null, 25 de Junho, 2017
Media

Jornais procuram interagir com os comentários dos leitores

Os comentários dos leitores, usados como forma de abrir os jornais à participação do público, continuam a pôr problemas às redacções. A má qualidade de muitos deles, incluindo a grosseria e o discurso de ódio, desafiam a eficácia das práticas de moderação tentadas. Mas há estudos recentes sobre abordagens alternativas, revelando que as atitudes estão a mudar. Esta reflexão é de Marisa Torres da Silva, professora associada na FCSH da Universidade Nova de Lisboa, publicada no European Journalism Observatory.

Segundo a autora, os jornais online “exploraram diferentes opções de moderação por tentativa e erro, incluindo algumas alternativas radicais, como a de abandonar os comentários às notícias e/ou a de movê-los para o Facebook-commenting”. 

Quando decidiram mantê-los, seguiram diversas abordagens: a ‘vigilante’ (onde os jornalistas fazem a “pré-moderação” ou avaliam cada comentário antes de ser publicado; a ‘frouxa’ (onde os jornalistas só intervêm no caso de queixas dos utentes); ou uma mais ‘descentralizada/mista’, que corresponde a uma moderação colaborativa, incluindo os utentes neste processo. 

Marisa Torres da Silva cita então o exemplo de três estudos sobre esta matéria: 

O de dois investigadores na Escola de Jornalismo da Universidade do Texas, que entrevistaram 34 jornalistas sobre a sua opinião a respeito dos comentários de leitores. O seu trabalho, Normalizing online comments, revela que os jornalistas estão a ficar mais confortáveis com esta prática “e frequentemente interagem com os comentadores, para promover discussões deliberativas ou para estancar a incivilidade”. 

Mas alguns não sentem tão à-vontade, pelo receio de estarem a violar “a regra jornalística da objectividade”, tornando-se uma espécie de “polícias” do Facebook. 

O segundo estudo, de dois investigadores na Universidade Gutenberg, na Alemanha, centrou-se sobre a prática da moderação jornalística interactiva. O que descobriram “sugere que a presença de um jornalista como moderador na secção de comentários não é suficiente para suscitar um debate mais construtivo”. 

Mas a sua atitude tem efeito: sempre que o próprio jornal usava de sarcasmo ao expôr o comportamento de um comentador como inadequado, a situação piorava; mas quando respondia de modo factual e polido a comentadores indelicados, obtinha-se melhor atmosfera de debate deliberativo. 

O terceiro estudo, da própria autora, debruça-se sobre o caso português, concretamente sobre a experiência do Público, que adoptou em 2012 uma prática de moderação colaborativa (onde utentes fazem a moderação de outros utentes). 

“Dependendo dos pontos que foram ganhando ou perdendo, os utentes foram classificados como ‘principiantes’, ‘influentes’, ‘experientes’ e por fim ‘moderadores’, partilhando a função de moderação com o seu responsável no jornal.” 

Marisa Torres da Silva estudou detalhadamente a lista de comentários a uma notícia publicada tanto na edição impressa como na digital de 16 de Fevereiro de 2013. A sua análise dos 90 comentários válidos publicados revelou que a maioria dos leitores discutia os aspectos negativos dos comentários  - a agressividade, a violação das normas de publicação ou a baixa qualidade dos textos. 

Os leitores que tinham acumulado pontos suficientes para se tornarem eles mesmos “moderadores” eram encarados com suspeita. Alguns leitores descreveram o seu comportamento como “arrogante” e criticaram-nos por juízos arbitrários, ou chegaram mesmo a acusá-los de “censura”. 


