Quinta-feira, 18 de Julho, 2019
Media

Plataformas digitais provocam indefinição e geram uma crise de credibilidade nos Media

É verdade que a transição tecnológica do impresso para o digital trouxe problemas novos ao jornalismo tradicional, mas a questão de fundo é “cultural e estrutural”. Também é verdade que o sustento dos media baseado na publicidade perdeu, só nos EUA, cerca de 70% durante a última década, e por esse lado é certo que “todo o poder está sendo transferido para as plataformas  - e para as que o podem fazer em grande escala”. Estas reflexões são de Joshua Benton, director do NiemanLab, em entrevista ao Observatório da Imprensa do Brasil  - com o qual mantemos um acordo de parceria.

É uma longa entrevista, com respostas bem informadas a perguntas pertinentes. Descreve, sobretudo, a experiência recente do jornalismo nos Estados Unidos  -  mas foi lá que se desenvolveu, até às dimensões que hoje lhe conhecemos, a indústria digital e as grandes plataformas de distribuição. 

Uma das primeiras perguntas do entrevistador, o jornalista Francisco Rolfsen Belda, é sobre uma afirmação recente do entrevistado, quando escreveu que “o noticiário local está sendo esmagado pelas plataformas gigantes controladas por umas poucas empresas de tecnologia de Silicon Valley” e que “as coisas podem piorar nos próximos anos”. Responde Joshua Benton: 

“No espaço que ela [a publicidade impressa] ocupava veio uma plataforma como o Facebook, uma plataforma como o Twitter, um motor de busca como o Google. O que eles fazem é remontar as partes. O Google sabe exactamente aquilo que você procura. O Facebook sabe exactamente o que os seus amigos estão compartilhando. O Twitter permite que você seleccione exactamente aquilo que lhe interessa. O resultado disso é que essas plataformas, que colectam informações de uma porção de lugares diferentes e as reúnem num pacote, ganham um poder imenso.” (...) 

“Actualmente, muitos desses anunciantes só querem fazer negócio directamente com os websites muito grandes. Em consequência disso, se não tiver 10 milhões de visitas únicas por mês, nos EUA, um grande número de anunciantes nem se preocupará em falar consigo. Você está fora da escala. (...) Se for um editor local numa cidade de 50 mil pessoas, será basicamente impossível atingir essa escala. Não há um número suficiente de pessoas interessadas em suas notícias locais. Acho que isso as deixa numa posição muito inquietante, pois o forte vínculo que tinham com muitos dos seus leitores foi quebrado.” (...) 

Joshua Benton explica também que “essa transição de poder para uma plataforma é o elemento mais importante dos telefones móveis”. (...) 

“Por um lado, as redes irão ficar cada vez mais rápidas. Também os telefones ficarão mais rápidos, bem como os motores de javascript. De certa forma, você poderia imaginar que a tecnologia está se encarregando de resolver parte do problema. Porém, ao mesmo tempo, planos de dados significam que as pessoas dão valor ao que vai para o seu telefone de maneira diferente daquela que dão ao que vai para o seu laptop ou o desktop. A velocidade é mais importante numa conexão lenta. A quantidade de dados é mais importante numa conexão móvel. Acho que se pode analisar o bloqueio de anúncios por essa lente. De certa forma, é uma reacção razoável a toda a porcaria que você não queria em seu telefone.” (...) 

Sobre o sustento dos jornais

“Se você for um editor inteligente nos dias de hoje, e se está tentando descobrir como ganhar dinheiro online, provavelmente estará procurando outras maneiras, e não a publicidade. O New York Times tem um milhão de pessoas que pagam por uma assinatura digital. Muitos outros jornais também tentaram, com menos sucesso. Entretanto, do ponto de vista ideal, você iria preferir que sua receita online não fosse 100% de publicidade, pois o mercado da publicidade é cíclico. A direcção em que ele vai, de uma maneira geral, não tem sido favorável aos pequenos editores.” (...)

“Leva tempo para que as novas formas de comunicação evoluam. Hoje, nós temos 20 anos de World Wide Web. Temos ainda menos tempo de apps em telefones. Temos 10 anos de Podcast. Seja como você dividir essas áreas, a coisa ainda é nova. Acho que ainda estamos negociando quais são as formas certas, e quais os veículos que os leitores estão tentando descobrir em que devem confiar e nos que não devem, a quais deles querem pagar dinheiro e a quais não querem.” (...) 

Sobre esta última questão, da credibilidade dos media

“A ideia de criar credibilidade nos media, agora é quase impossível, porque não há uma definição rigorosa do que os media são. Media digital pode ser qualquer pessoa. Pode ser o seu amigo compartilhando uma ideia idiota no Facebook, ou pode ser uma investigação vencedora de um prêmio Pulitzer. Nesse caso… você não está preocupado com os media. Está preocupado com a sua marca, porque é isso que você controla. (...) 

“Qualquer pessoa pode ter uma conta no Twitter. Qualquer pessoa pode ter um blog. Qualquer pessoa pode postar qualquer coisa no Facebook. Qualquer pessoa pode publicar. Na medida em que isso é verdade, media deixa de ser uma referência determinante para credibilidade, porque se torna o equivalente a perguntar: ‘Você confia nas palavras que saem da boca das pessoas?’

Eu confio nas palavras que saem da boca de uma porção de pessoas, mas não confio em todas as pessoas, porque isso seria uma coisa idiota.” (...)

