null, 24 de Março, 2019
Jantares-debate

“Portugal pode e deve ser mais activo na Europa”, afirmou o Embaixador Seixas da Costa

No jantar-debate do ciclo em curso, promovido pelo Clube Português de Imprensa em parceria com o Centro Nacional de Cultura e o Grémio Literário, Francisco Seixas da Costa fez uma avaliação dos 30 anos de pertença portuguesa à União Europeia e concluiu:

“A Europa é, de facto, o melhor espaço para afirmarmos o nosso País e a nossa capacidade de influência no mundo. Mas há mais vida para além da Europa. Nós temos 30 anos de União Europeia e 900 de História. Não nos podemos esquecer disso.”

A abrir a sua palestra, o Embaixador Seixas da Costa afirmou-se um europeísta “pela razão” e também “pela convicção, pela experiência, pela prática”, mas não tanto um “europeísta natural”:

“Sinto-me português, sinto-me europeu, mas quase sempre sou europeísta tanto quanto os interesses de Portugal o justificarem.”

 

Recordou que “somos um País que entrou para a Europa precisamente a meio dos 60 anos da União Europeia, que agora comemoramos”, e citou duas personalidades relevantes nesse processo, Mário Soares e Medeiros Ferreira.

 

“Foi uma decisão certa e no momento certo, no tempo exacto da União Europeia. Se nós não tivéssemos entrado em 86, estaríamos mais tarde a bater à porta da Europa, como aconteceu a quase todos os países da Europa Ocidental e Central, e se calhar em condições muito piores, em concorrência com outros países. Foi uma decisão tomada com grande coragem, que ao mesmo tempo serviu para consolidar a democracia, para nos desenvolver e para nos manter ligados a um projecto de bem, um projecto civilizacional.”

 

Mas, sobre a origem da UE, antes da adesão de Portugal, Seixas da Costa advertiu:

“Vale a pena lembrar que a primeira Comunidade, das várias que entretanto se criaram, era a Comunidade do Carvão e do Aço, e era com o aço e com o carvão que se faziam as armas… E não é por acaso que a partilha destes dois elementos é uma forma de exorcizar a guerra e, de certa maneira, tentar garantir um espaço novo, de sucesso, que acabou por acontecer.”

 

Esses primeiros 30 anos foram chamados, pelos franceses, “Les Trente Glorieuses”. Acrescentou o orador:

“Foram não só 30 anos gloriosos, foram 50 anos de grande sucesso, com os últimos dez anos, eu diria, de maior crise. E nós temos sempre a tentação de nos lembrarmos mais da parte final do que daquilo que foi o passado.”

 

“A certa altura, a União Europeia é vítima do seu próprio sucesso. A Guerra Fria, no fundo, é o período de grande sucesso da União Europeia. (...) Portanto, eu diria que é ‘vítima’ da queda do Muro de Berlim, mas a União Europeia não podia dar-se ao luxo de se manter como uma espécie de museu democrático e de desenvolvimento, do lado ocidental da Europa, sem dar resposta àqueles países que durante anos tinham olhado para o projecto europeu como um projecto de liberdade, democracia e desenvolvimento.”

 

Seixas da Costa reconheceu a “mudança de natureza” que quase sempre acompanhou os diversos alargamentos da UE e, sobre este mais recente, mencionou a crítica dos que dizem que “não poderia ser feito daquela maneira”. E comentou:

 

“Em primeiro lugar, houve uma acumulação de lobbies, quase diria, para o alargamento a esses países, dos seus amigos dentro da União. E depois há uma coisa de que poucos falam: é que, no fundo, o alargamento aos países do Centro e do Leste europeu foi um aproveitamento da fragilidade conjuntural da Rússia e que, sem a oportunidade de trazer aqueles países para este projecto, muito provavelmente hoje em dia, se tivéssemos que ter uma discussão com a Rússia relativamente ao alargamento da União, as coisas não seriam o que foram.”

