Quarta-feira, 16 de Janeiro, 2019
Media

Crónica das “notícias falsas” tem antecedentes em jornais alemães do séc. XIX

Habituámo-nos a identificar o fenómeno das “notícias falsas” como uma espécie de praga recente, trazida pela crispação política e potenciada pelos meios digitais; até lhe démos um nome actual  - fakenews. Mas um artigo de Petra McGillen vai ao jornalismo alemão do séc. XIX e tira do esquecimento aquilo que já era, no fundo, a mesma coisa; e também tinha nome  - unechte Korrespondenz. Uma história que nos faz pensar.

A autora, professora de estudos alemães no Dartmouth College, nos Estados Unidos, interessa-se pela história do jornalismo, desde a era industrial da Imprensa, e foi por esse caminho que chegou a Theodor Fontane, a personagem deste episódio, sobre quem está a escrever um livro. 

A questão de fundo, como conta num artigo que aqui citamos do NiemanLab, é perceber como é que as fakenews funcionam, e têm o efeito de convencer as pessoas, e o resultado da sua investigação é que “as fakenews são eficazes porque nos contam alguma coisa sobre o mundo que, de certo modo, nós já sabíamos”. A explicação parece pouco convincente, mas a autora desenvolve, mais adiante, uma análise mais focada sobre os "truques" pessoais de redacção que tornam essas histórias emocionantes e, por esse lado, apelativas e credíveis.  

“As fakenews floresceram no séc. XIX. Nesse período, a circulação de jornais e revistas aumentou muitíssimo, em consequência do progresso na tecnologia de imprensa e do facto de o papel se ter tornado mais barato. Agências de notícias profissionais apareceram nas maiores cidades do mundo, enquanto o telégrafo permitia que as mensagens fossem rapidamente enviadas entre continentes.”

Para vencerem a concorrência, os jornais passaram a procurar ter correspondentes no estrangeiro. “A ideia era que os correspondentes podiam produzir reportagens e análises de um ponto de vista pessoal, que os leitores achariam mais apelativo do que os relatos impessoais que vinham das agências de notícias.” 

Mas como ficava caro mandar repórteres ao estrangeiro, os jornais que não tinham meios para o fazer “arranjaram uma solução criativa e mais barata: pagavam a redactores locais para fingirem que estavam a enviar despachos noticiosos de fora”. 

“Em meados do séc. XIX, o fenómeno era tão generalizado na Alemanha que se tinha tornado um género próprio  - a unechte Korrespondenz, ou ‘a carta do falso correspondente no estrangeiro’, como lhe chamavam  no meio jornalístico alemão.” 

Theodor Fontane tinha sido farmacêutico antes de entrar para a redacção do jornal ultra-conservador Kreuzzeitung, de Berlim, que o encarregou “de fazer a cobertura da Inglaterra e, durante uma década, ele publicou reportagens umas atrás das outras, ‘desde’ Londres, fascinando os seus leitores com relatos ‘pessoais’ de acontecimentos dramáticos, como o grande incêndio de Tooley Street, em 1861”. 

O artigo de Petra McGillen detém-se nos pormenores da arte, passando depois a um exemplo de hoje, das eleições presidenciais nos EUA, em que um autor de fakenews acaba por contar mais tarde, ao New York Times, de que modo tinha construído a “descoberta” de umas urnas de voto, algures no Ohio, cheias de boletins de voto em Hillary Clinton. 

A autora detém-se sobre a análise de estilo literário, num e noutro caso, e identifica os pontos comuns. A lição actual é que, com “o aumento fenomenal no consumo de notícias” que se deu no final da campanha e durante a eleição, torna-se realmente difícil “discernir entre o que é falso e o que não é”.

 

O artigo original, no NiemanLab

 

Connosco
Como os tablóides britânicos condicionaram debate sobre o Brexit Ver galeria

A Imprensa tablóide britânica tem uma longa tradição eurocéptica e eurofóbica, incluindo a promoção de várias “cruzadas” sobre “Euro-mitos” e o uso de títulos muitas vezes grosseiros. Jornais como The Daily Mail, o Sun ou The Daily Express, “foram muito activos a retratar o Reino Unido como vítima da conspiração ‘cosmopolítica’ de Bruxelas que, segundo alguns títulos, iria obrigar o Parlamento a banir as tradicionais cafeteiras ou lâmpadas eléctricas, ou obrigar as senhoras britânicas a devolverem antigos brinquedos sexuais, para se ajustarem às regras da UE”.

