Quarta-feira, 14 de Novembro, 2018
Fórum

Estudos sobre comentários online dos leitores dão que pensar...

Que motivos levam os leitores a fazer comentários a um artigo online? Nem sempre os melhores... e frequentemente aquilo que escrevem ou é superficial, ou ignorante, ou agressivo, ou mesmo insultuoso. Muitos jornais têm posto a questão de saber se vale a pena manter esse espaço aberto, e alguns foram ao ponto de fazer sondagens ao seu próprio universo de visitantes, para avaliar da sua seriedade. O diário Le Monde revisita uma das mais significativas, feita por The Guardian sobre 70 milhões de comentários, produzidos ao longo de 17 anos, e concentra-se na mais recente, elaborada pelo site FiveThirtyEight. Os resultados dão que pensar.

Em Abril de 2016, o diário britânico The Guardian publicou as conclusões de um estudo que mandara fazer aos 70 milhões de comentários enviados pelos leitores e publicados no espaço a seguir aos artigos dos seus jornalistas ou colaboradores. Desse número total, os moderadores do site sentiram-se na necessidade de bloquear cerca de 1,4 milhões, pela sua natureza incompatível com os padrões de educação do jornal. 

O estudo dos textos, cruzados com a identidade dos autores neles visados, é perturbador por aquilo que revela. O site do CPI divulgou, em devido tempo, esse trabalho, que pode ser consultado chamando, na janela “pesquisar...”, o seu título  -  “O lado obscuro dos comentários dos leitores na Imprensa online”. 

O presente artigo do Le Monde refere-se, a seguir, a um outro trabalho da revista norte-americana The Atlantic, que começa por perguntar quantos comentários era preciso ler para perder a fé na Humanidade, e a resposta é: “Muitas vezes, basta um.” O seu diagnóstico chega a ser mais pesado do que o do Guardian: em regra, os comentários tendem a polarizar os leitores, “mesmo quando o artigo é bem equilibrado”. 

Este estudo foi publicado há dois anos, está acessível e relata a experiência de jornais que optaram finalmente por cancelar todo o espaço de comentários dos leitores, concentrando a atenção no que é realmente importante, os próprios artigos, e aumentando até a audiência do site

A experiência do FiveThirtyEight foi orientada no sentido de investigar que motivos levam uma pessoa a “entrar” pela Internet no espaço de comentários deste ou daquele artigo. A redactora de temas científicos, Christie Aschwanden, usou dois caminhos  - uma análise aos comentários recebidos neste site e uma sondagem a um universo de um pouco acima de 8.500 pessoas: “Aquilo que aprendi mudou as ideias que tinha sobre os comentadores e deu-me algumas interessantes perspectivas sobre a mentalidade de enxame.” 

Os motivos mais frequentes são os de “corrigir um erro” – 19%,  “acrescentar qualquer coisa à discussão” – 18%,  e “dar a minha perspectiva pessoal” ou “expor o meu ponto de vista”, cada um destes com 10%. 

Interrogados sobre as circunstâncias em que eram levados a enviar comentários, os leitores inquiridos disseram, em 55% dos casos, que era quando “sabem qualquer coisa sobre o assunto que não constava do artigo”, e em 41% quando “se identificam com o assunto tratado”. 

A jornalista explora depois uma coisa que acontece muito deste território, uma espécie de ricochete [no original effet retour de flamme] em que o leitor, mesmo que receba uma prova de que o seu ponto de vista estava errado, não vai mudar de opinião, mas ficar ainda mais convencido da sua própria razão. 

“Por exemplo: ao ler um título que o interpela, o internauta lembra-se de qualquer coisa que já sabe e mete-a imediatamente na caixa de comentários. O artigo não lhe ‘ensinou’ nada. Oferece-lhe simplesmente a ocasião de falar de qualquer coisa que ele já sabe. Mesmo que não chegue a lê-lo, porque, como nota com uma ponta de azedume Christie Aschwanden, os leitores escrevem frequentemente para desenvolver uma ideia que já estava presente no artigo.” 

Como conclui a autora, mandar comentários pela Internet é um pouco como “fazer parte de um clube de leitura em que ninguém acaba de ler os livros”...

