Quinta-feira, 19 de Outubro, 2017
Media

Crónica das “notícias falsas” tem antecedentes em jornais alemães do séc. XIX

Habituámo-nos a identificar o fenómeno das “notícias falsas” como uma espécie de praga recente, trazida pela crispação política e potenciada pelos meios digitais; até lhe démos um nome actual  - fakenews. Mas um artigo de Petra McGillen vai ao jornalismo alemão do séc. XIX e tira do esquecimento aquilo que já era, no fundo, a mesma coisa; e também tinha nome  - unechte Korrespondenz. Uma história que nos faz pensar.

A autora, professora de estudos alemães no Dartmouth College, nos Estados Unidos, interessa-se pela história do jornalismo, desde a era industrial da Imprensa, e foi por esse caminho que chegou a Theodor Fontane, a personagem deste episódio, sobre quem está a escrever um livro. 

A questão de fundo, como conta num artigo que aqui citamos do NiemanLab, é perceber como é que as fakenews funcionam, e têm o efeito de convencer as pessoas, e o resultado da sua investigação é que “as fakenews são eficazes porque nos contam alguma coisa sobre o mundo que, de certo modo, nós já sabíamos”. A explicação parece pouco convincente, mas a autora desenvolve, mais adiante, uma análise mais focada sobre os "truques" pessoais de redacção que tornam essas histórias emocionantes e, por esse lado, apelativas e credíveis.  

“As fakenews floresceram no séc. XIX. Nesse período, a circulação de jornais e revistas aumentou muitíssimo, em consequência do progresso na tecnologia de imprensa e do facto de o papel se ter tornado mais barato. Agências de notícias profissionais apareceram nas maiores cidades do mundo, enquanto o telégrafo permitia que as mensagens fossem rapidamente enviadas entre continentes.”

Para vencerem a concorrência, os jornais passaram a procurar ter correspondentes no estrangeiro. “A ideia era que os correspondentes podiam produzir reportagens e análises de um ponto de vista pessoal, que os leitores achariam mais apelativo do que os relatos impessoais que vinham das agências de notícias.” 

Mas como ficava caro mandar repórteres ao estrangeiro, os jornais que não tinham meios para o fazer “arranjaram uma solução criativa e mais barata: pagavam a redactores locais para fingirem que estavam a enviar despachos noticiosos de fora”. 

“Em meados do séc. XIX, o fenómeno era tão generalizado na Alemanha que se tinha tornado um género próprio  - a unechte Korrespondenz, ou ‘a carta do falso correspondente no estrangeiro’, como lhe chamavam  no meio jornalístico alemão.” 

Theodor Fontane tinha sido farmacêutico antes de entrar para a redacção do jornal ultra-conservador Kreuzzeitung, de Berlim, que o encarregou “de fazer a cobertura da Inglaterra e, durante uma década, ele publicou reportagens umas atrás das outras, ‘desde’ Londres, fascinando os seus leitores com relatos ‘pessoais’ de acontecimentos dramáticos, como o grande incêndio de Tooley Street, em 1861”. 

O artigo de Petra McGillen detém-se nos pormenores da arte, passando depois a um exemplo de hoje, das eleições presidenciais nos EUA, em que um autor de fakenews acaba por contar mais tarde, ao New York Times, de que modo tinha construído a “descoberta” de umas urnas de voto, algures no Ohio, cheias de boletins de voto em Hillary Clinton. 

A autora detém-se sobre a análise de estilo literário, num e noutro caso, e identifica os pontos comuns. A lição actual é que, com “o aumento fenomenal no consumo de notícias” que se deu no final da campanha e durante a eleição, torna-se realmente difícil “discernir entre o que é falso e o que não é”.

 

O artigo original, no NiemanLab

 

Connosco
Relatório assinala em Espanha quebra do consumo de TV por assinatura Ver galeria

O consumo doméstico de televisão por assinatura em Espanha, no ano de 2016, foi de 14,5 euros por mês, por habitação, o que significa quase 21% do seu gasto total em tecnologias de informação e comunicação. Esta quantia é 6,5% inferior à de 2015, que se situava numa média de 15,4%. Os dados são do relatório La sociedad en red 2016, elaborado pelo Observatorio Nacional de las Tecnologías de la Sociedad de la Información (ONTSI).