 

“Isso aconteceu no caso da União Europeia e também aconteceu no caso da Nato, porque muitos dos países que entraram, na altura, para as duas organizações, têm um interesse específico maior na sua segurança e defesa do que no próprio projecto tutelado em Bruxelas.”

 

O orador recordou o “grande equívoco” presente nesta fase:

“Havia uma ideia de que o alargamento era uma espécie de colonização da Europa de Leste. Isto é: este modelo passava para o lado de lá e os países do lado de lá, no fundo, incorporavam exactamente o modelo do lado de cá. Não é bem assim… Os países que vieram para dentro da União Europeia trouxeram toda a sua agenda, que é de interesses, de preocupações, a agenda de fronteiras.” (...)

 

Estes factores tornaram assim a União Europeia, no fundo, muito mais diversa e também mais complexa.

 

Mencionou depois “um parceiro que, não sendo membro da União Europeia, é um poder europeu, que são os EUA. Os Estados Unidos são, no fundo, para além de Maurice Schumann, Jean Monet e José Estaline, o grande criador da União Europeia. Estaline pelo medo, os Estados Unidos pela promoção; em primeiro lugar pelo Plano Marshall, o interesse em ver a Europa como um exemplo de democracia e de sociedade liberal, e deram um impulso muito forte à relação com a Europa”.

 

Recordou que os EUA “tiveram sempre uma relação de alguma ambiguidade nesse relacionamento, nem sempre as coisas funcionaram da mesma maneira ao longo dos vários anos”, mas que continuam a ser “um elemento fundamental”.

 

O que se está a passar actualmente, após a eleição de Donald Trump, “rebentou com a previsibilidade relativamente à nossa relação com o outro lado do Atlântico e cria-nos um profundo mundo de indecisões e até alguma visível hostilidade, quer em relação ao projecto europeu em geral, quer em particular em relação ao Euro. Isto é altamente preocupante, e a Europa também não sabe como é que há-de lidar com isto. Vamos fazer uma navegação à vista”  – afirmou.

 

Sobre o caso português, Francisco Seixas da Costa sublinhou o “efeito extremamente positivo” nas infraestruturas, nas mentalidades, na mobilidade, tanto de emigrantes como dos jovens envolvidos no programa Erasmus.

Descreveu também, com evidente conhecimento de causa, a mudança ocorrida na diplomacia portuguesa, e as contribuições que Portugal trouxe à União Europeia, neste terreno:

 

“Trouxémos um trabalho importante na nossa relação com África, no período complexo de recuperação de relações com as nossas antigas colónias, mas também na criação de uma certa leitura de relações externas com a União Europeia para África  - fomos nós que fizémos as duas cimeiras Portugal-África, e isso não é despiciendo.” 

“Trouxémos ainda algo para a própria diplomacia de Direitos Humanos da União Europeia, talvez forçados pela questão de Timor, mas conseguimos com isso criar uma dinâmica nova dentro do próprio País e um trabalho muito criterioso dentro das Nações Unidas, nessa área. Também nas questões do desenvolvimento, quando elas eram mais importantes do que são hoje, infelizmente.”

 

Na parte final da sua palestra, o Embaixador Seixas da Costa não escondeu os conflitos internos que desfiguram actualmente o projecto europeu, levando a que muitos cidadãos dos países que são mais pobres, ou cujos interesses não estejam consonantes com o processo legislativo em Bruxelas, ou que não tenham população “que lhes dê para serem relevantes no processo decisório”, acabem por perceber que a sua influência e capacidade de intervenção são, no fundo, muito inferiores às de outros países. “Isso cria uma espécie de hierarquia dentro da Europa”  - disse.

