Quarta-feira, 18 de Julho, 2018
Fórum

Estarão as redes distribuidoras à altura das novas responsabilidades?

As grandes plataformas que se tornaram distribuidoras de notícias tiveram, até muito recentemente, relutância em admitir que eram, finalmente, editoras, e que tinham de assumir responsabilidades como tal. Estão agora a mudar um pouco, mas entre elas e os media propriamente ditos permanece uma enorme desproporção de forças. A jornalista britânica Emily Bell, cuja reflexão sobre esta matéria tem produzido vários textos de referência, faz, em The Guardian, o ponto de situação.

A autora começa por lembrar o ponto a que chegámos. É muito recente a polémica em que Google e Facebook foram confrontados com o facto de, no primeiro caso, os anunciantes encontrarem os seus produtos ao lado de vídeos racistas, ou “jihadistas”, e, no segundo, ter ficado claro que a maior plataforma social se tinha tornado também na maior distribuidora de “factos” inventados e fake news

A perplexidade de Emily Bell põe a questão de saber como é que estas coisas estiveram “escondidas à vista de todos” durante tanto tempo:  “O facto de que só agora a Google está a dar aos anunciantes a lista de todos os canais onde os seus anúncios aparecem é surpreendente; ninguém tinha pedido antes?” 

Sir Martin Sorrell, presidente da grande agência publicitária WPP, é citado sobre esta matéria: “Sempre dissémos que Google, Facebook e outras são empresas de media e têm as mesmas responsabilidades... Não podem mascarar-se como empresas tecnológicas, especialmente quando colocam anúncios.”   

Emily Bell passa às consequências:

“Ao agirem como empresas tecnológicas, mas assumindo, de facto, o papel de editoras, Google, Facebook e outras acabaram por, acidentalmente, projectar um sistema que eleva os conteúdos mais baratos e mais ‘apelativos’ às custas do material mais dispendioso mas menos ‘distribuível’. Qualquer pessoa que queira chegar a um milhão de leitores, com um vídeo mal feito de teorias de conspiração, tem sorte. Mas se quisermos manter uma redacção bem apetrechada para cobrir uma cidade de 200 mil habitantes, descobrimos que não é sustentável.” 

“É o cúmulo da ironia que a moeda das redes sociais, que são os likes e os shares, as mais das vezes estejam directamente relacionados com a agressividade ou o sensacionalismo da notícia. Os media populistas armados, que já nem sequer precisam de pegar num telefone para vender publicidade, ficaram livres para serem tão extremistas quanto queiram. Como disse, em tweet, o troll americano de direita (e personalidade dos media) Mike Cernovich, ‘Conflito é atenção, e atenção é influência’.” 

Emily Bell faz uma comparação entre duas crises:

“Assim como, em 2008, assistimos a uma crise nos mercados financeiros, em 2016 vimos uma semelhante no mercado da informação pública. O paralelo é notável: produtos de má qualidade circularam a alta velocidade através de sistemas de negócio automáticos, fora do controlo mesmo daqueles que os haviam projectado.” 

“À semelhança do Goldman Sachs, Facebook e Google são too big to fail (demasiado grandes para tombarem), mas, ao contrário dos bancos de investimento, os desenvolvimentos políticos dos últimos seis meses galvanizaram uma resposta mais ideológica das chefias das empresas.” (...) 

A curiosidade (misturada de esperança) de Emily Bell é a de ver de que modo os gigantes de Silicon Valley vão agora responder às novas responsabilidades que já não podem negar.

 

O original da autora, na íntegra, em The Guardian

Connosco
CPI e "Tribuna de Macau" instituem Prémios de Ensaio e de Jornalismo da Lusofonia Ver galeria

O Prémio de Jornalismo da Lusofonia, instituído há um ano por iniciativa do jornal Tribuna de Macau, em parceria com o Clube Português de Imprensa, com o patrocínio da Fundação Jorge Álvares e o apoio do JL – Jornal de Artes, Letras e Ideias, reparte-se, nesta sua segunda edição, por dois: um aberto a textos originais, que passa a designar-se o Prémio Ensaio da Lusofonia, e outro que mantém o título de Prémio de Jornalismo da Lusofonia, destinado a textos já publicados, em suporte papel ou digital.

