Quarta-feira, 16 de Agosto, 2017
Media

Literacia "neo-jornalística" versus “jornalismo-cidadão”

É verdade que o chamado “jornalismo-cidadão” não pode substituir o trabalho de um repórter profissional. Mas todos sabemos que muitos media, sobretudo as estações de televisão, não resistem a utilizar vídeos espontâneos de quem estava no local onde as coisas aconteceram (nem podemos condenar em absoluto essa prática). Finalmente, o que hoje acontece é que muitos profissionais estão, eles próprios, a tirar partido das novas tecnologias de bolso  - por motivos evidentes. O jornalista australiano Ivo Burum foi por este caminho e explica como e porquê.

Antes do mais, o autor do texto que citamos adopta uma designação para falar do que faz: mojo, abreviatura de mobile journalism  -  o tipo de jornalismo que se pode fazer com os novos dispositivos móveis. Mas para nos situarmos em todas as questões envolvidas, começa por uma série de perguntas: 

“A pessoa que filma com um smartphone, mas depois edita num computador portátil, está em mojo? As definições de mojo podem incluir alguém que usa uma máquina fotográfica digital para fazer a captação, mas que depois edita num smartphone?” 

“E como é se alguém está no sítio certo à hora certa e filma um avião a cair no Rio Hudson, e depois faz o respectivo upload? Quem é o jornalista, neste exemplo  - o cidadão que se torna testemunha acidental, ou a CNN, que usou [o ficheiro disponível] e lhe chamou ‘jornalismo de cidadão’?” 

Ivo Burum continua:

“A concepção tradicional do mojo como sendo um processo de filmar, editar, escrever e publicar reportagens vídeo usando um smartphone é aquilo que Glen Mulcahy, o responsável por Inovações na rede irlandesa RTE, chama ‘a visão purista’. O que ele acredita é que ‘no jornalismo mobile, trata-se de dotar [empowering, no original] a testemunha individual com as competências no uso de todas as tecnologias que lhe estejam acessíveis, para obter a melhor reportagem que consiga’...” 

O autor que citamos está de acordo, desde que isso implique uma “literacia neo-jornalística”, uma “voz jornalística” e uma edição estruturada. Acrescenta a sua própria definição: 

“Em termos simples, mojo é uma combinação de competências de reportagem digital e ferramentas utilizadas para captar e transformar material em bruto, proveniente de conteúdos de utentes (UGC – user generated contents) e torná-lo em reportagens provenientes de utentes (UGS – user-generated stories).” 

A partir deste ponto, Ivo Burum passa a falar das vantagens relativas deste ou daquele material  -  gravadores, lentes, microfones, modelos de smartphones, memórias externas para dar espaço a mais trabalho, etc.

 

O artigo original, na Global Investigative Journalism Network

Connosco
Modos de combater a vigilância electrónica sobre jornalistas e as suas fontes Ver galeria

Jornalistas que tenham de trabalhar em ambientes autoritários tendem a ser alvo de vigilância electrónica. Muitos acabam por se adaptar e aceitá-la como um risco indesejado, mas inevitável na sua profissão. Ou podem tentar combatê-la. “Afinal de contas, ela ameaça a sua segurança, bem como das suas fontes, e constitui um ataque à liberdade de Imprensa e de expressão.” A reflexão é do jornalista mexicano Jorge Luis Sierra, perito em segurança digital, que adianta alguns conselhos práticos para casos destes. 

A avalancha da Internet atropelou a nossa capacidade de lidar com tantos dados Ver galeria

A grande revolução nas rotinas e normas do jornalismo foi-nos imposta, não pelo computador, mas pela Internet, quando “a avalancha informativa e as redes sociais virtuais atropelaram a capacidade das redacções processarem informações; (...) o volume cresceu em tal magnitude que se tornaram incapazes de lidar com tantos dados, factos e eventos”.

