Terça-feira, 27 de Junho, 2017
Fórum

Eleições francesas são um pretexto para apelo a favor da liberdade de informação

A liberdade de informar “é a audácia de um país que, pelas suas leis e o seu eco-sistema institucional, político e cultural, deixa prosperar no seu seio os agentes de intranquilidade que são os jornalistas”.  A poucos dias das eleições francesas, a associação Repórteres sem Fronteiras e o colectivo “Informar não é um delito” publicaram um apelo segundo o qual, “agora que as violências contra os jornalistas e os atentados à independência dos media se multiplicam no nosso país, pedimos ao futuro Presidente da República um compromisso firme na defesa da liberdade de Informação em França”.

O texto do documento parte da necessidade de defender, tanto a liberdade de opinião de qualquer cidadão  - que consiste em “poder dar, sem correr risco, o seu ponto de vista, na condição óbvia de não ferir aquelas leis elementares sobre o ódio ao outro” -  como a liberdade de informar, que se dirige aos “agentes de intranquilidade que são os jornalistas, esses ‘chatos’ que trazem ao conhecimento do maior número de pessoas aquilo que não se sabia antes de o ler, de o escutar ou ver”. 

Situando estes direitos no contexto actual, o mesmo documento afirma:

“Na hora da ‘pós-verdade’, que pretende que já não sejam os factos a formar as opiniões, mas as opiniões a fabricarem falsidades; na hora em que os ataques contra o jornalismo se tornaram tristes investimentos eleitorais de numerosos responsáveis políticos; na hora em que a concentração dos media atingiu em França um nível histórico  - em resumo, nesta hora, está escuro. Não podemos aceitá-lo.” 

“Que a imensa maioria da produção de Informação, em França, fora do serviço público, esteja hoje nas mãos de oito milionários financeiros ou capitães de indústria cujo centro de actividade é a venda de armas, de comunicações telefónicas, da construção e obras públicas ou da banca, não é uma boa notícia  - ainda mais quando o movimento de negócio de alguns depende das boas relações com os governos no poder ou, por vezes, com ditaduras estrangeiras.”  (...) 

O apelo desenvolve então cinco pontos que formam o núcleo do apelo dirigido a todos os candidatos presidenciais:

  1. – Lutar contra a concentração dos media e assegurar a transparência da sua propriedade.
  2. – Fazer adoptar uma nova lei sobre a protecção do segredo das fontes.
  3. – Lutar contra os processos abusivos postos aos jornalistas.
  4. – Criar o delito de tráfico de influência aplicado ao campo da Informação.
  5. – Tornar mais fácil e alargar a todos os cidadãos o acesso aos documentos públicos.

 

O apelo público, na íntegra, no site do Acrimed

Connosco
Uma foto icónica partilhada por jornais e redes sociais Ver galeria

Há imagens que valem por mil palavras. Esta que reproduzimos acima é uma delas, registada pelo bombeiro Pedro Brás, no segundo dia do incêndio de Pedrogão Grande, quando 13 companheiros se deitaram no chão exaustos, no combate aos fogos.

A foto foi reproduzida, originalmente, pelos jornais espanhóis El Mundo e El Pais e, também, entre outros, pelo site electrónico Observador, doqual retiramos este documento.

Mais tarde, a imagem percorreu mundo, através das redes sociais e tornou-se icónica de uma luta desigual contra uma calamidade em que morreram 64 habitantes de Pedrogão Grande e 254 ficaram feridos, segundo as ultimas estimativas.

A foto foi tirada na manhã de 18 de Junho, e ganhou estatuto de viral. É uma imagem que “fala por si”, representando, simbolicamente, a homenagem a todos os bombeiros que estiveram envolvidos na contenção do  terrível sinistro.

Em pouco tempo, registaram-se cerca de 80 mil partilhas na rede social Facebook, e a  foto ganhou expressão, também, no Twitter e noutros  meios de comunicação social espalhados pelo mundo.

Dirigentes europeus intimam redes sociais a envolverem-se na luta contra o extremismo online Ver galeria
O Clube

 
O Prémio de Jornalismo da Lusofonia é a nova iniciativa promovida pelo Clube Português de Imprensa (CPI) em parceria com o Jornal Tribuna de Macau (JTM), no quadro das comorações que assinalam o 35º aniversário daquele diário de língua portuguesa em Macau.

Com o valor de 10 mil euros e periodicidade anual, o Prémio será atribuído por um Júri constituído por representantes do CPI, do JTM e por personalidades de reconhecido mérito na área do jornalismo ou que se tenham distinguido na defesa, divulgação ou ensino da Língua Portuguesa no Mundo.

Trata-se, pois, de um novo Prémio que, de acordo com o respectivo Regulamento (que inserimos noutro espaço deste site) se destina “a jornalistas e à Imprensa de Língua Portuguesa de todo o Mundo, em suporte papel ou digital”. 


ver mais >
Opinião
Que terá movido o Sindicato dos Jornalistas (SJ) a questionar o jornal espanhol El Mundo sobre a identidade de  um seu correspondente que cobriu os incêndios de Pedrogão Grande?   Diz a direcção do Sindicato, no respectivo site,  que “ decidiu pedir informações sobre as dúvidas levantadas acerca do suposto jornalista Sebastião Pereira(…)” . O Sindicato levou os seus esforços de...
Dados os muitos terabytes de prosa – sólidamente negativa – com que os media globais saudaram a decisão do presidente Trump, anunciada em discurso na Casa Branca no passado dia 1 de Junho, de retirar os EUA. do Acordo de Paris, seria de esperar uma cobertura exaustiva do tema, ou seja, que nenhum aspecto ou complexidade dessa terrível ameaça para a saúde do planeta escapasse à atenção dos “opinion leaders”, em...
Trump, Macron e a comunicação social
Francisco Sarsfield Cabral

O Presidente Trump está em guerra aberta com a comunicação social americana. E esta, na sua grande maioria, não gosta de Trump. Vários presidentes anteriores foram muito criticados pela Imprensa dos EUA – Reagan, por exemplo. Mas o grau de hostilidade que agora existe entre a Casa Branca e os jornalistas é de nível excepcionalmente alto.

Num livro colectivo acabado de publicar, simultaneamente, em treze línguas e em dezenas de países espalhados pelo mundo inteiro, cuja versão francesa se intitula, significativamente, L’âge de la Régression: Pourquoi nous vivons un tournant historique[1], Appadurai disserta sobre o «sentimento de cansaço» que, na sua opinião domina a esfera pública. Sentimento de cansaço relativamente à forma de fazer...
Fim de semana alucinante, sábado épico, jornada inédita. Muito se tem chamado a este 13 de maio, dia de Fátima, do Santo Padre, do anjo Vitória e do arcanjo Sobral. As notícias, as reportagens, os diretos. O frenesim tem sido imenso. Aliás já começou há uns dias. Amanhã, depois do nascer do sol, era bom que houvesse alguma reflexão sobre o que se passou. Será que tanta agitação na...
Agenda
11
Jul
Exposição de Jornais Centenários em Bruxelas
09:00 @ Parlamento Europeu, Bruxelas
12
Jul
Curso de Verão “Jornalismo de Investigação”
09:00 @ Universidade Internacional Menéndez Pelayo, Santander
13
Jul
Westminster Media Forum
09:00 @ Central London, Londres
27
Jul
Festival de Jornalismos de Verão
09:00 @ Couthures, França