Quarta-feira, 18 de Julho, 2018
Media

“Fazem falta jornais sérios” para o fundador da “WikiTribune”

A proliferação deliberada de notícias falsas ganhou em velocidade e alcance com o advento da Internet, mas o mais grave é que os provocadores truculentos (trolls) que sempre existem neste espaço também mudaram de natureza  - hoje estão nos mais altos níveis dos Estados, de onde procuram “controlar os outros e ganhar influência sobre eles pela mentira”. O sector dos media atravessa um período mau, mas também, “numa época como a nossa, as pessoas dão-se conta de que fazem falta jornais sérios”. É esta a reflexão de Jimmy Wales, que lançou a plataforma WikiTribune para combater os “factos alternativos”.

Foi precisamente esta expressão, criada por uma das assessoras de Imprensa da Casa Branca a propósito do número de pessoas que estavam na posse do Presidente Donald Trump, que se tornou “decisiva” para Jimmy Wales, e o levou ao projecto que tem neste momento entre mãos. E é destas questões, da situação actual dos media e da necessidade de um jornalismo de investigação viável, que fala numa longa entrevista ao diário alemão Die Welt, que aqui citamos do El País.

Sobre Donald Trump:

“Não há a menor dúvida de que Trump é o típico troll. Tenho mesmo chegado a pensar que diz coisas em que nem ele mesmo acredita. E di-las com a única intenção de provocar as pessoas. É esta a definição original do troll: uma pessoa que entra num espaço e publica opiniões provocadoras para a maioria.” (...) 

Sobre como combater a informação falsa

“O nosso trabalho só em parte consistirá em desmascarar as notícias falsas. Também queremos publicar artigos sobre temas políticos, económicos ou do mundo da tecnologia que sejam produto da nossa própria investigação. O meu objectivo é criar algo novo, reunir jornalistas profissionais em torno do mesmo estilo de comunidade que tornou grande a Wikipedia e financiá-lo por meio do microfinanciamento colectivo.” 

Sobre a questão da transparência:

“A primeira coisa que proponho é que a nossa forma de fazer jornalismo seja o mais transparente possível. (...) Por exemplo, na WikiTribune vamos publicar o áudio das entrevistas e a transcrição em bruto, e não apenas o resumo editado.” (...) 

Segue-se, neste ponto, uma troca de reparos, entre o jornalista do Die Welt e Jimmy Wales, sobre os casos em que esta transparência pode criar situações delicadas, por exemplo a respeito da protecção das fontes. Mas o entrevistado dá outro exemplo, dos artigos baseados em informação de “organismos oficiais” sem mencionar os nomes, em que ele “gostaria de saber quem disse o quê, e por que motivo o que ouviu depois contradiz as suas declarações”. 

A segunda parte da entrevista demora-se sobre as questões de sustentabilidade de uma Imprensa responsável e, neste caso, do próprio projecto da WikiTribune. Para além do microfinanciamento, Jimmy Wales declara a sua preferência pelo envolvimento dos assinantes, o apelo a contribuições voluntárias, como aparece nas páginas de The Guardian, ou por uma paywall de tipo “suave”. 

Sobre este assunto, contou a história de um jornal digital de qualidade em que, no mesmo dia, uma boa reportagem de investigação tivera impacto sobre o público, mas um outro texto ao lado, com título apelativo, mas de conteúdo superficial, tornou-se, como se diz hoje, “viral”, e “trouxe tanto dinheiro, pela publicidade que gerou, como a reportagem de investigação, mas com a diferença de que, por esta, não pagaram quase nada”. 

“Dito de modo claro: ganham dinheiro a publicar ‘tonterias’, como faz toda a gente. É um problema que os meios de comunicação  sérios, que constituem invariavelmente o fundamento de uma democracia, se detenham cada vez mais neste ambiente. Um ambiente que surgiu quando as pessoas começaram a habituar-se a não terem de pagar nada por acederem a conteúdos na Internet.” 

A última pergunta foi por que motivo converteu a Wikipedia numa fundação, em vez de a ter comercializado e passar a fazer parte dos megamilionários da informação. Respondeu Jimmy Wales: 

“Aqui em Londres, há muitos bancos que juntam toneladas de dinheiro, muito mais do que verei em toda a minha vida. A mim parece aborrecido. (...)  A minha vida é fantástica, tenho possibilidades incríveis, posso transmitir ideias. Isso é um privilégio enorme. Nunca o trocaria por uma vida monótona de multimilionário. (...)  O que eu faço é muito mais emocionante.”