O modo como usaram e abusaram do termo “povo” desempenhou um papel crucial no modo como conseguiram “condicionar o debate sobre o referendo do Brexit em torno de dinâmicas tipicamente populistas”. A reflexão é de Franco Zappettini, docente de Comunicação e Media na Universidade de Liverpool, recentemente publicada no Observatório Europeu de Jornalismo.

Será o jornalismo o primeiro ou o segundo "rascunho da História"? Ver galeria

Segundo a citação tornada famosa, o jornalismo é apenas “o primeiro rascunho tosco da História”. Hoje, ultrapassado em velocidade e abundância de material por toda a desinformação que nos chega pela Internet, já nem isso consegue: o “primeiro rascunho”, agora, vem nas redes sociais, cheias de boatos e teorias de conspiração. E os nossos meios de fact-checking não conseguem ganhar a corrida.

“Fazer fact-checking a Donald Trump, por exemplo, é como ligar um detector de mentiras a um artista de stand-up comedy.”
E combater a desinformação pela Internet “é como disparar uma metralhadora contra um bando desordenado de pássaros.”

As imagens citadas são de James Harkin, director do Centre for Investigative Journalism, e a sua sugestão resume-se numa pergunta:

"Por que não tentarmos restaurar a nossa autoridade fazendo menos, mas com mais profundidade e contexto? O resultado seria um tipo mais lento de jornalismo, que assenta na acumulação de detalhes e aponta para as verdades escondidas por baixo. Esta nova abordagem ao jornalismo já está no ar e podemos chamar-lhe segundo rascunho."
O Clube

O Novo Ano não se antevê fácil para os media e para o jornalismo.

Sobram os indicadores pessimistas, nos jornais, com a queda acentuada de  vendas,  e nas televisões, temáticas ou generalistas, com audiências degradadas e uma tendência em ambos os casos para a tabloidização, como forma  já desesperada de fidelização de  leitores e espectadores, atraídos por outras fontes de informação e de entretenimento.


ver mais >
Opinião
Sobre a liberdade de expressão em Portugal
Francisco Sarsfield Cabral
O caso da participação num programa matinal da TVI de um racista, já condenado e tendo cumprido pena de prisão, Mário Machado, suscitou polémica. Ainda bem, porque as questões em causa são importantes. Mas, como é costume, o debate rapidamente derivou para um confronto entre a esquerda indignada por se ter dado tempo de antena a um criminoso fascista e a direita defendendo a liberdade de expressão e a dualidade de...
O panorama dos media
Manuel Falcão
Se olharmos para o top dos programas mais vistos na televisão generalista em 2018 vemos um claro domínio das transmissões desportivas, seguidas a grande distância pelos reality shows e, ainda mais para trás, pelas telenovelas. No entanto as transmissões televisivas produzem apenas picos de audiência e contribuem relativamente pouco para as médias e para planos continuados. O dilema das televisões generalistas está na...
Informar ou depender…
Dinis de Abreu
O título deste texto corresponde a um livro publicado nos anos 70 por Francisco Balsemão, numa altura em que já se ‘contavam espingardas’ para pôr termo ao Estado Novo, como veio a acontecer com o derrube de Marcello Caetano, em 25 de Abril de 74.  A obra foi polémica à época e justamente considerada um ‘grito de alma’, assinada por quem começara a sua vida profissional num jornal controlado pela família...
Há, na ideia de uma comunicação social estatizada ou ajudada pelo governo, uma contradição incontornável: como pode a imprensa depender da entidade que mais se queixa da imprensa? Uma parte da comunicação social portuguesa – televisão, rádio, imprensa escrita — é deficitária, está endividada e admite “problemas de tesouraria”. Mas acima desse, há outro problema, mais grave:...
O jornalismo estará a render-se à subjetividade, rainha e senhora de certas redes sociais. As ‘fake news’ e o futuro dos media foram dos temas mais falados na edição de 2018, da Web Summit. Usadas como arma de arremesso político e de intoxicação, as notícias falsas são uma praga. Invadem o espaço público, distorcem os factos, desviam a atenção, comprometem a reflexão. E pelo caminho...