Sexta-feira, 25 de Maio, 2018
Fórum

O desconcerto das notícias como desafio ao jornalismo actual

“Fracturámos as notícias. Agora como é que as consertamos?”  -  esta podia ser a tradução, à letra, do título da conferência que Melissa Bell, do site Vox (grupo Vox Media), proferiu no grande evento anual que é a Reuters Memorial Lecture, em Oxford. O sentido é outro, como veremos, mas o essencial é que a jovem jornalista norte-americana fez uma boa síntese das nove fracturas com que os media “escavacaram” o jornalismo, e propõe seis sugestões úteis para recuperar a confiança do público.

A sua intervenção insere-se no contexto deste escrutínio de auto-crítica que tem atravessado os grandes meios de referência, nos Estados Unidos e também na Europa, à luz das surpresas eleitorais recentes. Pode talvez dizer-se que é, também, uma referência discreta de homenagem a outra senhora com o mesmo apelido, Emily Bell, da Columbia Journalism School, que protagonizou a Memorial Lecture de 2014 com uma palestra sob o título  - “Silicon Valley and Journalism: Make up or Break up?” 

Na língua inglesa, quando se diz break up referido a notícias, não significa partir coisa nenhuma, mas sim dar em primeira mão uma notícia muito importante, inesperada, eventualmente chocante. Assim, o título de Melissa Bell brinca com o sentido das palavras para nos fazer avaliar a crise que todos sentimos. 

A sua palestra resume em nove pontos o que aconteceu:

  1. -  Perder a confiança da audiência.  Segundo Melissa Bell, os media têm de pensar muito sobre como “trabalhar num ambiente de suspeita e de cinismo”.
  2. -  Dar pouca atenção às receitas.  A autora vai ao ponto de questionar a divisão entre as equipas publicitária e editorial. “No mínimo, temos de tornar conhecido o nosso modelo de negócio, e importante para todas as nossas equipas.”
  3. -  Recusar o abandono da ideia de sermos editores.  “A lealdade dos leitores não diminuiu, mas o nosso ponto de encontro mudou.” As publicações já não podem controlar  o modo como as audiências as encontram, mas podem controlar a qualidade do seu produto final.
  4. -  Suspirar pelo monopólio das notícias.  “Depois de perdermos o controlo do meio, debatemo-nos para manter a mensagem.” Uma espécie de saudade do tempo em que os media tinham o monopólio do que se dizia ou pensava.
  5. -  Prestar culto à objectividade (ou à ideia dela).  “Juntámo-nos em torno da ideia de termos a verdade, em vez de procurarmos a verdade.” (...) Bell critica o “juízo editorial” que se impõe como “o que nós pensamos que é importante e que você deve conhecer”.
  6. -  Ignorar o impacto emocional das notícias.  Não adianta fazê-lo, quando somos inundados com noticiários que “lançam momentos terríveis nas nossas caras” todos os dias.
  7. -  Competir por recursos diminutos.  E não são apenas as receitas. “Lutamos pelas mesmas notícias, vamos atrás das mesmas tempestades, deixando grandes vazios na cobertura.”
  8. -  Entrar numa corrida pelas audiências.  “Fizémos dos programas noticiosos mais entretenimento do que informação.” (...)
  9. Lutar a respeito da ética do jornalismo.  De cada vez que aparece qualquer novidade, seja o BuzzFeed ou os blogs, a indústria embrulha-se em debates sobre o que é ou deixa de ser autêntico jornalismo.

 

Agora as seis sugestões de Melissa Bell:

 

  1. Ser interessante.  As notícias não são um dever cívico obrigatório para as pessoas, “o nosso trabalho é torná-las apelativas e interessantes, algo que as pessoas desejem consumir.”
  2. Conhecer-se a si mesmo.  “Compreenda a missão da sua empresa, e deixe que guie a sua estratégia em todas as plataformas.”
  3. -  Encorajar a experimentação.  Do mesmo modo, reconhecer quando alguma coisa falha, descobrir porquê e seguir em frente.
  4. -  Encorajar interacção com a audiência.  “Como podemos encorajar as audiências a procurarem o conhecimento? Ninguém gosta que lhe digam o que deve pensar.”
  5. -  Admitir a proposta/promoção em vez da objectividade. Melissa Bell diz que, em vez de procurarmos ser objectivos, devíamos procurar ser advocates, no seu texto original. “Proponentes, ou defensores das audiências, dos seus interesses e necessidades. Por informação e factos dignos de confiança. Por publicidade não agressiva. E pelas pessoas que querem e precisam de compreender o mundo à sua volta.”
  6. -  Manter a decência.  “Temos de conquistar cuidadosamente, todos os dias, o respeito da nossa audiência”, no mundo digital, “onde o bullying é frequentemente recompensado”, diz Melissa Bell.

 

A palestra foi seguida de um painel-debate com Marty Baron (The Washington Post), Tom Standage (The Economist) e Ritu Kapur (Quintillion Media), moderado por Alan Rusbridger.

