Quinta-feira, 19 de Outubro, 2017
Fórum

O desconcerto das notícias como desafio ao jornalismo actual

“Fracturámos as notícias. Agora como é que as consertamos?”  -  esta podia ser a tradução, à letra, do título da conferência que Melissa Bell, do site Vox (grupo Vox Media), proferiu no grande evento anual que é a Reuters Memorial Lecture, em Oxford. O sentido é outro, como veremos, mas o essencial é que a jovem jornalista norte-americana fez uma boa síntese das nove fracturas com que os media “escavacaram” o jornalismo, e propõe seis sugestões úteis para recuperar a confiança do público.

A sua intervenção insere-se no contexto deste escrutínio de auto-crítica que tem atravessado os grandes meios de referência, nos Estados Unidos e também na Europa, à luz das surpresas eleitorais recentes. Pode talvez dizer-se que é, também, uma referência discreta de homenagem a outra senhora com o mesmo apelido, Emily Bell, da Columbia Journalism School, que protagonizou a Memorial Lecture de 2014 com uma palestra sob o título  - “Silicon Valley and Journalism: Make up or Break up?” 

Na língua inglesa, quando se diz break up referido a notícias, não significa partir coisa nenhuma, mas sim dar em primeira mão uma notícia muito importante, inesperada, eventualmente chocante. Assim, o título de Melissa Bell brinca com o sentido das palavras para nos fazer avaliar a crise que todos sentimos. 

A sua palestra resume em nove pontos o que aconteceu:

  1. -  Perder a confiança da audiência.  Segundo Melissa Bell, os media têm de pensar muito sobre como “trabalhar num ambiente de suspeita e de cinismo”.
  2. -  Dar pouca atenção às receitas.  A autora vai ao ponto de questionar a divisão entre as equipas publicitária e editorial. “No mínimo, temos de tornar conhecido o nosso modelo de negócio, e importante para todas as nossas equipas.”
  3. -  Recusar o abandono da ideia de sermos editores.  “A lealdade dos leitores não diminuiu, mas o nosso ponto de encontro mudou.” As publicações já não podem controlar  o modo como as audiências as encontram, mas podem controlar a qualidade do seu produto final.
  4. -  Suspirar pelo monopólio das notícias.  “Depois de perdermos o controlo do meio, debatemo-nos para manter a mensagem.” Uma espécie de saudade do tempo em que os media tinham o monopólio do que se dizia ou pensava.
  5. -  Prestar culto à objectividade (ou à ideia dela).  “Juntámo-nos em torno da ideia de termos a verdade, em vez de procurarmos a verdade.” (...) Bell critica o “juízo editorial” que se impõe como “o que nós pensamos que é importante e que você deve conhecer”.
  6. -  Ignorar o impacto emocional das notícias.  Não adianta fazê-lo, quando somos inundados com noticiários que “lançam momentos terríveis nas nossas caras” todos os dias.
  7. -  Competir por recursos diminutos.  E não são apenas as receitas. “Lutamos pelas mesmas notícias, vamos atrás das mesmas tempestades, deixando grandes vazios na cobertura.”
  8. -  Entrar numa corrida pelas audiências.  “Fizémos dos programas noticiosos mais entretenimento do que informação.” (...)
  9. Lutar a respeito da ética do jornalismo.  De cada vez que aparece qualquer novidade, seja o BuzzFeed ou os blogs, a indústria embrulha-se em debates sobre o que é ou deixa de ser autêntico jornalismo.

 

Agora as seis sugestões de Melissa Bell:

 

  1. Ser interessante.  As notícias não são um dever cívico obrigatório para as pessoas, “o nosso trabalho é torná-las apelativas e interessantes, algo que as pessoas desejem consumir.”
  2. Conhecer-se a si mesmo.  “Compreenda a missão da sua empresa, e deixe que guie a sua estratégia em todas as plataformas.”
  3. -  Encorajar a experimentação.  Do mesmo modo, reconhecer quando alguma coisa falha, descobrir porquê e seguir em frente.
  4. -  Encorajar interacção com a audiência.  “Como podemos encorajar as audiências a procurarem o conhecimento? Ninguém gosta que lhe digam o que deve pensar.”
  5. -  Admitir a proposta/promoção em vez da objectividade. Melissa Bell diz que, em vez de procurarmos ser objectivos, devíamos procurar ser advocates, no seu texto original. “Proponentes, ou defensores das audiências, dos seus interesses e necessidades. Por informação e factos dignos de confiança. Por publicidade não agressiva. E pelas pessoas que querem e precisam de compreender o mundo à sua volta.”
  6. -  Manter a decência.  “Temos de conquistar cuidadosamente, todos os dias, o respeito da nossa audiência”, no mundo digital, “onde o bullying é frequentemente recompensado”, diz Melissa Bell.

 

A palestra foi seguida de um painel-debate com Marty Baron (The Washington Post), Tom Standage (The Economist) e Ritu Kapur (Quintillion Media), moderado por Alan Rusbridger.

