Sexta-feira, 22 de Março, 2019
Media

Será que a União Europeia "deixou cair" o jornalismo?

Os 60 anos da assinatura do Tratado de Roma foram usados pelos “eurocratas” de Bruxelas como desculpa para gastarem milhões de euros na promoção da sua própria imagem. Os governos europeus faziam melhor em investir em salas de redacção bem equipadas, que permitiriam aos repórteres fazerem a sua cobertura e crítica  - e da própria União Europeia -  com a necessária distância e competência. Esta reflexão é de Stephan Russ-Mohl, director do European Journalism Observatory, sob o título que reproduzimos acima. 

Para remover equívocos, o autor começa por declarar que o processo da unificação europeia foi “um enorme sucesso desde que começou”, em 1957. “No entanto, especialmente depois do Brexit, um significativo número de votantes, na Europa continental, parece que já não concorda.”

Stephan Russ-Mohl enumera depois uma lista de falhas que considera graves:

“É difícil de compreender porquê, apesar dos biliões de euros recolhidos das licenças de TV, a transmissão de serviço público ainda não produziu programas multilingues acessíveis, para serem difundidos por toda a Europa. Esse conteúdo podia ter um efeito integrador, semelhante ao da RAI, a rádio e televisão italiana de serviço público.”

“Nos seus primeiros anos (antes de Silvio Berlusconi), a RAI contribuiu para a construção da nação italiana. Se as estações públicas europeias tivessem oferecido programação desse tipo, incluindo em russo e em turco, a Europa podia ter conseguido uma oportunidade de contrariar a propaganda de Erdogan e de Putin, espalhada pelo território europeu.” 

“Há apenas umas poucas emissoras multilingues ou multinacionais: a Euronews, o Eurosport, a 3sat no espaço de língua alemã e o projecto franco-germânico Arte. As emissoras suíças de serviço público, a SRG (em alemão), a SSR (em francês) e a RSI (em italiano) podiam ter ensinado aos eurocratas de Bruxelas de que modo a TV multilingue, de integração relativamente independente, consegue trabalhar e até atingir grandes audiências.” 

E o autor prossegue para uma questão mais delicada:

“Por que é que um projecto como a Digital News Initiative (DNI) é oferecido pela Google e não pela União Europeia? Trata-se de uma competição europeia pelas melhores ideias para salvar o jornalismo no mundo digital. Por meio desta iniciativa, a Google já terá distribuído, por volta de 2018, 150 milhões de euros (que são migalhas, comparados com os seus lucros anuais) entre as empresas dos media, ligando-os à sua própria organização.” (…) 

“A Europa também falhou na criação de um motor de busca europeu, enquanto a Rússia e a China enfrentam a Google e o Bing com a sua própria infra-estrutura, por meio de Yandex e Baidu.” 

“Se a Europa fosse cortada do acesso a estes motores de busca”  - avisa Andreas Hotho, professor na Universidade de Würzburg, na Alemanha -  “nunca mais encontrávamos na Web a informação de que precisamos.” 

“É também irritante o pouco que a União Europeia investiu na infra-estrutura do jornalismo ao longo de décadas, especialmente na formação e treino de jornalistas. Melhor preparação poderia ter dotado os jornalistas da capacidade de tornarem o complexo projecto europeu mais acessível ao público, mantendo uma boa distância de análise em relação aos seus respectivos governos.” 

“O European University Institute, em Florença, uma instituição europeia, tem estado estes anos a formar a futura elite de peritos em Direito, Economia e Política, mas não há no Instituto programas semelhantes para jornalistas, apesar do seu papel crucial na comunicação da Europa. Em vez disso existe o muito mais modesto European Journalism Centre em Maastricht, que tem lutado muitos anos pela sobrevivência.” 

Stephan Russ-Mohl termina desejando que a sociedade civil se mobilize na criação de um jornalismo “Europeu” independente e de análise, que não seria um “altifalante da EU”, mas “um exemplo de controlo das suas instituições”. 

“Se os eurocratas pudessem olhar essas vozes críticas como suas aliadas, em vez de inimigas, isto podia fortalecer não só a Europa, mas também a liberdade de Imprensa e de expressão, que continua ainda a ser grandemente ameaçada em muitos países europeus.” 

O texto original, na íntegra, no site do European Journalism Observatory

Connosco
O jornalismo entre os "apóstolos da certeza" e a "política da dúvida" Ver galeria

Há uma grande diferença entre um jornalismo “de elite” e aquele que vive dependente do clickbait. Há uma grande diferença, temporal, entre o que se faz hoje e o que se fazia há poucos anos  - tratando-se de tecnologia digital, “o que aconteceu há cinco anos é história”. E há uma grande diferença entre entender o que está a acontecer aos jornalistas e entender o que os jornalistas acham que lhes está a acontecer.

A reflexão inicial é de C.W. Anderson, que se define como um etnógrafo dedicado a estudar o modo como o jornalismo está a mudar com o tempo. Foi co-autor, com Emily Bell e Clay Shirky, do Relatório do Jornalismo Pós-Industrial, em 2012, na Universidade de Columbia. O seu trabalho mais recente é Apóstolos da Certeza: Jornalismo de Dados e a Política da Dúvida, livro em que analisa como a ideia de jornalismo de dados mudou ao longo do tempo.