 

Sublinhou que “a generosidade e a solidariedade estão hoje em crise na Europa”, e que “as opiniões públicas vivem debaixo da insegurança e do medo”:

 

“A Europa deixou-se enredar num discurso em que é o próprio bode expiatório de tudo o que funciona mal. E os Governos muitas vezes utilizam a Europa, como é sabido, para dizer que tudo o que corre bem é deles, tudo o que corre mal é culpa da Europa…”

 

Seixas da Costa recordou a crise financeira de 2007, para a qual “as instituições europeias não estavam preparadas”, e afirmou que “a crise financeira e a questão dos refugiados foram a grande pedra que caíu sobre a solidariedade europeia”:

 

“Não há discurso de solidariedade europeia, aquele senhor holandês é a cara disso e, independentemente da maneira como o disse, nós pressentimos que ele sentia aquilo e sabemos que não é só ele que pensa assim. Há muita gente que pensa aquilo. Quebrou-se claramente a noção da solidariedade.”

 

E acrescentou:

“Era importante um dia desmontar esta ideia de que a Europa é uma dos que dão e outra dos que recebem… É preciso percebermos que a Europa é um jogo de soma nula, um jogo em que toda a gente ganha e toda a gente perde. A Europa da segurança, a Europa da criação de sociedades de consumo, é aquela que interessa a países que se portam como é o caso da Alemanha. A existência de sociedades em paz, à volta dos grandes países europeus, é do interesse desses próprios países europeus. Ninguém deve nada a ninguém na Europa. (...) Esta ideia que se criou de que o Sul deve ao Norte  - vejam as taxas de juro que foram dadas, dos empréstimos, durante todo o período do resgate... Vale a pena olhar para isso.”

 

A terminar, alertou para os riscos do Brexit, que “tira da União o maior orçamento de defesa da União Europeia, tira o terceiro contribuinte líquido para o orçamento da UE, a maior indústria de defesa da UE, as forças armadas melhor equipadas e, com a França, o segundo poder nuclear da União Europeia”. (...)

Além disso, “a saída do Reino Unido leva a União um pouco para lá, em matéria de Oeste-Leste, e isso é perigoso para nós”.

 

No entanto, Seixas da Costa mantém que “não podemos cair na tentação de ter relações de natureza bilateral com o Reino Unido nesta matéria; a nossa força far-se-á dentro da União Europeia, na negociação dos grandes dossiers, o que não significa que no futuro, quando ele estiver fora da União Europeia, Portugal não possa renovar uma relação privilegiada com o Reino Unido”.  (…)

Connosco
O jornalismo entre os "apóstolos da certeza" e a "política da dúvida" Ver galeria

Há uma grande diferença entre um jornalismo “de elite” e aquele que vive dependente do clickbait. Há uma grande diferença, temporal, entre o que se faz hoje e o que se fazia há poucos anos  - tratando-se de tecnologia digital, “o que aconteceu há cinco anos é história”. E há uma grande diferença entre entender o que está a acontecer aos jornalistas e entender o que os jornalistas acham que lhes está a acontecer.

A reflexão inicial é de C.W. Anderson, que se define como um etnógrafo dedicado a estudar o modo como o jornalismo está a mudar com o tempo. Foi co-autor, com Emily Bell e Clay Shirky, do Relatório do Jornalismo Pós-Industrial, em 2012, na Universidade de Columbia. O seu trabalho mais recente é Apóstolos da Certeza: Jornalismo de Dados e a Política da Dúvida, livro em que analisa como a ideia de jornalismo de dados mudou ao longo do tempo.

Cidadão dos EUA, C.W. Anderson é hoje professor na Escola de Jornalismo da Universidade de Leeds, no Reino Unido. A entrevista que aqui citamos foi publicada no Farol Jornalismo, do Medium, e reproduzida no Obervatório da Imprensa do Brasil, com o qual mantemos um acordo de parceria.

Onde os jornalistas revelam uma relação de amor-e-ódio com gravadores Ver galeria

Há jornalistas que fazem questão de dizer que nunca gravaram uma entrevista. Há os que não dispensam o seu gravador de som. Há os que gravam e “filmam” com o telemóvel, explicando que só o vídeo acrescenta a expressão facial.

Há os que são mesmo opostos ao uso do gravador, e explicam porquê. E há os que decidem em que casos se deve levar um gravador  - cuja simples presença pode alterar a disponibilidade do entrevistado.

