Quinta-feira, 18 de Julho, 2019
Media

Receita do anúncio digital não é capaz de manter o jornalismo real

Os tempos vão difíceis para o jornalismo. Não há respostas fáceis sobre qual o modelo de negócio que possa garantir estabilidade no futuro, e “podemos agora enterrar de vez a esperança de que distribuir conteúdos e pagar as contas só por via da publicidade online seja uma estratégia sustentável; a receita do anúncio digital não é capaz de manter o jornalismo real”. É assim que começa a reflexão de Kyle Pope, director da Columbia Journalism Review, que não fornece uma solução pronta a usar, mas propõe que procuremos, pelo menos, “uma receita que funcione”.

Ele próprio sugere várias, à medida que descreve o que se passa à sua volta e enumera os caminhos que vão sendo tentados: 

“A maior parte das grandes empresas noticiosas no país ainda não assentou num plano de negócio que funcione (e as mais pequenas, em números cada vez maiores, estão simplesmente a fechar); os jornalistas continuam a perder os seus empregos; e respostas mágicas que davam alguma esperança de conseguir inverter o sentido  - pelo vídeo, ou eventos ao vivo, ou realidade virtual -  parecem agora frustrantes.” 

O mais que se encontra, na sua opinião, são “pedaços de esperança, bocadinhos de ideias que funcionam, ainda que de modo limitado; misturando-as e ajustando-as, podemos começar a construir uma receita para um novo modelo jornalístico que talvez possa  - sublinhe-se o ‘possa’ -  funcionar.” 

Comparando o que está a acontecer com vários grandes jornais, de um lado, ou sites de informação política, do outro, a respeito da prática do acesso restringido e dos conteúdos pagos, Kyle Pope reconhece que há muitos leitores capazes de pagar por uma informação que lhes interesse de perto, e seja conforme à sua visão do mundo, deixando de fora o conteúdo genérico. Mas adverte:

“Isto arrisca-se a criar um novo tipo de separação de conteúdos: um jornalismo de alta qualidade, mais rigoroso, para aqueles que podem pagar, e um noticiário menos rigoroso e mais trivial (já não falando das fake news, que não têm futuro como assinatura), para aqueles que não podem.” 

Esta dicotomia, como explica a seguir, será ainda mais marcada “quanto à informação de que o público necessita para participar, de forma significativa, na sua própria governação”. 

Descreve depois formas de aproximação entre jornais habitualmente ciosos da sua independência e concorrência com os outros, que estão a acontecer na ressaca das eleições presidenciais:

“Os esforços de Trump, ao descrever a Imprensa como um bloco monolítico contencioso, tiveram um efeito colateral inesperado, aproximando jornalistas e as suas empresas no sentido de formarem uma pool de reportagem, que fora esvaziada pelos cortes de orçamento.” 

Kyle Pope não evita as questões incómodas, como as do dinheiro necessário para arrancar qualquer projecto, os constrangimentos ou limitações dos patrocínios e do mecenato, e aponta exemplos concretos entre os media norte-americanos. 

Fala também da orientação política claramente afirmada, contando que, “quando The New York Times decidiu chamar mentiroso a Trump, na sua primeira página, qualquer noção de que era neutro nas eleições acabou; enquanto os sumo-sacerdotes dos media continuam a debater se é bom ou mau para o jornalismo, uma coisa é certa: é muito bom para o negócio”. 

Assim, “o site Breitbart tornou-se a Fox no mundo digital, enquanto a Crooked Media foi recentemente lançada por pessoas que trabalharam com Obama, como o Breitbart da esquerda”. (...) 

“O receio, entre os dirigentes das empresas noticiosas, foi sempre o de que aumentar o partidarismo encolhe necessariamente as audiências, porque os que não estão de acordo vão-se embora. E é verdade que isso acontece. Mas esse argumento não tem em consideração o poder da apatia: durante muito tempo, a maior parte dos americanos simplesmente não queria saber do que falavam os media. Mas agora querem. E o resultado  - que é uma audiência envolvida, motivada e com apetite -  está a dar energia a empresas noticiosas que já não se deixam ficar no meio do caminho.”

Kyle Pope conclui com reservas, mas também com esperança:

“Isto é uma receita, não um projecto. Algumas destas ideias podem funcionar, outras não. (...)  Devemos continuar com a confiança de que há uma audiência para um trabalho de qualidade, assertivo, exigente, apenas à espera de ser alcançada. Não é um mau sítio para se estar.”

 

O artigo original, na íntegra, no site da CJR, a que pertence a imagem utilizada

Connosco
Confirma-se que as más notícias são as que correm mais depressa Ver galeria

Todos ouvimos alguma vez dizer, no início da profissão, que a aterragem segura de mil aviões não é notícia, mas o despenhamento de um só já passa a ser.
A classificação do que é “noticiável” teve sempre alguma preferência por esse lado negativo: “a guerra mais do que a paz, os crimes mais do que a segurança, o conflito mais do que o acordo”.