 

A entrevista na íntegra, no El País, de onde colhemos a imagem utilizada

Connosco
CPI e "Tribuna de Macau" instituem Prémios de Ensaio e de Jornalismo da Lusofonia Ver galeria

O Prémio de Jornalismo da Lusofonia, instituído há um ano por iniciativa do jornal Tribuna de Macau, em parceria com o Clube Português de Imprensa, com o patrocínio da Fundação Jorge Álvares e o apoio do JL – Jornal de Artes, Letras e Ideias, reparte-se, nesta sua segunda edição, por dois: um aberto a textos originais, que passa a designar-se o Prémio Ensaio da Lusofonia, e outro que mantém o título de Prémio de Jornalismo da Lusofonia, destinado a textos já publicados, em suporte papel ou digital.

Mantém-se o espírito original de distinguir trabalhos “no quadro do desejado aprofundamento de todos os aspectos ligados à Língua Portuguesa, com relevo para a singularidade do posicionamento de Macau no seu papel de plataforma de ligação entre países de Língua Oficial Portuguesa”.

Jornalismo "ao vivo" em festival de Verão de "Le Monde" Ver galeria

Um festival de Verão sem estrondo de altifalantes, sem música de “fogo-de-artifício”, todo baseado na palavra, na conversa em grupo ou no diálogo directo com os jornalistas presentes. Durante o fim-de-semana de 13 a 15 de Julho, cerca de 4500 inscritos animaram a terceira edição do Festival Internacional de Jornalismo organizado pelo grupo Le Monde na localidade de Couthures, em França, à beira do rio Garonne. A aldeia não chega aos 400 habitantes, mas mais de 100 voluntários ajudaram a fazer funcionar, durante três dias, um encontro de muitos debates. Como disse Gilles van Kote, jornalista de Le Monde, a intenção era precisamente a de que tudo pudesse ser posto em questão, “sem tabus”.

O Clube
O CPI – Clube Português de Imprensa voltou a participar no Prémio  Europeu Helena Vaz da Silva para a Divulgação do Património Cultural 2018,  instituído em 2013 pelo Centro Nacional de Cultura,  em cooperação com a Europa Nostra, a principal organização europeia de defesa do património,  que o CNC representa em Portugal.   O Prémio foi atribuído, este ano,  à...

ver mais >
Opinião
Público: uma tradição manchada
Francisco Sarsfield Cabral
No início do corrente mês de julho os leitores do diário “Público” foram surpreendidos pela notícia de que o seu diretor, o prestigiado jornalista David Dinis, se havia demitido. Por aquilo que veio a saber-se através da comunicação social e de afirmações da administradora do jornal Cristina Soares – que é a única informação que possuo – a demissão de D. Dinis ficou a...
Ao ler no centenário “Diário de Noticias” a noticia da extinção formal da sua edição em papel, de Segunda–Feira a Sábado , a partir de Julho, fica a saber-se que o seu actual director, o  jornalista Ferreira Fernandes, entrou em “oito cafés(…) a caminho do cinema S. Jorge onde decorreu a apresentação do novo jornal” e só “contou três pessoas a ler o jornal em...
Boa ideia, Pedro
Manuel Falcão
Trabalhei um pouco mais de dois anos literalmente lado a lado com o Pedro Rolo Duarte no Se7e, dividíamos a direcção. Partilhávamos uma sala onde todos os dias fabricávamos ideias para fazer ressuscitar o jornal e agitar as águas, que era uma coisa que nos entretinha bastante. Foram dois anos de intensas e produtivas discussões, de muita criatividade e de várias crises - e sempre nos apoiámos mutuamente dos ataques que...
O optimismo de Centeno
Luís Queirós
"A economia da zona Euro cresce há 20 trimestres consecutivos", disse Mário Centeno no Grémio Literário, na palestra, proferida no passado dia 22 de Maio passado, integrada no ciclo que ali decorre subordinado ao tema  "O estado do Estado: Estado, Sociedade, Opções", uma iniciativa do Clube de Imprensa, em parceria com o Centro Nacional de Cultura e com o Grémio Literário. O Ministro das Finanças de Portugal e presidente do...
Em meados do séc. XVIII, os parisienses que quisessem manter-se “au courant” àcerca do andamento da Guerra dos Sete Anos (iniciada em 1756) não tinham muitas escolhas. Se fizessem parte, dentre os 600 mil habitantes da capital francesa, da minoria que sabia ler – menos de metade dos homens e uma quarta parte das mulheres – e também estivessem entre os poucos privilegiados que podiam dar-se ao luxo de comprar um jornal, tinham três...
Agenda
23
Jul
30
Jul
22
Ago
Edinburgh International Television Festival
09:00 @ Edimburgo, Escócia
28
Ago
Summer CEmp
09:00 @ Marvão
01
Set
dmexco
09:00 @ Colónia, Alemanha