Sexta-feira, 22 de Fevereiro, 2019
Colectânea

O efeito da revolução digital sobre a arquitectura das redacções

A transformação, no jornalismo, é tão rápida que até os novos termos ficam desactualizados sem que demos conta disso. Pior ainda, sem que os tenhamos sequer assimilado correctamente. É o caso da “convergência redaccional”, ou integração dos vários elementos da redacção no seu espaço reajustado. Esta reflexão é desenvolvida por Félix Bahón, jornalista, docente e investigador do Instituto para la Innovación Periodística, e foi publicada no nº 22 de Cuadernos de Periodistas, da Asociación de la Prensa de Madrid, com a qual mantemos um acordo de parceria.

O autor começa pelo princípio do milénio, que ainda não tem muitos anos, mas que impôs aos jornais a noção de que tinham de integrar no mesmo espaço as edições em papel e Internet.

A imagem de que se serve Félix Bahón para explicar o que sucedeu é a de um acordeão: “O modelo de convergência, que levou muitos títulos a precarizar a qualidade dos seus conteúdos porque era preciso adaptá-los a todas as plataformas, não é compreendido hoje como há dez anos. Também este conceito muda, o que faz com que algumas redacções emblemáticas mostrem as suas salas como acordeões que se encolhem e esticam.” 

O modelo de redacção em que todos os jornalistas fazem de tudo, já não serve. Mas, como explica o autor, “desta mentalidade transversal passámos a uma lógica horizontal: cada plataforma tem de manter a sua identidade própria”.

E Félix Bahón exemplifica com o plano da mais recente reestruturação feita no El País (a que pertence a imagem incluída), “em que se pode ver como os distintos núcleos (digital, impresso, audiovisual), se diferenciam claramente, embora mantenham todos a sua órbita em torno da mesa central, a que coordena a geração de contéudos para uns e outros, de acordo com as plataformas por que são distribuídos”. 

“O desafio profissional desta integração horizontal assenta em conhecer como funcionam as plataformas emergentes, detectar quais as redes mais populares, chegar lá e interagir. Quanto aos conteúdos, saber como transportar uma notícia jornalística para esas redes. Conhecer os elementos próprios de cada uma: como titular a publicação, se leva vídeo, foto, ou que formato é mais adequado para que o utente possa receber todos os dados. E além disso é preciso pensar no horário de publicação e ajustar a ele o registo narrativo.” 

A sequência do texto mantém este tom e revela um “caderno de encargos” muito mais intenso e frenético do que aqueles a que estavam habituados os chefes de redacção dos jornais impressos de há duas décadas. 

E Félix Bahón conclui deste modo:

“Mesmo o nome [o título do órgão de comunicação] acabará por ser residual, se esta tendência do mercado se impuser. Poucos títulos sairão todos os días. Parece que o impresso vai ser relegado para o fim-de-semana, quando se tem mais tempo para uma leitura repousada. E vão aparecer muitos suplementos e edições especiais que possam dar suporte à publicidade, que continua a ser a grande geradora de receitas.”

 

O texto original, na íntegra, em Cuadernos de Periodistas; foto de Matthew Simantov

Connosco
Eslováquia recorda jornalista morto há um ano Ver galeria
“Esperamos respostas tão breve quanto possível, porque ainda há muitas questões”  - afirmou.
Prémios do World Press Photo 2019 já têm candidatos escolhidos... Ver galeria

Um fotojornalista português, Mário Cruz, da Agência Lusa, figura entre os nomeados para o World Press Photo 2019, o mais prestigiado prémio de fotojornalismo do mundo, cuja identidade e trabalhos a concurso foram agora conhecidos. A Fundação organizadora introduziu também uma nova categoria a ser premiada, a História do Ano, destinada a “fotógrafos cuja criatividade e habilidades visuais produziram uma história com excelente edição e sequenciamento, que captura ou representa um evento ou assunto de grande importância jornalística”.

A imagem de Mário Cruz, intitulada “Viver entre o que foi deixado para trás”, mostra uma criança recolhendo material reciclável, deitada num colchão cercado por lixo, enquanto flutua no rio Pasig, em Manila, nas Filipinas.

Os vencedores do concurso serão conhecidos na cerimónia marcada para 11 de Abril, em Amesterdão, na Holanda.

O Clube


Lançado em Novembro de 2015, este site tem vindo a conquistar uma audiência crescente, traduzida no número de visitantes e de sessões e do tempo médio despendido. É reconfortante e  encorajador, para um projecto concebido para ser um espaço de informação e de reflexão sobre os problemas que se colocam, de uma forma cada vez mais aguda, ao jornalismo e aos  media.

Observa-se , aliás, ressalvadas as excepções , que a problemática dos media , desde a precariedade  dos seus quadros às incertezas do futuro -  quer no plano tecnológico  quer no editorial - , raramente  constitui  tema de debate  nas páginas dos jornais, e menos ainda nas  suas versões  online ou nos audiovisuais. É um assunto quase tabú.


ver mais >
Opinião
Adoro imprensa…
Manuel Falcão
Sou um apaixonado leitor de imprensa, quer de jornais quer de revistas, e gosto de seguir o que se publica. A edição mais recente da revista Time tem por título de capa "The Art Of Optimism" e apresenta 34 pessoas que são relevantes e inspiracionais, na sociedade norte-americana, mostrando o que estão a fazer. A edição é cuidada e permite-nos ter de forma sintética um retrato daquilo que tantas vezes passa despercebido. O...
Os actuais detentores da Global Media, proprietária do Diário de Noticias e do Jornal de Noticias, além da TSF e de outros títulos, parecem estar a especializar-se como uma espécie  de “comissão  liquidatária” da empresa. Depois de alienarem  o edifício-sede histórico do Diário de Noticias , construído de raiz para albergar aquele jornal centenário,  segundo um projecto de Pardal...
Zé Manel, o talento e a sensualidade
António Gomes de Almeida
Geralmente considerado um dos mais talentosos ilustradores portugueses, a sua arte manifestou-se sob várias facetas, desde as Capas e as Ilustrações de Livros à Banda Desenhada, aos Cartazes, ao Cartoon, à Caricatura e, até, ao Vitral. E será, provavelmente, essa dispersão por tantos meios de expressão da sua Arte que fez com que demorasse algum tempo, antes de ser tão conhecido do grande público, e de ter a...
Jornalismo a meia-haste
Graça Franco
Atropelados pela ditadura do entretenimento, podemos enquanto “informadores” desde já colocar a bandeira a meia-haste. O jornalismo não está a morrer. Está a cometer suicídio em direto. Temi que algum jornalista se oferecesse para partilhar a cadeia com Armando Vara, só para ver como este se sentia “já lá dentro”. A porta ia-se fechando, em câmara lenta, e o enxame de microfones não largava a presa. O...
Há, na ideia de uma comunicação social estatizada ou ajudada pelo governo, uma contradição incontornável: como pode a imprensa depender da entidade que mais se queixa da imprensa? Uma parte da comunicação social portuguesa – televisão, rádio, imprensa escrita — é deficitária, está endividada e admite “problemas de tesouraria”. Mas acima desse, há outro problema, mais grave:...
Agenda
26
Fev
Digital Summit Seattle
09:00 @ Seattle, EUA
02
Mar
LinkedIn para Jornalistas
09:00 @ Cenjor, Lisboa
04
Mar
Simpósio de Radiodifusão Digital da ABU
09:00 @ Kuala Lumpur, Malásia