Quinta-feira, 19 de Outubro, 2017
Media

O jornalismo como espaço não-lucrativo de comunicação cívica

Tendo a crise dos modelos tradicionais de sustento do jornalismo chegado ao ponto que sabemos, um académico e um jornalista tornado gestor e especialista em desenvolvimento dos media propõem que voltemos a considerar soluções como o mecenato [filantropia, no original], empresas não-lucrativas e fundações. A alternativa, dizem, é deixarmos definhar o espaço de comunicação e debate público, sem o qual não há vida democrática.

O seu ponto de partida é uma citação em que o Juiz David Souter, que pertenceu ao Supremo Tribunal de Justiça dos EUA, afirma:

“A democracia não pode sobreviver a muita ignorância... (...) Aquilo que me preocupa é que, quando os problemas não são enfrentados, as pessoas não sabem quem tem a responsabilidade... É assim que a democracia morre. E se não se fizer nada para melhorar o nível de conhecimento cívico, é sobre isso que nos devíamos preocupar à noite.” 

E o seu primeiro parágrafo começa por dizer que “os media, a sociedade civil e a democracia encontram-se por todo o mundo submetidos a uma pressão sem precedentes; é importante que vejamos estes fenómenos como interligados  -  para compreendermos que o declínio dos media cívicos coloca uma ameaça à sociedade civil e, em última instância, ao próprio processo democrático.” 

No seu trabalho, que citamos da Global Investigative Journalism Network, Bruce Sievers e Patrice Schneider lembram ainda as reflexões de Jürgen Habermas e Alexis de Tocqueville sobre estas matérias, nomeadamente a observação feita pelo último sobre o papel do jornalismo que encontrou nos EUA, no princípio do séc. XIX: “Foi o jornal que os aproximou [os cidadãos], e é o jornal que continua a ser necessário para os manter unidos.” 

“Decorre daqui que o enfraquecimento do sistema de livre comunicação ataca gravemente um sistema democrático. A característica distintiva das sociedades autoritárias tem sido, de facto, a repressão das instituições independentes que possam desafiar o controlo central exercido pelo domínio do Estado ou de um grupo oligárquico. (...) Uma das primeiras prioridades de tais regimes é assumir o controlo dos media.” (...) 

A situação actual é agravada por uma ameaça nova:

“A comunicação cívica está a ser cada vez mais ameaçada por uma repressão que não vem de cima para baixo, de sistemas autoritários (embora isto ainda continue), mas antes de forças corrosivas internas, de natureza social e económica.” (...) 

Os autores identificam cinco tendências principais nesta passagem de século:

“1 – Uma base de financiamento do jornalismo impresso radicalmente diminuída;  2 – Audiências cada vez mais fragmentadas;  3 – Um padrão cada vez mais acelerado de proliferação digital instantânea de informação;  4 – O crescente desfasamento do vídeo em relação à palavra escrita e falada; 5 – Uma diminuição e rebaixamento de qualidade da educação cívica, com correspondente declínio no conhecimento dos assuntos públicos.” 

Depois de citarem alguns números sobre a quebra na circulação dos jornais, advertem que há fortes evidências de que muitas outras “formas de comunicação cívica tradicional, não só dos jornais, estão a passar por um declínio semelhante, tanto em quantidade como em qualidade”. 

A segunda parte desenvolve, com vários exemplos da presente situação nos Estados Unidos, bem como na Europa, a proposta de uma atitude filantrópica, ou de mecenato, para resolver o problema do sustento dos media. Antes de o fazerem, os dois autores citam outras propostas, de apoio mais governamental (programas estatais, impostos, taxas de utilização), para reconhecerem a sua limitação na cultura norte-americana: 

“Pensamos que a resistência americana, tanto a impostos mais elevados como a um acréscimo de envolvimento governamental nos meios de comunicação, derrotaria esse esforço. Mesmo nos países europeus onde já existem elevados níveis de apoio público aos media, este financiamento não tem evitado um declínio constante  - até aos 4.7% negativos entre 2014 e 2015.” (...) 

Bruce Sievers e Patrice Schneider concluem:

“A protecção dos media independentes e da esfera pública coloca um desafio épico à filantropia contemporânea, mas nós cremos que as actuais organizações filantrópicas estão à sua altura. Para apoiar os seus esforços e multiplicar o seu impacto, encorajamos um debate muito mais vasto e a orientação de recursos para aquilo que pode ser hoje o pilar mais vulnerável do Estado democrático.”

