Quinta-feira, 18 de Julho, 2019
Media

Será que a União Europeia "deixou cair" o jornalismo?

Os 60 anos da assinatura do Tratado de Roma foram usados pelos “eurocratas” de Bruxelas como desculpa para gastarem milhões de euros na promoção da sua própria imagem. Os governos europeus faziam melhor em investir em salas de redacção bem equipadas, que permitiriam aos repórteres fazerem a sua cobertura e crítica  - e da própria União Europeia -  com a necessária distância e competência. Esta reflexão é de Stephan Russ-Mohl, director do European Journalism Observatory, sob o título que reproduzimos acima. 

Para remover equívocos, o autor começa por declarar que o processo da unificação europeia foi “um enorme sucesso desde que começou”, em 1957. “No entanto, especialmente depois do Brexit, um significativo número de votantes, na Europa continental, parece que já não concorda.”

Stephan Russ-Mohl enumera depois uma lista de falhas que considera graves:

“É difícil de compreender porquê, apesar dos biliões de euros recolhidos das licenças de TV, a transmissão de serviço público ainda não produziu programas multilingues acessíveis, para serem difundidos por toda a Europa. Esse conteúdo podia ter um efeito integrador, semelhante ao da RAI, a rádio e televisão italiana de serviço público.”

“Nos seus primeiros anos (antes de Silvio Berlusconi), a RAI contribuiu para a construção da nação italiana. Se as estações públicas europeias tivessem oferecido programação desse tipo, incluindo em russo e em turco, a Europa podia ter conseguido uma oportunidade de contrariar a propaganda de Erdogan e de Putin, espalhada pelo território europeu.” 

“Há apenas umas poucas emissoras multilingues ou multinacionais: a Euronews, o Eurosport, a 3sat no espaço de língua alemã e o projecto franco-germânico Arte. As emissoras suíças de serviço público, a SRG (em alemão), a SSR (em francês) e a RSI (em italiano) podiam ter ensinado aos eurocratas de Bruxelas de que modo a TV multilingue, de integração relativamente independente, consegue trabalhar e até atingir grandes audiências.” 

E o autor prossegue para uma questão mais delicada:

“Por que é que um projecto como a Digital News Initiative (DNI) é oferecido pela Google e não pela União Europeia? Trata-se de uma competição europeia pelas melhores ideias para salvar o jornalismo no mundo digital. Por meio desta iniciativa, a Google já terá distribuído, por volta de 2018, 150 milhões de euros (que são migalhas, comparados com os seus lucros anuais) entre as empresas dos media, ligando-os à sua própria organização.” (…) 

“A Europa também falhou na criação de um motor de busca europeu, enquanto a Rússia e a China enfrentam a Google e o Bing com a sua própria infra-estrutura, por meio de Yandex e Baidu.” 

“Se a Europa fosse cortada do acesso a estes motores de busca”  - avisa Andreas Hotho, professor na Universidade de Würzburg, na Alemanha -  “nunca mais encontrávamos na Web a informação de que precisamos.” 

“É também irritante o pouco que a União Europeia investiu na infra-estrutura do jornalismo ao longo de décadas, especialmente na formação e treino de jornalistas. Melhor preparação poderia ter dotado os jornalistas da capacidade de tornarem o complexo projecto europeu mais acessível ao público, mantendo uma boa distância de análise em relação aos seus respectivos governos.” 

“O European University Institute, em Florença, uma instituição europeia, tem estado estes anos a formar a futura elite de peritos em Direito, Economia e Política, mas não há no Instituto programas semelhantes para jornalistas, apesar do seu papel crucial na comunicação da Europa. Em vez disso existe o muito mais modesto European Journalism Centre em Maastricht, que tem lutado muitos anos pela sobrevivência.” 

Stephan Russ-Mohl termina desejando que a sociedade civil se mobilize na criação de um jornalismo “Europeu” independente e de análise, que não seria um “altifalante da EU”, mas “um exemplo de controlo das suas instituições”. 

“Se os eurocratas pudessem olhar essas vozes críticas como suas aliadas, em vez de inimigas, isto podia fortalecer não só a Europa, mas também a liberdade de Imprensa e de expressão, que continua ainda a ser grandemente ameaçada em muitos países europeus.” 

O texto original, na íntegra, no site do European Journalism Observatory

Connosco
Confirma-se que as más notícias são as que correm mais depressa Ver galeria

Todos ouvimos alguma vez dizer, no início da profissão, que a aterragem segura de mil aviões não é notícia, mas o despenhamento de um só já passa a ser.
A classificação do que é “noticiável” teve sempre alguma preferência por esse lado negativo: “a guerra mais do que a paz, os crimes mais do que a segurança, o conflito mais do que o acordo”.