A “curadoria de notícias”, que parecia inerente ao trabalho de qualquer jornalista, tornou-se mais necessária do que nunca, mas, “como actividade lucrativa, só funciona em nichos especializados de informação”. É esta a reflexão de Carlos Castilho, ex-assessor da União Europeia para projectos de comunicação na América Central e membro da direcção do Observatório da Imprensa do Brasil, com o qual mantemos um acordo de parceria.

O Clube


O Clube Português de Imprensa fecha em Agosto para férias. E este site também. A partir de 31 de Julho e até 27 de Agosto não serão feitas as habituais actualizações diárias.

Em vésperas de fazermos esta pausa, e à semelhança do que já aconteceu no Verão passado, queremos agradecer aos jornalistas (e aos não jornalistas) pela sua preferência e que têm contribuído com as suas visitas regulares para alargar a audiência deste espaço, lançado há  menos de dois anos, com objectivo de constituir uma alternativa de informação e de reflexão sobre os jornalismo e os jornalistas, sem receio de problematizar as questões que hoje se colocam, de uma forma cada vez mais aguda, tanto  às empresas editoriais como aos profissionais do sector.

São esses os conteúdos que privilegiamos, a par da cobertura das actividades do Clube, desde os ciclos de jantares-debate, em parceria com o CNC-Centro Nacional de Cultura e o Grémio Literário, ao Prémio de Jornalismo da Lusofonia, em parceria com o Jornal Tribuna de Macau; e ao Prémio Europeu Helena Vaz da Silva, instituído pelo CNC, em conjunto com o CPI e a Europa Nostra .

No regresso prometemos mais novidades no Clube e no site. Boas Férias!   


ver mais >
Opinião
Ser Jornalista
Dinis de Abreu

O jornalismo vive dias difíceis. O avanço no digital não compensa os jornais que fecham e as redacções que reduzem os quadros. Criou-se um sentimento de precariedade no oficio de jornalsita que ameaça a sua independência. Ou pior: que o coloca numa grande dependência perante as incertezas.

Uma comunicação mal comunicada
Francisco Sarsfield Cabral
A tragédia dos incêndios florestal tem evidenciado uma preocupante desorganização no seu combate. Essa desorganização também se manifesta no campo da comunicação social. A Autoridade Nacional de Protecção Civil (ANPC) anunciou há dias que passaria a concentrar a informação sobre os fogos em dois “briefings” diários na sua sede em Carnaxide – um de manhã, outro...
Dados os muitos terabytes de prosa – sólidamente negativa – com que os media globais saudaram a decisão do presidente Trump, anunciada em discurso na Casa Branca no passado dia 1 de Junho, de retirar os EUA. do Acordo de Paris, seria de esperar uma cobertura exaustiva do tema, ou seja, que nenhum aspecto ou complexidade dessa terrível ameaça para a saúde do planeta escapasse à atenção dos “opinion leaders”, em...
Num livro colectivo acabado de publicar, simultaneamente, em treze línguas e em dezenas de países espalhados pelo mundo inteiro, cuja versão francesa se intitula, significativamente, L’âge de la Régression: Pourquoi nous vivons un tournant historique[1], Appadurai disserta sobre o «sentimento de cansaço» que, na sua opinião domina a esfera pública. Sentimento de cansaço relativamente à forma de fazer...
Fim de semana alucinante, sábado épico, jornada inédita. Muito se tem chamado a este 13 de maio, dia de Fátima, do Santo Padre, do anjo Vitória e do arcanjo Sobral. As notícias, as reportagens, os diretos. O frenesim tem sido imenso. Aliás já começou há uns dias. Amanhã, depois do nascer do sol, era bom que houvesse alguma reflexão sobre o que se passou. Será que tanta agitação na...
Agenda
01
Set
IFA
09:00 @ Berlim, Alemanha
04
Set
11
Set
Jornalismo de Investigação
09:00 @ Cenjor,Lisboa