Cidadão dos EUA, C.W. Anderson é hoje professor na Escola de Jornalismo da Universidade de Leeds, no Reino Unido. A entrevista que aqui citamos foi publicada no Farol Jornalismo, do Medium, e reproduzida no Obervatório da Imprensa do Brasil, com o qual mantemos um acordo de parceria.

Onde os jornalistas revelam uma relação de amor-e-ódio com gravadores Ver galeria

Há jornalistas que fazem questão de dizer que nunca gravaram uma entrevista. Há os que não dispensam o seu gravador de som. Há os que gravam e “filmam” com o telemóvel, explicando que só o vídeo acrescenta a expressão facial.

Há os que são mesmo opostos ao uso do gravador, e explicam porquê. E há os que decidem em que casos se deve levar um gravador  - cuja simples presença pode alterar a disponibilidade do entrevistado.

Há os que se gabam da sua velocidade de escrita e memória do que foi dito, e há os que consideram os que fazem isto como desleixados ou demasiado confiantes. E, finalmente, há situações em que, até por lei [por exemplo nos EUA], não se pode gravar nem filmar nem fotografar.

Matthew Kassel, um freelancer com obra publicada em The New York Times e The Wall Street Journal, interessou-se por esta questão e reuniu os depoimentos de 18 jornalistas sobre os vários lados da questão.

O Clube


Lançado em Novembro de 2015, este site tem vindo a conquistar uma audiência crescente, traduzida no número de visitantes e de sessões e do tempo médio despendido. É reconfortante e  encorajador, para um projecto concebido para ser um espaço de informação e de reflexão sobre os problemas que se colocam, de uma forma cada vez mais aguda, ao jornalismo e aos  media.

Observa-se , aliás, ressalvadas as excepções , que a problemática dos media , desde a precariedade  dos seus quadros às incertezas do futuro -  quer no plano tecnológico  quer no editorial - , raramente  constitui  tema de debate  nas páginas dos jornais, e menos ainda nas  suas versões  online ou nos audiovisuais. É um assunto quase tabú.


ver mais >
Opinião
A realidade choca. Um trabalho de investigação jornalística, publicado no Expresso,  apurou que Portugal tem 95 políticos a comentar nos media. É algo absolutamente inédito em qualquer parte do mundo, da Europa aos EUA. Nalguma coisa teríamos de ser inovadores, infelizmente, da pior maneira. É um “assalto”, que condiciona a opinião pública e constitui um simulacro de pluralismo, já que  o elenco...
Augusto Cid, uma obra quase monumental
António Gomes de Almeida
Com o falecimento de Augusto Cid, desaparece um dos mais conhecidos desenhadores de Humor portugueses, com uma obra que pode considerar-se quase monumental. Desenhou milhares de cartoons, fez livros, e até teve a suprema honra de ver parte da sua obra apreendida – depois do 25 de Abril (!) – e tornou-se conhecido, entre outras, por estas duas razões: pelas piadas sibilinas lançadas contra o general Ramalho Eanes, e por fazer parte do combativo grupo das...
Uma edição fraca
Manuel Falcão
Já se sabe que a revista “Monocle” é uma grande utilizadora criativa do conceito de conteúdos patrocinados, frequentemente dissimulados de forma editorial elegante e sedutora. O grafismo da revista continua contemporâneo, apesar de não ter tido muitas evoluções desde que foi lançada em 2007. Em contrapartida, o espaço ocupado por conteúdos patrocinados tem vindo sempre a aumentar, por vezes demais, até se...
Duas atitudes face ao jornalismo
Francisco Sarsfield Cabral
No recente encontro em Roma, no Vaticano, sobre o dramático caso dos abusos sexuais por elementos do clero católico, a vários níveis, ouviram-se vozes agradecendo a jornalistas que investigaram e divulgaram abusos. É uma justa atitude.  Dir-se-á que alguns jornalistas terão procurado o escândalo e, também, denegrir a imagem da Igreja. Talvez. Mas o verdadeiro escândalo é que padres, bispos e cardeais, em vez de...
Jornalismo a meia-haste
Graça Franco
Atropelados pela ditadura do entretenimento, podemos enquanto “informadores” desde já colocar a bandeira a meia-haste. O jornalismo não está a morrer. Está a cometer suicídio em direto. Temi que algum jornalista se oferecesse para partilhar a cadeia com Armando Vara, só para ver como este se sentia “já lá dentro”. A porta ia-se fechando, em câmara lenta, e o enxame de microfones não largava a presa. O...
Agenda
30
Mar
Google Analytics para Jornalistas
09:00 @ Cenjor,Lisboa
31
Mar
Radiodays Europe
09:00 @ Lausanne, Suiça
01
Abr
Digital Media Europe 2019
09:00 @ Viena,Áustria
08
Abr
25
Abr
Social Media Camp
09:00 @ Victoria, Canada