queda acentuada de  vendas,  e nas televisões, temáticas ou generalistas, com audiências degradadas e uma tendência em ambos os casos para a tabloidização, como forma  já desesperada de fidelização de  leitores e espectadores, atraídos por outras fontes de informação e de entretenimento.


ver mais >
Opinião
Sobre a liberdade de expressão em Portugal
Francisco Sarsfield Cabral
O caso da participação num programa matinal da TVI de um racista, já condenado e tendo cumprido pena de prisão, Mário Machado, suscitou polémica. Ainda bem, porque as questões em causa são importantes. Mas, como é costume, o debate rapidamente derivou para um confronto entre a esquerda indignada por se ter dado tempo de antena a um criminoso fascista e a direita defendendo a liberdade de expressão e a dualidade de...
O panorama dos media
Manuel Falcão
Se olharmos para o top dos programas mais vistos na televisão generalista em 2018 vemos um claro domínio das transmissões desportivas, seguidas a grande distância pelos reality shows e, ainda mais para trás, pelas telenovelas. No entanto as transmissões televisivas produzem apenas picos de audiência e contribuem relativamente pouco para as médias e para planos continuados. O dilema das televisões generalistas está na...
Informar ou depender…
Dinis de Abreu
O título deste texto corresponde a um livro publicado nos anos 70 por Francisco Balsemão, numa altura em que já se ‘contavam espingardas’ para pôr termo ao Estado Novo, como veio a acontecer com o derrube de Marcello Caetano, em 25 de Abril de 74.  A obra foi polémica à época e justamente considerada um ‘grito de alma’, assinada por quem começara a sua vida profissional num jornal controlado pela família...
Há, na ideia de uma comunicação social estatizada ou ajudada pelo governo, uma contradição incontornável: como pode a imprensa depender da entidade que mais se queixa da imprensa? Uma parte da comunicação social portuguesa – televisão, rádio, imprensa escrita — é deficitária, está endividada e admite “problemas de tesouraria”. Mas acima desse, há outro problema, mais grave:...
O jornalismo estará a render-se à subjetividade, rainha e senhora de certas redes sociais. As ‘fake news’ e o futuro dos media foram dos temas mais falados na edição de 2018, da Web Summit. Usadas como arma de arremesso político e de intoxicação, as notícias falsas são uma praga. Invadem o espaço público, distorcem os factos, desviam a atenção, comprometem a reflexão. E pelo caminho...