Quarta-feira, 17 de Julho, 2019
Media

“The Boston Globe” reinventa o conceito de jornal metropolitano

O diário norte-americano The Boston Globe orgulha-se de estar à frente no número de assinantes exclusivos da sua edição digital, mas afirma que não vai desistir do jornal impresso nem pretende tornar-se numa empresa digital first. A reestruturação que tem neste momento em curso aponta para “ser grande em todas as plataformas”, mantendo o nível que lhe deu quatro Prémios Pulitzer e oito finalistas nestes últimos quatro anos.

Ao mesmo tempo, o seu director, Brian McGrory, acaba de dirigir a todo o pessoal um documento de incentivo e informação sobre o que vem aí, não escondendo que se trata de uma “reestruturação ambiciosa”, implicando um “esforço disruptivo” que começa já, no início de Maio. 

The Boston Globe define-se como um grande jornal metropolitano, o que significa, nos EUA, que cobre uma cidade importante e a respectiva área metropolitana, algures entre os (muito poucos) jornais de projecção verdadeiramente nacional e a Imprensa de natureza claramente local. 

O comentário de David Uberti, na Columbia Journalism Review, que aqui citamos, diz que os motivos que tornam este diário “um laboratório interessante sobre a reinvenção do jornal metropolitano” são os mesmos que tornam o esforço difícil de copiar para outros casos: “um proprietário bem sucedido e dotado de espírito cívico; instituições locais de alcance nacional e internacional; e uma invulgarmente elevada concentração de licenciados na sua área de cobertura próxima”. 

Segundo o testemunho do analista de media Ken Doctor, em Março de 2017 The Boston Globe tinha ultrapassado as 80 mil assinaturas digitais, “o mais elevado número entre todos os diários de expansão regional no país”. Esta subida foi acentuada nas primeiras semanas do ano, “mas saber se o benefício cresce a um ritmo capaz de contrabalançar as perdas no jornal impresso continua a ser uma questão em aberto”. 

O texto de mobilização de Brian McGrory informa sobre novidades e prioridades, entre estas a constituição de um departamento nomeado Express Desk, bem servido de meios humanos e com “alguns dos nossos melhores editores e repórteres”, para dar aos leitores “aquilo que precisam de saber e que sem dúvida vão desejar saber”. Vai incluir as breaking news (as notícias de última hora), assim como as trending news, sobre o meio social de Boston e arredores, e as apetecíveis histórias locais colhidas de redes sociais ou de fontes directas. 

O fio comum a todas será “a urgência de as ter publicadas”. Aliás, a meio do memorando, o director anuncia que se vai começar a trabalhar mais cedo. “Uma boa parte do Express Desk vai certamente ser lançada entre as seis e as oito. A reunião da manhã vai passar a ser às 9h.15, e toda a redacção vai começar às 9h em vez de às 10h.” 

A respeito do jornal impresso, não há uma desistência, “mas simplesmente não queremos que ele domine tudo aquilo que fazemos e como fazemos, do modo como sucede actualmente”. Os editores responsáveis vão exigir que “o jornal físico, em papel, seja sempre fresco, se não mesmo surpreendente”. 

E a mudança anunciada não é só no estilo e nos ritmos de trabalho. Nas conclusões da sua carta aos que trabalham no Boston Globe, o director põe a questão: 

“Quanto tempo deveria alguém permanecer num posto? A experiência garante sabedoria, confiança e, no nosso ramo, fontes. Mas o ponto fraco incómodo da experiência é, frequentemente, a complacência. (...) Demasiadas pessoas ficam demasiado tempo em demasiadas posições. Vamos então estabelecer que não há postos fixos na redacção do Globe. Vamos sacudir isto. Vamos deixar de temer novas funções. Isto vai revigorar as pessoas, individualmente, e abrir as nossas artérias, colectivamente. A equipa Spotlight, por exemplo, vai passar a ter uma estrita rotação de dois anos, e a revista de Domingo de um ano.” (...)

 

Mais informação no artigo da CJR, de onde colhemos a imagem utilizada, e o memorando de Brian McGrory, na íntegra

Connosco
Confirma-se que as más notícias são as que correm mais depressa Ver galeria

Todos ouvimos alguma vez dizer, no início da profissão, que a aterragem segura de mil aviões não é notícia, mas o despenhamento de um só já passa a ser.
A classificação do que é “noticiável” teve sempre alguma preferência por esse lado negativo: “a guerra mais do que a paz, os crimes mais do que a segurança, o conflito mais do que o acordo”.