O artigo original, na língua inglesa, no site do EJO

Connosco
Dirigentes europeus intimam redes sociais a envolverem-se na luta contra o extremismo online Ver galeria
Portugueses entre os europeus que mais confiam nas notícias Ver galeria

Portugal aparece no segundo lugar entre os países europeus, logo a seguir à Finlândia, no índice de confiança nas notícias (ficando o Brasil entre os dois). A Finlândia atinge os 62%, Portugal chega aos 58%, e os países mais em baixo, Grécia e Coreia do Sul, ficam nos 23%. Estes são alguns números do Digital News Report 2017 do Reuters Institute, que sublinha no texto de sumário que “a revolução digital está cheia de contradições e excepções” e que as diferenças para cada país podem ser procuradas nas páginas que lhes são dedicadas, no desenvolvimento do relatório.

O Clube

 
O Prémio de Jornalismo da Lusofonia é a nova iniciativa promovida pelo Clube Português de Imprensa (CPI) em parceria com o Jornal Tribuna de Macau (JTM), no quadro das comorações que assinalam o 35º aniversário daquele diário de língua portuguesa em Macau.

Com o valor de 10 mil euros e periodicidade anual, o Prémio será atribuído por um Júri constituído por representantes do CPI, do JTM e por personalidades de reconhecido mérito na área do jornalismo ou que se tenham distinguido na defesa, divulgação ou ensino da Língua Portuguesa no Mundo.

Trata-se, pois, de um novo Prémio que, de acordo com o respectivo Regulamento (que inserimos noutro espaço deste site) se destina “a jornalistas e à Imprensa de Língua Portuguesa de todo o Mundo, em suporte papel ou digital”. 


ver mais >
Opinião
Dados os muitos terabytes de prosa – sólidamente negativa – com que os media globais saudaram a decisão do presidente Trump, anunciada em discurso na Casa Branca no passado dia 1 de Junho, de retirar os EUA. do Acordo de Paris, seria de esperar uma cobertura exaustiva do tema, ou seja, que nenhum aspecto ou complexidade dessa terrível ameaça para a saúde do planeta escapasse à atenção dos “opinion leaders”, em...
Trump, Macron e a comunicação social
Francisco Sarsfield Cabral

O Presidente Trump está em guerra aberta com a comunicação social americana. E esta, na sua grande maioria, não gosta de Trump. Vários presidentes anteriores foram muito criticados pela Imprensa dos EUA – Reagan, por exemplo. Mas o grau de hostilidade que agora existe entre a Casa Branca e os jornalistas é de nível excepcionalmente alto.

Há dias um jornalista que foi director de um  antigo jornal de referência, em acelerado processo de definhamento, interrogava-se sobre o futuro próximo da Imprensa em suporte de papel e profetizava , sem mencionar, que um dos diários nacionais “terá de tomar a traumática – talvez acertada, certamente inevitável -- decisão de fechar as edições em papel durante a semana, mantendo apenas as edições...
Num livro colectivo acabado de publicar, simultaneamente, em treze línguas e em dezenas de países espalhados pelo mundo inteiro, cuja versão francesa se intitula, significativamente, L’âge de la Régression: Pourquoi nous vivons un tournant historique[1], Appadurai disserta sobre o «sentimento de cansaço» que, na sua opinião domina a esfera pública. Sentimento de cansaço relativamente à forma de fazer...
Fim de semana alucinante, sábado épico, jornada inédita. Muito se tem chamado a este 13 de maio, dia de Fátima, do Santo Padre, do anjo Vitória e do arcanjo Sobral. As notícias, as reportagens, os diretos. O frenesim tem sido imenso. Aliás já começou há uns dias. Amanhã, depois do nascer do sol, era bom que houvesse alguma reflexão sobre o que se passou. Será que tanta agitação na...
Agenda
11
Jul
Exposição de Jornais Centenários em Bruxelas
09:00 @ Parlamento Europeu, Bruxelas
12
Jul
Curso de Verão “Jornalismo de Investigação”
09:00 @ Universidade Internacional Menéndez Pelayo, Santander
13
Jul
Westminster Media Forum
09:00 @ Central London, Londres
27
Jul
Festival de Jornalismos de Verão
09:00 @ Couthures, França