Há os que se gabam da sua velocidade de escrita e memória do que foi dito, e há os que consideram os que fazem isto como desleixados ou demasiado confiantes. E, finalmente, há situações em que, até por lei [por exemplo nos EUA], não se pode gravar nem filmar nem fotografar.

Matthew Kassel, um freelancer com obra publicada em The New York Times e The Wall Street Journal, interessou-se por esta questão e reuniu os depoimentos de 18 jornalistas sobre os vários lados da questão.

O Clube


Lançado em Novembro de 2015, este site tem vindo a conquistar uma audiência crescente, traduzida no número de visitantes e de sessões e do tempo médio despendido. É reconfortante e  encorajador, para um projecto concebido para ser um espaço de informação e de reflexão sobre os problemas que se colocam, de uma forma cada vez mais aguda, ao jornalismo e aos  media.

Observa-se , aliás, ressalvadas as excepções , que a problemática dos media , desde a precariedade  dos seus quadros às incertezas do futuro -  quer no plano tecnológico  quer no editorial - , raramente  constitui  tema de debate  nas páginas dos jornais, e menos ainda nas  suas versões  online ou nos audiovisuais. É um assunto quase tabú.


ver mais >
Opinião
A realidade choca. Um trabalho de investigação jornalística, publicado no Expresso,  apurou que Portugal tem 95 políticos a comentar nos media. É algo absolutamente inédito em qualquer parte do mundo, da Europa aos EUA. Nalguma coisa teríamos de ser inovadores, infelizmente, da pior maneira. É um “assalto”, que condiciona a opinião pública e constitui um simulacro de pluralismo, já que  o elenco...
Augusto Cid, uma obra quase monumental
António Gomes de Almeida
Com o falecimento de Augusto Cid, desaparece um dos mais conhecidos desenhadores de Humor portugueses, com uma obra que pode considerar-se quase monumental. Desenhou milhares de cartoons, fez livros, e até teve a suprema honra de ver parte da sua obra apreendida – depois do 25 de Abril (!) – e tornou-se conhecido, entre outras, por estas duas razões: pelas piadas sibilinas lançadas contra o general Ramalho Eanes, e por fazer parte do combativo grupo das...
Uma edição fraca
Manuel Falcão
Já se sabe que a revista “Monocle” é uma grande utilizadora criativa do conceito de conteúdos patrocinados, frequentemente dissimulados de forma editorial elegante e sedutora. O grafismo da revista continua contemporâneo, apesar de não ter tido muitas evoluções desde que foi lançada em 2007. Em contrapartida, o espaço ocupado por conteúdos patrocinados tem vindo sempre a aumentar, por vezes demais, até se...
Duas atitudes face ao jornalismo
Francisco Sarsfield Cabral
No recente encontro em Roma, no Vaticano, sobre o dramático caso dos abusos sexuais por elementos do clero católico, a vários níveis, ouviram-se vozes agradecendo a jornalistas que investigaram e divulgaram abusos. É uma justa atitude.  Dir-se-á que alguns jornalistas terão procurado o escândalo e, também, denegrir a imagem da Igreja. Talvez. Mas o verdadeiro escândalo é que padres, bispos e cardeais, em vez de...
Jornalismo a meia-haste
Graça Franco
Atropelados pela ditadura do entretenimento, podemos enquanto “informadores” desde já colocar a bandeira a meia-haste. O jornalismo não está a morrer. Está a cometer suicídio em direto. Temi que algum jornalista se oferecesse para partilhar a cadeia com Armando Vara, só para ver como este se sentia “já lá dentro”. A porta ia-se fechando, em câmara lenta, e o enxame de microfones não largava a presa. O...
Agenda
30
Mar
Google Analytics para Jornalistas
09:00 @ Cenjor,Lisboa
31
Mar
Radiodays Europe
09:00 @ Lausanne, Suiça
01
Abr
Digital Media Europe 2019
09:00 @ Viena,Áustria
08
Abr
25
Abr
Social Media Camp
09:00 @ Victoria, Canada