“Sabemos hoje que nem sempre a audiência segue estas escolhas; muitos encaram os noticiários como pouco mais do que uma fonte de irritação, impotência, ansiedade, stress  e um geral negativismo.”

Sabemos também que cresce a percentagem dos que já se recusam a “consumir” a informação jornalística dominante por terem esta mesma sensação.  

A reflexão inicial é de Joshua Benton, fundador e director do Nieman Journalism Lab, na Universidade de Harvard.

As questões “que incomodam” no Festival Internacional de Jornalismo Ver galeria

Jornalistas e gilets jaunes  tiveram, em Couthures, o seu frente-a-frente de revisão da matéria dada. Terminado o quarto Festival Internacional de Jornalismo, o jornal  Le Monde, seu organizador, conta agora, numa série de reportagens, o que se passou neste evento de Verão nas margens do rio Garonne  - e um dos pontos altos foi uma espécie de “Prós e Contras”, incluindo a sua grande-repórter Florence Aubenas, que encontrou a agressividade das ruas em Dezembro de 2018, mais Céline Pigalle, que chefia a redacção do canal BFM-TV, especialmente detestado pelos manifestantes, e do outro lado seis representantes assumidos do movimento, da região de Marmande.

O debate foi vivo, e a confrontação verbal, por vezes, agressiva. Houve também um esforço de esclarecimento e momentos de auto-crítica.  Depois do “julgamento” final, uma encenação com acusadores (o público), réus (os jornalistas), alguns reconhecendo-se culpados com “circunstâncias atenuantes”, outros assumindo o risco de “prisão perpétua”, a conclusão de uma participante:

“Ficam muito bem as boas decisões durante o Festival. Só que vocês vão esquecer durante onze meses, e voltam iguais para o ano que vem. Mas eu volto também e fico agradecida.”

O Clube


Lançado em Novembro de 2015, este site tem vindo a conquistar uma audiência crescente, traduzida no número de visitantes e de sessões e do tempo médio despendido. É reconfortante e  encorajador, para um projecto concebido para ser um espaço de informação e de reflexão sobre os problemas que se colocam, de uma forma cada vez mais aguda, ao jornalismo e aos  media.

Observa-se , aliás, ressalvadas as excepções , que a problemática dos media , desde a precariedade  dos seus quadros às incertezas do futuro -  quer no plano tecnológico  quer no editorial - , raramente  constitui  tema de debate  nas páginas dos jornais, e menos ainda nas  suas versões  online ou nos audiovisuais. É um assunto quase tabú.


ver mais >
Opinião
Um relatório recente sobre os princípios de actuação mais frequentes dos maiores publishers digitais dá algumas indicações que vale a pena ter em conta. O estudo “Digital Publishers Report”, divulgado pelo site Digiday, analisa as práticas de uma centena de editores e destaca alguns factores que, na sua opinião, permitem obter os melhores resultados. O estudo estima que as receitas provenientes de conteúdo digital...
E lá se foi mais um daqueles Artistas geniais que tornam a existência humana mais suportável… Guillermo Mordillo era um daqueles raríssimos autores que não precisam de palavras para nos revelarem os aspectos mais evidentes, e também os mais escondidos, das nossas vidas – os alegres, os menos alegres, os cómicos, os ridículos, até os trágicos -- com um traço redondo, que dava aos seus bonecos uma vivacidade...
Sejam de direita ou de esquerda, há uma verdadeira inflação de políticos no activo - ou supostamente retirados - ,  “vestidos” de comentadores residentes nas televisões, com farto proveito. Alguns deles acumulam mesmo os “plateaux” com os microfones  da rádio ou as colunas de jornais, demonstrando  uma invejável capacidade de desdobramento. O objectivo comum a todos é, naturalmente,  pastorearem...
“Fake news”, ontem e hoje
Francisco Sarsfield Cabral
Lançar notícias falsas sobre adversários políticos ou outros existe há séculos. Mas a internet deu às mentiras uma capacidade de difusão nunca antes vista.  Divulgar no espaço público notícias falsas (“fake news”) é hoje um problema que, com razão, preocupa muita gente. Mas não se pode considerar que este seja um problema novo. Claro que a internet e as redes sociais proporcionam...
Agenda
01
Ago
Composição Fotográfica
09:00 @ Cenjor,Lisboa
21
Ago
Edinburgh TV Festival
09:00 @ Edinburgo, Escócia
27
Ago
Digital Broadcast Media Convention
09:00 @ Lagos, Nigéria
16
Set