 

Mais informação no trabalho do Le Monde, que contém os links para os outros estudos citados

Connosco
Agravam-se as ameças sobre os jornalistas na Europa Ver galeria

Jornalistas queimados em efígie, insultados e ameaçados, desacreditados pelos dirigentes dos seus próprios países. Processados, assaltados, alvo de ameaças de violação ou de morte, e em vários casos efectivamente assassinados. É este, hoje, o ambiente em que trabalham muitos jornalistas na Europa.

A organização Index on Censorship, com o apoio da Federação Europeia de Jornalistas, reuniu no relatório Mapping Media Freedom mais de três mil episódios de situações deste tipo, registadas desde Maio de 2004. A informação recolhida apresenta os jornalistas e os media onde trabalham como alvos de dirigentes políticos, empresas e mesmo o público em geral  -  mas algumas tendências principais são destacadas e apontadas neste trabalho. O objectivo é fornecer indicações úteis aos legisladores e a quantos desejem continuar a defender o ambiente favorável a uma Imprensa independente e pluralista.

Marçal Grilo abre novo ciclo de jantares-debate em Novembro Ver galeria

O Clube Português de Imprensa, o Centro Nacional de Cultura e o Grémio Literário juntam-se, novamente,para promover um novo ciclo de jantares-debate, desta vez subordinado ao tema “Portugal: que País vai a votos?

Será orador convidado, no próximo dia 22 de Novembro, Eduardo Marçal Grilo, antigo ministro da Educação e administrador da Fundação Gulbenkian, que tem dedicado à problemática do ensino e às causas da cultura e da ciência o essencial da sua actividade de intelectual, de homem político e enquanto docente.

O Clube

Bettany Hughes, inglesa, historiadora, autora e também editora e apresentadora de programas de televisão e de rádio, é a vencedora do Prémio Europeu Helena Vaz da Silva para a Divulgação do Património Cultural 2018.

O Prémio pretende homenagear a personalidade excecional de Hughes, demonstrada repetidamente na sua maneira de comunicar o passado de forma popular e entusiasmante.

A cerimónia de atribuição do prémio terá lugar no dia 15 de novembro 2018 na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa.


ver mais >
Opinião
1.Segundo um estudo da Marktest sobre a utilização que os portugueses fazem das redes sociais 65.9% dos inquiridos referem o Facebook, 16.4% indicam o Instagram, 8.3% oWhatsApp, 4% o Youtube e 5.4% outras redes. O estudo sublinha que esta predominância do Facebook não é transversal a toda a população: “Entre os jovens utilizadores de redes sociais, os resultados de 2018 mostram uma inversão das redes visitadas com mais...
Há cerca de um ano, António Barreto  costumava assinar uma assertiva coluna de opinião no Diário de Noticias, entretanto desaparecida como outras, sem deixar rasto. Numa delas,  reconhecia ser “simplesmente desmoralizante. Ver e ouvir os serviços de notícias das três ou quatro estações de televisão” . E comentava, a propósito,  que  “a vulgaridade é sinal de verdade. A...
Ironias de uma tragédia
Francisco Sarsfield Cabral
O horrível assassinato de um jornalista saudita no consulado do seu país em Istambul tem várias e graves implicações políticas. Embaraça Trump, que logo no início do seu mandato decidiu apoiar a Arábia Saudita, contra o seu ódio de estimação, o Irão. Por outro lado, ninguém acredita que o até aqui todo poderoso príncipe herdeiro saudita, M. bin Salman, seja alheio ao crime. Pelo...
Em meados do séc. XVIII, os parisienses que quisessem manter-se “au courant” àcerca do andamento da Guerra dos Sete Anos (iniciada em 1756) não tinham muitas escolhas. Se fizessem parte, dentre os 600 mil habitantes da capital francesa, da minoria que sabia ler – menos de metade dos homens e uma quarta parte das mulheres – e também estivessem entre os poucos privilegiados que podiam dar-se ao luxo de comprar um jornal, tinham três...
Agenda
14
Nov
News Xchange 2018
09:00 @ Edinburgo, Escócia
14
Nov
10ª Conferência Comunicação e Jornalismo
10:00 @ Universidade Lusófona, Lisboa
17
Nov
Google Analytics para Jornalistas
09:00 @ Cenjor,Lisboa
19
Nov