 

O artigo original, na íntegra, na Global Investigative Journalism Network, a que pertence a imagem utilizada

Connosco
Relatório assinala em Espanha quebra do consumo de TV por assinatura Ver galeria

O consumo doméstico de televisão por assinatura em Espanha, no ano de 2016, foi de 14,5 euros por mês, por habitação, o que significa quase 21% do seu gasto total em tecnologias de informação e comunicação. Esta quantia é 6,5% inferior à de 2015, que se situava numa média de 15,4%. Os dados são do relatório La sociedad en red 2016, elaborado pelo Observatorio Nacional de las Tecnologías de la Sociedad de la Información (ONTSI).

As imagens e as palavras depois da tragédia Ver galeria

A tragédia causada pelos incêndios no centro e norte do País, neste domingo 15 de Outubro, já considerado “o pior dia do ano” em número de ocorrências (mais de 500), simultâneas ou consecutivas, é retratado nas primeiras páginas dos jornais de 17. Quase todos destacam os números das vítimas, somando as de agora às de Pedrógão. Os dois jornais que usam a mesma foto, de três mulheres junto de uma casa destruída, abraçando-se ao lado de uma menina, são também os que procuram as palavras fortes para caracterizar o ocorrido: “Imperdoável” (Correio da Manhã); “Cem mortes sem desculpa” (Jornal de Notícias). 

O Clube

Está formado o Júri que vai apreciar os trabalhos concorrentes ao Prémio de Jornalismo da Lusofonia, instituído pelo Clube Português de Imprensa (CPI) e pelo Jornal Tribuna de Macau (JTM),  com o apoio da Fundação Jorge Álvares.

O Júri será presidido por Dinis de Abreu, em representação do CPI, e integrado pelos jornalistas José Rocha Diniz, fundador e administrador do Jornal Tribuna de Macau, José Carlos de Vasconcelos, director do JL – Jornal de Letras, Artes e Ideias, Carlos Magno, pela Fundação Jorge Álvares e por José António Silva Pires, também do CPI.


ver mais >
Opinião
A comunicação social e a Catalunha
Francisco Sarsfield Cabral
A crise da Catalunha foi, em grande parte, feita para a comunicação social. Os independentistas catalães estavam nos últimos anos a perder adeptos. Uma forma de atrair para a causa os moderados seria provocar Madrid a usar a força policial na região e em particular em Barcelona. Correram mundo as imagens televisivas de polícias nacionais a carregar sobre pessoas que queriam votar no simulacro de referendo. O que descredibilizou...
Ao completar 25 anos, a SIC  cresceu, mas não se emancipou nem libertou o seu criador de preocupações. Francisco Pinto Balsemão, com 80 anos feitos, merecia um sossego que não tem, perante a crise que atingiu o Grupo de media que construiu do zero . Balsemão ganhou vários desafios, alguns deles complexos, desde que lançou o Expresso nos idos de 70 do século passado - o seu “navio-almirante”, como gosta de...
Na semana passada aconteceu o que há muito se esperava – um dos maiores grupos de comunicação anunciou que vai encerrar ou vender a maior parte dos seus títulos de imprensa. A braços com um endividamente gigantesco, acaba por reconhecer que as receitas que obtém, quando existem, são insuficientes para inverter a situação criada ao longo de anos. O cenário actual complica tudo: é devastador folhear um jornal...
Peter Barbey, actual proprietário (desde 2015) do The Village Voice, anunciou em 22 de Agosto o fim da edição impressa do semanário nova-iorquino, após 62 anos de publicação, continuando a ser produzida a versão digital. A edição impressa – gratuita desde há 21 anos -  tinha actualmente uma tiragem de 120 mil exemplares, enquanto a versão digital, segundo a comScore (empresa de análise de...
Num livro colectivo acabado de publicar, simultaneamente, em treze línguas e em dezenas de países espalhados pelo mundo inteiro, cuja versão francesa se intitula, significativamente, L’âge de la Régression: Pourquoi nous vivons un tournant historique[1], Appadurai disserta sobre o «sentimento de cansaço» que, na sua opinião domina a esfera pública. Sentimento de cansaço relativamente à forma de fazer...
Agenda
20
Out
20
Out
Facebook para Jornalistas
12:00 @ Cenjor,Lisboa
23
Out
II Congresso Internacional sobre Competências Mediáticas
16:00 @ Brasil, Faculdade de Comunicação – Universidade Federal de Juiz de Fora , Minas Gerais
23
Out
Atelier de Jornalismo Digital
18:30 @ Cenjor,Lisboa