“Sabemos hoje que nem sempre a audiência segue estas escolhas; muitos encaram os noticiários como pouco mais do que uma fonte de irritação, impotência, ansiedade, stress  e um geral negativismo.”

Sabemos também que cresce a percentagem dos que já se recusam a “consumir” a informação jornalística dominante por terem esta mesma sensação.  

A reflexão inicial é de Joshua Benton, fundador e director do Nieman Journalism Lab, na Universidade de Harvard.

As questões “que incomodam” no Festival Internacional de Jornalismo Ver galeria

Jornalistas e gilets jaunes  tiveram, em Couthures, o seu frente-a-frente de revisão da matéria dada. Terminado o quarto Festival Internacional de Jornalismo, o jornal  Le Monde, seu organizador, conta agora, numa série de reportagens, o que se passou neste evento de Verão nas margens do rio Garonne  - e um dos pontos altos foi uma espécie de “Prós e Contras”, incluindo a sua grande-repórter Florence Aubenas, que encontrou a agressividade das ruas em Dezembro de 2018, mais Céline Pigalle, que chefia a redacção do canal BFM-TV, especialmente detestado pelos manifestantes, e do outro lado seis representantes assumidos do movimento, da região de Marmande.

O debate foi vivo, e a confrontação verbal, por vezes, agressiva. Houve também um esforço de esclarecimento e momentos de auto-crítica.  Depois do “julgamento” final, uma encenação com acusadores (o público), réus (os jornalistas), alguns reconhecendo-se culpados com “circunstâncias atenuantes”, outros assumindo o risco de “prisão perpétua”, a conclusão de uma participante:

“Ficam muito bem as boas decisões durante o Festival. Só que vocês vão esquecer durante onze meses, e voltam iguais para o ano que vem. Mas eu volto também e fico agradecida.”

O Clube


Lançado em Novembro de 2015, este site tem vindo a conquistar uma audiência crescente, traduzida no número de visitantes e de sessões e do tempo médio despendido. É reconfortante e  encorajador, para um projecto concebido para ser um espaço de informação e de reflexão sobre os problemas que se colocam, de uma forma cada vez mais aguda, ao jornalismo e aos  media.

Observa-se , aliás, ressalvadas as excepções , que a problemática dos media , desde a precariedade  dos seus quadros às incertezas do futuro -  quer no plano tecnológico  quer no editorial - , raramente  constitui  tema de debate  nas páginas dos jornais, e menos ainda nas  suas versões  online ou nos audiovisuais. É um assunto quase tabú.


ver mais >
Opinião
Um relatório recente sobre os princípios de actuação mais frequentes dos maiores publishers digitais dá algumas indicações que vale a pena ter em conta. O estudo “Digital Publishers Report”, divulgado pelo site Digiday, analisa as práticas de uma centena de editores e destaca alguns factores que, na sua opinião, permitem obter os melhores resultados. O estudo estima que as receitas provenientes de conteúdo digital...
E lá se foi mais um daqueles Artistas geniais que tornam a existência humana mais suportável… Guillermo Mordillo era um daqueles raríssimos autores que não precisam de palavras para nos revelarem os aspectos mais evidentes, e também os mais escondidos, das nossas vidas – os alegres, os menos alegres, os cómicos, os ridículos, até os trágicos -- com um traço redondo, que dava aos seus bonecos uma vivacidade...
Sejam de direita ou de esquerda, há uma verdadeira inflação de políticos no activo - ou supostamente retirados - ,  “vestidos” de comentadores residentes nas televisões, com farto proveito. Alguns deles acumulam mesmo os “plateaux” com os microfones  da rádio ou as colunas de jornais, demonstrando  uma invejável capacidade de desdobramento. O objectivo comum a todos é, naturalmente,  pastorearem...
“Fake news”, ontem e hoje
Francisco Sarsfield Cabral
Lançar notícias falsas sobre adversários políticos ou outros existe há séculos. Mas a internet deu às mentiras uma capacidade de difusão nunca antes vista.  Divulgar no espaço público notícias falsas (“fake news”) é hoje um problema que, com razão, preocupa muita gente. Mas não se pode considerar que este seja um problema novo. Claro que a internet e as redes sociais proporcionam...
Agenda
01
Ago
Composição Fotográfica
09:00 @ Cenjor,Lisboa
21
Ago
Edinburgh TV Festival
09:00 @ Edinburgo, Escócia
27
Ago
Digital Broadcast Media Convention
09:00 @ Lagos, Nigéria
16
Set