“Sabemos hoje que nem sempre a audiência segue estas escolhas; muitos encaram os noticiários como pouco mais do que uma fonte de irritação, impotência, ansiedade, stress  e um geral negativismo.”

Sabemos também que cresce a percentagem dos que já se recusam a “consumir” a informação jornalística dominante por terem esta mesma sensação.  

A reflexão inicial é de Joshua Benton, fundador e director do Nieman Journalism Lab, na Universidade de Harvard.

As questões “que incomodam” no Festival Internacional de Jornalismo Ver galeria

Jornalistas e gilets jaunes  tiveram, em Couthures, o seu frente-a-frente de revisão da matéria dada. Terminado o quarto Festival Internacional de Jornalismo, o jornal  Le Monde, seu organizador, conta agora, numa série de reportagens, o que se passou neste evento de Verão nas margens do rio Garonne  - e um dos pontos altos foi uma espécie de “Prós e Contras”, incluindo a sua grande-repórter Florence Aubenas, que encontrou a agressividade das ruas em Dezembro de 2018, mais Céline Pigalle, que chefia a redacção do canal BFM-TV, especialmente detestado pelos manifestantes, e do outro lado seis representantes assumidos do movimento, da região de Marmande.

O debate foi vivo, e a confrontação verbal, por vezes, agressiva. Houve também um esforço de esclarecimento e momentos de auto-crítica.  Depois do “julgamento” final, uma encenação com acusadores (o público), réus (os jornalistas), alguns reconhecendo-se culpados com “circunstâncias atenuantes”, outros assumindo o risco de “prisão perpétua”, a conclusão de uma participante:

“Ficam muito bem as boas decisões durante o Festival. Só que vocês vão esquecer durante onze meses, e voltam iguais para o ano que vem. Mas eu volto também e fico agradecida.”

O Clube


Lançado em Novembro de 2015, este site tem vindo a conquistar uma audiência crescente, traduzida no número de visitantes e de sessões e do tempo médio despendido. É reconfortante e  encorajador, para um projecto concebido para ser um espaço de informação e de reflexão sobre os problemas que se colocam, de uma forma cada vez mais aguda, ao jornalismo e aos  media.

Observa-se , aliás, ressalvadas as excepções , que a problemática dos media , desde a precariedade  dos seus quadros às incertezas do futuro -  quer no plano tecnológico  quer no editorial - , raramente  constitui  tema de debate  nas páginas dos jornais, e menos ainda nas  suas versões  online ou nos audiovisuais. É um assunto quase tabú.


ver mais >
Opinião
Um relatório recente sobre os princípios de actuação mais frequentes dos maiores publishers digitais dá algumas indicações que vale a pena ter em conta. O estudo “Digital Publishers Report”, divulgado pelo site Digiday, analisa as práticas de uma centena de editores e destaca alguns factores que, na sua opinião, permitem obter os melhores resultados. O estudo estima que as receitas provenientes de conteúdo digital...
E lá se foi mais um daqueles Artistas geniais que tornam a existência humana mais suportável… Guillermo Mordillo era um daqueles raríssimos autores que não precisam de palavras para nos revelarem os aspectos mais evidentes, e também os mais escondidos, das nossas vidas – os alegres, os menos alegres, os cómicos, os ridículos, até os trágicos -- com um traço redondo, que dava aos seus bonecos uma vivacidade...
Sejam de direita ou de esquerda, há uma verdadeira inflação de políticos no activo - ou supostamente retirados - ,  “vestidos” de comentadores residentes nas televisões, com farto proveito. Alguns deles acumulam mesmo os “plateaux” com os microfones  da rádio ou as colunas de jornais, demonstrando  uma invejável capacidade de desdobramento. O objectivo comum a todos é, naturalmente,  pastorearem...
“Fake news”, ontem e hoje
Francisco Sarsfield Cabral
Lançar notícias falsas sobre adversários políticos ou outros existe há séculos. Mas a internet deu às mentiras uma capacidade de difusão nunca antes vista.  Divulgar no espaço público notícias falsas (“fake news”) é hoje um problema que, com razão, preocupa muita gente. Mas não se pode considerar que este seja um problema novo. Claro que a internet e as redes sociais proporcionam...
Agenda
01
Ago
Composição Fotográfica
09:00 @ Cenjor,Lisboa
21
Ago
Edinburgh TV Festival
09:00 @ Edinburgo, Escócia
27
Ago
Digital Broadcast Media Convention
09:00 @ Lagos, Nigéria
16
Set