As imagens e as palavras depois da tragédia Ver galeria

A tragédia causada pelos incêndios no centro e norte do País, neste domingo 15 de Outubro, já considerado “o pior dia do ano” em número de ocorrências (mais de 500), simultâneas ou consecutivas, é retratado nas primeiras páginas dos jornais de 17. Quase todos destacam os números das vítimas, somando as de agora às de Pedrógão. Os dois jornais que usam a mesma foto, de três mulheres junto de uma casa destruída, abraçando-se ao lado de uma menina, são também os que procuram as palavras fortes para caracterizar o ocorrido: “Imperdoável” (Correio da Manhã); “Cem mortes sem desculpa” (Jornal de Notícias). 

O Clube

Está formado o Júri que vai apreciar os trabalhos concorrentes ao Prémio de Jornalismo da Lusofonia, instituído pelo Clube Português de Imprensa (CPI) e pelo Jornal Tribuna de Macau (JTM),  com o apoio da Fundação Jorge Álvares.

O Júri será presidido por Dinis de Abreu, em representação do CPI, e integrado pelos jornalistas José Rocha Diniz, fundador e administrador do Jornal Tribuna de Macau, José Carlos de Vasconcelos, director do JL – Jornal de Letras, Artes e Ideias, Carlos Magno, pela Fundação Jorge Álvares e por José António Silva Pires, também do CPI.


ver mais >
Opinião
A comunicação social e a Catalunha
Francisco Sarsfield Cabral
A crise da Catalunha foi, em grande parte, feita para a comunicação social. Os independentistas catalães estavam nos últimos anos a perder adeptos. Uma forma de atrair para a causa os moderados seria provocar Madrid a usar a força policial na região e em particular em Barcelona. Correram mundo as imagens televisivas de polícias nacionais a carregar sobre pessoas que queriam votar no simulacro de referendo. O que descredibilizou...
Ao completar 25 anos, a SIC  cresceu, mas não se emancipou nem libertou o seu criador de preocupações. Francisco Pinto Balsemão, com 80 anos feitos, merecia um sossego que não tem, perante a crise que atingiu o Grupo de media que construiu do zero . Balsemão ganhou vários desafios, alguns deles complexos, desde que lançou o Expresso nos idos de 70 do século passado - o seu “navio-almirante”, como gosta de...
Na semana passada aconteceu o que há muito se esperava – um dos maiores grupos de comunicação anunciou que vai encerrar ou vender a maior parte dos seus títulos de imprensa. A braços com um endividamente gigantesco, acaba por reconhecer que as receitas que obtém, quando existem, são insuficientes para inverter a situação criada ao longo de anos. O cenário actual complica tudo: é devastador folhear um jornal...
Peter Barbey, actual proprietário (desde 2015) do The Village Voice, anunciou em 22 de Agosto o fim da edição impressa do semanário nova-iorquino, após 62 anos de publicação, continuando a ser produzida a versão digital. A edição impressa – gratuita desde há 21 anos -  tinha actualmente uma tiragem de 120 mil exemplares, enquanto a versão digital, segundo a comScore (empresa de análise de...
Num livro colectivo acabado de publicar, simultaneamente, em treze línguas e em dezenas de países espalhados pelo mundo inteiro, cuja versão francesa se intitula, significativamente, L’âge de la Régression: Pourquoi nous vivons un tournant historique[1], Appadurai disserta sobre o «sentimento de cansaço» que, na sua opinião domina a esfera pública. Sentimento de cansaço relativamente à forma de fazer...
Agenda
20
Out
20
Out
Facebook para Jornalistas
12:00 @ Cenjor,Lisboa
23
Out
II Congresso Internacional sobre Competências Mediáticas
16:00 @ Brasil, Faculdade de Comunicação – Universidade Federal de Juiz de Fora , Minas Gerais
23
Out
Atelier de Jornalismo Digital
18:30 @ Cenjor,Lisboa