 

"Quando as pessoas pensam nos media nos dias de hoje, podem estar pensando no New York Times ou na CNN, mas também podem estar pensando num blog terrivelmente racista que visitaram, assim como podem num meio muito tendencioso, em termos políticos, ou podem estar pensando no boletim eletrónico que aquele tio maluco acabou de lhes encaminhar." (...)



A entrevista na íntegra, no Observatório da Imprensa do Brasil

Connosco
Confirma-se que as más notícias são as que correm mais depressa Ver galeria

Todos ouvimos alguma vez dizer, no início da profissão, que a aterragem segura de mil aviões não é notícia, mas o despenhamento de um só já passa a ser.
A classificação do que é “noticiável” teve sempre alguma preferência por esse lado negativo: “a guerra mais do que a paz, os crimes mais do que a segurança, o conflito mais do que o acordo”.

“Sabemos hoje que nem sempre a audiência segue estas escolhas; muitos encaram os noticiários como pouco mais do que uma fonte de irritação, impotência, ansiedade, stress  e um geral negativismo.”

Sabemos também que cresce a percentagem dos que já se recusam a “consumir” a informação jornalística dominante por terem esta mesma sensação.  

A reflexão inicial é de Joshua Benton, fundador e director do Nieman Journalism Lab, na Universidade de Harvard.

As questões “que incomodam” no Festival Internacional de Jornalismo Ver galeria

Jornalistas e gilets jaunes  tiveram, em Couthures, o seu frente-a-frente de revisão da matéria dada. Terminado o quarto Festival Internacional de Jornalismo, o jornal  Le Monde, seu organizador, conta agora, numa série de reportagens, o que se passou neste evento de Verão nas margens do rio Garonne  - e um dos pontos altos foi uma espécie de “Prós e Contras”, incluindo a sua grande-repórter Florence Aubenas, que encontrou a agressividade das ruas em Dezembro de 2018, mais Céline Pigalle, que chefia a redacção do canal BFM-TV, especialmente detestado pelos manifestantes, e do outro lado seis representantes assumidos do movimento, da região de Marmande.

O debate foi vivo, e a confrontação verbal, por vezes, agressiva. Houve também um esforço de esclarecimento e momentos de auto-crítica.  Depois do “julgamento” final, uma encenação com acusadores (o público), réus (os jornalistas), alguns reconhecendo-se culpados com “circunstâncias atenuantes”, outros assumindo o risco de “prisão perpétua”, a conclusão de uma participante:

“Ficam muito bem as boas decisões durante o Festival. Só que vocês vão esquecer durante onze meses, e voltam iguais para o ano que vem. Mas eu volto também e fico agradecida.”

O Clube


Lançado em Novembro de 2015, este site tem vindo a conquistar uma audiência crescente, traduzida no número de visitantes e de sessões e do tempo médio despendido. É reconfortante e  encorajador, para um projecto concebido para ser um espaço de informação e de reflexão sobre os problemas que se colocam, de uma forma cada vez mais aguda, ao jornalismo e aos  media.

Observa-se , aliás, ressalvadas as excepções , que a problemática dos media , desde a precariedade  dos seus quadros às incertezas do futuro -  quer no plano tecnológico  quer no editorial - , raramente  constitui  tema de debate  nas páginas dos jornais, e menos ainda nas  suas versões  online ou nos audiovisuais. É um assunto quase tabú.


ver mais >
Opinião
Um relatório recente sobre os princípios de actuação mais frequentes dos maiores publishers digitais dá algumas indicações que vale a pena ter em conta. O estudo “Digital Publishers Report”, divulgado pelo site Digiday, analisa as práticas de uma centena de editores e destaca alguns factores que, na sua opinião, permitem obter os melhores resultados. O estudo estima que as receitas provenientes de conteúdo digital...
E lá se foi mais um daqueles Artistas geniais que tornam a existência humana mais suportável… Guillermo Mordillo era um daqueles raríssimos autores que não precisam de palavras para nos revelarem os aspectos mais evidentes, e também os mais escondidos, das nossas vidas – os alegres, os menos alegres, os cómicos, os ridículos, até os trágicos -- com um traço redondo, que dava aos seus bonecos uma vivacidade...
Sejam de direita ou de esquerda, há uma verdadeira inflação de políticos no activo - ou supostamente retirados - ,  “vestidos” de comentadores residentes nas televisões, com farto proveito. Alguns deles acumulam mesmo os “plateaux” com os microfones  da rádio ou as colunas de jornais, demonstrando  uma invejável capacidade de desdobramento. O objectivo comum a todos é, naturalmente,  pastorearem...
“Fake news”, ontem e hoje
Francisco Sarsfield Cabral
Lançar notícias falsas sobre adversários políticos ou outros existe há séculos. Mas a internet deu às mentiras uma capacidade de difusão nunca antes vista.  Divulgar no espaço público notícias falsas (“fake news”) é hoje um problema que, com razão, preocupa muita gente. Mas não se pode considerar que este seja um problema novo. Claro que a internet e as redes sociais proporcionam...
Agenda
01
Ago
Composição Fotográfica
09:00 @ Cenjor,Lisboa
21
Ago
Edinburgh TV Festival
09:00 @ Edinburgo, Escócia
27
Ago
Digital Broadcast Media Convention
09:00 @ Lagos, Nigéria
16
Set