Mantém-se o espírito original de distinguir trabalhos “no quadro do desejado aprofundamento de todos os aspectos ligados à Língua Portuguesa, com relevo para a singularidade do posicionamento de Macau no seu papel de plataforma de ligação entre países de Língua Oficial Portuguesa”.

Jornalismo "ao vivo" em festival de Verão de "Le Monde" Ver galeria

Um festival de Verão sem estrondo de altifalantes, sem música de “fogo-de-artifício”, todo baseado na palavra, na conversa em grupo ou no diálogo directo com os jornalistas presentes. Durante o fim-de-semana de 13 a 15 de Julho, cerca de 4500 inscritos animaram a terceira edição do Festival Internacional de Jornalismo organizado pelo grupo Le Monde na localidade de Couthures, em França, à beira do rio Garonne. A aldeia não chega aos 400 habitantes, mas mais de 100 voluntários ajudaram a fazer funcionar, durante três dias, um encontro de muitos debates. Como disse Gilles van Kote, jornalista de Le Monde, a intenção era precisamente a de que tudo pudesse ser posto em questão, “sem tabus”.

O Clube
O CPI – Clube Português de Imprensa voltou a participar no Prémio  Europeu Helena Vaz da Silva para a Divulgação do Património Cultural 2018,  instituído em 2013 pelo Centro Nacional de Cultura,  em cooperação com a Europa Nostra, a principal organização europeia de defesa do património,  que o CNC representa em Portugal.   O Prémio foi atribuído, este ano,  à...

ver mais >
Opinião
Público: uma tradição manchada
Francisco Sarsfield Cabral
No início do corrente mês de julho os leitores do diário “Público” foram surpreendidos pela notícia de que o seu diretor, o prestigiado jornalista David Dinis, se havia demitido. Por aquilo que veio a saber-se através da comunicação social e de afirmações da administradora do jornal Cristina Soares – que é a única informação que possuo – a demissão de D. Dinis ficou a...
Ao ler no centenário “Diário de Noticias” a noticia da extinção formal da sua edição em papel, de Segunda–Feira a Sábado , a partir de Julho, fica a saber-se que o seu actual director, o  jornalista Ferreira Fernandes, entrou em “oito cafés(…) a caminho do cinema S. Jorge onde decorreu a apresentação do novo jornal” e só “contou três pessoas a ler o jornal em...
Boa ideia, Pedro
Manuel Falcão
Trabalhei um pouco mais de dois anos literalmente lado a lado com o Pedro Rolo Duarte no Se7e, dividíamos a direcção. Partilhávamos uma sala onde todos os dias fabricávamos ideias para fazer ressuscitar o jornal e agitar as águas, que era uma coisa que nos entretinha bastante. Foram dois anos de intensas e produtivas discussões, de muita criatividade e de várias crises - e sempre nos apoiámos mutuamente dos ataques que...
O optimismo de Centeno
Luís Queirós
"A economia da zona Euro cresce há 20 trimestres consecutivos", disse Mário Centeno no Grémio Literário, na palestra, proferida no passado dia 22 de Maio passado, integrada no ciclo que ali decorre subordinado ao tema  "O estado do Estado: Estado, Sociedade, Opções", uma iniciativa do Clube de Imprensa, em parceria com o Centro Nacional de Cultura e com o Grémio Literário. O Ministro das Finanças de Portugal e presidente do...
Em meados do séc. XVIII, os parisienses que quisessem manter-se “au courant” àcerca do andamento da Guerra dos Sete Anos (iniciada em 1756) não tinham muitas escolhas. Se fizessem parte, dentre os 600 mil habitantes da capital francesa, da minoria que sabia ler – menos de metade dos homens e uma quarta parte das mulheres – e também estivessem entre os poucos privilegiados que podiam dar-se ao luxo de comprar um jornal, tinham três...
Agenda
23
Jul
30
Jul
22
Ago
Edinburgh International Television Festival
09:00 @ Edimburgo, Escócia
28
Ago
Summer CEmp
09:00 @ Marvão
01
Set
dmexco
09:00 @ Colónia, Alemanha