 

Mais informação no ReutersInstitute

Connosco
Os jornalistas têm o dever de resistir à manipulação Ver galeria

A opinião pública é hoje atingida pelo “maior caudal informativo da História”, mas esta informação chega aos cidadãos “cheia de verdades e mentiras, de realidade e ficção, de razões e emoções, muitas vezes parcial e sem contexto”. Um relativismo crescente provoca “que se confunda o verosímil com o verdadeiro, sem qualquer verificação”; e “dilui as fronteiras entre a verdade e a mentira, reduzindo a zero o valor moral da primeira e a recusa da segunda”.

Por estes motivos, “o jornalismo do futuro, sem o qual não podemos imaginar uma sociedade aberta com cidadãos livres, enfrenta agora o desafio de restaurar o valor e o mérito da verdade”. É esta a reflexão estruturante de um trabalho do jornalista Fernando González Urbaneja, na 35ª edição da revista Cuadernos de Periodistas, da Asociación de la Prensa de Madrid, com a qual mantemos um acordo de parceria.

Mário Centeno: “Há sempre alternativas”, mas “os riscos estão sempre presentes” Ver galeria

O exercício de cargos de governo “é uma missão de serviço público” e, portanto, de “representação de escolhas colectivas”, as quais devem ser feitas entre opções bem clarificadas perante a sociedade. Porque “há sempre alternativas”. Mas é também verdade que a alternativa pode significar opções de “regresso a algo por que Portugal já passou”, sabendo que “os riscos estão sempre presentes”. Foi esta a linha de discurso de Mário Centeno, Ministro das Finanças, orador convidado no jantar-debate promovido pelo Clube Português de Imprensa, em parceria com o Centro Nacional de Cultura e o Grémio Literário, sob o tema que tem presidido a esta série - “O estado do Estado: Estado, Sociedade, Opções”.

O Clube


Este
site do Clube Português de Imprensa nasceu  em Novembro de 2015. Poderia ter sido lançado, como outros congéneres, apenas com o objectivo de ser um espaço informativo sobre as actividades prosseguidas pelo Clube e uma memória permanente do seu histórico  de quase meio século . Mas foi mais ambicioso.

Nestes dois anos decorridos quisemos ser, também, um espaço de reflexão sobre as questões mais prementes que se colocam hoje aos jornalistas e às empresas jornalísticas, perante a mudança de paradigma, com efeitos dramáticos em não poucos casos.

Os trabalhos inseridos e arquivados neste site constituem já um acervo invulgar , até pela estranha desatenção com que os media generalistas  seguem o fenómeno, que está a afectá-los gravemente e do qual  serão, afinal, as primeiras vítimas.

ver mais >
Opinião
Em meados do séc. XVIII, os parisienses que quisessem manter-se “au courant” àcerca do andamento da Guerra dos Sete Anos (iniciada em 1756) não tinham muitas escolhas. Se fizessem parte, dentre os 600 mil habitantes da capital francesa, da minoria que sabia ler – menos de metade dos homens e uma quarta parte das mulheres – e também estivessem entre os poucos privilegiados que podiam dar-se ao luxo de comprar um jornal, tinham três...
Um conselho inútil
Manuel Falcão
Pouca gente terá reparado que o Governo andou a fazer uma luta surda com a RTP até conseguir o que queria - ter uma palavra a dizer na composição do conselho de administração da empresa concessionária do serviço público de Rádio e Televisão. O caso deu-se graças a uma das maiores asneiras do ministro Poiares Maduro, no anterior governo, que foi a criação do Conselho Geral Independente...
Jornalistas assassinados na UE
Francisco Sarsfield Cabral
A 3 de Maio celebra-se o Dia Mundial da Liberdade de Imprensa. A ideia de uma organização, patrocinada pela Unesco, para defender a liberdade de informação partiu de um grupo de jornalistas independentes em 1976.O encontro deste ano, no Ghana, dará especial atenção à independência do sistema judicial e à importância de assegurar que serão legalmente investigados e condenados crimes contra jornalistas. Foi,...
Para Joana Marques Vidal, todo o seu mérito se resume a “ter impresso a uma pesada máquina em movimento um novo funcionamento”, mais “eficaz, mais oleado, mais interdependente entre as várias equipas especializadas, e mais responsabilizado e onde deixa transparecer uma grande proximidade entre a hierarquia e as várias instâncias envolvidas. Joana Marques Vidal nunca recebeu telefonemas de Rui Rio, ao contrário do seu antecessor. Mas...
O Poder do Dever
Luís Queirós
No passado dia 14 de março, Maria Joana Raposo Marques Vidal foi falar ao Grémio Literário no ciclo que ali decorre sob o tema: "O estado do Estado: Estado, Sociedade, Opções", uma iniciativa do Clube de Imprensa, em parceria com o Centro Nacional de Cultura e com o Grémio Literário. Na sua longa  intervenção  falou  do Ministério Público e de Justiça e ajudou os leigos na matéria - como...
Agenda
30
Mai
The GEN Summit 2018
19:00 @ Pátio da Galé, Lisboa
01
Jun
MEDIAMIXX 2018
09:00 @ Thessaloniki, Grécia
04
Jun
Fotojornalismo e Direitos de Autor
09:00 @ Cenjor, Lisboa
05
Jun
Midem
09:00 @ Cannes, França
06
Jun