 

Mais informação no ReutersInstitute

Connosco
“Floriram por Pessanha as rosas bravas, 150 anos depois” - a reportagem vencedora do Prémio de Jornalismo da Lusofonia Ver galeria

Um trabalho sobre Camilo Pessanha, no âmbito das comemorações  dos 150 anos do nascimento do poeta, assinado pela jornalista Sílvia Gonçalves ,  no jornal “Ponto Final” , foi distinguido com o Prémio de Jornalismo da Lusofonia, instituído em parceria pelo Clube Português de Imprensa e pelo Jornal Tribuna de Macau.

Trata-se de uma reportagem com o título “Floriram por Pessanha  as rosas bravas, 150 anos depois”  que o júri, escolheu por unanimidade, realçando “a originalidade da abordagem e a forma como foi construída a narrativa” , reconhecendo que o texto “não se limitou a ser evocativo dos 150 anos de Camilo Pessanha,  contribuindo para o conhecimento do poeta e da sua relação estreita com a lusofonia”.

Isabel Mota abre em Outubro novo ciclo de jantares-debate Ver galeria

O novo ciclo de jantares-debate,  promovido pelo Clube Português de Imprensa, em parceria com o Centro Nacional de Cultura e o  Grémio Literário, vai subordinar-se ao tema genérico “O estado do Estado;  Estado, Sociedade, Opções” e arranca no próximo dia 23 de Outubro, tendo Isabel Mota, presidente da Fundação Calouste Gulbenkian, como oradora convidada.

Isabel Maria de Lucena Vasconcelos Cruz de Almeida Mota, de seu nome completo, nasceu em Lisboa, teve uma educação tradicional, uma adolescência pacata e  passou dois anos em Moçambique,  onde o pai foi colocado em missão.

Licenciou-se em Economia e Finanças, foi assistente no Instituto Superior de Ciências Económicas e Financeiras da Universidade Técnica de Lisboa e  conselheira na Representação Permanente de Portugal junto da União Europeia, em Bruxelas, tendo representado  Portugal em várias organizações multilaterais.

O Clube

O cineasta alemão Wim Wenders foi distinguido com o Prémio Europeu Helena Vaz da Silva para a Divulgação do Património Cultural, pelo seu contributo para a história multicultural da Europa e dos ideais europeus. Ao ser informado da decisão, Wim Wenders declarou que “a Europa é uma utopia em curso, construída, mais do que por qualquer outra coisa, pelo seu legado cultural”. A cerimónia de entrega do Prémio  - instituído em 2013 pelo Centro Nacional de Cultura, em cooperação com a “Europa Nostra” e o Clube Português de Imprensa -  terá lugar em 24 de Outubro de 2017, na Fundação Calouste Gulbenkian.


ver mais >
Opinião
A comunicação social e a Catalunha
Francisco Sarsfield Cabral
A crise da Catalunha foi, em grande parte, feita para a comunicação social. Os independentistas catalães estavam nos últimos anos a perder adeptos. Uma forma de atrair para a causa os moderados seria provocar Madrid a usar a força policial na região e em particular em Barcelona. Correram mundo as imagens televisivas de polícias nacionais a carregar sobre pessoas que queriam votar no simulacro de referendo. O que descredibilizou...
Ao completar 25 anos, a SIC  cresceu, mas não se emancipou nem libertou o seu criador de preocupações. Francisco Pinto Balsemão, com 80 anos feitos, merecia um sossego que não tem, perante a crise que atingiu o Grupo de media que construiu do zero . Balsemão ganhou vários desafios, alguns deles complexos, desde que lançou o Expresso nos idos de 70 do século passado - o seu “navio-almirante”, como gosta de...
Na semana passada aconteceu o que há muito se esperava – um dos maiores grupos de comunicação anunciou que vai encerrar ou vender a maior parte dos seus títulos de imprensa. A braços com um endividamente gigantesco, acaba por reconhecer que as receitas que obtém, quando existem, são insuficientes para inverter a situação criada ao longo de anos. O cenário actual complica tudo: é devastador folhear um jornal...
Peter Barbey, actual proprietário (desde 2015) do The Village Voice, anunciou em 22 de Agosto o fim da edição impressa do semanário nova-iorquino, após 62 anos de publicação, continuando a ser produzida a versão digital. A edição impressa – gratuita desde há 21 anos -  tinha actualmente uma tiragem de 120 mil exemplares, enquanto a versão digital, segundo a comScore (empresa de análise de...
Num livro colectivo acabado de publicar, simultaneamente, em treze línguas e em dezenas de países espalhados pelo mundo inteiro, cuja versão francesa se intitula, significativamente, L’âge de la Régression: Pourquoi nous vivons un tournant historique[1], Appadurai disserta sobre o «sentimento de cansaço» que, na sua opinião domina a esfera pública. Sentimento de cansaço relativamente à forma de fazer...
Agenda
20
Out
20
Out
Facebook para Jornalistas
12:00 @ Cenjor,Lisboa
23
Out
II Congresso Internacional sobre Competências Mediáticas
16:00 @ Brasil, Faculdade de Comunicação – Universidade Federal de Juiz de Fora , Minas Gerais
23
Out
Atelier de Jornalismo Digital
18:30 @ Cenjor,Lisboa